gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
Microsoft nas Universidades
Contribuído por AsHeS em 31-05-04 14:34
do departamento das alianças
Microsoft jig escreve "Segundo o publico, a Microsoft assinou um protocolo com a Universidade do Porto para apoio à formação de parte dos seus estudantes.
Ao que parece protocolos semelhantes irão ser assinados com:
  • Universidade de Lisboa
  • Universidade do Minho
  • Instituto Superior Técnico
  • Instituto Politécnico do Porto
que entre outras coisas incluem estadias na sede dos E.U.A.
Estas Universidades e Politécnicos sempre nos habituaram a serem muito críticas com todas as instituições públicas em relação a usar produtos da MS e sempre com uma actitude pró-Linux, quer por parte dos seus corpos docentes quer dos discentes.
Alguém tem algo a dizer? "

HP extende suporte OSS/SL | Artigo sobre patentes no Expresso Online  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • Linux
  • publico
  • Mais acerca Microsoft
  • Também por AsHeS
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    $$$$$? (Pontos:0, Redundante)
    por falso em 31-05-04 14:39 GMT (#1)
    (Utilizador Info) http://rdk.homeip.net
    Eu axo que quando se ve o dinheiro a entrar, os ideais desaparecem logo.

    ----------------------------
    if it bleeds, we can kill it
    Re:$$$$$? (Pontos:2)
    por vaf em 01-06-04 2:25 GMT (#48)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/users/vaf12086/
    não tem a ver com ideais, tem a ver com diversidade, conhecimento, independência, liberdade. Se estes forem ideais isso é que já é outra conversa... :-)
    O meu parecer. (Pontos:4, Esclarecedor)
    por 4Gr em 31-05-04 14:53 GMT (#2)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    O protocolo tem vindo a ser discutido e aferido desde há alguns meses atrás, sendo que alguns membros do grupo FreeFEUP, do qual eu faço parte, fizeram parte do grupo de docentes da FEUP e FCUP que fiscaliza e estuda o protocolo em causa.

    No decorrer das reuniões e estudos, pelo que essa pessoa me contou, a atitude dos membros era de total inactividade e passividade: tudo o que era sugerido pela Microsoft nunca era posto em causa e pouca pesquisa era feita. Por esse membro, foram levantadas questões como:

    - O código shared-source só está disponível para vêr, não pode ser alterado nem modificado, nem incluido num relatório de um trabalho;
    - A dependência para com uma entidade vai aumentar drasticamente, sendo que uma instituição pública nunca deveria ter dependências, mas sim um leque vasto por onde escolher;

    Ora, dado que a situação era muito nebulosa, isto é, mesmo pouco clara, foi sugerido que se apurasse de forma exaustiva o que realmente se iria suceder com o protocolo. Devido à inércia dos restantes membros, o membro do FreeFEUP que fazia parte do grupo "demitiu-se" do mesmo.

    Ou seja, resumindo e concluindo, a situação é muito pouco clara: o programa shared-source prevê acesso à source, mas os docentes não o podem usar nas aulas, não pode ser incluido em trabalhos, nem muito menos modificado. Então, para que serve este protocolo?

    Mais marketing...

    Dominus vobiscum
    Re:O meu parecer. (Pontos:3, Informativo)
    por Gimp em 31-05-04 15:12 GMT (#4)
    (Utilizador Info)
    "Então, para que serve este protocolo?"

    Para alguém pôr no currículo, "EU VI!" ?


    "No comments"

    Re:O meu parecer. (Pontos:2)
    por 4Gr em 31-05-04 15:13 GMT (#7)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    Já vi isso, pelo menos, 3 vezes :-)

    Dominus vobiscum
    Re:O meu parecer. (Pontos:2, Engraçado)
    por falso em 31-05-04 15:42 GMT (#10)
    (Utilizador Info) http://rdk.homeip.net
    Eu vim!

    ----------------------------
    if it bleeds, we can kill it
    Re:O meu parecer. (Pontos:2)
    por Gimp em 31-05-04 15:12 GMT (#5)
    (Utilizador Info)
    "Então, para que serve este protocolo?"

    Para alguém pôr no currículo, "EU VI!" ?


    "No comments"

    Re:O meu parecer. (Pontos:2)
    por Gimp em 31-05-04 15:12 GMT (#6)
    (Utilizador Info)
    "Então, para que serve este protocolo?"

    Para alguém pôr no currículo, "EU VI!" ?


    "No comments"

    Re:O meu parecer. (Pontos:2)
    por Gimp em 31-05-04 15:22 GMT (#8)
    (Utilizador Info)
    Peço desculpa pelos posts a mais. Alguém configurou o proxy ISA (puáá!!) em modo eco...


    "No comments"

    Re:O meu parecer. (Pontos:1)
    por Valjean em 31-05-04 15:36 GMT (#9)
    (Utilizador Info) http://republico.estv.ipv.pt/~lbruno/
    Ora, dado que a situação era muito nebulosa, isto é, mesmo pouco clara, foi sugerido que se apurasse de forma exaustiva o que realmente se iria suceder com o protocolo. Devido à inércia dos restantes membros, o membro do FreeFEUP que fazia parte do grupo "demitiu-se" do mesmo.
    A única voz desistiu?

    Em relação ao shared-source, estão previstos alguns métodos de controlo de acesso à source? Por forma a documentar que XYZ nunca viu a dita, p. ex.?

