gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
Perfil de um estudante de Engenharia Informática
Contribuído por scorpio em 17-07-05 12:55
do departamento quickies
News Marco Pedro escreve "Como acham que deve ser o perfil de um estudante de Engenharia Informática? O que se faz mal nas Escolas? O que é que um aluno devia fazer e não faz? O que é que os patrões dizem dos empregados? Gostava de saber a vossa opinião. "

Programação é Arte? | Custos ADSL em .pt  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • Mais acerca News
  • Também por scorpio
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    humm...perfil (Pontos:1)
    por radaway em 17-07-05 14:35 GMT (#2)
    (Utilizador Info) http://radaway.no-ip.com
    Para mim é fundamental aprender a programar antes de decidir vir para informática, vão passar o curso quase todo a fazer isso, mais horas do que gostariam, têm de experimentar primeiro para se não gostarem poderem escolher outro *antes*.

    Acho que uma inteligência abstracta acima da média também ajuda, vejo muita gente boa ter dificuldade em coisas simples porque certas coisas não percebo bem porquê não lhes entram na cabeça, mesmo sendo elas muito boas numa data de outras.

    Curiosamente gostar de psicologia e/ou de desconstruir os raciocinios das pessoas costuma também fazer parte do feitio dos futuros engenheiros informáticos, conheço imensos que mudaram a meio do curso para psicologia. De facto muitas vezes o que nós fazemos é descontruir até ao mais básico do básico os raciocinios que nós próprios fazemos que é a única maneira do computador idiota os compreender.

    O Windows tem um problema de design, é como umas calças com a breguilha na parte de trás, por muitos cintos que metam nunca ficam seguras. - radaway
    Medo dos maus (Pontos:1)
    por Flatline em 17-07-05 14:45 GMT (#3)
    (Utilizador Info)
    O tipico estudante de engenharia informatica devia ter um QI igual ou acima do da maionese :\ porque sinceramente nao conheco muitos com tais especificacoes... Talvez lhes falte algum upgrade. So posso falar do IST mas sinceramente acho que muitos se enganaram no curso. Nao e so porque ate gostam de jogar computador e ate sabem mexer no video (agora leitor de dvds :p) que se safam como EIs.


    ...---... / -- .- - .- .-.
    A insanidade e tua amiga, paga-lhe um gelado.
    LCI@IST - Vulgo Insania Ab MMI
    Re:Medo dos maus (Pontos:2)
    por Mindstorm em 17-07-05 22:28 GMT (#13)
    (Utilizador Info) http://www.mndnet.org/
    Indeed.

    Isto está relacionado com o outro artigo colocado sobre se a programação é uma arte. Penso que seja, ou pelo menos requer um talento natural. Muita coisa em informática pode ser estudada e aprendida, mas para algumas é preciso ter jeito. E é aí que está o verdadeiro problema.

    Não conheco muita gente quer tenha ido para a faculdade de belas artes sem um mínimo de talento, mas em informática cai tudo o que gosta de "jogar computador", com os resultados que todos vemos.

    Mindstorm
    Re:Medo dos maus (Pontos:1)
    por Coronel em 21-07-05 0:55 GMT (#31)
    (Utilizador Info)
    Não conheco muita gente quer tenha ido para a faculdade de belas artes sem um mínimo de talento, mas em informática cai tudo o que gosta de "jogar computador", com os resultados que todos vemos.

    Acho que a Informática acaba por ser o curso para onde vão os que não sabem o que fazer/escolher.

    Isto talvez se deva à massificação da Informática na óptica do utilizador que talvez crie um pensamento ou uma ilusão sobre o que é, realmente, a informática. "Não tenho orientação, não gosto de nada, hey vou para informática porque tou sempre batido no msn."

    Re:Medo dos maus (Pontos:1)
    por daem0n1x em 18-07-05 18:17 GMT (#24)
    (Utilizador Info)
    Alguns até não sabem escrever muito bem, não usam acentos e têm uma construção de frases um pouco bizarra.
    Ou então sabem e estão-se a cagar, que é o mesmo que dizer que se estão a cagar para quem lê o que eles escrevem.
    Re:Medo dos maus (Pontos:1)
    por netcrash em 18-07-05 23:44 GMT (#26)
    (Utilizador Info)
    Demasiado uso do IRC e do messenger !

