gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
Controlo de acessos a sites de internet numa empresa
Contribuído por jmce em 30-03-05 16:42
do departamento grepcracia
Big Brother is watching you tyFUZZ escreve "Olá! Gostaria de perguntar aqui no Gildot, qual a vossa opinião sobre o controlo de acessos à internet dentro de uma organização. Trabalho numa empresa com cerca de 70 computadores (windows 98 e windows 2000) ligados em rede, onde cerca de 20 podem navegar em páginas de internet (HTTP apenas). Sei que o servidor proxy que gere os acessos à internet é um Linux Mandrake v.9 ou v.10 e que está a correr o Squid v.2.5.STABLE1-20030121. O que se passa é que a pessoa que gere o servidor, por vezes, vai consultar os logs do Squid e, só porque acha que determinados sites não são próprios para os utilizadores consultarem, coloca-os na lista de sites bloqueados."
[tyFUZZ continua:]

Comigo, isso é frequente, pois o gestor do servidor não vai muito com a minha cara e por vezes bloqueia sites onde eu acedo para fazer download de livros electrónicos (e-books) sobre os mais diversos assuntos, onde, na maioria das vezes, coloco os ensinamentos aprendidos nesses e-books ao serviço da empresa.

Já por diversas vezes foi discutido na empresa que os sites de conteúdos de pornografia, cracks, warez, e afins são perigosos na medida em que facilmente permitem a entrada de hijackers, trojans, worms, vírus, spyware e outras ameaças nos computadores que possuem ligação à internet.

Assim, uma das formas de proibir o acesso a determinados sites foi a colocação de regras que proíbam o acesso a sites que contenham no URL as palavras 'sexo', 'pornografia', 'mp3', entre outras (que não são devidamente explicadas aos utilizadores). Na maioria das vezes, a explicação do porquê de me barrarem determinados sites, é simplesmente porque estes podem ser prejudiciais à rede informática , sem no entanto me darem uma justificaçao técnica minimamente plausível.

Eis um exemplo de um site bloqueado, quando se efectuou uma busca pelos termos vestuário unisexo no Google:

O bloqueio de sites que contenham determinados termos no URL é um método claramente ineficaz, pois os colegas da secção de compras fazem frequentemente buscas no google, e bastará uma busca pelo termo 'vestuário unisexo' para a resposta do google ser bloqueada pelo Squid. Temos também bastantes dificuldades em fazer qualquer tipo de busca no Google sobre a cidade de Essex na Inglaterra...

Por acaso, nem que fosse de propósito, o número de Fevereiro de 2005 da revista Exame Informática publica precisamente um artigo de 'Dossiê' onde alguns dos aspectos ligados à privacidade dos utilizadores, nomeadamente, o facto de os endereços que estão a visitar poderem ou não ser consultados por terceiros, bem como o armazenamento de dados pessoais e/ou o controlo de utilização por parte dos funcionários dos telefones, e-mail e internet da empresas.

No referido artigo, a revista foca o seguinte em relação ao acesso à internet por parte dos funcionários de uma empresa:

"INTERNET - O controlo da utilização da Internet deve ser sujeito a um regulamento interno do conhecimento de todos os utilizadores, que terá de ser notificado junto da Comissão Nacional de Protecção de Dados. Segundo deliberação da CNPD, o controlo efectuado pelo empregador deve privilegiar a globalidade dos acessos, em vez da utilização individual. No caso de se proceder ao controlo individual, a CNPD recomenda que este incida apenas na contabilização do tempo de conexão médio, independentemente dos sites consultados. A contabilização do tempo de acesso diário e a identificação dos sites consultados só deverão efectuar-se para comprovar junto do trabalhador determinado tipo de utilização."

O que gostaria de saber é o que é que os Gildotianos acham sobre o controlo dos acessos aos sites de internet, a possível leitura de e-mails dos utilizadores por parte dos gestores dos servidores, a 'espiolhação' dos sites por onde os funcionários andam na internet, entre outros assuntos ligados à violação da privacidade pessoal.