    --
    Este post teve o alto patrocínio de: Colchões Espuma

    Re:O meu parecer. (Pontos:2)
    por Cyclops em 31-05-04 17:28 GMT (#23)
    (Utilizador Info)
    Achas? Aquilo está mais "protegido" que muitos certificados de root...
    Re:O meu parecer. (Pontos:2)
    por Cyclops em 31-05-04 17:30 GMT (#24)
    (Utilizador Info)
    Se eu estivesse nessa posição demitir-me-ia com press release.

    Quando te vês como inútil por seres a única voz contra num grupo que já tem decidida a sua posição, não estás a fazer nada a não ser ter o teu nome associado à decisão quando esta for formalizada.

    Numa situação dessas, a demissão pode ser a única saída honrosa, deixando de facto o grupo com o ónus da decisão unilateral e não balanceada, que pode ser posteriormente contestada.
    Re:O meu parecer. (Pontos:1, Gozão)
    por CrLf em 31-05-04 15:49 GMT (#12)
    (Utilizador Info) http://crodrigues.webhop.net
    Então, para que serve este protocolo?

    Para tornar qualquer um num raio de 100m em redor do código da Microsoft irreversivelmente contaminado.

    -- Carlos Rodrigues
    Re:O meu parecer. (Pontos:2)
    por Init em 31-05-04 20:58 GMT (#32)
    (Utilizador Info)
  • Para encher os bolsos da m$ ou para evitar o esvaziar via impostos.
  • Para aumentar o vicio dos novos técnicos nos produtos deles, ou pensavas que a FreeFEUP não ia ter uma reacção da m$?
  • Para mais tarde haver processos por pelágio sobre quem tivér passado por essas universidades e desenvolver algo semelhante a qualquer produto da m$.
  • Para os envolvidos ganharem imagem, a m$ de empresa boazinha e os responsáveis das universidades talvês apareçam em alguns jornais e revistas, passando assim a ser "muito importantes".

  • «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:O meu parecer. (Pontos:2)
    por Init em 31-05-04 21:01 GMT (#33)
    (Utilizador Info)

    onde está pelágio leia-se plagio...


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:O meu parecer. (Pontos:2)
    por blacksheep em 31-05-04 23:57 GMT (#40)
    (Utilizador Info) http://rpmcruz.planetaclix.pt/
    fizeram parte do grupo de docentes da FEUP e FCUP que fiscaliza e estuda o protocolo em causa.

    Fiscalizar entre aspas... Eles não tem qq poder de refutar tal protocolo.
    Mas sim, caso a opinião fosse uníneme a direcção não teria outro remédio senão, pelo menos, renegociá-lo.
    Re:O meu parecer. (Pontos:1)
    por Axion em 02-06-04 7:59 GMT (#74)
    (Utilizador Info)
    Eu sinceramente ainda estou para perceber para que é que realmente serve o FreeFEUP. É que tirando umas pequenas apresentações iniciais, extremamente reduntantes porque simplesmente vieram demonstrar o que já toda a gente sabia sobre os programas apresentados (Maxima, Octave, etc), vocês realmente ainda não fizeram absolutamente nada. Para mim cheira-me a mais uma desculpa para terem bolsa de investigação e tachos vários, infelizmente vários nesta faculdade que há muito perdeu o prestígio pela qual ainda é reconhecida.
    Re:O meu parecer. (Pontos:2)
    por 4Gr em 02-06-04 11:02 GMT (#76)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    Também espero que o contributo do FreeFEUP para a comunidade seja muito grande. Contudo, e principalmente em Portugal, é bastante difícil mudar ideias já implementadas, principalmente a dependência que os utilizadores, e mesmo os da nossa Faculdade, têm em relação a algum software proprietário como o Windows.

    A nossa missão não é fácil nem nunca será reconhecida a curto prazo, porque não é, para qualquer dos efeitos, uma missão a curto prazo: vamos tentar incutir ideias nos docentes, nos alunos, promover acções sociais de reconhecimento de Software Livre.

    Estamos neste momento a preparar uma oficina de Linux onde qualquer aluno da faculdade ou da Universidade do Porto poderá instalar a sua máquina. Os tais alunos bolseiros que referes, onde me incluo, estarão lá a prestar esse serviço.

    A meio do projecto também está incluída uma fase de desenvolvimento de aplicações para a administração da Faculdade, assim como aplicações diversas.

    Tivemos uma experiência de instalação de OpenOffice.org e Mozilla no SREI, um departamento da FEUP e num futuro muito próximo, uma acção idêntica, mas desta vez com Linux, no DEEC e no CICA. Tudo o resto está dependente da autorização da Direcção da Faculdade.

    Mas claro, vindo de um português não seria de esperar outra coisa do que bota-abaixo. Não te preocupes, o que quer que façamos, é muito comparado com nada.

    Dominus vobiscum
    Re:O meu parecer. (Pontos:1)
    por Axion em 02-06-04 12:10 GMT (#80)
    (Utilizador Info)
    Se te referes ao Linux que já está instalado na FEUP há quase 4 anos, penso que não tiveste nada a ver com ele, visto o FreeFEUP ter sido criado penso que no mínimo este ano lectivo. Quanto à oficina de Linux, relembro que não é a primeira vez que é tentada na FEUP. Não quero dizer que desta vez não seja bem sucedida, mas existindo já núcleos estudantis na faculdade, alguns mesmo vinculados ao CICA e até representantes de associações internacionais, como o IEEE e a ACM, para quê a necessidade de criar outro quando existem mais? Eu não sou bota-abaixo. Apenas tento compreender o excesso de competitividade entre eles na nossa ainda nobre FEUP. Porque não justarem-se esforços e, digo eu, conhecimentos?
    Just a thought...
    Re:O meu parecer. (Pontos:3, Informativo)
    por 4Gr em 02-06-04 18:10 GMT (#85)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    Se te referes ao Linux que já está instalado na FEUP há quase 4 anos, penso que não tiveste nada a ver com ele

    Refiro-me ao Linux que vai ser instalado no CICA/DEEC para docentes e funcionários, não para alunos. Ou má compreensão, ou bota abaixo.