    Firefox

    Re:Medo dos maus (Pontos:1)
    por netcrash em 18-07-05 23:52 GMT (#27)
    (Utilizador Info)
    "... --- ... / -- .- - .- .-. A insanidade e tua amiga, paga-lhe um gelado."

    A insanidade e as minhas amigas não aceitam que eu lhes pague gelados.

    s/A insanidade e tua/A insanidade e a tua/g
    ou
    s/A insanidade e tua/A insanidade é tua/g

    Firefox

    Re:Medo dos maus (Pontos:1)
    por Flatline em 18-07-05 23:55 GMT (#28)
    (Utilizador Info)
    Deves ser o mau. Da-me mais um bit pro meu ascii que eu tambem escrevo com ceninhas em cima dos es. :p


    ...---... / -- .- - .- .-.
    A insanidade e tua amiga, paga-lhe um gelado.
    LCI@IST - Vulgo Insania Ab MMI
    O Verdadeiro!!! (Pontos:1)
    por BackDoors em 17-07-05 15:01 GMT (#4)
    (Utilizador Info)

    O perfil de um aluno de engenharia informática tem que ser de uma pessoa que adore o conhecimento pois vai ter que aprender os vários ramos da informática desde economia ao amortecedor de um carro.

    Programar.... é a sua droga

    Algoritmos... o sua hobbie

    Debuging..... a sua religião

    Alcool....... o seu refugiu (lol)

    &nblkspc

    Ao sairmos do curso podemos ir para qualquer area da tecnologia logo temos que ir preparados para "tudo".


    opinião de um estudante de informática (Pontos:1)
    por gits em 17-07-05 15:07 GMT (#5)
    (Utilizador Info)
    Sou um estudante que vai agora para o 4º ano de engª de computadores em Aveiro. A minha opinião:

    Como acham que deve ser o perfil de um estudante de Engenharia Informática?

    Como em qualquer área, penso que deve ter vontade de trabalhar e gosto no que faz. Ajuda ter alguma curiosidade para ir procurar mais um pouco do que aquilo que é apresentado e experimentar com as coisas. A nossa área permite testar facilmente o comportamento dos programas se mudarmos isto ou aquilo... penso que é uma grande vantagem que temos, além da Internet onde podemos encontrar imenso material sobre quase tudo.

    Penso que deve ter muita facilidade em aprender matemática, se a matemática é uma dificuldade então engenharias devem ser a última coisa que vai gostar.

    O que se faz mal nas Escolas?

    The million dollar question :) Há muita coisa mal nas Escolas, naturalmente, e comigo tem sido regra que só me apercebo delas quando já atravessei uma fase em que teria sido relevante saber disso mais cedo. Penso que em vez de tentar antecipar o que está mal na Escola, o melhor é não desanimar quando se é confrontado com uma situação má e, em vez de exigir que a Escola me ensine como deve ser, ser eu a ir procurar as coisas que quero aprender.

    A propósito disto, eu costumava pensar que "ensinar" não existe, ou não acontece. O que existe é "aprender", e o máximo que um professor pode fazer é "mostrar" como se faz. Agora se um aluno aprende ou não, é um esforço que é ele que tem que fazer. Ninguém nos mete as coisas na cabeça, ninguém nos "ensina".

    Não sei bem responder a isto, mas acho que a melhor maneira de tentar ver o que está mal é comparar a Escola com outras, tanto nacionais como estrangeiras.

    O que é que um aluno devia fazer e não faz?

    Em geral os alunos só se debruçam sobre o que lhes aparece à frente ou o que vai sair no exame (e não me excluo da regra...), mas penso que deve explorar um pouco mais os assuntos.