Como nota final, apenas uma sugestão a todos os que se interessam por este tipo de assuntos: A Netcraft lançou recentemente a sua toolbar, que, depois de instalada, permite verificar qual a origem de determinado URL, companhia que o gere, etc. (por enquanto, apenas no Internet Explorer) Eu sempre fui contra toolbars, mas esta está a levar-me a 100%. Já não a dispenso. Podem fazer download aqui: http://toolbar.netcraft.com. Este site também me tem ajudado um pouco a fazer ver aos meus chefes que as bruxas se estinguiram na idade média (mas que as há, lá isso há!): Network Tools.com

 

[Nota do editor (jmce): o autor do artigo acima fornecia links para a visualização do referido artigo da Exame Informática, apontando para `scans' colocados online. Não tenho a certeza de ter feito a melhor opção, mas apesar do interesse do artigo da E.A. acabei por remover os links para prevenir potenciais problemas de violação de copyright... um risco especialmente para o tyFUZZ. Naturalmente o autor poderá, se o desejar apesar dos riscos, indicar de novo os links num comentário abaixo.]

Oportunidade para divulgar o software livre | França lança televisão digital terrestre gratuita  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • Linux
  • a busca no Google
  • a resposta do proxy Squid
  • Netcraft
  • toolbar
  • http://toolbar.netcraft.com
  • Network Tools.com
  • Mais acerca Big Brother is watching you
  • Também por jmce
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    Separar as coisas (Pontos:2)
    por Ancestor em 30-03-05 19:55 GMT (#1)
    (Utilizador Info) http://www.norteglobal.com
    Eu penso que precisas, antes de mais, clarificar a tua posição. As buscas que precisas de fazer e são bloqueadas são importantes para o desempenho da tua função? A política de segurança da empresa prevê que haja esse bloqueio esporádico após serem identificados incidentes (viroses,spyware,whatever9 que causem dano ao bom funcionamento da empresa? E se a empresa não tivesse internet?

    Outra questão... O administrador faz apenas prevalecer a posição da empresa, ou procura uma "vingança pessoal"? Em caso afirmativo, deverás discutir isso com o teu superior e não num fórum público.

    Por último... Já procuraste falar com quem de facto é responsável, e expuseste a situação e a necessidade que terás de aceder a determinados conteúdos? Ou pura e simplesmente procuras dicas para irritares o administrador?

    Em vários proxys que administro normalmente não faço filtragem por conteúdo ou url. Mas há excepções. Muitas vezes as pessoas esquecem-se que o acesso à internet é um previlégio, não um direito adquirido. Se a utilização de determinada ferramenta (neste caso browsers/acesso http) provocar dano facilmente traduzido em custos à empresa, eu defendo (e faço) o bloqueio de urls que causam esses danos, mas a última palavra é sempre a do responsável da empresa.

    Para os que acham que a internet no local de trabalho é um direito, lembro também que as consequências de eventuais erros causados pelo uso da internet para fins pessoais são facilmente imputáveis ao funcionário. É uma faca de dois gumes.


    Why do you Linux and drive when you can BSD and fly?

    Re:Separar as coisas (Pontos:2)
    por Ancestor em 30-03-05 20:03 GMT (#2)
    (Utilizador Info) http://www.norteglobal.com
    s/previlégio/privilégio :P


    Why do you Linux and drive when you can BSD and fly?
    Legal/Ilegal, Log it ??!! (Pontos:1)
    por linooks em 30-03-05 20:26 GMT (#3)
    (Utilizador Info) http://www.ajcm.pt.vu

    Bem, aqui à uns tempos fiz uma aplicação para um cliente, que basicamente permitia fazer upload dos log do proxy e fazer pesquisas sobre os acessos ao exterior.

    É claro que com esta aplicação a privacidade das pessoas em relação ao que acedem à net já não é a mesma.De facto o objectivo era eliminar o anonimato a nivel dos acessos e identificar e associar o trafego ao utilizadores.