    Quanto à oficina de Linux, relembro que não é a primeira vez que é tentada na FEUP

    Falhou, nós vamos tentar prestar esse serviço de forma a que desta vez, funcione!

    mas existindo já núcleos estudantis na faculdad

    Isto não é um núcleo estudantil. Foi iniciado por três docentes da Faculdade, um dos quais presidente da ANSOL.

    omo o IEEE e a ACM

    Que têm essas duas instituições ou grupos a ver com Software Livre? São de âmbito completamente diferente!

    Apenas tento compreender o excesso de competitividade

    Competitividade só faz bem, mas nunca foi esse o nosso propósito.

    Nós contactamos um desses grupos, o Chefax, e eles aceitaram ajudar-nos no que fosse preciso. A NPF, Núcleo Português de FreeBSD também nos contactou para ajuda, e dentro dos possíveis, será concedidade. Portanto essa ideia que tentas transmitir de alienismo é mentira.

    Parece-me mesmo um bota abaixo, ou então alguém do Reino Linux...

    Dominus vobiscum
    Re:O meu parecer. (Pontos:1)
    por Axion em 02-06-04 20:26 GMT (#86)
    (Utilizador Info)
    Refiro-me ao Linux que vai ser instalado no CICA/DEEC para docentes e funcionários, não para alunos. Ou má compreensão, ou bota abaixo.

    Má compreensão... My bad.

    Que têm essas duas instituições ou grupos a ver com Software Livre? São de âmbito completamente diferente!

    De facto o IEEE não sei, mas no código de ética e conduta do ACM (código de ética e conduta) não está claramente implícito, mas como refere que um dos objectivos é promover a utilização da informática, não vejo qualquer entrave.

    Nós contactamos um desses grupos, o Chefax, e eles aceitaram ajudar-nos no que fosse preciso.

    Eu contactei o Chefax, e não foi isso que me disseram, muito pelo contrário. Ou escondes alguma coisa, ou não deves saber a história toda. Acho bem que fales com eles.

    Parece-me mesmo um bota abaixo, ou então alguém do Reino Linux...

    Oh please!....
    Re:O meu parecer. (Pontos:2)
    por 4Gr em 02-06-04 20:32 GMT (#87)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    um dos objectivos é promover a utilização da informática

    Já viste a quantidade de gente que promove a utilização de informática e nem sabe o que é software, ou nem sequer gosta dele? Aqui nos Gildot são alguns.. e mostram que embora dentro da informática, temos gostos diferentes. Como tal, isso não aplica.

    Eu contactei o Chefax, e não foi isso que me disseram, muito pelo contrário

    Foi, que te disseram?

    Oh please!...

    reinolinux.fe.up.pt

    Dominus vobiscum
    Re:O meu parecer. (Pontos:2)
    por 4Gr em 02-06-04 20:35 GMT (#88)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    errata: onde está software, obviamente é software livre

    Dominus vobiscum
    Não culpes os docentes (Pontos:3, Interessante)
    por blacksheep em 31-05-04 15:12 GMT (#3)
    (Utilizador Info) http://rpmcruz.planetaclix.pt/
    Estas Universidades e Politécnicos sempre nos habituaram a serem muito críticas com todas as instituições públicas em relação a usar produtos da MS e sempre com uma actitude pró-Linux, quer por parte dos seus corpos docentes quer dos discentes.

    Este género de acordos são tomados pela reitoria da Universidade, aos quais o q lhes interessa é promover a Universidade. Quer queiras, quer não, ter a Microsoft como "aliada" da Universidade aumenta o prestígio da mesma.
    É normal perguntar a opinião a um conjunto de docentes para dar uma cara mais bonita à coisa.
    Re:Não culpes os docentes (Pontos:2)
    por jig em 31-05-04 23:06 GMT (#39)
    (Utilizador Info)
    Tens razão,desculpa.
    Foram então os discentes que tomaram essa decisão administrativa contrária às ideias que fizeram querer,com fim a promover a imagem da sua Universidade que se encontra com uma crise de prestígio.
    Os docentes sorriram e fizeram caras bonitas em sinal de acordo e acenaram para a fotografia.

    UNL too (Pontos:2)
    por CrLf em 31-05-04 15:44 GMT (#11)
    (Utilizador Info) http://crodrigues.webhop.net
    Parece que a UNL também vai assinar um protocolo qualquer com a Microsoft. A assinatura vai ser amanhã (dia 1) numa sessão pública às 15h, no anfiteatro 2A do Edifício VII (para informação dos FCTenses que param por estas bandas do Gildot). Vou ver se apareço por lá para ver do que se trata.

    Mas estes protocolos não me espantam minimamente, numa altura em que os produtos da Microsoft são cada vez mais ameaçados por outros (Linux et al) a FCT (e em especial o DI) parece cada vez mais mover-se na direcção contrária, reduzindo as cadeiras onde se usa Linux para passar a usar Windows (o mesmo se pode dizer do GCC/Visual Studio).

    -- Carlos Rodrigues
    Re:UNL too (Pontos:1)
    por Valjean em 31-05-04 15:51 GMT (#13)
    (Utilizador Info) http://republico.estv.ipv.pt/~lbruno/
    Mas soube-se de antemão dessas conversas entre escola e empresa?

