gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
Debate com os partidos políticos sobre a SI, o resultado
Contribuído por vd em 10-02-05 23:02
do departamento do-fedor
Portugal No seguimento da noticia de "Debate com os partidos políticos sobre a SI", fui convidado a aparecer pelo debate, dado que sou sócio da APDSI, pelo que tirei um pouco do meu tempo para descobrir o que os partidos nos querem vender, relativamente às novas tecnologias, sistemas de informação e do conhecimento.

Apesar do atraso habitual da coisa, que começou apenas com 15 minutos de atraso, a sala estava bem composta e muitos eram personalidades com bastante relevo nacional.

Houve uma breve apresentação dos vários partidos e programas que passo a descrever na continuação, bem como uma surpresa com o Bloco de Esquerda, ANSOL e Moredata/Despodata.

Comentários por partidos:
PCP/CDU - Bruno Dias:
"Eles falam, falam, falam, mas não os vejo a fazer nada, é normal que fiquei chateado", foi o mote da intervenção toda. Este Sr. conseguiu falar sem falar de nada... Foi impressionante! Não acrescentou nada ao debate, não apresentou propostas e conseguiu fazer valer o seu esforço no débito de decretos-lei, proposta de lei e artefactos diversos. Conseguiu explicar que afinal não sabe distinguir Software Livre entre Software Aberto. Mas é bom falante, se é que isso serve de alguma coisa....

PP - Carlos Dantas:
Este Sr. apresentou o seu programa de forma tão sucinta que ninguém percebeu ao certo o que apresentou. Não houve ideias nenhumas, não houve nada tangivel.

PS - Mariano Gago:
O "Retorno do Rei", foi o que me fez lembrar. Já conhecia o programa do PS, o seu "choque tecnológico" e da falta de concretizações e conteúdo do mesmo. Querem fazer as coisas que a UMIC e o PSD já realizou, falou da conectividade de escolas, quando existe fibra óptica entre Lisboa,Coimbra,Aveiro,Porto e Braga, falou de tudo menos o que interessava, mas tentou sempre derrubar e criticar o seu companheiro de bancada, do PSD, de forma negativa.

PSD - Diogo Vasconcelos:
Chegou atrasado! Bastante! Senão tivesse tempo, não aparecesse. Não discutiu com o Mariano Gago, elevou-se das criticas, escapou às criticas infundadas do PS, não ligou a mais nenhum partido. A tipica posição "à Mourinho", fala do que sabe e do que não sabe deixa os outros mandar bitaites. Explicou o que fez durante o tempo que esteve à frente da UMIC, rebateu algumas criticas do PS, disse claramente o que queria para o futuro, mas não adiantou muito, dado que está patente no programa da UMIC e do PSD as propostas.

BE - Carlos Patrão:
Reservei este para o fim, pela terrivel surpresa que me causou, bem como a visão que provocou. Desconhecia que um dos mais "movimentadores" membros da ANSOL, Carlos Patrão fosse do Bloco de Esquerda, contudo percebi hoje a razão da colagem da ANSOL ao BE. Foi dificil, tive de sair de sócio, mas percebi. Custou, uff! Este Sr. bateu no software livre, nas patentes, no codigo fonte, enfim naquilo que a ANSOL se debate e aponta o dedo - é natural, é fruta da mesma árvore.

Agora o mais interessante foram as perguntas do público! Ah, se foram!
A primeira veio de um professor e investigador (PS), que indagava o PSD pela falta de governação nessa área. Pergunta à qual ninguém do painel respondeu.

A segunda, essa foi a melhor de todas!!!! Veio do Sr. Sérgio Ferreira, que pertence à Moredata / Despodata, empresa da qual o Sr. Carlos Patrão também pertence, sim, o representante do BE que estava no painel. Portanto uma pergunta claramente "paga" e "acordada". E qual foi o tema ? Software Livre e Software Aberto. Certo! Seria de esperar! O que me deixou perplexo foi o Carlos Patrão do BE, como se nada deste mundo fosse coincidente, respondeu apenas à pergunta do seu colega de empresa, Sérgio Ferreira.

O resultado disto foi negativo a meu ver, principalmente para quem assistiu, ANSOL e Bloco de Esquerda, onde parece-me haver ali algo que não bate bem entre as duas instituições. De todos os partidos, o único que possui algo que possa ser discutido e que tem propostas concretas é o PSD, onde a bem ou a mal as coisas vão-se fazendo.

Comparação da performance com MySQL | Cursos de Spam e Spyware  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • "Debate com os partidos políticos sobre a SI"
  • Mais acerca Portugal
  • Também por vd
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    Editorial político (Pontos:3, Interessante)
    por BugMeNot.com em 10-02-05 23:56 GMT (#1)
    (Utilizador Info)
    O teu relato, tal como está feito, repara, é completamente partidarizado. Acabas por interpretar um papel semelhante ao que criticas no Carlos Patrão.
    Re:Editorial político (Pontos:3, Interessante)
    por MacLeod em 11-02-05 0:14 GMT (#3)
    (Utilizador Info)
    É o problema das pessoas tratarem os partidos políticos ou "cores políticas" como clubes de futebol. Por mais imbecilidades que façam, há sempre gente a inventar razões para os defender.
    Mas afinal o que é que foi mau ? (Pontos:3, Interessante)
    por chbm em 10-02-05 23:59 GMT (#2)
    (Utilizador Info) http://chbm.net/
    Fiquei sem perceber o que é que foi mau, o facto de terem convidado o BE, ter sido discutido OSS e patentes, um dos partidos ter infiltrados na assistência ?
    Ainda pensei que o BE tivesse fugido ao programa do debate mas como não encontrei nenhum (além do titulo) não deve ser isso.

    Tens que ser mais explicito Vitor.
    Quem ler e não te conhecer, ou não tenha ido (Pontos:4, Esclarecedor)
    por Init em 11-02-05 0:17 GMT (#4)
    (Utilizador Info)

    ainda pensa que disseste verdade...

    Vê lá tu que até pelo menos algumas das pessoas da ANSOL desconheciam que o Carlos é do Bloco e que o Carlos não faz parte de nenhum dos orgãos sociais da ANSOL. E vê lá tu que por exemplo eu que trabalho com o Carlos num projecto da ANSOL e desconhecia o facto até ontem ter visto um anuncio ao debate..

    A ANSOL não tem dos estatutos que os seus socios não podem ter filiação partidária, ou que não podem ter determinada filiação partidária. Provávelmente haveram outros socios com outras filiações e/ou preferências politicas. Como não discutimos isso entre nós não sei.

    Quanto às acusações de colagem. Tenho pena que tipos como tu estejam a chamar mentirosos aos outros e não aprensentem provas.

    A ANSOL tratou de facto, todos os partidos de forma igual a todos os partidos. Tivemos reuniões com todos conversamos com todos, nunca deixámos de apoiar qualquer iniciativa de qualquer partido em relação à promoção do Software Livre. À excepção de uma no aniversário do Bloco de Esquerda.

    Desafio-te a provar o contrário, se não retra-te publicamente, porque mentir é feio.

    A ANSOL não tem culpa que alguns tenham decidido fazer alguma coisa por iniciativa exclusiva deles e tenham pedido opinião à ANSOL e os outros ainda não se tenham decidido (o que é pena), mas cá estaremos para apoiar essas iniciativas quando elas surgirem. Se calhar devias empenhar-te mais em arranjar apoio para o Software Livre no teu partido preferido que suponho ser o PSD.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Quem ler e não te conhecer, ou não tenha ido (Pontos:2)
    por leitao em 11-02-05 0:27 GMT (#6)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/blog/
    À excepção de uma no aniversário do Bloco de Esquerda.

    A excepcao confirma a regra...


    I can live with doubt and uncertainty and not knowing. I think it is much more interesting to live not knowing than to have answers that might be wrong.

    Errado! (Pontos:1)
    por voxvirus em 11-02-05 0:42 GMT (#10)
    (Utilizador Info)
    O Português do Init pode não ser o melhor, mas é claro quanto ao facto da excepção ter sido o _não_ apoio à iniciativa do BE.
      O que contradiz redondamente a tua ideia da ANSOL andar colada ao BE.

    ---
    'Tá-se bem!
    Re:Quem ler e não te conhecer, ou não tenha ido (Pontos:2)
    por Init em 11-02-05 0:43 GMT (#11)
    (Utilizador Info)

    O teu dominio da lógica é espantoso...


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Quem ler e não te conhecer, ou não tenha ido (Pontos:2)
    por 4Gr em 11-02-05 1:51 GMT (#14)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/~ei02069/blog
    Certamente que não existiam cadeiras de Lógica na FEUP quando tiraste o curso...

    Paradoxo do ano: Microsoft Works!
    Dominus vobiscum
    Re:Quem ler e não te conhecer, ou não tenha ido (Pontos:2)
    por null em 11-02-05 9:15 GMT (#19)
    (Utilizador Info)
    FEUP? Acho que não andou lá...

    Fuga aos "impostos"?! Não há fuga aos "impostos" em portugal!!

    Re:Quem ler e não te conhecer, ou não tenha ido (Pontos:1, Despropositado)
    por leitao em 11-02-05 10:23 GMT (#25)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/blog/
    Eu nao tenho pais ricos para ter ido para a FEUP.


    I can live with doubt and uncertainty and not knowing. I think it is much more interesting to live not knowing than to have answers that might be wrong.

    Re:Quem ler e não te conhecer, ou não tenha ido (Pontos:2)
    por 4Gr em 11-02-05 10:35 GMT (#28)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/~ei02069/blog
    Se há coisa que não falta na FEUP é disparidade entre pessoas com e sem bens. Ou seja, há uma heterogeneidade, mas julgo toda a gente se dar bem.

    Paradoxo do ano: Microsoft Works!
    Dominus vobiscum
    Re:Quem ler e não te conhecer, ou não tenha ido (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 12-02-05 2:06 GMT (#54)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    pais ricos para ir para uma universidade pública? WTF? a crise tá má, mas essa agora... aliás, até conheço vários "pobres" que vão para privadas.

    há falta de argumentos, viva o ad hominem.
    -----
    Scientologia: o culto religioso mais poderoso e perigoso.
    Re:Quem ler e não te conhecer, ou não tenha ido (Pontos:1)
    por sirpus em 12-02-05 4:49 GMT (#59)
    (Utilizador Info)
    Comentário triste sem dúvida... Embora exista gente com muito dinheiro na feup (basta olhar pro parque dos alunos) também se pode ver muita gente a chegar de autocarro... É normal claro que num universo tão grande de alunos(mais de 5000 só de licenciaturas), e sendo uma faculdade tão concorrida, principalmente nas engenharias "mais tradicionais", acabe por haver lá gente rica... da mesma forma que há gente com menos recursos, e não é por acaso que vês tanta gente chegar a pé/transportes públicos. E ao fim ao cabo, é uma universidade pública, com as propinas normais do ensino superior público (e por enquanto ainda inferior ao máximo estabelecido). Admito que estou a puxar a brasa à minha sardinha, e que já deu pra ver aqui que a uminho tem larga preferencia dos participantes do gildot, e era bom que não mandassem "postas de pescada" quando não conhecem as realidades... Zé
    Zzzzzzzzzzzzz........(puf)
    Re:Quem ler e não te conhecer, ou não tenha ido (Pontos:2)
    por null em 12-02-05 9:23 GMT (#60)
    (Utilizador Info)
    Não me parece que também tenha andado na UMinho. Se o Gildot nasceu na UMinho, não é natural que sejam os alunos de lá a aparecer com mais frequência?