    Pretendia-se ter um minimo de informação caso exista algum problema grave como: consulta de sites de conteudo ilicito (ex: pedofilia), utilização de c. credito furtado, acesso ilegal a uma conta de ebanking, etc.

    Existe aqui um equilibrio que se tem de gerir entre privacidade e segurança que depende muito de como essa informação é gerida e utilizada.


    ___________________________________

    (linooks (at) zmail (dot) pt)

    A versão curta (Pontos:2)
    por Mindstorm em 30-03-05 20:49 GMT (#4)
    (Utilizador Info) http://www.mndnet.org/
    Ao contrário dos emails ou dos logs individuais de acessos web, não me parece que haja qualquer problema com a consulta de logs "globais" e possivel bloqueio de sites. Mas é apenas a minha opinião, e neste caso parece que há mesmo um "ataque" pessoal

    Mindstorm
    Curto e grosso (Pontos:1)
    por lonecoder em 30-03-05 21:54 GMT (#5)
    (Utilizador Info)
    O que gostaria de saber é o que é que os Gildotianos acham sobre o controlo dos acessos aos sites de internet, a possível leitura de e-mails dos utilizadores por parte dos gestores dos servidores, a 'espiolhação' dos sites por onde os funcionários andam na internet, entre outros assuntos ligados à violação da privacidade pessoal.

    Ora bem...
    Julgo que, a partir do momento em que o cidadão se liga contratualmente a uma Empresa para lhe vender o seu trabalho, não tem "privacidade pessoal" no que diz respeito às consultas de sites e mesmo ao seu e-mail, o qual deve ser usado para assuntos que tenham a ver com o seu trabalho. Acho mesmo que isso deve ser deixado claro desde o princípio, e se possível colocado no contrato. IMHO quem quiser usar a net para usos pessoais pode sempre fazê-lo a partir de sua casa. E se não puder, de um ponto de acesso público (web café, etc.). É *inacreditável* a perda de produtividade que se regista nos sectores administrativos das empresas que dão "acesso livre" aos seus funcionários, isto para já não falar dos problemas de segurança... a troca de e-mails com "piadinhas", por exemplo, pode facilmente pôr de rastos uma ligação mal administrada.
    Posto isto, há administradores de rede que são autênticos fascistas... (e há quem diga que são os melhores...) :-)
    Re:Curto e grosso (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 31-03-05 0:40 GMT (#8)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    achas mal e a lei discorda de ti. em vários países.
    -----
    Windows isn't done until Lotus won't run.
    Re:Curto e grosso (Pontos:1)
    por lonecoder em 31-03-05 8:11 GMT (#10)
    (Utilizador Info)
    Hmmm. Ok, então não há internet para ninguém. Apenas podem aceder a partir de um computador por departamento, o mail é todo webmail. Que tal? É contra a lei?
    Re:Curto e grosso (Pontos:2)
    por Karlus em 31-03-05 14:30 GMT (#22)
    (Utilizador Info) http://blog.karlus.net
    Já ouvis-te falar em "uso indevido dos recursos que te poem à disposição para efectuares o teu trabalho" ?
    Passar a vida no MSN, ver as noticias da Bola, trocar emails de anedotas... tudo isto cai naquela definição e se quiserem(com provas) são "justa causa". Não é para isto que te pagam.
    Agora há quem dê flexibilidade e acredite que tem funcionários responsáveis, há outros que não.

    Agora falas de lei... eu gostava de te ver chegar ao teu patrão e dizer que sacas os mp3s que queres e estás as horas que queres no chat pq segundo a lei ele não controla isso nem pode monitorizar. No dia seguinte reparas que o teu posto não tem conectividade exterior.