    --
    Este post teve o alto patrocínio de: Colchões Espuma
    Re:UNL too (Pontos:2)
    por CrLf em 31-05-04 16:02 GMT (#15)
    (Utilizador Info) http://crodrigues.webhop.net
    É claro que não. Eu só descobri isto há umas horas.

    -- Carlos Rodrigues
    Re:UNL too (Pontos:2)
    por vaf em 01-06-04 2:19 GMT (#47)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/users/vaf12086/
    Tirando o facto de alguns professores andarem desde há alguns anos cada vez mais MS-driven; tirando o facto de cada vez haver menos máquinas nos laboratórios com Linux; tirando o facto haver professores que insistem em usar software da MS em cadeiras onde nada o justificaria, mesmo contra a opinião dos outros docentes (não regentes) da cadeira, entre outras pequenas coisas "estranhas", não, não se tem ouvido falar de nada...

    É minha convicção que há pelo menos um professor "comprado". Deus queira que esteja errado. Ou se calhar não...
    Re:UNL too (Pontos:2)
    por CrLf em 01-06-04 21:16 GMT (#71)
    (Utilizador Info) http://crodrigues.webhop.net
    Essa Microsoftização é óbvia, mas daí a terem alguma vez falado em algum acordo vai alguma distância. Mas na realidade nota-se que um grupo de anteriores opositores aos produtos da MS são agora os seus maiores defensores, será que o tempo em Seattle estava soalheiro?

    -- Carlos Rodrigues
    Pressure Power (Pontos:2, Interessante)
    por gluey em 31-05-04 15:56 GMT (#14)
    (Utilizador Info)
    E' sempre bom ver as melhores Universidades "técnicas" do pais a aderir a protocolos colaterais.

    Chama-se a isto "progressão em linha recta":
    - quando nada opinas, nada podes decidir
    - quando nada fazes, nada sabes
    - quando nada praticas, nada avalias
    - quando não tem ideiais, não ensinas ideiais
    - quando nada decides, alguem decide por ti

    Acho que poucas pessoas no mundo universitário perceberam que podem forçar a M$ a baixar os preços praticados, usando para tal uma incrivel task-force universitária, ansiosa por mostrar o seu potencial aliado a desenvolvimento in-house baseados em Tecnologias Open-Source.

    Apenas um dos exemplos: KDE
    The ugly truth (Pontos:4, Lança-chamas)
    por CrLf em 31-05-04 16:22 GMT (#17)
    (Utilizador Info) http://crodrigues.webhop.net
    O problema é que em Portugal o mundo universitário não está nada interessado nisso. As nossas universidades (no que respeita à informática) são na sua maioria compostas por:

    • professores e investigadores que não têm absolutamente interesse nenhum em criar algo útil. Os seu único interesse é fazer uns proof-of-concept, escrever uns artigos para ganhar nome e receber o dinheiro no fim do mês;
    • professores e investigadores que até gostam mesmo da poda e têm vontade de fazer algo útil mas que são ignorados pelos colegas. Das duas uma, ou seguem a manada ou vão trabalhar para o mundo real;
    • alunos (a maioria) sem nenhum interesse em fazer seja o que for "just for fun". Normalmente são aqueles que pensam que vão para o curso aprender a fazer jogos e que vão sair de lá e ganhar uma pipa de massa simplesmente a coçar a micose. Se não é para ser avaliado numa cadeira e não dá dinheiro então não interessa. É preferível dispender o tempo noutras coisas mais úteis como jogar de manhã à noite e beber uns copos no intervalo;
    • alunos que até têm interesse em fazer alguma coisa de útil e que não têm absolutamente apoios nenhuns, o que é mesmo bom para motivar um gajo. Os mais resistentes ainda vão fazendo umas coisas por fora mas são raros.

    Eu sei que isto é uma visão negra das coisas, mas até agora ainda não vi nada que me levasse a pensar o contrário.

    -- Carlos Rodrigues
    Re:The ugly truth (Pontos:1)
    por Sodki em 31-05-04 17:02 GMT (#20)
    (Utilizador Info) http://www.rnl.ist.utl.pt/~hmtr/
    Se não é para ser avaliado numa cadeira e não dá dinheiro então não interessa. É preferível dispender o tempo noutras coisas mais úteis como jogar de manhã à noite e beber uns copos no intervalo

    o engraçado é que esses são os que ainda fazem qualquer coisa. daquilo que eu tenho visto, normalmente quem pensa apenas nas notas das cadeiras não quer ter nada a ver com computadores nas horas vagas.

    Re:The ugly truth (Pontos:3, Interessante)
    por PRE em 31-05-04 17:35 GMT (#25)
    (Utilizador Info) http://psantos.net
    E eu acho que quem não quer nada com computadores nas horas vagas e está em informática, está no curso errado. Todos os meus colegas mais aplicados têm algum hobby nas horas vagas, fazem jogos, fazem sites, fazem tunning ao seu sistema operativo, etc e tal.