    Fuga aos "impostos"?! Não há fuga aos "impostos" em portugal!!

    Re:Quem ler e não te conhecer, ou não tenha ido (Pontos:2)
    por leitao em 12-02-05 11:38 GMT (#69)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/blog/
    5 Euros a quem souber onde andei!


    I can live with doubt and uncertainty and not knowing. I think it is much more interesting to live not knowing than to have answers that might be wrong.

    Os meus 5 euros... (Pontos:2)
    por MacLeod em 12-02-05 13:33 GMT (#71)
    (Utilizador Info)
    Instituto Superior de Engenharia do Porto, Instituto Politécnico do Porto.
    Re:Os meus 5 euros... (Pontos:2)
    por null em 12-02-05 16:06 GMT (#72)
    (Utilizador Info)
    Agora tou na dúvida mas penso ter já lido que o Leitão andou num instituto localizado em Gaia.

    Fuga aos "impostos"?! Não há fuga aos "impostos" em portugal!!

    Re:Os meus 5 euros... (Pontos:2)
    por Init em 12-02-05 16:11 GMT (#73)
    (Utilizador Info)

    O que é que isso interessa mesmo?


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Os meus 5 euros... (Pontos:2)
    por null em 12-02-05 16:29 GMT (#74)
    (Utilizador Info)
    Tanto como falarem de política ou fazer sondagens aqui...

    Fuga aos "impostos"?! Não há fuga aos "impostos" em portugal!!

    Re:Os meus 5 euros... (Pontos:2)
    por Init em 12-02-05 18:09 GMT (#77)
    (Utilizador Info)

    Se for politica de TI faz sentido e interessa.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Os meus 5 euros... (Pontos:2)
    por null em 12-02-05 22:48 GMT (#82)
    (Utilizador Info)
    No Gildot andam-se a misturar as coisas...

    Fuga aos "impostos"?! Não há fuga aos "impostos" em portugal!!

    Re:Os meus 5 euros... (Pontos:2)
    por leitao em 12-02-05 16:39 GMT (#75)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/blog/
    Bingo!


    I can live with doubt and uncertainty and not knowing. I think it is much more interesting to live not knowing than to have answers that might be wrong.

    Re:Os meus 5 euros... (Pontos:1)
    por gildot-fucker em 15-02-05 1:23 GMT (#90)
    (Utilizador Info)
    Mas espera... Andaste no ISEP porque nao tinhas mesmo dinheiro, ou porque nao tinhas média para a FEUP simplesmente? É que costuma ser a situação com a maior parte dos que usam desculpas esfarrapadas como essa...
    :-/ (Pontos:1, Lança-chamas)
    por leitao em 11-02-05 0:25 GMT (#5)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/blog/
    eservei este para o fim, pela terrivel surpresa que me causou, bem como a visão que provocou. Desconhecia que um dos mais "movimentadores" membros da ANSOL, Carlos Patrão fosse do Bloco de Esquerda,

    No shit!


    I can live with doubt and uncertainty and not knowing. I think it is much more interesting to live not knowing than to have answers that might be wrong.

    Re::-/ (Pontos:2)
    por Init em 11-02-05 0:42 GMT (#9)
    (Utilizador Info)

    Desde quando um faz o todo? Não se chama a isso falácia? E provas factuais de favorecimento ou colagem, onde andam elas?
    Será que difamação também é ilegal no Reino Unido?


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re::-/ (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 11-02-05 1:45 GMT (#12)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    e o problema é...?
    -----
    Scientologia: o culto religioso mais poderoso e perigoso.
    Leitura aconselhada... (Pontos:1)
    por humaneasy em 11-02-05 10:17 GMT (#23)
    (Utilizador Info) http://www.nocentro.com
    ... aqui mesmo e seguintes.

    Mas acho que já se torna corriqueiro o ataque deste género :\
    Os críticos têm de começar a ser mais imaginativos, caramba.

    Parabens, fiquei na mesma. (Pontos:2)
    por Mindstorm em 11-02-05 0:29 GMT (#7)
    (Utilizador Info) http://www.mndnet.org/
    Mas adorei esta quote
    A tipica posição "à Mourinho", fala do que sabe e do que não sabe deixa os outros mandar bitaites.
    Não há nada que o mourinho não saiba, pelo menos segundo ele.

    Mindstorm
    Isto é.. (Pontos:3, Esclarecedor)
    por voxvirus em 11-02-05 0:33 GMT (#8)
    (Utilizador Info)
    ..um belo exemplo do que não se deve fazer ao escrever um artigo.
      O autor é escancaradamente parcial, não relata um único dado que o leitor possa avaliar por sí e ainda para cúmulo ataca irracionalmente duas organizações distintas tendo como base exclusiva o comportamento de um sócio de uma delas.

      Como leitor assiduo do gildot tenho apenas três coisas a apontar:
      1) Já me arrependi do tempo que perdi a ler esta tanga.
      2) Se o autor do artigo gosta de aquecer as costas a alguém, pelo menos, escreva artigos bem feitos.
      3) Sempre pensei que havia editores no gildot pa evitar _maus_ artigos..

      Já agora, como nota de saida, gostaria de apontar e deixar claro aos flamers, que não sou, quer filiado, quer apoiante de qualquer partido muito menos da ANSOL.
      Quando se é sócio de um clube, partido ou organização é porque se partilha da visão desse grupo, não o contrário, por isso deixem lá o tal homem da ANSOL em paz porque não está aqui para se defender e porque a ANSOL não tem culpa das burradas que alguns sócios fazem ou deixam de fazer.

    ---
    Cumprimentos.
    Re: Isto é.. (Pontos:2, Esclarecedor)
    por humaneasy em 11-02-05 10:26 GMT (#26)
    (Utilizador Info) http://www.nocentro.com
    O Carlos Patrão é sócio? Não faço a mínima.
    E pertence à Direcção da ANSOL? Hum!
    E estava lá como membro da ANSOL ou em sua representação? Isso é que é grave :\

    Se fôr sócio da ANSOL isso não tinha a mínima importância para o caso em questão e às restantes perguntas enunciadas supra pareceu-me que a resposta é negativa.

    É mesmo vontade de dizer mal. É chato e danifica mais a eventual posição de quem diz do que de quem ouve.

    Realmente, para mim que não pude ir, era importante ter aqui uma versão imparcial e detalhada do que se passou. Se alguém o puder fazer agradecíamos todos.

    Resultado conhecido (Pontos:4, Interessante)
    por Perky_Goth em 11-02-05 1:51 GMT (#13)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    Bem, já se conhecia as possições (ou falta delas) de cada um dos partidos, e contava com o gildot para me contar as surpresas.
    eu ainda comecei a ver, mas após ver o Carlos Patrão a falar, disse eu para mim: "se tu defendes as mesmas visões que eu, e me estás a fazer pensar que és um radicalista doido, porque raio não mandou o BE alguém que soubesse comunicar melhor?". com todo o respeito, mas não é no ínicio do debate que se decide o que se vai dizer, prepara-se antes para conseguir transmitir algo.
    a partir daí, eh... desliguei. porque nada ia surpreender, e o BE continua a ser o único que entende que os problemas informáticos n acabam quando se desliga o computador, mas que se arrastam a toda a sociedade. (patentes, EUCD, software livre, and so on and so on)
    -----
    Scientologia: o culto religioso mais poderoso e perigoso.
    devo ter adormecido no debate! (Pontos:5, Informativo)
    por Shriek7 em 11-02-05 2:17 GMT (#15)
    (Utilizador Info)
    Depois de ter lido este "relato" fiquei com a impressão que estive a sonhar durante mais de 2 horas em que estive sentado no auditório 2 do Forum Picoas.

    De todos os "factos" apresentados aqui apenas confirmo o do CDS: realmente o senhor (Carlos Dantas, salvo erro) devia estar mal disposto pois não conseguiu falar mais de 10 minutos durante o tempo todo e não foi de estranhar que também tivesse recusado o minuto final, afinal de contas às tantas ele já repetia frases como "o CDS apoia o ID Português" (uma clara justificação do chumbo das Patentes de software pelo CDS no parlamente Europeu)

    Eu cá como não conhecia ninguém (além do moderador e do ex-ministro) não especulei que pudesse haver perguntas e respostas combinadas. Agora, mesmo que isso tivesse ocorrido entre o PCP e/ou o BE isso não anula tudo aquilo que disseram e os temas que levaram para o debate: OSS e Patentes, temas incómodos aos dois grandes partidos, principalmente o tema "Patentes" já que não mereceu mais do que 5 minutos de discurso total dos vários partidos onde o PSD conseguiu novamente "surpreender" sendo o único partido claramente a favor.

    (fikei com a "vaga" impressão que o PSD não sabe realmente para que serve o Copyright)

    Agora, também não vamos estar sempre a bater no ceguinho já que o (futuro?) ministro Mariano Gago também conseguiu esquivar-se destes temas quentes e, efectivamente, não ouvi nada de muito concreto.

    Se por um lado os pequenos falavam (o BE e o PC, ja que o CDS não dizia nada) daquilo que já ouvimos muitas vezes no passado os grandes estão a tentar passar a ideia que a patente de software não é um tema que mereça destaque.

    Será que sou só eu que acho importante que a sociedade (não os políticos) defina aquilo que é patenteável e aquilo que não é?
    Re:devo ter adormecido no debate! (Pontos:2, Interessante)
    por humaneasy em 11-02-05 10:02 GMT (#22)
    (Utilizador Info) http://www.nocentro.com
    Será que sou só eu que acho importante que a sociedade (não os políticos) defina aquilo que é patenteável e aquilo que não é?

    Até porque quem saiba um pouco de história poderá concluir que, tanto o Copyright como a Patente, foram e são uma cedência do povo (como entidade e não como chavão político) para com os autores da obra e não vice-versa.

    Com o tempo estas noções originais foram-se esbatendo cada vez mais e agora estamos a debater a patentabilização ou não do pensamento e da inteligência. Triste.

    comentário ao comentário (Pontos:3, Esclarecedor)
    por bgravato em 11-02-05 2:44 GMT (#16)
    (Utilizador Info)
    Ao ler o início deste artigo pensei que ao ler o resto ficasse a saber o que se tinha passado no dito debate... mas afinal fiquei na mesma... parece que não são só os políticos que falam, falam, falam, falam... e não dizem nada...

    Como já alguem disse acima... que perca de tempo esta leitura...