    Re:Curto e grosso (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 01-04-05 14:17 GMT (#30)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    o q ele falou foi en verificar e analisar o trâfego sobre conteúdo, nomeadamente emails que podem vir a ser pessoais, mesmo dentro da empresa ("ei, preciso de falar c alguém sobre a doença xxx/casamento/etc, vens agora ali à máquina do café?"). há razões pelas quais isso é visto como uma questão e privacidade.
    uma coisa é ver que se passa o dia a mandar mensagens ou a pedir páginas, outra é construir um dossier sobre tudo o q a pessoa vê ou deixa de ver, e ainda outra mais observar as mensagens enviadas.
    quanto à "justa causa", quando encontrares alguém q n perca tempo a fazer alguma coisa q n interesse, avisa-me para o promover a santo. por alguma razão a lei faz referências ao assunto (não que a conheça). "perder tempo"(tm) n implica q n se faça o q se tem a fazer no tempo adequado.
    -----
    Windows isn't done until Lotus won't run.
    Ebooks... (Pontos:0)
    por tonidosimpostos em 30-03-05 22:55 GMT (#6)
    (Utilizador Info)
    A maioria dos ebooks são warez, portanto o teu argumento não é o melhor.
    Em relação ao resto, deve haver uma política explicita sobre as regras de utilização. Se não existe, requisita.
    Para finalizar, se não gostas de ter a privacidade invadida, não usas a internet no trabalho (tens agora a publicidade da ONI) para coisas pessoais, ou de caracter mais duvidoso como sacar bookwarez, ou então cifras a tua ligação. Existem muitas maneiras de implmentar a última sugestao... :)

    O Gildot é um site de notícias, onde se transcreve um conteúdo de uma notícia, quanto muito traduz-se e reporta-se a fonte.
    by 4GR
    Re:Ebooks... (Pontos:2)
    por Ancestor em 30-03-05 23:28 GMT (#7)
    (Utilizador Info) http://www.norteglobal.com

    Existem muitas maneiras de implmentar a última sugestao... :)

    Eu não vou dizer túneis https... Oops já disse :P


    Why do you Linux and drive when you can BSD and fly?
    Re:Ebooks... (Pontos:2)
    por Lowgitek em 31-03-05 9:24 GMT (#11)
    (Utilizador Info)
    E depois te queixas... Vá que o pessoal comece a ler o gildot...

    Anyway... Ver pirataria no local de trabalho tem um preço, e quem diz warez, diz pornografia e tudo o resto...

    Acho que o ancestor no seu argumento inicial tem toda a razão, acho que o melhor que tens a fazer, se realmente isso prejudica o teu trabalho, é falar com as pessoas responsáveis pela situação e com os teus superiores ou os superiores dele se for realmente necessário.


    Ao Orgulho segue-se a ruína, e a arrogância vem antes da queda (Prov. 16:18)
    bah (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 31-03-05 0:45 GMT (#9)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    pode ser que bloqueiem um fórum de informática que fale em leitores de mp3...
    é estúpido, e preguiçoso. basta verificar os sites mais acedidos ou algo do género. esse tipo de utilização tende a saltar à vista. ou usar uma lista qualquer, tenho a certeza q as há por aí.
    um informático n funciona sem a net (fóruns, google, etc), quanto a outra função, n sei. acho q andar a chatear gente que trabalha é perder tempo. se n trabalham e n cumprem os objectivos já têm com que os chatear.
    -----
    Windows isn't done until Lotus won't run.
    Essex. (Pontos:2)
    por leitao em 31-03-05 9:31 GMT (#12)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/blog/
    Temos também bastantes dificuldades em fazer qualquer tipo de busca no Google sobre a cidade de Essex na Inglaterra...

    Essex nao e' uma cidade, e' um county inteiro. E nao estou a ver quantas pesquisas dessas e' que sao relevantes para o trabalho da empresa.


    I can live with doubt and uncertainty and not knowing. I think it is much more interesting to live not knowing than to have answers that might be wrong.

    Re:Essex. (Pontos:2)
    por mlopes em 31-03-05 10:36 GMT (#14)
    (Utilizador Info) http://seixopaulo.blogspot.com/
    Podem fazer mapas, escrever "travel books", ser uma agência de viagens, etc...