    Acho que é importante este gosto. Se não depois vão trabalhar das 9 às 6 sem gostar do que estão a fazer. Por mais que se ganhe... penso que não compensa.
    _____________________
    Pedro Santos :: psantos.net :: blog

    Re:The ugly truth (Pontos:1)
    por netcrash em 01-06-04 0:21 GMT (#41)
    (Utilizador Info)
    Não me leves a mal.
    É uma pergunta não uma critica ou sarcasmo.
    Esses teus colegas estudam ?!
    Fazem os trabalhos propostos pelos professores ?!
    Eu próprio não ando na faculdade.
    Mas tenho amigos meus que andam e eles andam sempre preocupados com trabalhos para entregar ou testes.
    E sempre uns em cima dos outros praticamente.
    Eu próprio conheço esse pessoal completamente afixionado pela informática que (não na generalidade) mas que dedicam tempo à informática, e o tempo para os estudos fica de lado.
    A informática em si é um mundo muito vasto e nem sempre consiste ficar o dia todo à frente do computador, por esta lógica todos têm lugar no negócio que a informática se tornou.


    Re:The ugly truth (Pontos:2)
    por PRE em 01-06-04 8:34 GMT (#49)
    (Utilizador Info) http://psantos.net
    Eu tenho N actividades fora de aulas, faço tudo, tenho-me safado bem e tou a acabar o bacherlato. Naturalmente depende sempre da pessoa, mas também se tens hobbies provavelmente eles vão contribuir para a tua formação.

    Vais-me dizer que os teus amigos não têm vida pessoal? Isso é sempre relativo, temos de saber organizar as coisas. São sempre casos particulares.
    _____________________
    Pedro Santos :: psantos.net :: blog

    Re:The ugly truth (Pontos:2)
    por CrLf em 31-05-04 18:10 GMT (#30)
    (Utilizador Info) http://crodrigues.webhop.net
    Não são não. É como disse o PRE, aqueles que só pensam nas notas das cadeiras normalmente são aqueles que não têm interesse nenhum em informática a não ser como um meio de (hipoteticamente) ganhar uns trocos valentes.

    -- Carlos Rodrigues
    Re:The ugly truth (Pontos:2)
    por CrLf em 31-05-04 18:13 GMT (#31)
    (Utilizador Info) http://crodrigues.webhop.net
    Hmmm, espera, interpretei mal o que disseste (e ainda por cima repeti o que tinhas dito). Então é assim, esses que eu dizia que só fazem se for para uma cadeira e preferem jogar caso contrário, são o mesmo grupo (pelo menos é o que eu vejo). É que jogar e gostar de informática não é a mesma coisa.

    -- Carlos Rodrigues
    Re:The ugly truth (Pontos:1)
    por Coronel em 01-06-04 0:57 GMT (#43)
    (Utilizador Info)
    o engraçado é que esses são os que ainda fazem qualquer coisa. daquilo que eu tenho visto, normalmente quem pensa apenas nas notas das cadeiras não quer ter nada a ver com computadores nas horas vagas.

    Mas o que é que as horitas de jogo no pc vai fazer pelas suas capacidades técnicas? Ainda se ao menos gastassem o tempo a programar jogos...

    Claro que podem sempre vir a ser gamers profissionais.

    Get a Life!! (Pontos:2)
    por [ Ent ] em 02-06-04 22:59 GMT (#89)
    (Utilizador Info)
    O facto de trabalhar/estudar 8/10 horas por dia apenas faz com que nas horas vagas pense em tudo menos em informática.
    E não é por isso que sou melhor ou pior técnico.Alias, o facto de descansar a minha mente nas horas livres apenas faz com que produza mais quando estou a trabalhar.
    Ja o meu avó me dizia uma famosa frase: "Trabalho é trabalho, conhaque é conhaque" !
    Protocolos? E depois? (Pontos:4, Esclarecedor)
    por PRE em 31-05-04 16:16 GMT (#16)
    (Utilizador Info) http://psantos.net
    Eu ando no ISEL, e já há um protocolo entre a Microsoft e o ISEL há já algum tempo. Isto não significa que não se dê Java, que não se dê Linux, e que eu seja forçado a usar seja o que for. Nunca em altura alguma um engenheiro me disse para usar A ou B porque era da Microsoft. Muito pelo contrário, o que interessam são os conceitos.

    Por isso, qual é o mal desses protocolos? Permitem algumas regalias à faculdade e a alguns alunos. Mas quem não gosta da Microsoft, pode continuar muito bem na sua.
    _____________________
    Pedro Santos :: psantos.net :: blog

    Re:Protocolos? E depois? (Pontos:2)
    por CrLf em 31-05-04 16:23 GMT (#18)
    (Utilizador Info) http://crodrigues.webhop.net
    Pelo contrário, a julgar pelos teus posts acerca do .NET eu diria que o protocolo está a ser um sucesso (para a Microsoft).

    -- Carlos Rodrigues
    Re:Protocolos? E depois? (Pontos:3, Esclarecedor)
    por PRE em 31-05-04 17:17 GMT (#21)
    (Utilizador Info) http://psantos.net
    Por causa da minha preferência pelo .NET? Isso não faz sentido. Ou não te cabe pela cabeça que eu goste do .NET por ser uma boa plataforma? Independentemente de ser ou não da Microsoft?

    Se as escolas fizerem acordos com a CISCO, ORACLE, e outras que não primam pela "Liberdade", acho que não havia tantas queixas, e não havia mais um artigo sobre isso no Gildot. Já não cansa o assunto da Microsoft? Tantos tópicos sobre isso? Não temos mais nada para fazer que falar mal dos outros? Não há mais nada no mundo?

    Eu sinceramente preferia ver no gildot artigos mais sobre o Linux e matérias "Livres" do que tantas bitch fights por causa da Microsoft. Em vez disso vêm todos choramingar por causa de acordos de faculdades, como se isso fosse o fim do mundo. Oh please...
    _____________________
    Pedro Santos :: psantos.net :: blog

    Re:Protocolos? E depois? (Pontos:0, Despropositado)
    por tonidosimpostos em 31-05-04 17:36 GMT (#27)
    (Utilizador Info)
    E acreditas realmente que os consegues fazer ver isso ? Repara, que sem o tópico M$ o gildot ficava sem metade dos artigos (estimativa nao confirmada!) e sem metade das guerrinhas, isto é, o Gildot perdia a piada e o interesse todo.