    Principalmente, acho que os alunos contactam muito tarde com o mundo do trabalho. Acho que deviam tentar realizar trabalhos mais cedo (e no MacDonalds não conta... querem ser engºs informáticos, não é?) e ir aprendendo as coisas e ter ao mesmo tempo uma noção do que vão precisar de saber fazer quando forem trabalhar. É muito bom falar com gente que já trabalha e aprender da experiência deles.

    Uma grande desilusão que tive quando cheguei à Universidade foi que vinha a pensar encontrar grandes grupos de estudantes com grandes projectos, tipo fazerem jogos, ou um OS feito por gente do curso, ou até um grupo de hackers... mas não encontrei nada disso. Os grupos que encontrei tinham presidentes e assembleias e mais não sei quê mas não se faz nada... maior parte do pessoal curte é uh praxar, e já agora digo aqui que adorava ver a praxe a acabar e os tais grupos a surgirem. Bem mas não foi assim tão mau... ainda tenho alguns colegas com que se fazem umas coisas e existia e existe um grupo de linux users bem fixe, o GLUA).

    O que é que os patrões dizem dos empregados?

    I have no idea :) Também gostava de ouvir o que tenham a dizer.

    Gostava de saber a vossa opinião.

    Espero que seja útil... gostava de saber qual é a tua situação para poder responder melhor, não sei se acabaste agora o secundário ou se estás a pensar trocar de curso ou whatever.

    Esta é a minha opinião e o post não está de todo completo; este assunto dava uma boa discussão :)

    Check List (Pontos:1)
    por Coronel em 17-07-05 17:09 GMT (#7)
    (Utilizador Info)
    Primeiro acho que o pessoal não deve escolher informática apenas porque gosta de jogos.

    Segundo também não deve escolher inoformática porque sabe enfiar umas placas na board e instalar o windows.

    Recomendo pelo menos um cheirinho de programação (mas algo mais que arrastar botões no VB) antes de escolher o curso. Muita gente tem dificuldade em programação e muita gente não está disposta a fazer o esforço necessário. Perceber que informática no superior é, essencialmente, programação, e que até em cadeiras que não são propriamente de programação podem ter de programar (p.e. Redes - Sockets, Sistemas Operativos - IPC, semáforos). Não é enfiar placas na board, não é formatar discos, não é instalar o sistema operativo com uma interface "Next Next Next".

    Bastante paciência e perseverança dão muito jeito (resolver problemas mais complicados, procurar e corrigir bugs, etc). Estar preparado para fazer alguns sacrificios, levar porrada (cuidado com o Murphy) e perder longas horas com projectos.

    Vontade de aprender e não apenas de "fazer cadeiras" ou "ter o canudo" - mas cada um tem a sua "motivação". Há cadeiras muito chatas que são para despachar mas quando essas cadeiras são quase todas as da área de Informática se calhar algo está mal.

    Perceber minimamente o Inglês.

    Ter alguma abertura de espirito e não ter uma atitude "só quero informática", porque vão aparecer cadeiras de Gestão, Contabilidade, etc, sem ligação à informática mas que podem fornecer conhecimentos úteis.

    Parece-me que o problema geral dos alunos é irem para algo às escuras, sem saberem realmente ao que vão. Além disso muitos vão apenas para irem para a Universidade, não por interesse numa determinada área. Por outro lado após chegarem ao curso parece-me que têm alguma dificuldade em desistir, mesmo depois de verem que não será a melhor área para eles (principalmente aqueles que se vão safando).

    Relativamente às Escolas, há que ter em atenção a capacidade de cada docente (não apenas técnica ou cientifica mas também a pedagogica) que por vezes não é grande coisa. Os professores deviam ter mais atenção para conseguirem perceber quais são os alunos que com mais orientação se poderiam sair melhor, e prestar mais atenção a esses (mas lá está, alguns professores querem é uns trocos extra).

    Talvez as Univs. devessem fazer mais para mostrar o que é a Informática aos possiveis candidatos, antes que estes vão para lá.

    Re:Check List (Pontos:1)
    por v_alex em 17-07-05 19:31 GMT (#8)
    (Utilizador Info)
    Não é enfiar placas na board, não é formatar discos, não é instalar o sistema operativo com uma interface "Next Next Next".