    "The greatest obstacle to discovery is not ignorance -- it is the illusion of knowledge."
    Daniel J. Boorstin

    Re:Essex. (Pontos:2)
    por blacksheep em 31-03-05 10:42 GMT (#15)
    (Utilizador Info) http://rpmcruz.planetaclix.pt/
    Se trabalharem numa empresa de viagens... :D

    Religion, the only confort left in a world splited by religion. (The Daily Show)
    Re:Essex. (Pontos:1)
    por BugMeNot.com em 31-03-05 13:54 GMT (#20)
    (Utilizador Info)
    Um condado, queres tu dizer.
    Re:Essex. (Pontos:2)
    por MacLeod em 31-03-05 16:39 GMT (#23)
    (Utilizador Info)
    Acho que não. Para mim "condado" é um pedaço de terra pertencente a um conde, tal como principado a um príncipe. "County" (embora por vezes seja mal traduzido por "Condado") é uma divisão administrativa (existe pelo menos no UK e nos US), algo entre um distrito e um concelho.
    Re:Essex. (Pontos:1)
    por BugMeNot.com em 31-03-05 17:23 GMT (#24)
    (Utilizador Info)
    Um condado, portanto.
    Re:Essex. (Pontos:2)
    por MacLeod em 31-03-05 21:37 GMT (#28)
    (Utilizador Info)
    A tua insistência oca não merecia resposta, mas procura no dicionário por "condado" e diz-me se tem algo que ver com "county".
    Re:Essex. (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 01-04-05 14:45 GMT (#31)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    região

    :P
    -----
    Windows isn't done until Lotus won't run.
    Re:Essex. (Pontos:2)
    por leitao em 31-03-05 18:21 GMT (#26)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/blog/
    Nao, um "County".


    I can live with doubt and uncertainty and not knowing. I think it is much more interesting to live not knowing than to have answers that might be wrong.

    O problema não estará posto ao contrário? (Pontos:2)
    por fhc em 31-03-05 9:53 GMT (#13)
    (Utilizador Info)

    A quem se dá liberdade, exige-se responsabilidade. Nas minhas empresas o controlo de acessos para fora é zero. É claro que cada um é responsável pelo que vê, e pode vir a ter um processo disciplinar se vier a lume que usou os meios da empresa em causa própria. A isso chama-se peculato.

    Desinteressantemente, talvez seja redundante enfatizar que se as pessoas têm tempo para ver porn e mp3, talvez não devessem estar na empresa, já que obviamente têm demasiado tempo ocioso (se em horário laboral) ou pôem em risco a integridade e o bom nome da empresa (se em horas extra). De qualquer forma, violam o grosso das normas do seu contrato de trabalho e podem ser despedidas.

    Controlo de acessos? Porquê?

    Francisco Colaço


    Quem não faz, ensina; quem não faz nem ensina, faz metodologia. Quem não faz nem ensina nem faz metodologia, faz futurologia.

    Re:O problema não estará posto ao contrário? (Pontos:2)
    por Lowgitek em 31-03-05 13:05 GMT (#18)
    (Utilizador Info)
    E como é que a entidade patronal supervisiona como é que esta a ser utilizado os recursos que põem a disposição dos seus colaboradores? Vai a uma cigana e pede-lhe a bola de cristal?

    Um bom ponto de partida é ter as regras bem definidas, e ai concordo contigo no que diz respeito, controlo de acessos para que? Se estes existem é porque ha uma desconfiança na forma de utilização, e se há essa desconfiança, acho que nada melhor que ambas as partes ponham o jogo na mesa e falem sobre o assunto.

    No entanto, é uma questão sempre dificil de lidar, principalmente quando se trata a fazer o backtrace da informação qnd efectivamente há problemas registados.

    Eu acho que tudo tem o seu limite, tanto de um lado como de outro, mas acho que, no caso em questão, será mais uma questão de mau entendido, do que propriamente um problema.

    Embora não se possa dizer, que se deva criar leis em para casos específicos somente,tb é um grande erro estar a generalizar tudo e mais alguma coisa. Porque tal como toda gente sabe, pelo menos aqueles que trabalham nisto, quando há problemas, a culpa tende ser sempre de ninguem, e calha sempre ao desgraçado que tutela o recurso.