    _______________
    "When the only tool you have is a hammer, every problem starts to look like a nail."
    Na era do politicamente correcto e caça-bruxas... (Pontos:3, Informativo)
    por jmce em 11-02-05 5:18 GMT (#17)
    (Utilizador Info) http://jmce.artenumerica.org/

    ... parece necessário explicar o que não devia ser necessário explicar:

    1. Embora ainda muito pouco activo em colaboração com actividades da ANSOL (ou em geral de promoção de software livre em Portugal), faço parte da direcção actual da ANSOL
    2. e por acaso conheço um pouco o Sérgio Ferreira de tarefas informáticas de há anos, mas nunca mais o vi desde então
    3. e não fazia até agora qualquer ideia das preferências partidárias das pessoas referidas
    4. que nem sei se estão inscritas como sócios da ANSOL (suponho que não, outros poderão confirmar)
    5. e que participaram bastante e produtivamente em algumas conversas na listas de email ansol-geral mas onde não me lembro de alguma vez os ter visto promover ideologias partidárias (mas outros com mais tempo poderão analisar à lupa os arquivos das listas)
    6. e que não há restrições ideológico-partidárias à inscrição na ANSOL,
    7. inscrição que não é condição prévia para inscrição e participação na lista ansol-geral, onde outros não sócios (serão todos apoiantes do BE?) também têm conseguido colaborar nas discussões bem mais do que parte dos sócios e da direcção.
    8. E, já agora, o BE não tem nada em comum com a minha falta de preferências partidárias; resumindo muito e limitando a questão ao partido envolvido na "acusação", talvez baste referir que a opinião do BE sobre algumas questões que considero bem mais fundamentais do que questões de copyright e informática é fundamentalmente oposta à minha (e também já critiquei aqui outras posições mais ligadas aos assuntos caros à ANSOL e ao GILDOT, como retenção de dados e talvez até, na mesma linha sigilo bancário)
    9. embora para o funcionamento da ANSOL seja irrelevante referir (e ilegítimo inquirirmos dos sócios) preferências partidárias pessoais
    10. e as questões mais cruciais que preocupam a ANSOL preocupam pessoas que abrangem em preferências pessoais todo o espectro partidário,
    11. preferências partidárias que só serão relevantes se resultarem num enviesamento da conduta da ANSOL, como organização, que privilegiasse partidos ou ideologias partidárias, o que será contrário aos estatutos;
    12. e, mesmo que não fosse "tecnicamente" contrário à letra dos estatutos, seria certamente contrário ao sentido mínimo de decência que espero de uma associação como esta.
    13. Não estive no debate da APDSI, pelo que não posso comentar os factos específicos do debate
    14. mas posso comentar que, se a descrição dos factos estiver correcta, as conclusões/"revelações" que o Vitor Domingos insinua (se li bem) sobre a ANSOL ser apoiante do BE são de um "esticar" da lógica que não esperaria do que considero (dos poucos contactos escritos e da escrita aqui) ser o bom senso dele,
    15. como seria etiquetar-se o vd ou o Gildot como "de esquerda" ou "promotores do BE" ou sequer "caros ao segmento BE" com base nos resultados da actual sondagem do Gildot; ou, quem sabe, como concluir que a promoção do OpenOffice.org em portugal estaria agora "manchada de bloquismo"?
    16. Quanto muito, talvez se possa alegar que as aparências também são importantes e que foram manchadas as aparências; mas qual é o limite para essa preocupação e o que fazer então? Fechar a ANSOL e ir fazendo novas associações até por coincidência não termos o "azar" de haver sócios ou não-sócios activos com preferências pelo BE, PCP ou outros partidos "indesejáveis"? E há partidos menos "indesejáveis" do que outros desse ponto de vista? Se sim, tratar-se-ia realmente de uma associação com uma forte componente política fora do domínio estrito de assuntos a que se dedica (como pode) a ANSOL.
    17. Como de costume é a questão da mão de obra; se por preferências e desconfianças políticas todos os que não "gostarem" do BE fugirem da ANSOL por causa de "fantasmas" o que restará senão a profecia auto-cumprida? Mas se, pelo contrário, colaborarem com a ANSOL (e mais formalmente se se inscreverem e votarem), onde ficará o tal privilégio? Talvez noutros partidos? E gostarão quando for a sua vez de ficar na mira da "caça às bruxas"?

    Não sei bem porquê (talvez pela dificuldade em pôr portugueses a colaborar sem tricas?) mas isto lembra-me o que um amigo meu costuma dizer de o "problema português" ter sido sucessivamente apontado a culpados variados varrendo para baixo do tapete a forma como tem sido intrínseco mesmo aos críticos: conforme as preferências da moda, não seríamos tão atrasados se não tivéssemos tido a Inquisição, ou expulsado os judeus, ou expulsado os jesuítas, ou feito fugir os cientistas durante a ditadura do "estado novo", ou passado pelos excessos "revolucionários", etc. etc. Arranja-se uma causa única como a culpada e depois... faz-se mais do mesmo.

    Noutro assunto, relacionado ou não mas independentemente do partido de onde vem a ideia: tenho curiosidade (mas falta de tempo) para ver como está a reacção à ideia do "choque tecnológico", coisa que me causa alguns calafrios pelo desperdício de recursos não só inútil como prejudicial que pode envolver. Isto não esperando algo de diferente do que aconteceu noutros países com campanhas de slogans análogos, especialmente ao nível da educação, com o caso dos EUA muito bem documentado no The Flickering Mind. Curiosidade para ver como reagem as pessoas ligadas à informática: por um lado há (acho eu) uma obrigação ética de avisar sobre o que é palha e sobre o que implica riscos ou, no mínimo, desperdício; por outro lado, a tentação natural de oportunidades de negócio imediato com um poder estatal tecno-fascinado. Perante isso, para onde penderão no voto as preferências profissionais informáticas?


    Hmm? (Pontos:2)
    por Dehumanizer em 11-02-05 12:14 GMT (#35)
    (Utilizador Info) http://www.dehumanizer.com/
    Isso é uma acta? :)
    "It is every citizen's final duty to go into the tanks and become one with all the people."
    - Chairman Sheng-ji Yang, "Ethics for Tomorrow"
    Muahahaha (Pontos:2)
    por Cyclops em 11-02-05 8:06 GMT (#18)
    (Utilizador Info)
    Sr. Vítor, contínua assim continua que a tu credibilidade só soma...

    Nem o Carlos Patrão nem o Sérgio Ferreira constam da lista de sócios, embora tenham colaborado com a ANSOL em determinadas actividades.

    Aliás, ainda ontem o Sérgio mencionou que havia de se fazer sócio da ANSOL...

    Só não faço paste do grep -i 'rgio' e grep -i 'patr' porque trazem dados privados que não são do domínio público, mas estou 100% à vontade para os mostrar a quem quiser vir ter comigo.

    Mas eu já há muito tempo que acho que é matematicamente impossível sub-estimar a tua honestidade.
    K7 (Pontos:2)
    por null em 11-02-05 9:28 GMT (#20)
    (Utilizador Info)
    O fenómeno k7 está a dessiminar-se...
    O autor devia era preocupar-se com o desrespeito às decisões do parlamento europeu por parte da comissão europeia que querem à força passar a directiva na próxima Segunda-Feira.

    Mas espera, quem é mesmo que preside à mesma? E depois também têm lá uns infiltrados que devem ser amicissímos do Bolkenstein...
    Politiquíces só devem ser discutidas aqui quando for para combater o que está mal...irra

    Fuga aos "impostos"?! Não há fuga aos "impostos" em portugal!!

    LUSA (Pontos:1)
    por simul em 11-02-05 9:44 GMT (#21)
    (Utilizador Info)
    Apesar de não ter estado em semelhante debate (não me encontro presentemente em PT), é perfeitamente notória a tentativa subrepticiamente falhada de indicar quem de facto tem propostas sérias nesta matéria. Não se apresentam factos, mas apenas interpretações pessoais dos factos (alguns deles, de verdadeiro roteiro de novela)...

    Apenas me resta o comentário: fala com o Luís Delgado da Lusa que, a escreveres como escreves, arranja-te um emprego MUITO bom...

    Re:LUSA (Pontos:2)
    por Shriek7 em 11-02-05 11:46 GMT (#34)
    (Utilizador Info)
    acho que ele ja nao esta na Lusa, agora é no Diario de Notícias e fala-se que poderá vir a comprar a Lusomundo... com que dinheiro pergunto eu! :P
    Resposta (Pontos:3, Interessante)
    por vd em 11-02-05 10:20 GMT (#24)
    (Utilizador Info) http://paradigma.pt/~vd/wlog
    Porque não irei entrar em comentários com todos, passo a esclarecer alguns pontos.

    1) Este artigo é de opinião pessoal é certo, mas não tem intenção de ser imparcial, não sou jornalista para ter de ser, nem pretendo ser.
    2) Este artigo apenas corresponde ao meu entendimento do que ouvi e vi. Consoante as propostas apresentadas, tando em sede própria como no debate.

    chbm
    Foi basicamente tudo mau. Não houve nenhuma nova ideia de quem quer maioria e as unicas novas vieram de partidos que nunca vão chegar ao poder. São boas iniciativas, mas não deixam de ser apenas isso.

    Init
    Não te conheço, nem tu me conheces. Ficamos por ai.

    Leitão
    Eu sei, eu sei, devia ter aberto os olhos à bem mais tempo.

    voxvirus
    Vide ponto 1 desta resposta.

    jmce
    14. De facto, uma das muitas razões pelas quais me fez abandonar a ANSOL, foi algo que só ontem entendi. O "puxão" para o BE, que pensava vir da dita direcção, mas afinal vinha de quem estava cá fora e apresentava propostas válidas.

    15. Preocupa-me o facto da votação actual do Gildot apontar claramente para o BE, contudo e relativamente ao OpenOffice.org Portugal, sempre recusou e vai continuar a recusar toda e qualquer proposta ou posição partidária. O projecto trabalha com organismos públicos e instituições, mas não com governos ou partidos. Interessa-nos mais a acção do que a politica.

    16. Basicamente fazer aquilo que sempre defendi. Afastarem-se de toda e qualquer colagem, o que não se veio a verificar.

    Cyclops
    Nunca fui desonesto para ninguém. Ao contrário de outros que abundam por este forum. Posso-te contudo tentar alertar para o facto das pessoas de que rodeiam não serem efectivamente o suprasumo da honestidade. Posso-te dar um exemplo recente - Lj. E mais não digo.

    //vd
    Re:Resposta (Pontos:1)
    por humaneasy em 11-02-05 10:31 GMT (#27)
    (Utilizador Info) http://www.nocentro.com

    E é bom mesmo não dizeres que é para não te arrependeres. Quando tiveres alguma coisinha a dizer é só falares comigo. Eu gosto MUITO pouco que me mandem recadinhos da treta em foruns públicos. Estamos entendidos?

    Re:Resposta (Pontos:2)
    por vd em 11-02-05 11:37 GMT (#33)
    (Utilizador Info) http://paradigma.pt/~vd/wlog
    Oh meu amigo! Venha lá esse processo, cá estou para me defender.

    Afinal de contas a diferença entre o meu amigo e mim, apenas esbarra na honestidade e coerência. Onde o meu amigo falha redondamente nestas últimas duas.

    Convida pessoas de quem não gosta para colaborar, faz coisas à revelia de quem de direito e acima de tudo toma partido de situações que não lhe dizem respeito na totalidade.

    O meu amigo é o que na nossa giria se chama de canalha. Mas eu sou paciente e cá estarei para aplaudir de alto a sua queda pública. Já não devem faltar muitos mais para o meu amigo enganar.

    Os restantes leitores não precisam de ouvir as sua exigências de infeliz e pobre coitado. O meu amigo apenas ficou mal visto perante todos aqueles a quem o apresentei como pessoa de bem.

    Ah! Não vale a pena continuar isto aqui, porque de certo que nos iremos encontrar em instâncias judiciais próprias para saber quem tem razão.