    Isto era exactamente a unica coisa que eu sabia fazer quando entrei para um curso de Engenharia Informatica :)

    Nao concordo quando se diz que e' preciso saber programar antes de entrar para este tipo de cursos. Programacao e' exactemente uma das coisas que se vai aprender desde o inicio. Alias, eu tinha colegas que vinham de cursos de informatica, e "dominavam o C", mas quando viram escrita no quadro a palavra 'apontadores', ficaram de boca aberta a pensar em que que aquilo estava relacionado com C. E so' para rematar esta ideia, o meu colega que eu considero que tinha mais 'arte' a programar (arte, jeito, vicio, sabedoria), vinha de um curso de Artes :)

    Acho que acima de tudo, e como ja foi dito noutros comentarios, e' necessario uma vontade de aprender e interesse pelas coisas.

    Eu entrei para o curso vindo de Cientifico-Natural, e 'dominava' formatar o disco e instalar o windows :-D Hoje, uso 100% linux no trabalho e 70% em casa. E nao, nao sei compilar o kernel. Gosto de usar o 'Next' do Mandrake :)

    Em resumo, acho que em qualquer curso universitario, a componente mais importante e' a vontade de aprender e superar as varias etapas. Quem anda so' atras do canudo, acaba por nao ter motivacao, logo as coisas custam mais.

    Re:Check List (Pontos:1)
    por Coronel em 17-07-05 21:39 GMT (#10)
    (Utilizador Info)
    Não estava a dizer que saber enfiar placas é uma coisa má, não é, e dá jeito conhecer hardware para poupar dinheiro em montagens de PC :) e trocas de hardware. O que acontece é que certas pessoas pensam que é isso que vão encontrar na Universidade, e pensam que andar a enfiar placas e que saber de côr as caracteristicas duma board qualquer tem grande valor para o curso de "Informática".

    Alias, eu tinha colegas que vinham de cursos de informatica, e "dominavam o C", mas quando viram escrita no quadro a palavra 'apontadores', ficaram de boca aberta a pensar em que que aquilo estava relacionado com C.

    Há quem vá para o Tecnológico para passar as aulas a jogar. Esses exemplos são mais comuns do que se possa pensar. Tive um colega na Univ. que era do tecnológico. Numa aula o professor estava a apresentar a forma de receber dados pela linha de comandos no Java e perguntou à turma se alguém sabia C já que aquilo era semelhante. Esse moço apressou-se a dizer que sim mas depois não sabia o que eram o argc/argv.

    Não me estava a referir a começar a programar em aulas de um curso tecnológico (obrigação, para muitos) mas sim programar por gosto, de forma autodidáctica, porque quem o fizer provavelmente vai continuar a fazer o mesmo quando estiver em aulas e vai tirar daí vantagem. Além disso vai estar um pouco mais enquadrado com aquilo que vai encontrar e acho que isso é importante para evitar "chatisses" e alguma desorientação - isto porque ao procurarem informação para aprenderem a programar vão provavelmente dar com sites de cadeiras e vão perceber que na Universidade a carga de programação é muito alta. Se por acaso ao experimentarem não gostarem nada daquilo, podem pensar duas vezes e ir para outro curso.

    Re:Check List (Pontos:2)
    por blacksheep em 17-07-05 21:47 GMT (#11)
    (Utilizador Info) http://rpmcruz.planetaclix.pt/
    Nao concordo quando se diz que e' preciso saber programar antes de entrar para este tipo de cursos.

    Não percebeste o ponto do Coronel e de outros que comentaram sobre o mesmo. O importante não é aprender a programar para conhecimento, mas para saberes que é mesmo este curso universitário que queres. É nesse sentido que é importante já se ter experimentado alguma linguagem de programação.