    Eu acho que, num ambiente em que a base de confiança entre quem administra e quem usa efectivamente o recurso não existe, ou é frágil, ou tende a cada vez mais a deseparecer, então acho que o tal controlo de acessos é justificavel. Mas sempre e somente, quando as regras do jogo são bem explicítas e comunicadas diligentemente a quem as deva fazer cumprir.

    Obviamente, que no mundo real, acaba-se por se atropelar tudo e mais alguma coisa, tanto da parte de quem tem o dever de zelar pelo funcionamento das coisas, seja através do abuso de poder, ou ainda pela falta de respeito em geral pela parte de quem usa.

    Também ovbiamente, estes tem o dever de zelar pelo seu material de trabalho, e pelos meios que pre dispõem, mas que na realidade acabam por não o fazer, ou pelo menos não se interessam mínimamente em se inteirar das suas responsabilidades e deveres. Mas como tudo, aqui eu acho, que muitas vezes a culpa acaba deverá recair sobre os dois lados. No entanto, reconheço, que é sempre mais visível as costas de quem tem de administrar e zelar pelo gestão dos recursos, como obviamente, assim não poderia deixar de ser, afinal estão lá tambem para isso.

    Cumps.


    Ao Orgulho segue-se a ruína, e a arrogância vem antes da queda (Prov. 16:18)
    CNPD (Pontos:1)
    por cb em 31-03-05 10:44 GMT (#16)
    (Utilizador Info) http://www.cb.dhs.org
    boas...,

    Acho que os gildoteanos não perdem nada em dar uma vista de olhos neste e-papelinho. É que nem sempre a "lei" pensa como o comum mortal.
    Sou totalmente a favor! (Pontos:2)
    por mlopes em 31-03-05 10:49 GMT (#17)
    (Utilizador Info) http://seixopaulo.blogspot.com/
    Não só da disponibilização exclusiva de recursos necesários à empresa no que toca a acesso à internet ou qualquer outro serviço como da disponibilização de um frontend no computador que liga aos recursos necessários para uso interno (não há muito tempo muitos dos computadores das empresas que os tinham corriam um software único que arrancava automáticamente e do qual nunca se saía), os offices e clientes de mail podem perfeitamente ser opções no menu do software usado pela empresa, mesmo que chamem aplicações externas.
    Não me intrepretem mal, eu não tenho nada contra o pessoal jogar o seu joguito ou fazer qualquer coisa para de distrair, mas não à custa dos riscos que se corre hoje, é pessoal a encher as máquinas de vírus a instalar tudo o que é merda e tornar os sistemas instáveis. Os computadores de trabalho, salvo algumas excepções , não precisam de ser iguais aos de casa, há que verificar as necessidades do funcionário e disponíbiliza-las (se necessário até disponibilizar algum joguito para destressar, ou meter um PS2 no escritório :D) tudo o resto é desnecessário e só vem trazer problemas.

    "The greatest obstacle to discovery is not ignorance -- it is the illusion of knowledge."
    Daniel J. Boorstin

    Re:Sou totalmente a favor! (Pontos:2)
    por Lowgitek em 31-03-05 13:07 GMT (#19)
    (Utilizador Info)
    Claro concordo absolutamente contigo, alias o bom senso reina sempre.

    (Ou melhor dizendo... deveria reinar sempre)
    Ao Orgulho segue-se a ruína, e a arrogância vem antes da queda (Prov. 16:18)
    Estatuto editorial do Gildot (Pontos:2)
    por ssn em 31-03-05 14:15 GMT (#21)
    (Utilizador Info)
    Lendo as observações finais do "editor" jmce, fiquei curioso sobre as convenções editoriais do Gildot. Estão disponíveis ? O facto de filtrarem o conteúdo da notícia significa que vão controlar todas as ligações para conteúdo "violador" dos direitos de autor ? Finalmente, creio que estabelecer ligações nunca pode ser considerado infracção de direitos de autor. Talvez alguém me possa confirmar isto.
    Re:Estatuto editorial do Gildot (Pontos:2)
    por jmce em 31-03-05 18:01 GMT (#25)
    (Utilizador Info) http://jmce.artenumerica.org/