    //vd
    Re:Resposta (Pontos:1, Despropositado)
    por mvalente em 11-02-05 23:01 GMT (#51)
    (Utilizador Info) http://www.ruido-visual.pt/
    Vitor, 2 coisas:

    Sendo necessarias testemunhas para fazer calar o ser rasteiro que é o humaneasy/Lopo, já sabes com quem podes contar.

    Como já te apercebeste após sucessivas experiencias, estes filhos da puta de esquerda não têm remédio. Nao podendo mudar-se de país, pode-se mudar de ares. Foi o que fiz, ainda antes que as barras azuis do Gildot passassem a vermelhas.

    Remeto-me novamente para o silencio.

    Ah, nao! Antes disso: jmce, caguei nas tuas diatribes intelectuais; nao valem um caralho.

    Cumprimentos

    Mario Valente

    Re:Resposta (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 12-02-05 2:26 GMT (#58)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    pah, nós, os comunistas, não nos preocupamos que nos chamem nomes só pq gostamos de partilhar sem ser com os que não precisam.
    -----
    Scientologia: o culto religioso mais poderoso e perigoso.
    Re:Resposta (Pontos:1, Lança-chamas)
    por mvalente em 13-02-05 13:11 GMT (#83)
    (Utilizador Info) http://www.ruido-visual.pt/
    Diz-me lá um comunista q como o Bill Gates (q criticas no teu post) "Over the past decade Mr Gates has made a name as one of the world's top philanthropists"...."Bill Gates to give $750m (£400m) to a worldwide infant vaccination programme"

    Vocês os comunistas são uns filhos da puta q querem receber; mas dar querem dar pouco. Como aliás se viu com a chapada de luva branca que receberam com o dinheiro todo que o Sr. Champalimaud doou para investigação médica.

    Os recordes dos comunistas q temos são 12 milhões de gajos mortos na União Soviética pelo Lenine e pelo Estaline, mas dos quais a comunicação social fala pouco qd refere genocidios e homicidios em massa.... Pudera, são todos putas de esquerda e dá-lhes mais jeito citar os crimes de Hitler. Mao não lhes dá jeito e o Lenine nem sequer lhes fica em caminho.

    Mas, alas, alongo-me... Não estou mesmo mais para discutir estes (ou outros assuntos) no Gildot, onde se aloja uma corja de imberbes sucio/comuna/colectivistas. Nessa parte já entreguei os pontos, fiquem lá com a "comunidade Gildot" e façam bom proveito... Desculpa mas não esperes/esperem respostas posteriores a este assunto...

    Cumprimentos

    Mario Valente

    Re:Resposta (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 14-02-05 0:36 GMT (#88)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    YHBT. HAND.

    desculpa se falo mal do sr bill, q ultrapassou as leis da concorrência e desvirtuou o capitalismo, em que acredito tanto eu como tu como os supostos comunistas. discordando de maquiavél, reconheço que os fins não justificam os meios, mas ainda bem q o sr bill tem consciência.
    quanto ao resto, entendes tanto o que é o comunismo como o sr bill, isto é, não fazes a mínima ideia do que seja (caso contrário n tinhas atirado com regimes políticos completamente opostos, o que já na altura era sabido).

    eu n espero resposta, espero q deixes de ser primário uma vez que não te conheço como um idiota.
    -----
    Scientologia: o culto religioso mais poderoso e perigoso.
    Re:Resposta (Pontos:2)
    por Gamito em 12-02-05 0:36 GMT (#52)
    (Utilizador Info) http://gamito.startux.org
    Vítor,

    Se precisares de uma testemunha que esteve contigo num almoço em Lisboa com o Mário Valente, o Paulo Laureano Santos e o Sr. Lopo em Lisboa a propósito da criação da Lj_PT, para contar em sede de Tribunal o que lá se conversou e o que o Sr. Lopo depois fez (e já tinha feito antes, sem que o tivesse dito no almoço, viemos depois a saber; o mundo é pequeno), conta comigo.

    Estou à vontade para o dizer, porque se há pessoa com quem tenho tido flames do arco da velha é o Vítor Domingos.
    Mas o nome das pessoas não é para sujar em praça pública, fazendo-se passar por virgem ofendida.

    Nada mais digo. As pessoas que estiveram no almoço e mais uma que não pode ir, mas ajudou a perceber o que se passou, têm todas os mails que trocámos para podermos tirar as nossas unânimes ilações acerca da honorabilidade do Sr. Lopo.

    De volta ao profundo silêncio, mas desta vez não podia deixar de publicamente apoiar quem tem a razão e o prejuízo moral do seu lado, sem falar da vergonha por que passaria, não fossem as pessoas que convidou para o almoço serem suas conhecidas.

    Mário Gamito
    gamito.startux.org
    Re:Resposta (com cheiro a peixe) (Pontos:1)
    por Zarluk em 12-02-05 11:06 GMT (#67)
    (Utilizador Info)
    À falta de pontuação para atribuir, fica aqui o desabafo: mais uma peixeirada no Gildot :-(
    Re:Resposta (Pontos:2)
    por Mindstorm em 11-02-05 13:26 GMT (#37)
    (Utilizador Info) http://www.mndnet.org/
    Grande artefacto

    Mindstorm
    Re:Resposta (Pontos:1)
    por Gothic em 12-02-05 9:44 GMT (#62)
    (Utilizador Info) http://www.ClusterCube.com
    Acho que todas as associações / clubes / etc, têm partidos de preferência e podem mudar qdo alguém lhes oferece algo mais do que palavras, acho isso bem, pois só assim podem ser ajudados a caminhar e irem a algum lado.

    Se têm alguma preferência política deviam assumi-la, qual é o problema disso? Até os Hospitais, Finanças, etc.. são geridos por cores políticas.. que mal tem a ANSOL apoiar o BE ou o CDS/PP ou o PSD se isso poder benificar a sua causa? acho que nada...

    Se não têm nada disto, então lutem por defendê-la... e viva ao Open-Source!

    Characteristic of life style...
    Re:Resposta (Pontos:2)
    por Cyclops em 12-02-05 9:54 GMT (#63)
    (Utilizador Info)
    que mal tem a ANSOL apoiar o BE ou o CDS/PP ou o PSD se isso poder benificar a sua causa? acho que nada...
    Tem muito mal, porque numa viragem de poder tudo poderia ser prejudicado.

    A ANSOL não apoia partidos políticos, mas sim medidas concretas que sejam consideradas positivas (como, até agora, os projectos na AR do BE e do PCP, a introdução de GNU/Linux nos programas de TIC, embora algo frágil também é positiva, etc...)
    Re:Resposta (Pontos:1)
    por Gothic em 12-02-05 10:47 GMT (#64)
    (Utilizador Info) http://www.ClusterCube.com
    "Tem muito mal, porque numa viragem de poder tudo poderia ser prejudicado."

    Ai é? então os trabalhadores de um Hospital, quando muda a administração, como por exemplo deverá mudar agora de PSD para PS, mandavam todos os outros trabalhadores embora que fossem do PSD. Não tem lógica nenhuma...

    Mas Ok, esperemos que VOCÊS continuem assim...

    Characteristic of life style...
    Re:Resposta (Pontos:2)
    por Cyclops em 12-02-05 10:50 GMT (#65)
    (Utilizador Info)
    Todos não, mas naqueles onde o Estado puder eercer influência para trocar o director ou a adminstração do Hospital, que é que achas que acontece? Jobs for the boys :)

    No nosso caso, o que poderia acontecer é o desfazer de medidas positivas, ou diluí-las de tal forma que se tornam completamente ineficazes.
    Re:Resposta (Pontos:1)
    por Gothic em 12-02-05 10:55 GMT (#66)
    (Utilizador Info) http://www.ClusterCube.com
    Sim, eu disse que a administração muda.. mas não os trabalhadores que forem de um determinado partido. É triste que isto aconteça, porque se uma administração é boa, porquê mudá-la.. só porque não é do mesmo partido. É por estas e outras que Portugal continua na LAMA!

    Vendo por esse prisma, podes ter uma certa razão.. mas se forem medidas positivas e interessantes, os partidos vão querer é aproveitá-las e não matá-las. De qualquer maneira, faço votos para uma boa continuação do vosso trabalho...

    Characteristic of life style...
    Re:Resposta (Pontos:2)
    por Init em 12-02-05 13:07 GMT (#70)
    (Utilizador Info)

    mas se forem medidas positivas e interessantes, os partidos vão querer é aproveitá-las e não matá-las.

    Era tão bom que fosse sempre assim! Vamos ver como vai ser desta vez. Porque houve de facto medidas positivas, umas mais frageis que outras, umas com mais impactos que outras. :)

    De qualquer maneira, faço votos para uma boa continuação do vosso trabalho...

    Obrigado! E não te esqueças que te podes juntar a nós, quer como sócio, quer como colaborador externo (há alguns).


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re: Resposta (Pontos:1)
    por humaneasy em 11-02-05 10:43 GMT (#30)
    (Utilizador Info) http://www.nocentro.com
    Caro Sr. Vitor Domingos.

    É bom que se retrate imediatamente da calúnia e difamação do meu bom nome por escrito e pessoalmente para mim ou teremos de tratar disto nas instâncias próprias.

    Não permitirei que o meu bom nome seja elameado por V/ Excia.

    Melhores cumprimentos.

    Lopo Lencastre de Almeida

    Re:Resposta (Pontos:2)
    por Cyclops em 11-02-05 10:58 GMT (#32)
    (Utilizador Info)
    Nunca fui desonesto para ninguém. Ao contrário de outros que abundam por este forum. Posso-te contudo tentar alertar para o facto das pessoas de que rodeiam não serem efectivamente o suprasumo da honestidade. Posso-te dar um exemplo recente - Lj. E mais não digo.
    Não te reservei o dom da unicidade. Mas já por diversas vezes que tens demonstrado uma ética bem duvidosa.
    Re:Resposta (Pontos:2)
    por Init em 11-02-05 12:19 GMT (#36)
    (Utilizador Info)

    Felizmente, não te conheço pessoalmente. Mas mantenho o meu desafio. PROVA O QUE DIZES! Todas as acusações de colagem que fizeste e informações como o Carlos ser socio da ANSOL, foram delirios e invenções. Se queres fazer acusações fazem-se apoiadas em factos, não em invenções.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Resposta (Pontos:2)
    por Cyclops em 11-02-05 15:51 GMT (#39)
    (Utilizador Info)
    Apesar de nem o Carlos nem o Sérgio serem sócios, nada de mal teria acontecido se o fossem:
    Não estavam em representação da ANSOL nem falavam pela ANSOL.

    O Carlos falou pelo BE, e o Sérgio pela MoreData. Para haver interesses em conflicto com a participação de ambos, serão um tema entre MoreData e o BE, e nunca entre o BE e a ANSOL. Mas não é a primeira vez que um editor do Gildot auto-aprova um artigo calunioso contra a ANSOL...
    Re:Resposta (Pontos:2)
    por Init em 11-02-05 15:56 GMT (#40)
    (Utilizador Info)

    Nem a primeira vez que esta pessoa faz estas acusações em publico.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Resposta (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 12-02-05 2:05 GMT (#53)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    "Não houve nenhuma nova ideia de quem quer maioria e as unicas novas vieram de partidos que nunca vão chegar ao poder. São boas iniciativas, mas não deixam de ser apenas isso."

    claro, porque estes não apresentam propostas de lei que são aprovadas na mesma ordem de grandeza que os outros partidos. além de que, obviamente, o bi-partidarismo é uma coisa a defender, ainda por cima quando são os dois iguais.