    .!.
    Re:Protocolos? E depois? (Pontos:3, Esclarecedor)
    por PRE em 31-05-04 17:43 GMT (#28)
    (Utilizador Info) http://psantos.net
    True, true.

    É disto que o meu povo gosta. É Win vs Linux, é ATI vs NVIDIA, é PS2 vs Nintendo, Mandrake vs Slack, Benfica vs Sporting, etc. Acho que as pessoas têm necessidade de falar mal da "concorrência", mesmo sem ter razão para tal. Seja como for gostava que aqui se preocupassem mais em mostrar o lado bom do software livre do que estar a falar mal de outras coisas.
    _____________________
    Pedro Santos :: psantos.net :: blog

    Re:Protocolos? E depois? (Pontos:3, Engraçado)
    por ^magico^ em 31-05-04 17:45 GMT (#29)
    (Utilizador Info) http://fsilva.online.pt/
    É mais Benfica vs Porto...

    Este comentário foi publicado ao abrigo de leis internacionais "How to handle a Troll".
    Re:Protocolos? E depois? (Pontos:2)
    por faustino em 01-06-04 1:12 GMT (#46)
    (Utilizador Info)
    Desculpa mas estás a falar de concorrência e metes o Benfica com o Sporting, tsss tsss tsss issssto não esssstá bem encaminhado, toda a agente sabe que é Porto vs Sporting, o Benfica é mais Benfica vs Real Madrid as grandes equipas que estão a passar uma má fase. ;)))))) Não resisti desculpem lá.
    Eu gostava de ter uma assinatura gira.
    Re:Protocolos? E depois? (Pontos:2)
    por 4Gr em 01-06-04 12:54 GMT (#55)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    Engraçado, parece que o Benfica anda a passar uma muito má fase há mais de 20 anos.. :-)

    Já colocaste o contador a zero para mais 8 anos sem ganhar nada?

    Desculpa, não resisti. Benfiquistas que têm a mania que o seu clube é grande é irresistível ;-)

    Dominus vobiscum
    Re:Protocolos? E depois? (Pontos:2)
    por Init em 31-05-04 21:12 GMT (#34)
    (Utilizador Info)

    Eu acho que qualquer acordo entre uma escola e uma empresa para que se passe a utilizar software proprietário dessa empresa nas aulas é mau, seja a m$ ou qualquer outra, incluindo Sun, IBM e Oracle...

    Fazes ideia do que é shared source e quais os possiveis efeitos que pode ter em quem olhar para o código?


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Protocolos? E depois? (Pontos:3, Esclarecedor)
    por PRE em 31-05-04 21:29 GMT (#35)
    (Utilizador Info) http://psantos.net
    Não, não faço. Mas não me interessa olhar para o código!

    E eu não concordo contigo no ponto das empresas. Penso que um aluno deve ter contacto com várias tecnologias, sejam elas proprietárias ou não, ao longo da sua formação. Se o fizer, sai da escola mais preparado. Pode até ter alguma coisa contra a tecnologia A ou B, mas abriu-lhe os horizontes.

    Até porque, como sabes, nem toda a gente tem os teus ideais, e há pessoas que se estão borrifando para o Software Livre, nem sabem o que isso é, e querem seguir carreira numa empresa que provavelmente terá como base tecnologias proprietárias.

    Eu por exemplo já aprendi Java, COM, .NET, Win32 API, Linux API (epah não sei o nome técnico...). Posso detestar COM e nunca mais querer usar aquilo na vida, mas acho uma mais valia ter aprendido COM. São várias vizões diferentes e podemos aprender com qualquer uma delas.
    _____________________
    Pedro Santos :: psantos.net :: blog

    Re:Protocolos? E depois? (Pontos:3, Esclarecedor)
    por Init em 01-06-04 0:28 GMT (#42)
    (Utilizador Info)

    Se um professor te apresentasse o código numa aula, não tinhas grande remédio. Felizmente parece que isso não legal (o que nunca impediu a maioria dos professores). Cheira-me de alguma forma ou de outra alguns alunos vão ser obrigados a olhar.

    E eu não concordo contigo no ponto das empresas. Penso que um aluno deve ter contacto com várias tecnologias, sejam elas proprietárias ou não, ao longo da sua formação. Se o fizer, sai da escola mais preparado. Pode até ter alguma coisa contra a tecnologia A ou B, mas abriu-lhe os horizontes.

    As Universidades não são meros centro de formação profissional e por isso utilizar técnologias proprietárias é desadequado, seria meramente promover essa técnologia e o ensino público não deve ser utilizado para isso. Ao contrário do que dizes, não abre os horizontes mas fecha é esse um dos efeitos das técnologias proprietárias.

    Até porque, como sabes, nem toda a gente tem os teus ideais, e há pessoas que se estão borrifando para o Software Livre, nem sabem o que isso é, e querem seguir carreira numa empresa que provavelmente terá como base tecnologias proprietárias.

    Nem são obrigados a ter. Mas é totalmente inadmissivél que qualquer entidade estatal seja utilizada como forma de promoção de técnologias proprietárias, ou qualquer forma de tentar viciar os futuros profissionais nessas técnologias proprietárias.
    No entanto se a m$ quiser dar dinheiro para o estado gastar na educação como bem entender, então chege-se à frente, porque isso sim seria algo bom.