    Não há "regras" muito detalhadas. Posso apenas dizer as "minhas" habituais:

    • A tirar alguma coisa "silenciosamente" de um artigo submetido, normalmente só material extremamente "marginal" que não altere o conteúdo; por exemplo, há quem termine com "cumprimentos" ou repetindo o nome que já está no início do artigo (como numa assinatura); esse ajuste é só uma adaptação ao estilo de apresentação mais compacto típico do Slashdot e fóruns afins. Claro que fazer isso se torna menos "útil" se o artigo flui para o desenvolvimento, onde a estrutura compacta é menos importante. Já agora, note-se como o Slashdot deve, muito frequentemente, limitar-se a citar *parte* de *uma* das mensagens que recebe sobre um assunto. Não temos no Gildot uma regra "explícita" a dizer "reproduza-se todo o artigo", apesar de a tendência (até pela natural preguiça) seja deixar ficar o original completo. Mas houve casos em que também, claramente, só citei pedaços mais relevantes a la Slashdot. Muito frequentemente, se a notícia é para caber toda na página de entrada, sem desenvolvimento, elimino a divisão em parágrafos e quando muito deixo alguns <br>. Por vezes (muito raramente) também transformo pedaços de texto em links que sejam úteis no contexto (e ajustes para evitar a síndrome do feio "podem ver em: página")
    • Alterações: costumo, sem remorsos, fazer as correcções ortográficas e de pontuação e de HTML que não me escapem. Por vezes dou um jeito adicional na apresentação (citações dentro de blockquote, introdução de certos itálicos, etc.), mais uma vez desde que isso não distorça o conteúdo.
    • Cortes como o deste artigo: se se está publicar essencialmente todo o artigo original mas se retira um bocado relevante, como fiz desta vez, claro que ficaria mal não o indicar.

    Sobre copyright: tem acontecido muito enviarem-nos simples "pasting" de notícias copiadas de outros sítios (jornais, fóruns online, ...). Quando se limitam a fazer isso e não ter pelo menos uma introdução que seja pessoal, isso desmotiva a publicação. Não podemos copiar indiscriminadamente artigos inteiros de outros sítios, a não ser quando há permissão clara para isso.

    Sobre o caso concreto do artigo acima: a minha preocupação neste caso não foi propriamente para uma "violação de copyright" no Gildot: também espero (mas não sou advogado :)) que facultar um link não seja por si uma violação de copyright. A minha preocupação foi para o autor original do artigo: é que, apesar de usar um nickname sem contactos, se alguém o quisesse chatear por violação de copyright (ter cópias não autorizadas online e ainda por cima com "divulgação em massa" aqui) provavelmente poderia acabar por o encontrar sem grandes dificuldades. Daí eu dizer: se ele não achar isso preocupante, pode acrescentar aqui um comentário com os links que excluí.

    Re:Estatuto editorial do Gildot (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 01-04-05 14:56 GMT (#33)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    neste caso, poderia ser considerado um incitamento ou uma contribuição para o infringimento.
    se fosse para um site onde (algures) se pode encontrar a informação, já acho que não é a mesma coisa, mas não sou eu que mando. :)
    -----
    Windows isn't done until Lotus won't run.
    auto-policiamento (Pontos:1)
    por RaTao em 31-03-05 18:54 GMT (#27)
    (Utilizador Info)
    Normalmente proponho um link, na intranet, para uma página com os logs globais do proxy e outra com os logs por utilizador. Normalmente são os logs já "rodados" (i.e. da semana passada ou do mês passado). Tudo acessivel a toda a gente.

    Curiosamente a maior parte dos sites ou rejeita logo à partida este método ou manda por uma password na parte dos logs... Nos poucos sítios onde está a funcionar dá _muito_ resultado. :)


    paz,
    ratao
    Re:auto-policiamento (Pontos:2)
    por Lowgitek em 01-04-05 12:41 GMT (#29)
    (Utilizador Info)
    Isso é uma ideia quiçá interessante...