    "De facto, uma das muitas razões pelas quais me fez abandonar a ANSOL, foi algo que só ontem entendi. O "puxão" para o BE, que pensava vir da dita direcção, mas afinal vinha de quem estava cá fora e apresentava propostas válidas. "
    então estás a dizer q deixaste a ANSOL pq alguém de fora (que fazia pela associação) te puxava para o BE?

    "15. Preocupa-me o facto da votação actual do Gildot apontar claramente para o BE"
    e a mim preocupa-me q alguém leve a sério a direita, mas não uso isso como arma de arremeso contra o primeiro post que vejo. além do mais, o BE é o único que entende todo o problema, que passa muito além das patentes até ao dominio dos media pelos oligópolios das industrias de produção de entretenimento. simplesmente, parece-me a mim, que a população do Gildot entende que a direita não acha preocupante a questão do controlo e falta de liberdade em tudo o que involve informatica. A menos que algo mude, e a sério, o problema vai ser muito muito grave.
    não sou paladino do BE, q tem tantos defeitos como os outros, mas não aceito que se use argumentos como "os filhos da puta da esquerda" como argumentos para o que quer que seja.
    -----
    Scientologia: o culto religioso mais poderoso e perigoso.
    Re:Resposta (Pontos:3, Interessante)
    por Cyclops em 12-02-05 9:28 GMT (#61)
    (Utilizador Info)
    Acabei de perceber que ou és muito estúpido ou és dissimuladamente contra o Software Livre (ou Open Source, ou o que queiras chamar), e a favor de coisas que o prejudiquem.

    O "puxão" para o BE, que pensava vir da dita direcção, mas afinal vinha de quem estava cá fora e apresentava propostas válidas.
    O BE puxou-nos a manga, tal como o PCP o fez: apresentaram propostas positivas. Como já disse o João Neves, se "ser parcial" na realidade consiste em apoiar medidas positivas, então não me importo de ser parcial. Pelo menos sei os frutos que têm sido obtidos: as patentes de software, o Software e formatos Livres passaram a estar na ordem do dia na política da sociedade da informação, o que é extremamente positivo. É necessário ser muito cego, ou então mal intencionado, para o negar.

    Cabe-te a ti como apoiante da direita política trazê-los para o lado do Software Livre e outros temas positivos.

    Isto não é politizar. São temas politicamente transversais, com partes essenciais que tocam uma e outra parte quando não ambas ao mesmo tempo. Aqueles com maior capacidade de diálogo com algum tipo de entidade têm a responsabilidade moral de contribuir para frutos positivos em vez de atacar os outros.

    Cheguei à conclusão de que se o BE se interessou por Software Livre graças a um associado da ANSOL, isso foi extremamente positivo. Quem me dera que os associados que são militantes do PS, PSD e PP fizessem o mesmo que os que se mexeram a respeito do BE e do PCP.

    Temos a agradecer a estas pessoas a entrada para a mesa política de temas quentes e importantes, que os políticos insistiam em não escutar. Foi tão evidente que são temas quentas que as perguntas on-line se focaram muito neles.

    Vítor, se és bem intencionado e queres fazer algo de útil, então ajuda.

    Porque estes teus ataques, e a tua posição de "imparcial" afastado, a tua pose de "comercial" a erguer o cartão do "OpenOffice.org", e na realidade pouco ou nada fazer, levam-me a perguntar se tu não estarás antes interessado em manter o status quo que consiste no domínio do software proprietário na administração pública, nos atropelos que forem necessários fazer para introduzir patentes de software, etc.

    Cai na real. Os teus ataques apenas me deixam com um enorme sentido de orgulho. O sucesso de um movimento mede-se bem pelos ataques que leva.

    Basicamente fazer aquilo que sempre defendi. Afastarem-se de toda e qualquer colagem, o que não se veio a verificar.
    No see. No hear. No talk. É um modelo que te serve bem, se deixas a tua extrema politização de direita levar-te a atacar acções positivas para o Software Livre, em vez de cativar a tua cor política preferida.

    Ou será que na realidade o que andas a fazer é atiçá-los contra?
    Adeus Marx (Pontos:2)
    por alguem em 11-02-05 10:36 GMT (#29)
    (Utilizador Info) http://www.ladonegro.net/
    Fiquei espantado que o Bloco de Esqueda, tenha para as TI uma prespectiva nada Marxista.
    Se a terra é de quem a trabalha, e não para é proprietário, então , na mesma linha de raciocinio, o Software é de quem o ''melhora'' e não de quem o patenteou.

    "The interest in encouraging freedom of expression in a democratic society outweighs any theoretical but unproven benefit of censorship."
    Referências escandalosas no que diz respeito ao VE (Pontos:3, Interessante)
    por Cyclops em 11-02-05 10:48 GMT (#31)
    (Utilizador Info)
    Foi muito apreciado por Diogo Vasconcelos a iniciativa do Voto Electrónico, que teve distribuição do código fonte a uma comissão (CNE? CNPD? Não me lembro mas é irrelevante para o problema).

    Ou seja, apenas o Estado é que "sabe" como é eleito electronicamente.

    Vangloriou também as auditorias de qualidade que foram feitas por várias universidades, tendo ganho a da FEUP.

    Ora, eu vi os relatórios das auditorias e apenas posso dizer que actos da mais pura fé é difícil de encontrar. Numa das auditorias (e acho que era a da FEUP?) contradiziam-se 2 ou 3 vezes no mesmo parágrafo.

    Havia referências quase explícitas a "é muito seguro porque nos dizem que sim" ou "porque utilizam tecnologias criptográficas" sem qualquer análise de problemas reais do voto electrónico.

    Sinceramente, acho que a via do Voto Electrónico em Portugal está bem mais próxima do atentado democrático do que da independência geográfica que poderia oferecer.
    Re:Referências escandalosas no que diz respeito ao (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 12-02-05 2:08 GMT (#55)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    não soube do estudo, senão tinha feito barulho. é pena. mas é verdade que a LEIC parece mais uma formação de PHB do que gajos q usem a cabeça para pensar por si próprios.
    claro q se podia, provavelmente, dizer o mesmo do resto do país.
    -----
    Scientologia: o culto religioso mais poderoso e perigoso.
    E-governo (Pontos:2)
    por gass em 11-02-05 15:47 GMT (#38)
    (Utilizador Info) http://www.otiliamatos.ath.cx/~gass
    Na linha do comentário acima do voto electrónico em que defendo mais uma deslocação do voto (avisar que vai votar noutro local que não o original), penso que o mais importante das propostas de governo, além das patentes, etc, etc que interessa aos profissionais da área, é a do Governo Electrónico que interessa ao comum cidadão.

    Daquilo que vim lendo, apenas se discutiu o SL e não , por exemplo, iniciativas electronicas para melhorar o sitema publico.

    Já tive muitas conversas com pesoas ligadas, por exemplo, a desenvolver a BD do ministério da saude. O tão apelado cartão de saude com todo o historial (vindo do governo PS) mas com os centros de saude a lerem o numero do cartão e a digitarem à mão no pc ou ir a umas urgências mal de saude (claro) e ainda perder meia hora a relatar dados que deveriam já estar inseridos numa db.

    A única coisa realmente a andar é o E-finananças que a cada dia tem mais funções e de qualidade, embora diga que utilizar java se torna dia para dia mais pesado e que com 1 ligação mbit demora eternidades a abrir aqueles java.

    à parte do Software livre, que muito aqui defendem para a administração pública, que opções fornecem os partidos para a informatização do governo?

    Muitos defendem que o governo deveria ser todo software livre, ao que respondo que se deixem de lamechisses ... o governo contrata serviços (e deixem aqui de parte as cunhas) e não se encontra nenhuma empresa de todo a acenar com SL, ou existe? As finanças funcionam sobre software livre (linux) embora usem e abusem de java não livre, mas que dá o seu ar magico, além de suportar convenientemente todas as plantaformas.

    Portanto ficam 2 grandes questões:
      - Quais as propostas de governo electronico (para todos os ministérios)?
      - Existe realmente capacidade/propostas para implementação de software livre na administração? Quais as empresas à frente dessas ofertas?


    Cumps-
    Gass
    Re:E-governo (Pontos:2)
    por Init em 11-02-05 16:24 GMT (#42)
    (Utilizador Info)

    Daquilo que vim lendo, apenas se discutiu o SL e não , por exemplo, iniciativas electronicas para melhorar o sitema publico.

    Também isso foi discutido e mais coisas. Por exemplo o futuro do Portal do Cidadão, o principio do balcão único, a transformaçao de sites do estado para apresentarem serviços orientados à transacção, a gratuicidade ou não da informação criada pelas entidades do estado, a protecção à criação de conteúdos abertos, etc...

    Existe realmente capacidade/propostas para implementação de software livre na administração? Quais as empresas à frente dessas ofertas?

    o governo contrata serviços

    Excepto quando quer desenvolver software à medida o normal é comprar produtos e não contractar serviços. A contractação de serviços surge apenas após o fornecimento de produtos, quando não há know-how ou pessoal internamente.

    Existem várias empresas a fazer oferta, quer pequenas quer grandes e até gigantes (embora estas não oferaçam apenas Software Livre). Para além disso o que se propõem não é mudar de um momento para o outro, é algo faseado ao longo do tempo, para evitar problemas, resolver algumas insificiências, e até benificiar do surgimento de mais oferta que surge quando a procura aumenta.

    Existem concursos para fornecimento de produtos que mencionam produtos proprietários especificos, isso é completamente inaceitável.

    embora usem e abusem de java não livre, mas que dá o seu ar magico, além de suportar convenientemente todas as plantaformas.

    O que se tem de fazer não é suportar plataformas, é suportar standards e a liberdade de escolha dos cidadãos.

    Já ouvi falar de vários problemas com JVM que não as da Sun e o software do ministério das finanças. O que mostra, que por exemplo o Java não é a magic bullet para o multi-plataforma.

    Outro problema é o site ter secções que exigem a utilização de internet exploder.

    O estado não tem o direito de obrigar os cidadãos a utilizar determinado software! Querem fazer algo que use tecnologia não-standard, façam-no com Software Livre, assim não há descriminação.

    Já agora o debate foi mais uma vez transmitido via streaming, e que assistiu desta forma pode participar (e alguns fizeram-no), na parte de perguntas e respostas.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:E-governo (Pontos:2)
    por gass em 11-02-05 18:47 GMT (#47)
    (Utilizador Info) http://www.otiliamatos.ath.cx/~gass
    Excepto quando quer desenvolver software à medida o normal é comprar produtos e não contractar serviços. A contractação de serviços surge apenas após o fornecimento de produtos, quando não há know-how ou pessoal internamente.

    Para o estado, para desenvolver software à medida, normalmente contratam pessoas que se comprometam a construir esse software.
    A compta vendeu o programa de colocação de professores ou vendeu os serviços para criar essa aplicação? Ela é propriedade integral do estado, ou da compta?