    Os teus colegas que "dominavam o C" terão ficado admirados com a palavra "apontadores" ou pelo conceito? Eu aprendi C++ muito antes de entrar na universidade, a partir de livros de inglês, e lembro-me que fiquei admirado com várias palavras, a maior delas foi "vector" para "array". Para "apontadores" sempre pensei que a tradução portuguesa fosse "ponteiros" pelo que também me admirou. Apontadores é algo muito básico em C, pelo que acho muito estranho. Apontadores de funções (functors) é algo pouco usual e que já não me espantava se não soubessem o que era.

    Religion, the only confort left in a world splited by religion. (The Daily Show)
    Re:Check List (Pontos:1)
    por v_alex em 18-07-05 5:43 GMT (#16)
    (Utilizador Info)
    Foi mesmo pelo conceito, e foi os "apontadores" basicos :) (confesso que ja nao me lembro se a palavra usada foi ponteiros ou apontadores. Mas deve ter sido a segunda, pk e' a que me veio mais depressa 'a ideia.)

    Eu realmente nao tinha percebido bem o comentario :)

    Quando alguem aprendeu a programar por vontade propria, demontra que essa pessoa e' alguem com motivacao/interesse pela coisa, o que para mim sao dos componentes principais para o sucesso num curso superior.

    Re:Check List (Pontos:2)
    por racme em 22-07-05 7:18 GMT (#34)
    (Utilizador Info) http://tinyurl.com/2zvku
    Apontadores é algo muito básico em C,

    ai comeca a abstraçao, logo sao a base de tudo



    vira-se o supositorio pro pepino.. hoje tou de greve vai tu
    O perfil. (Pontos:2, Interessante)
    por Pensador em 17-07-05 20:34 GMT (#9)
    (Utilizador Info)
    O perfil do classico estudante de informática é um pixote..

    Ando no IST e já reparei que 90% da malta que leva a coisa mais a sério são gajos que a sua vida social é tratada com o teclado.

    De resto tb há aquela malta que anda lá nao se sabe bem porque e as disciplinas que se safam melhor são as matematicas, mas esses mais dia menos dia saltam para outro curso..

    Em meu ver acho que os melhores informáticos (na faculdade) são as pessoas totalmente equilibradas que podem nao ter grandes notas até mas que ao mesmo tempo conseguem levar uma vida totalmente normal!
    Re:O perfil. (Pontos:1)
    por Th0rin em 18-07-05 11:35 GMT (#23)
    (Utilizador Info)
    Pessoas equilibradas que levam uma vida perfeitamente normal? da LEIC? Não serão as raparigas da LEIC? Ou os rapazinhos de quimica? :)
    Is this desire?
    Pena é... (Pontos:1)
    por quantum em 17-07-05 22:12 GMT (#12)
    (Utilizador Info)
    ...que 90% dos engenheiros deste país ambicionem exercer cargos de gestão/sales.
    Re:Pena é... (Pontos:2)
    por jneves em 18-07-05 9:24 GMT (#19)
    (Utilizador Info) http://silvaneves.org/
    Faz parte do tempo de vida do engenheiro. O normal é, em 10/15 anos, estar num cargo de gestão. E isso é independente do país. Como é o detalhe que, em média, um engenheiro passa metade do seu tempo a falar com pessoas (pedidos de informação, debates, brainstorming, etc). Pena que pouca gente tenha noção disso.
    Re:Pena é... (Pontos:1)
    por quantum em 18-07-05 11:21 GMT (#22)
    (Utilizador Info)
    Ainda alguém me há-de explicar como é que um cargo de gestão pode ser uma "evolução" para um engenheiro...

    E lamento, mas não é igual em todos os países. Simplesmente por cá menospreza-se a função técnica e é vista mesmo como uma função "menor". O sonho de 90% dos engenheiros que conheço é fazer um MBA e passar a gestor. Que diabo! Para isso porque é que não estudaram logo para gestão desde início? E não me venham com a história que as bases de engenharia são importantes porque não absolutamente irrelevantes.
    Trata-se de uma questão de mentalidade. É prestigiante ser director comercial e ser tratado por "Sr. Engenheiro".