    Por acaso nunca tinha visto isso por essa perspectiva, sim sr.


    Ao Orgulho segue-se a ruína, e a arrogância vem antes da queda (Prov. 16:18)
    Re:auto-policiamento (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 01-04-05 14:54 GMT (#32)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    manda pôr uma password para o acesso externo, não interno...
    e mesmo assim, se houver conteúdos sensíveis não acessíveis a todos dentro da empresa, deve-se ter o mesmo cuidado.
    entendes agora? :)
    -----
    Windows isn't done until Lotus won't run.
    Re:auto-policiamento (Pontos:1)
    por RaTao em 02-04-05 0:04 GMT (#35)
    (Utilizador Info)
    Obrigado pelo paternalismo :-)

    Para esclarecer:
    - eu disse intranet, não internet;
    - os recursos privados que possam existir devem estar devidamente protegidos. Se não estiverem o problema é mais grave do que uns meros logs (passa para o ramo da incompetência);
    - fiz questão de frisar que eram logs já "rodados" (i.e. com semanas) exactamente para não revelar sessionIDs que possam estar a ser passadas via GET. Se alguém anda a passar as passwords via GET ou parecido (em sites internos ou externos) o problema passa, mais uma vez, para o ramo da incompetência;
    - provavelmente não me expliquei a 100% em relação à rejeição: Muitas vezes esta proposta é rejeitada porque os "chefes" também abusam. Especialmente em instituições grandes é mesmo muito complicado. O departamento de informática simplesmente não quer pisar calos;
    - quando digo que dá muito resultado, dá MESMO muito resultado. Pela experiência que tenho até se torna, passadas umas semanas, uma piada (ver que o João prefere ler o jornal desportivo XPTO em vez de o XYZ, e só perde 10mins por dia com isso). Os utilizadores ficam com a ideia que até podem usar um bocadinho, mas se abusarem toda a gente vai notar... Passa a ser uma "sociedade", em vez de ser a PIDE (eheheheh) a "ameaçar" trabalhadores.

    paz,
    ratao
    Re:auto-policiamento (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 05-04-05 12:52 GMT (#36)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    de nada, só estava a comentar a política por defeito.
    e quanto ao conteúdo estar ou não protegido, bem, hoje em dia qualquer um produz páginas, dependendo da política interna pode ou não haver necessidade de obscuridade, pode a facilidade ter prioridade.
    YMMV
    -----
    Windows isn't done until Lotus won't run.
    Re:auto-policiamento (Pontos:1)
    por lonecoder em 01-04-05 15:59 GMT (#34)
    (Utilizador Info)
    Bem pensado, muito interessante...

    OS LINKS QUE FALTAVAM... (Pontos:2)
    por tyFUZZ em 05-04-05 20:57 GMT (#37)
    (Utilizador Info)
    (Esperei desde o dia 28 de Janeiro para ver este artigo publicado... No dia em que foi publicado, estava de férias, pelo que só agora é que consigo responder e colocar os referidos links...)

    Deixo aqui também links para a visualização do artigo da Exame Informática que referi:

    Página 01 (de 06)
    http://img187.exs.cx/img187/3003/eifev2005pag018003yf.jpg

    Página 02 (de 06)
    http://img196.exs.cx/img196/7509/eifev2005pag028005ra.jpg

    Página 03 (de 06)
    http://img176.exs.cx/img176/4165/eifev2005pag038005vw.jpg

    Página 04 (de 06)
    http://img79.exs.cx/img79/2881/eifev2005pag048005kc.jpg

    Página 05 (de 06) - Destaquei a vermelho a caixa sobre navegação internet nas empresas.
    http://img176.exs.cx/img176/3466/eifev2005pag058002eu.jpg

    Página 06 (de 06)
    http://img175.exs.cx/img175/4180/eifev2005pag068006rp.jpg

    ---
    tyFUZZ

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]