    Existem várias empresas a fazer oferta, quer pequenas quer grandes e até gigantes (embora estas não oferaçam apenas Software Livre). Para além disso o que se propõem não é mudar de um momento para o outro, é algo faseado ao longo do tempo, para evitar problemas, resolver algumas insificiências, e até benificiar do surgimento de mais oferta que surge quando a procura aumenta.

    acho que a integração por parte do governo de software livre advem das politicas dos projectos concorrentes a determinado concurso. Se aquele que ganhar implementar tipos de dados livres em SO's livres, tudo bem ... se não o fizer ... tudo bem na mesma. Não se trata de estimulo de procura, mas a meu ver estimulo de oferta. Um exemplo aqui publicitado é a Mr Net que possui uma boa carteira de clientes devido à sua qualidade. A caixa mágica impulsionou e de que maneira a utilização de Linux no ensino. Penso que falta diversificar a oferta.

    O que se tem de fazer não é suportar plataformas, é suportar standards e a liberdade de escolha dos cidadãos.

    O que se tem que fazer é criar aplicações que possam ser utilizadas pelos cidadãos. Não é ter que fazer um download ou 2 que vão deixar de utilizar. É pela qualidade dessas aplicações.

    Já ouvi falar de vários problemas com JVM que não as da Sun e o software do ministério das finanças. O que mostra, que por exemplo o Java não é a magic bullet para o multi-plataforma.

    Eles recomendam uma certa jvm, n recomendam? por alguma razão deve ser.

    O estado não tem o direito de obrigar os cidadãos a utilizar determinado software! Querem fazer algo que use tecnologia não-standard, façam-no com Software Livre, assim não há descriminação.

    Do seguimento das respostas acima, vem que o estado deve sim facilitar o uso de tecnologias acessiveis ao publico em geral. Determinados formaos devem ser utilizados em detrimento de outros se tal se justificar. Um exemplo é os ficheiros de MS Excel vindos INE (instituto nacional de estatistica) ou o IAPMEI, com numerosas macros e funções, o que implica gastar cerca de 350 euros numa versão de MS Office. Porém não existe um outro formato que permita assim tão simplesmente criar um outro formato que não aquele e tão abrangente. É como utilizar sxw em vez de .doc . Não é tão abrangente, mas é perfeitamente possivel utilizar os .doc no ooo.
    Cumps-
    Gass
    Re:E-governo (Pontos:2)
    por Init em 11-02-05 20:24 GMT (#49)
    (Utilizador Info)

    Para o estado, para desenvolver software à medida, normalmente contratam pessoas que se comprometam a construir esse software.

    Por vezes resolvem a questão in-house.

    A compta vendeu o programa de colocação de professores ou vendeu os serviços para criar essa aplicação? Ela é propriedade integral do estado, ou da compta?

    Ao que sei as regras de aquisição de software da administração pública ditam que a só possam assinar contractos para isso se o DIREITO DE AUTOR, ficar para o estado.

    acho que a integração por parte do governo de software livre advem das politicas dos projectos concorrentes a determinado concurso. Se aquele que ganhar implementar tipos de dados livres em SO's livres, tudo bem ... se não o fizer ... tudo bem na mesma.

    Mas nisso que disseste há vários problemas

  • Existem determinados tipos de software em que a forma como é criado algo ou como são executadas determinadas actividades é muito mais importante que os dados com que tem que lidar. Como o estado tem obrigações de transparência que outras entidades não têm, é util que esse software seja licenciado como Software Livre e seja disponibilizado publicamente. Ou não achas que tens direito de saber como é que o estado calcula quanto é que lhes deves de impostos e se faz sem erros, por exemplo?
  • Por uma questão de soberania nacional e por questões de independência comercial, o estado tem a obrigação de ser o mais independente possível dos seus fornecedores e só o Software Livre permite isso.
  • O que se tem que fazer é criar aplicações que possam ser utilizadas pelos cidadãos. Não é ter que fazer um download ou 2 que vão deixar de utilizar. É pela qualidade dessas aplicações.

    O estado não tem o direito de obrigar os cidadãos a utilizar determinado software, estás a dizer o contrário disto. Estas errado, muito errado.

    Eles recomendam uma certa jvm, n recomendam? por alguma razão deve ser.

    Onde está a portabilidade então??? Isso é favorecer um fabricante, e isso é outra coisa completamente inaceitavel a ser feita por parte do estado.

    Porém não existe um outro formato que permita assim tão simplesmente criar um outro formato que não aquele e tão abrangente

    A liberdade dos cidadãos é algo muito mais importante que qualquer aspecto tecnico.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:E-governo (Pontos:1)
    por Gothic em 12-02-05 11:13 GMT (#68)
    (Utilizador Info) http://www.ClusterCube.com
    " Já tive muitas conversas com pesoas ligadas, por exemplo, a desenvolver a BD do ministério da saude. O tão apelado cartão de saude com todo o historial (vindo do governo PS) mas com os centros de saude a lerem o numero do cartão e a digitarem à mão no pc ou ir a umas urgências mal de saude (claro) e ainda perder meia hora a relatar dados que deveriam já estar inseridos numa db. "

    Informo que esse sistema do cartão já está desenvolvido e em implementação, e aplica-se também às urgências. Actualmente, apenas dás o teu nome e ele dá o resto das informações, depois é só imprimir a etiqueta e podes ser logo consultado na tua vez, isto com o programa SONHO.

    Mais informações sobre aplicações e desenvolvimentos na área da saúde visite www.igif.min-saude.pt

    Characteristic of life style...
    Re:E-governo (Pontos:2)
    por gass em 12-02-05 17:22 GMT (#76)
    (Utilizador Info) http://www.otiliamatos.ath.cx/~gass
    Pois bem ...

    (eu n sou Guterrista, nem lá perto) ...

    No governo PS implementou-se o cartão de saude com banda magnética e ficou-se por aí. Trocámos de cartão e tal ... mas utilizade dakilo ... nada. Até serviu para os milhares de terminais serem substituidos pouco mais tarde por pc's.

    o Que acontece é que à coisa de 3 meses fui com um colega meu às urgências do centro de saude de Aveiro e ele, tal como eu, lá teve que preencher a fichazita, pois era a 1ª vez que ali ia.

    O mesmo aconteceu comigo à 2 anos (1ª vez) no mesmo sitio, e há +/- 1 ano o mesmo em Castro Verde (até parece que ando de urgência em Urgência).

    Constantei por isso que o sistema não estava implemententado, e segundo comentei com algumas pessoas as bases de dados da saude não estão muito a andar para a frente. Pelo que falas, parece conheceres o caso ... podes argumentar?

    Cumps-
    Gass
    Re:E-governo (Pontos:1)
    por Gothic em 12-02-05 19:40 GMT (#80)
    (Utilizador Info) http://www.ClusterCube.com
    Parece que ele teve de preencher essa ficha porque não pertencia a esse distrito, o que é normal penso eu. Já percebi onde queres chegar.. um cartão universal para todos os hospitais do país (ligados entre si). Não sei se é exactamente isso que o Ministro Adjunto da Saúde, um tal de Sr. Anão disse há uma semana numa palestra em que estive presente, mas ele falou num sistema, em que apenas se dava o cartão e ele dizia logo tudo, bem como as consultas que tinha marcadas e dava tb para as urgências, etc.. penso que seja isso.. vamos esperar até os hospitais começarem a implementar esse sistema através do IGIF.

    Há ainda hospitais em Portugal muito atrasados, mas outros e mais pequenos já um tanto à frente com praticamente tudo informatizado e à distância de um click (aceder às informações do doente, radiografias, análises, consultas marcadas e com que médicos, etc.. através do SAM = Serviço Apoio ao Médico).

    Num Hospital que conheço, está em curso um sistema para acederem às radiografias digitais do doente via Internet de outro Hospital principal (o do distrito), por exemplo, o doente vai de ambulância para lá e o médico que o atender poderá ter acesso a todas as suas informações no outro hospital a que pertence.

    É o futuro que teima em não chegar :-)

    Characteristic of life style...
    Re:E-governo (Pontos:2)
    por [Cliff] em 12-02-05 18:24 GMT (#78)
    (Utilizador Info) http://www.yimports.com/~cpinto
    Olhó IGIF... aquela coisa que é um bastião do Bill

    ---
    Este espaço pode ser seu...
    Re:E-governo (Pontos:1)
    por Gothic em 12-02-05 19:24 GMT (#79)
    (Utilizador Info) http://www.ClusterCube.com
    É um bastião do Bill e que tem Software cracked no seu FTP (ftp://is.igif.min-saude.pt - só acede quem pertencer à rede da saúde, ou seja, num hospital), como o LeapFTP. É estranho terem acordos com M$ e afins e depois não seguem as regras...

    Characteristic of life style...
    Re:E-governo (Pontos:1)
    por Gothic em 12-02-05 19:46 GMT (#81)
    (Utilizador Info) http://www.ClusterCube.com
    Mas devem estar a seguir o exemplo da M$, tipo o soundforge :D haha... Mas sei que o IGIF também usa praticamente só java nas suas aplicações web based, mas também muito Linux/Solaris e por aí fora.. Ninguém é perfeito! de qualquer maneira, têm feito um grande trabalho na área da saúde, apesar de que se começassem a recomendar programas tipo OpenOffice e Firefox, poupava-se muito dinheiro e dissabores.

    P.S:. É triste implementarem sistemas e depois não saberem dar suporte a eles, como não saberem colocar uma base de dados Oracle a arranquar num SunOS 5.6. "Esperemos que isso funcione" e depois acaba por não funcionar. LOL

    Characteristic of life style...
    Até gostei... (Pontos:5, Informativo)
    por Tintim em 11-02-05 16:05 GMT (#41)
    (Utilizador Info) http://paulo.trezentos.gul.pt

    Não que tenham sido as 2 melhores horas da minha vida mas....

    1.- Gostei da intervenção do prof. Tribolet, do alto dos seus 120 Kg. :-). Apesar de truculenta, toca numa ferida importante: os "canais" entre os políticos e os cidadãos não estão abertos. Debates como o de ontem deviam acontecer de 4 em 4 meses e não de 4 em 4 anos.
    Também referiu que é preciso trabalhar em conjunto. Na tirada em que sugeriu que o prof. Mariano Gago e o Diogo Vasconcelos trabalhassem um com o outro no próximo governo esteve bem.
    Foi o único que arrancou aplausos à assistência.

    2.- Gostei bastante da intervenção do Bruno Dias (PCP) e do Diogo Vasconcelos (PSD).
    Sim, é possível. O dep. Bruno Dias está bem informado, tem humor e - para além dos sound bytes tradicionais - tem carisma. Soube encostar à parede o Diogo Vasconcelos na questão das patentes.
    O Diogo Vasconcelos esteve sereno e fez o que lhe competia: enunciar as medidades positivas que a UMIC tomou.
    Não é à toa que ambos são os que têm mais currículo.
    O Bruno Dias esteve por trás da proposta de resolução do PCP sobre Software Livre aprovada no Parlamento.
    O Diogo Vasconcelos, isto é o Governo demissionário, foi responsável pelo guia e conferência Software Aberto na AP, introdução da matéria no plano de Governo, por Linux nas salas TIC e no programa do 9º e 10º e outras ideias que tinham em carteira.
    Eu estou à vontade para elogiá-lo porque nos momentos que achei certos também o critiquei publicamente Noticia CM.
    O momento menos bom do Diogo Vasconcelos foi quando cometeu uma falha técnica em relação às patentes, por pressão positiva do Bruno Dias que directamente o incitou a responder.
    Aí, pareceu insinuar que o que permitia manter a indústria de software proprietário eram as patentes, omitindo que o direito de autor já é suficiente para tal. Mesmo estando a pasta das patentes INPI nas mãos do ministro da economia tem de haver coordenação política. O Diogo Santos a partir do público não perdou e corrigiu oportunamente a falha de raciocínio.