    Se o problema fosse só em Informatica ....... (Pontos:1)
    por alphacore em 17-07-05 22:32 GMT (#14)
    (Utilizador Info)
    O problema não são só engenheiros Informaticos "nabos".... eu ando a tirar Electronica e.... no coments.... basta ir a um site de uma Universidade Espanhola para os tristes projectos que os finalistas apresentam em portugal serem ridicularizados..... Mas ao contrario do que aqui foi dito considero que os culpados são os professores, quantos não são engenheiros frustrados que encontram nas universidades o paraiso, o local onde não se exigem resultados ? quantos não entram directamente para professores sem nunca terem conhecido o mundo exterior ? Quando fiz as cadeiras de informatica do meu curso encontrei verdadeiros nabos, que nunca fizeram mais do que simples programas em Pascal ou em Visual Basic, costumava brincar que os finalistas do curso de Informatica da minha escola não sabiam coisas tão importantes como "O que é um pacote UDP"...... mas o mais triste é que não sabiam mesmo e como defesa da sua ignorância diziam..... "Mas sou engenheiro...." Assim..... é como tudo existem muitos tipos de profissionais, mas acredito que muitas vezes os melhores são contratados por empresas e face ao $$$$$$ desistem dos cursos......
    Re:Se o problema fosse só em Informatica ....... (Pontos:1)
    por Kwisatz em 18-07-05 10:29 GMT (#21)
    (Utilizador Info)
    Já agora podias dizer qual era a tua faculdade..., a minha apesar de privada; quem não sabia introduzir uma disquete, foi para o ramo de gestão ... Quanto a projectos em espanha, acho que estás enganado, já vi ou ouvi falar de projectos extremamente ambiciosos e espectaculares num Isel e num IST, etc. O problema da Informática é quando começa a ser "pu*cado" com essa treta de gestão e a necessidade de ter gestão. Eu não sou um pregador para andar a vender ai o meu produto! Acho que uma pessoa devia era saber explicar o que faz o produto e como faz. Se calhar uma melhor informação entre Cliente e Programador ia melhorar bastante a SI, é que existem muitos vigaristas por ai é preciso ter cuidado saber explicar aos clientes as coisas. O que noto é programadores a queimarem a pestana durante horas a fio e meses, para ganharam uns miseros trocos, enquanto os senhores "gestores e pregadores" ganham balurdios, sempre com o cuzinho bem assente na cadeirinha ou no carrinho sem fazer nenhum. Acho que o programador, ou redes, ou base de dados, ou etc. Deve preocupar-se com o que faz e se faz bem e não a pensar no lucro. É por essas e por outras que eu prefiro OSS. Quanto ao pacote UDP, acontece... ai pode ser um problema de cultura.
    Linux sergio 2.6.11-gentoo-r11 #2 SMP Sun Jun 19 00:45:34 WEST 2005 x86_64 Mobile AMD Athlon(tm) 64 Processor 3000+ AuthenticAMD GNU/Linux
    Estuda para passares de verme a minhoca (Pontos:1)
    por @|7 em 18-07-05 1:27 GMT (#15)
    (Utilizador Info)
    O perfil de um estudante de informática:

    Por muito que tentes, nunca irás saber mais que os "outros". O problema do estudante português de informática é que por muito que estude, os professores nunca serão de lhe explicar o essencial e o essencial aprende-se sózinho, testando, lendo muito e criando.

    E isto aprende-se em casa, agarrado ao computador, com resmas de livros na mesa e a net como auxílio. E adivinha, para saberes informática como deve ser, não precisas de tirar um curso, que um dia mais tarde não te serve para nada. E sabes porquê?

    Porque quando acabares o curso, vais directamente para o desemprego ou então para empregado de um super-mercado ou hiper-mercado.

    Deixo uma pergunta aos outros: com tantos engenheiros informáticos no mercado de trabalho, porque razão ainda insistem em ir para informática.

    Em que Pais é que vives ?? (Pontos:1)
    por linooks em 18-07-05 8:35 GMT (#17)
    (Utilizador Info) http://www.ajcm.pt.vu

    "Porque quando acabares o curso, vais directamente para o desemprego ou então para empregado de um super-mercado ou hiper-mercado."