    São várias vizões diferentes e podemos aprender com qualquer uma delas.

    Também há muitas visões diferentes dentro do Software Livre, porque nem só de GNU/Linux vive o Software Livre, também há os *BSD, o GNU/HURD, o GNU/Darwin, ou coisas menos semelhantes Unix como o OpenBeOS, FreeDOS, Inferno ou então coisas completamente alternativas como ReacTOS, Menuet, EOS LX. Diversidade é o que não falta no mundo do Software Livre, para que se possa alargar horizontes.

    Eu não acho mal que se fale de software proprietário, até porque tem um importância historica inegavel. Mas para mais que algo a nivél de exemplo para teorias (ou algo semelhante em profundidade), não penso que deva ter lugar no ensino público seja ele universitário ou qualquer outro.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Protocolos? E depois? (Pontos:1)
    por karamelo em 01-06-04 22:57 GMT (#73)
    (Utilizador Info)
    Eu posso-vos dizer que por exemplo no ISEL, a cisco já propôs a criação de uma cisco academy, ao mesmo nível da de Leiria, e a proposta foi recusada devido as exigências da cisco em que fossem leccionadas matérias que não tinham qualquer interesse para um aluno do ISEL, no entanto continuamos a usar equipamentos da cisco nos laboratórios de redes (switchs, routers e aps) e os alunos têm de se desenrascar com a interface da cisco para os equipamentos deles mas o conteúdo está lá, protocolos, problemas etc.

    Com o acordo com a microsoft, é a mesma coisa, alias o acordo com a microsoft é muito mais "liberal" se quiserem podem ver o que foi assinado no caso do ISEL em

    http://www.cc.isel.ipl.pt/Docs/ProtocoloISEL-MS.pdf

    Em relação a isso eu não me pronuncio, sou apenas um professor na área de redes (olá pre :>) e não numa área que sofra com esse acordo com a microsoft.
    Microsoft discrimina 17 mil estudantes da UP (Pontos:2)
    por Cyclops em 31-05-04 16:54 GMT (#19)
    (Utilizador Info)
    Pode ler-se em nesse artigo que a Microsoft assinou um protocolo de apoio à formação de 8 mil estudantes da Universidade do Porto, discriminando os restantes 17 mil.

    Aparentemente, protocolos semelhantes onde se discriminam várias dezenas de milhares de estudantes, foram assinados também Lisboa e Minho, Instituto Superior Técnico e Instituto Politécnico do Porto.

    Alguns destes estudantes vão ter um estágio na sede da Microsoft onde vão conhecer tecnologias que só vão entrar no mercado dentro de 2 anos (cheira-me a Digital Restrictions Management e o seu Longhorn... dentro dos planos da TCPA para remover às pessoas o direito ao controlo do que fazem os seus computadores).

    Entretanto, a remoção de tecnologias de DRM é cada vez mais ilegal com a introdução de novas directivas: EUCD 2001/29/CE (o DMCA europeu), IPRED (aprovada já este ano)...

    ... felizmente AINDA não implementadas em Portugal!

    Pelo menos sabemos quem no Porto é o responsável por este acto discriminatório:
    Lígia Ribeiro, responsável pelo Instituto de Recursos e Iniciativas Comuns da UP, explicou que o protocolo contempla o fornecimento de novos programas informáticos à universidade.

    Ou seja, aceitam uma mísera oferta da Microsoft para apenas 8 mil em 25 mil estudantes, quando poderiam ter apostado em tecnologias que TODOS SEM EXCEPÇÃO poderiam usufruir.
    Re:Microsoft discrimina 17 mil estudantes da UP (Pontos:1)
    por cfduarte em 31-05-04 17:26 GMT (#22)
    (Utilizador Info)
    Errrr... que tal nem sequer oito mil são capazes de estar interessados? Ou achas que um gajo que esteja a tirar história (p. ex.) quer lá saber de ir aos EUA para um estágio na MS?

    Eu pessoalmente acho uma boa notícia e é pena as universidades não assinarem mais protocolos e cooperações com entidades privadas.
    Re:Microsoft discrimina 17 mil estudantes da UP (Pontos:1)
    por BEOWULF em 31-05-04 21:43 GMT (#37)
    (Utilizador Info) http://filipe.eclipsis.ca
    O estágio é mesmo na Sede nos USA??
    Não quero ser muito céptico, mas para alem dos custos cobertos pela M$, não estou a ver muitos estudantes capazes de suportarem os custos de deslocação etc, e vejo assim o numero de 8.000 a descer para apenas 8 os que vão realmente usufruir desse protocolo.

    Valha-nos Deus....
    Re:Microsoft discrimina 17 mil estudantes da UP (Pontos:2)
    por Cyclops em 31-05-04 21:54 GMT (#38)
    (Utilizador Info)
    Não, esses são só alguns poucos. Mas não lhes invejo. É um desperdício de talento.
    Re:Microsoft discrimina 17 mil estudantes da UP (Pontos:2)
    por Karlus em 01-06-04 1:00 GMT (#44)
    (Utilizador Info) /dev/null
    discriminando os restantes 17 mil
    O que dizes é grave. Onde é que leste isto ? Podes transcrever aqui quais foram os criterios discriminatorios da escolha só de 8 mil ?
    Re:Microsoft discrimina 17 mil estudantes da UP (Pontos:2)
    por Cyclops em 01-06-04 12:07 GMT (#53)
    (Utilizador Info)
    Está lá escrito: 8 mil alunos, num universo de 25 mil, ora isso dá 25-8=17!