    3.- Gostei que o Software Livre tivesse ocupado 50% do tempo do debate. Mostra que está na agenda política e que existe um reconhecimento da importância social e económica do mesmo.

    4.- Gostei que o prof. Mariano Gago tivesse referido o Grid Computing como uma das áreas a apostar porque, de facto, à parte da Workshop da UMIC / FCCN, estamos 10 anos atrasados. Também demonstra que o prof. Mariano Gago está mais confortável na área R&D do que nas TI (daí o seu queixume que o SL estava a ocupar demasiado o debate). Por esse lado, talvez tivesse sido mais positivo se o José Magalhães pudesse ocupar o seu lugar.
    Do contacto directo, sei que o prof. Mariano Gago é um homem de acção mas tenho algumas dúvidas se está dentro dos dossiês - e especialmento do do Software Livre - que a UMIC tomou em mãos nestes últimos 2 anos.
    Fiquei com dúvidas de quem será o homem Soc. da Informação/UMIC no governo PS... têm pistas? Quem será o homem?

    5.- Gostei do nível da maioria das perguntas. Foram q.b. de concretas.
    Abomino aqueles debates que todas as questões são comentários de quem não foi convidado para ir para a mesa e gostava de ter sido.
    Excepção feita às intervenções a reclamar interesses corporativos (autodesk, lab. associados, etc...). Uma coisa é perguntarmos sobre a área em que trabalhos, o que é natural, outra é o choradinho que o dinheiro nunca mais chega.

    6.- Gosto da intervenção da ANSOL dentro e fora do debate.
    Não me choca que os elemento X seja do partido A ou B. O que é importante é sabê-lo bem para podermos interpretar as suas acções.
    Positivo era se várias pessoas militantes se juntassem à ANSOL e cada uma fazia força sobre o seu partido. O Vitor Domingos já aqui disse que tinha pertencido a uma jota, jsd se me recordo, o que podia ser uma mais valia para a ANSOL.
    Não é necessariamente negativo estar associado a um partido. Até achei bem o Diogo Vasconcelos andar pessoalmente a distribuir programas no fim do debate. Demonstra que não tem vergonha do programa do PSD.
    Por outro lado, a ANSOL faz bem em identificar através de uma tabela as atitudes de cada partido. Isso responsabiliza-os e leva a que para a próxima não "queiram ficar mal na fotografia". A tabela até me pareceu tecnicamente correcta, apesar de não referir que já existiram eurodeputados do PSD (PPE) a simpatizar com o movimento anti-patentes.

    7.- Gostei da força do movimento anti-patentes de software na mesa e fora dela.
    Existem "ondas" que não se conseguem parar porque simplesmente são o resultado da convergência do interesse público. Quando este interesse público é muito forte consegue, e excepcionalmente, sobrepor à vontade das grandes multinacionais. As patentes de software não são boas para nós enquanto utilizadores de software, nem são boas para nós enquanto empresas protuguesas de software (SL ou proprietário), nem são boas para a AP portuguesa. O PP já percebeu que não é uma questão de esquerda ou direita, conservador ou liberal. É uma questão de bom senso. O PSD também não deve tardar muito a lá chegar...
    Em relação ao PS fiquei com a ideia que eram contra as patentes mas o prof. Mariano Gago não foi muito claro. É essa a impressão que quem assistiu?
    O Bruno Dias esteve novamente bem nesta área. Relatou o caso da "consulta" do INPI e o suposto consenso nacional. Engraçado como a atitude sensata, jovem, técnica e cordial passada no debate choca com a imagem actual do PCP. Uma imagem de um partido envelhecido que recusa o voto secreto, que tem o Bernardino Soaras a falar positivamente da Coreia do Norte, o Jerónimo de Sousa de semblante carregado, etc... IMHO, ou o PCP deixa a geração nova pegar rapidamente nas rédeas do partido ou o BE conquista o eleitorado.

    Por fim, toda agente elogiou a APDSI pela oportunidade do debate e com razão.
    Dia 21 de Fevereiro, o day-after, demonstrará se a informação foi half-duplex (sentido mesa-plateia) ou full-duplex (em ambos os sentido).
    Terminando como terminou o prof. tribolet: não basta ter boas ideias, é preciso executá-las.

    Re:Até gostei... (Pontos:2)
    por Init em 11-02-05 17:08 GMT (#44)
    (Utilizador Info)

    1.- Gostei da intervenção do prof. Tribolet, do alto dos seus 120 Kg. :-). Apesar de truculenta, toca numa ferida importante: os "canais" entre os políticos e os cidadãos não estão abertos. Debates como o de ontem deviam acontecer de 4 em 4 meses e não de 4 em 4 anos.

    A democracia está doente, porque os cidadãos não participam nela, é urgente que os representantes oiçam os representados. Mas eu vou mais longe, penso que é necessário adicionar ao nosso sistema politico um formas activas de participação dos eleitores que não e mais frequênte que o referendo, já houve movimentações nesses sentido, mas são muito ténues e de pouca consequência.

    Também demonstra que o prof. Mariano Gago está mais confortável na área R&D do que nas TI (daí o seu queixume que o SL estava a ocupar demasiado o debate). Por esse lado, talvez tivesse sido mais positivo se o José Magalhães pudesse ocupar o seu lugar.

    Concordo!

    Fiquei com dúvidas de quem será o homem Soc. da Informação/UMIC no governo PS... têm pistas? Quem será o homem?

    Só vejo o José Magalhães.

    A tabela até me pareceu tecnicamente correcta, apesar de não referir que já existiram eurodeputados do PSD (PPE) a simpatizar com o movimento anti-patentes.

    A posição dos deputados do PSD e do PP no Parlamento Europeu está mencionada no wiki numa das notas por baixo da tabela.

    Em relação ao PS fiquei com a ideia que eram contra as patentes mas o prof. Mariano Gago não foi muito claro. É essa a impressão que quem assistiu?

    Sim cada vez estou mais confuso quanto à posição do PS.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Até gostei... (Pontos:2)
    por leitao em 11-02-05 18:13 GMT (#45)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/blog/
    4.- Gostei que o prof. Mariano Gago tivesse referido o Grid Computing como uma das áreas a apostar porque, de facto, à parte da Workshop da UMIC / FCCN, estamos 10 anos atrasados.

    De que forma e' que o Grid Computing e' importante para Portugal ?


    I can live with doubt and uncertainty and not knowing. I think it is much more interesting to live not knowing than to have answers that might be wrong.

    Re:Até gostei... (Pontos:2)
    por CrLf em 11-02-05 18:27 GMT (#46)
    (Utilizador Info) http://tudo-sobre-nada.blogspot.com
    È uma buzzword, portanto deve ser importante. :)

    --
    Carlos Rodrigues
    Re:Até gostei... (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 12-02-05 2:16 GMT (#56)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    segundo percebi pelo comentário, pela investigação. convém que alguém saiba o que é em portugal ;)
    -----
    Scientologia: o culto religioso mais poderoso e perigoso.
    Re:Até gostei... (Pontos:2)
    por Tintim em 13-02-05 22:53 GMT (#86)
    (Utilizador Info) http://paulo.trezentos.gul.pt
    Imagina que estás a fazer investigação em teoria dos números (ou qq outra área) e chegaste a uma algoritmo que precisa de poder de computação.
    Ou tens esse poder de computação ou "pedes" emprestado.
    Em Portugal existem alguns centros de I&D com poder próprio. A Univ. de Coimbra, Dep. Física salvo erro, tem o Centopeia com Intel e Alphas. Um centro de física do Técnico tem um cluster de Power G4 e G5. O IGC deve ter mais algumas máquinas e o INESC está a montar um cluster de 20 PCs.
    Pedir emprestado é uma hipótese mas depende da vontade de outros.

    O que me parece sensato em Grid Computing para Portugal é:
    1.- um datacenter com bom poder de computação (um cluster de AMD , um de Itanium2, um de PIVs... num array de blades ou em prateleiras) e algum storage (não precisa de ser uma SAN proprietária) sedeado na FCCN.
    2.- As máquinas com Globus, Condor-G, PVM e MPICH-G instalado. Software de contabilização de horas de CPU gastas por cada user e impedimento de abusos. Infra-estrutura PKI e forma eficaz de distribuir certificados x.509 pelos utilizadores da Grid.
    3.- Políticas bem definidas sobre quem pode se candidatar a utilizar o poder de CPU e bons documentos sobre a forma de o fazer. Os candidatos seria alunos e docentes do Ensino Universitário, Investigadores e outros que o justificassem. Tutoriais sobre como programar e como utilizar a Grid em questão. Algumas sessões de (in)formação.
    4.- As ligações podiam manter-se as actuais após o upgrade em fibra que foi adjudicado há alguns meses pela FCCN.
    5.- Um website de fácil acesso (https://hotpage.paci.org/) em que de forma transparente de pudesse perceber o que está disponível, quem está utilizar, projectos que usufruem, etc...

    Diria que com 200.000 euros se fazia a festa (ferro, kick-off e técnicos para um ano de arranque: apoio a utilizador e administração de sistemas).
    O datacenter (alimentação, AC, UPS,...) está fora e estou a supor que já existiam.
    Acho que de forma pragmática se montava isto em 3 meses e ao fim de 6 meses já seria utilizado por umas 1 lab. associado, 3 institutos públicos, 5 universidades e 10 centros de investigação.

    Os pequenos clusters ad hoc continuariam a existir porque até são bons para se tomar contacto com o problema e investigar na área HPC.

    Parece-me senstato que seja a FCCN a fazê-lo porque: a) é central em termos de comunicações, b) é independente (se fosse para o LIP ou outro lab. iria provocar uma inveja estupida por todos os outros), c) a FCCN tem a reputação de ter uma boa equipa técnica.
    Na pior das hipóteses o projecto corria mal e chegaríamos à conclusão que era um elefante branco quase comparável ao célebre Convex. Aí, desmontavam-se as máquinas e utilizavam-se para outros fins (servidores stand-alone, desktops, ...).
    Por outro lado, se corresse bem, teríamos mais uma ferramenta à disposição dos investigadores (como a B-On) e estimularíamos o desejo de outros em produzir resultados. A FCCN ficava com competências em mais uma área e alguns investigadores podiam entrar na área de middleware e infra-estruturas através de parcerias com a FCCN.

    Respondendo à tua questão: o Grid Computing é importante como um meio para a disponibilização de poder de computação transversal a várias áreas cientificas.
    Apesar de ser a "paixão" do prof. Mariano Gafo, dúvido que seja possível montar o que acima descrevi. Não que 200K seja muito mas porque provavelmente a ideia de incentivar o Grid Computing é lançar um concurso em que meia dúzia de laboratórios propõe fundos para projectos que basicamente servirão para manter a pesada máquina administrativa em andamento.
    Quando alguém dizia no debate da APDSI que eram precisos designios nacionais, pois aqui está um.
    Com 3 anos de atraso.