    Curso de Informática !! Desemprego !! O que não falta por ai é propostas de Emprego. Atenção: que a era dos Informáticos ganharem quanto querem já acabou, agora só mesmo dando ao dedinho.

    "..com tantos engenheiros informáticos no mercado de trabalho.."

    E faltam cada vez mais, é um ramo em evolução que devido à sua abrangência necessita vai necessitar de uma grande quantidade de recursos humanos.


    ___________________________________

    (linooks (at) zmail (dot) pt)

    Currículo proposto pelo ACM (Pontos:2)
    por ssn em 18-07-05 10:06 GMT (#20)
    (Utilizador Info)

    http://www.acm.org/education/curricula.html

    "Over the last 40 years ACM curricula recommendations have played an important role in defining what is taught at educational institutions around the world."


    EIs nao tem bolinhas (Pontos:1)
    por Flatline em 19-07-05 0:27 GMT (#29)
    (Utilizador Info)
    Gramo o diagrama das bolinhas.
    Computer Science tem a bolinha maior no de "Post-1990s". :O

    Ha ha ha!!! EI(CE) nao passa de uma intersecção! :p


    ...---... / -- .- - .- .-.
    A insanidade e tua amiga, paga-lhe um gelado.
    LCI@IST - Vulgo Insania Ab MMI
    Algumas ideias... (Pontos:1)
    por sentriun em 18-07-05 21:58 GMT (#25)
    (Utilizador Info)
    Eu acho que os currículos são grandes demais, perde-se muito tempo a aprender tecnologias específicas e toda e mais alguma área do conhecimento. Que tal reduzir as cargas horárias e dar tempo ao pessoal para usar o cérebro em vez de fazer "trabalho de sapateiro" (nada contra os sapateiros!)?

    Primeiros dois ou três anos com os habituais conceitos gerais e fundamentais:
    - Programar, programar, programar. Mas de preferência bem, analisando melhores e piores formas de fazer código (código bonito, feio, arte?). Ver paradigmas da programação (funcional,OO, whatever). De preferência vendo soluções para vários problemas simples em várias linguagens. Nada como desmistificar as linguagens de início. Arquitecturas de software, padrões de desenho.
    - Algoritmos, algoritmos, algoritmos. Corman, Knuth,... Boa oportunidade de usar o cérebro sugerindo aos alunos que pensem em algoritmos para problemas antes de os ensinar. Boa oportunidade para implementar código útil (bibliotecas para projectos futuros?).
    - Alguns projectos bem pensados (ao contrário dos 3/4 projectos semestrais inúteis e com funcionalidades repetidas que pouco ensinam a não ser a famosa arte do desenrascanso).

    Depois, eventualmente tecnologias mais específicas (IA, computação gráfica,...). Talvez um projecto ou dois maiores para ensinar a escolher tecnologia, a pensar e desenhar soluções do princípio ao fim que lidem com complexidade razoável.

    Sou adepto do trabalho contínuo, com uns problemas para pensar em casa semanais ou de duas em duas semanas (problema para pensar: resolve-se em 5 linhas mas precisa de 1 semana de tempo de processamento cerebral).

    Sou um defensor do "aprender a pensar" na faculdade e no trabalho aprende-se as eventuais tecnologias especificas necessárias. Quem gosta de aprender ferramentas específicas de certeza que as aprende facilmente depois de saber conceitos... e há sempre os cursos profissionais.
    Re:Algumas ideias... (Pontos:1)
    por Coronel em 21-07-05 0:58 GMT (#32)
    (Utilizador Info)
    Quem gosta de aprender ferramentas específicas de certeza que as aprende facilmente depois de saber conceitos... e há sempre os cursos profissionais.

    O problema é que a sociedade ainda tem uma visão dos "técnicos" como "ralé" e dos "engenheiros" como "srs. doutores". Há bons cursos profissionais que são mal aproveitados por pessoal que poderia tirar muito de lá mas "Univ é que é".

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]