    Re:Até gostei... (Pontos:1)
    por Drakkar em 11-02-05 20:40 GMT (#50)
    (Utilizador Info)
    É triste continuarem a dar à UMIC créditos em assuntos para que nada contribui ...
    O suposto "Workshop da UMIC / FCCN" foi mais um Workshop do LIP, como se pode comprovar aqui Computação GRID: dia aberto.
    Neste momento a Computação Grid em portugal é importante para um projecto que está a decorrer no CERN e em que alguns físicos portugueses estão incluidos.
    Re:Até gostei... (Pontos:2)
    por Tintim em 13-02-05 22:05 GMT (#85)
    (Utilizador Info) http://paulo.trezentos.gul.pt
    Não era essa que eu falava.
    A que eu falava foi uma que ocorreu no hotel Vila Rica (Entrecampos) e em que estiveram presentes representantes de várias universidades e laboratórios.

    O Grid Computing não é exclusivo da física de altas energias.
    Numa conferência ouvi um dos coordenadores do desenvolvimento do Globus a falar das experiências em curso e as de HEP era uma pequena minoria.

    separar as coisas (Pontos:2)
    por vaf em 11-02-05 16:33 GMT (#43)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/users/vaf12086/
    Que tenha havido uma ou outra combinação no debate, entre pessoas que trabalham juntas ou se conhecem, parece-me possível, mas como não estive lá, não comento.

    A ANSOL pode ter alguns pontos criticáveis, mas não é verdade que tenha um comportamento parcial a nível partidário. Que isso não sirva de razão para alguém se manter afastado da participação.

    É natural que haja questões que têm uma incidência (estatisticamente) maior em determinadas ideologias, mas isso não significa que a questão em si tenha que ver explícita ou exclusivamente com essa ideologia.

    O Software Livre é um excelente exemplo disso, mas, se quisermos, também seria injusto rotular a legalização das drogas leves como uma coisa "de esquerda". E parecer-me-ia normal que uma associação pró-legalização assistisse - se convidada - um partido a elaborar uma lei nesse sentido, fosse ele de que ideologia fosse.

    Fazendo minhas as palavras do jmce, e um pouco em jeito de mea culpa, «why can't we all get along?»
    Pois... (Pontos:4, Esclarecedor)
    por higuita em 11-02-05 19:14 GMT (#48)
    (Utilizador Info)
    ...segundo o que dizes, a ANSOL foi tomada de assalto por rebeldes marxistas do BE, mas nesse caso tenho uma reclamacao a fazer: para a proxima avisem-me, e' que posso andar ocupado, mas nestes ultimos 2 anos ainda ninguem me tentou fazer uma lavagem cerebral nem a por a fumar charros...

    o que dizes e' mentira e sabes bem, a ANSOL esta' aberta a todos os partidos, contactou todos os partidos com assento parlamentar, depende mais esforco a contactar os 2 grandes do que com os outros, que culpa temos nos que estes partidos tenham tanto medo em agir ou por vezes sequer ouvir?!
    o BE e o PCP sao os partidos que mais prestaram atencao ao que dissemos e mais abertos ao que defendemos. o PSD, o PS ora temos avancos, ora recuos, parece que a rede de lobbies dentro dos partidos sao fortes que e' dificil alguem tomar uma qualquer decisao sem ter medo de ser posto de parte... o CDS nacionalmente vai-nos ouvindo, mas no parlamento europeu era um dos partidos que este ve do nosso lado e com uma posicao mais forte que o PS ou o PSD juntos

    como ja' foi dito antes, a ANSOL tem objectivos, se existe um partido politico que apoia esses objectivos, e' dever da ANSOL auxiliar esse partido para tentar implementar esses objectivos, qualquer quer que seja a cor politica... nao nos cabe julgar os temas que nao sejam relacionados com o software livre, somos uma associacao, nao um partido politico.

    se amanha viesse o pessoal de extrema direita com as mesmas propostas que o BE, nada se alterava, tenta-se ajudar o maximo, mesmo que nao seja o ideal de partido que cada um defende (ou ate' pode defender, e' irrelevante)

    tu acusas a colagem do BE e ANSOL, mas na realidade em vez de andares a fazeres acusacoes infundadas podias gastar essas energias a falar com o partido que te sentes mais proximo e tentar convence-lo a rejeitar as patentes de software, a implementar software livre na funcao publica, formatos abertos, etc, etc... mas nao, e' mais simples atirar bocas e deixar o trabalho para outros, que envolve este tipo de decisoes.

    responde-me uma coisa: o que fazias tu se o BE viesse com uma proposta de implementar o openoffice em todas as escolas de portugal e quisesse o teu conselho sobre a proposta?
    mandava-os embora ou verificavas se a proposta nao tinha falhas ou se sequer tinha sentido?

    deixa-me advinhar, preferias que o openoffice nao fosse implementado, porque a proposta era do BE!!
    nesse caso serias ainda mais radical do que qualquer membro da ansol, queres software livre, mas apenas vindo das cores politicas certas (quem sabe tambem das cores de pele e ou do titulo!)

    nao sei se ja' ouviste falar na estatua que representa a justica, aquela que tem uma venda para poder julgar as coisas imparcialmente, sem se levar a enganar por algum pormenor externo a decisao?

    preferiamos que fosse o PS e o PSD a fazer o que o BE faz? sim, a maioria preferia
    vamos recusar o BE (e o PCP) por causa disso? nao
    vamos recusar o CDS porque o BE nos ouve? claro que nao

    mais uma vez, quem nos acusas de colagens partidarias, nao deve fazer mais nada do que ir tentar equilibrar as coisas, chamar o seu partido e aproxima-lo da ANSOL... quem sabe nao consegue fazer um takeover?!


    Higuita
    Re:Pois... (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 12-02-05 2:19 GMT (#57)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    o PP dizer uma coisa mas fazer o oposto? onde tiraste essa ideia?
    -----
    Scientologia: o culto religioso mais poderoso e perigoso.
    Re:Pois... (Pontos:2)
    por higuita em 13-02-05 17:07 GMT (#84)
    (Utilizador Info)
    o PP no parlamento europeu percebeu facilmente que as patentes de software nada benificiam portugal e que portugal tem poucas ou nenhumas hipoteses de fazer frente aos "titas" das patentes... fez o que devia, defendeu os interesses de portugal

    em portugal a historia e' diferente, existe 1º muita gente que sonha com o "el dourado" de ter uma patente milionaria (esquecem-se que mesmo que a tenham, podem estar eles proprios sujeitos a varias patentes milionarias) e pensa que gerir patentes e' algo simples e barato (enganan-se...)

    em 2º lugar, a posicao do INPI e' muito lixada, muitos dos partidos acreditam que eles sao os experts no assunto e logo teem razao (infelizmente, o INPI acredita no que defende e que todas as patentes vao ser optimas, justas e que existe exploracao ou mesmo chantangem... claro que tambem e' do interesse deles terem mais trabalho)

    finalmente, o PSD e PP viram-se numa posicao desagradavel, o da proposta do parlamento nacional ir contra o que os seus representantes no conselho europeu estavam a defender, aceitar a proposta do BE (ja' algo quase impossivel, no maximo abster-se) era desautorizar alguem, e todos sabemos que nos interiores dos grandes partidos os sobreviventes teem de agradar a todos e caso nao o consigam, teem inimigos para a vida que podera' afectar o seu futuro politico

    podem existir casos que que o PP possa ser mais contraditorio, mas este ainda vou percebendo, infelizmente a questao das patentes e' complicada e no interior dos partidos existem apoiantes dos dois lados e muitas duvidas, que provocam todos os saltos de opiniao, dependendo com quem falas

    temos de lutar para as tirar as duvidas e nao baixar os bracos so' porque o INPI e' mais audivel que nos.

    Sobre o assunto de ANSOL/partidos politicos, espero que seja a ultima vez que seja levantado, se se despendesse o esforco que este assunto levanta nas luta contra as patentes de software, provavelmente ja' teriamos mais apoios, nem que fosse porque tinhamos uma opiniao unida de que a luta contra as patentes e a favor do software livre e' APARTIDARIA e menos medos gerava nos partidos.

    Higuita
    Re:Pois... (Pontos:2)
    por Perky_Goth em 14-02-05 0:31 GMT (#87)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    rapaz/homem, peço imensa desculpa, mas estava apenas a ser sarcástico em relação à retórica apresentada por aquele partido, e não era minha intenção despoletar qualquer tipo de resposta ou inclusivé uma opinião bem fundamentada.
    chama-lhe, uma posta de pescada, sem qualquer intuito que não o de uma graçola apontada a certas opiniões/ataques igualmente primários expressados neste fórum.

    cumprimentos.
    -----
    Scientologia: o culto religioso mais poderoso e perigoso.
    Re:Pois... (Pontos:2)
    por higuita em 14-02-05 20:46 GMT (#89)
    (Utilizador Info)
    eu percebi, mas dado todas os problemas de colagem politica e o facto de estarmos em campanha, eu nao podia simplesmente deixar-te "mandar a boca" sem explicar, podia ser acusado de estar a ajudar a denegrir a imagem do PP, algo que nao era a minha intencao.

    estas coisas exigem muita diplomacia e como ja' se viu, qualquer palavra fora do sitio pode ser mal interpretada 8)

    Higuita
    E daí? (Pontos:1)
    por mvitorino em 16-02-05 21:59 GMT (#91)
    (Utilizador Info)
    Viva!

    Citando:
    Desconhecia que um dos mais "movimentadores" membros da ANSOL, Carlos Patrão fosse do Bloco de Esquerda, contudo percebi hoje a razão da colagem da ANSOL ao BE. Foi dificil, tive de sair de sócio, mas percebi. Custou, uff! Este Sr. bateu no software livre, nas patentes, no codigo fonte, enfim naquilo que a ANSOL se debate e aponta o dedo - é natural, é fruta da mesma árvore.

    Tive que reler este parágrafo para tentar perceber se tinha e facto lido bem, tal a incredulidade que me provocou!
    Grande parte dos adeptos destas coisas esquisitas do Open Source são simpatixantes do BE. Prova disso é a sondagem aqui no Gildot onde o BE ganha um pouco à frente do PS. Mas nem é preciso ir tão longe: basta comprová-lo numa pequena sondagem junto duma aglomeração de maluquinhos destas andanças :)

    O espaço é exíguo para tentar perceber porque isto acontece mas de qq. das formas não é isso o mais interessante na sua oservação. O que me faz confusão é porque é uma pessoa não pode ao mesmo tempo ser militanto dum partido e representante/dirigente de uma ou mais associações? E mais: porque é que um partido não pode apoiar as posições duma Associação em determinados assuntos?

    Será que os membros da ANSOL não podem fazer mais nada na vida? Para evitar suspeitas, além da exclusão da actividade partidária, se calhar é melhor nem sequer terem a informática como profissão, não?

    O único problema deste acumular de funções só ocorrerá se as estas se confundirem. Coisa que, na minha opinião, nunca aconteceu e a prova é que até agora parece que ninguém tinha reparado que o Carlos Patrão da ANSOL também é o Carlos Patrão do Bloco.

    De resto, a posição oficial do BE, da ANSOL e, já agora, de grande parte dos leitores do Gildot é a mesma em relação a estas temáticas. Qual a surpresa? As posições destas entidades deixam de ter valor só porque são coincidentes?!

    um abraço,

    miguel vitorino

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]