    A questão principal é que poderiam dar tecnologia informática a todos os alunos sem discriminar ninguém.

    O critério discriminador provavelmente foi quanto a Microsoft quis oferecer, e o que oferecia apenas dava para 8 mil.
    Re:Microsoft discrimina 17 mil estudantes da UP (Pontos:2)
    por Karlus em 01-06-04 15:23 GMT (#61)
    (Utilizador Info) /dev/null
    Continuo na minha, não sabes os "critérios" de participação nesse protocolo. Sabes que são 25 mil alunos e participaram 8 mil. Dos 25 mil nem todos tem bolsa, dos 25 nem todos sao finalistas, dos 25 nem todos gostam da Microsoft, dos 25 nem todos sabem o que é o Linux...
    Um gajo na faculdade ainda(em algumas) pode escolher, quando me enfiaram Java eu optei por não usar o Visual J++ que era a norma.

    E para quem acha isto tudo muito mal... dos 25 só 8 lhe chegaram é positivo. Até lhe devias chamar "discriminação pela positiva". ;-)

    como dizem nos states, (Pontos:2)
    por chbm em 31-05-04 17:35 GMT (#26)
    (Utilizador Info) http://chbm.net/
    Money talks. Shit walks.

    chbm, licenciado pelo IST, UTL. a tempo.
    Digam o que disserem... (Pontos:2, Interessante)
    por BEOWULF em 31-05-04 21:35 GMT (#36)
    (Utilizador Info) http://filipe.eclipsis.ca
    Para alem de todas as opiniões aqui descritas, desde o intere$$e das universidades, profe$$ores, e investigadore$, alunos que pensam nas pipas de ma$$a que podem ganhar ao fim do curso a cossar a micose, etc, etc, e que nada fazem para ao menos criarem obstaculos à M$. Se ao menos ficassem quietos deixassem o passeio sujo para que quando a M$ passa, dê uns tropessões antes de atingir os seus objectivos, nada disso, ainda limpam o passeio e estendem o tapete para que passem de patins em linha sempre a dar gaz!
    Sabe-se que na verdade a M$ num e burra nenhuma, e sabe bem com quem lida, sabe bem a potencialidade das universidades e afins, e é claro que estuda bem as estratégias para saber por qual porta entrar! Ora, sabe-se também que as Universidades num andam a nadar em dinheiro, e qualquer oferta choruda muda as ideias a quem as gere. Em contrapartida são só uns trocos que a M$ gasta, e tem retorno ao fim de uns tempos quando os alunos que usufruiram desses programas começarem a usar e implementar aquilo que lá conheceram e aprenderam a usar porque durante esse tempo não conheceram nem aprenderam outra coisa a não ser produtos M$.
    Isto faz-me lembrar quando ha ja muitos anos fui numa visita de estudos a Espanha e passamos uns dias numa escola onde um agente de uma empresa de software estava a distribuir gratuitamente pelos alunos da escola o seu anti-virus totalmente gratis sem restrições, e tambem a dar formação sobre o seu funcionamento. Apos um professor meu lhe perguntar como eles conseguiam suportar os custos de distribuirem gratuitamente o anti-virus pelas escolas, o agente respondeu que nao era um custo mas sim um investimento, e que o retorno seria um dia quando aqueles alunos forem profissionais numa empresa ou mesmo ate em casa, iriam usar aquele anti-virus porque ja o conheciam e ja o sabiam usar, o que punha lado uma grande percentagem de hipoteses de eles preferirem outros da concorrencia. O metodo ja não e muito novo...

    Como se costuma dizer, ninguem dá nada a ninguem, muito menos a M$, e está visto que e mais uma carta na manga por parte deste gigante que todos são contra mas se deixam facilmente $en$ibilizar...

    E esta hem?
    Alternativas? (Pontos:2)
    por Karlus em 01-06-04 1:11 GMT (#45)
    (Utilizador Info) /dev/null
    Mas que? Alguem estava à espera que fosse a RedHat ou a Suse ou até a CaixaMagica a chegar-se à frente e "patrocinar" a formação de estudantes ? Com viagem incluida aos states ? Talvez o Linus, do bolso dele não ?
    Vamos tirar das universidade a formação Java, Oracle etc só pq são de "empresas malignas", closed source, detentoras de patentes(ui!) ?
    Criticas há muitas, alternativas nenhuma.
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por gass em 01-06-04 9:12 GMT (#50)
    (Utilizador Info) http://otiliamatos.ath.cx
    Vamos tirar das universidade a formação Java, Oracle etc só pq são de "empresas malignas", closed source, detentoras de patentes(ui!) ? Criticas há muitas, alternativas nenhuma.

    Com esta concordo eu !!! Nomeem uma que seja ... uma empresa linux que avance com um projecto similar a esse ...
    Provavelmente, eles até põe ppl a fazer instalações em pc's, enquanto se for linux, tem k andar o ppl do centro de comunicações da uni a fazê-lo (em aveiro é assim) e depois põem tft's de 17'' com rh 9.0 com resoluções tipo 800x600 ... imaginem o atrofio ... ver o gildot só por um quadradinho. Emobra já tenha enviado mail para o cic.ua.pt, n recebi resposta e não vejo melhorias.

    Eles aqui até usam o abiword como editor de texto (eu penso que seria melhor o ooo) e outras coisas assim, como ausencia de java, flash plugins ... bem como ausencia de suporte a multimédia... é assim :P Vou mandar um mail ao glua ... a ver se querem ganhar uns trocos e ir arranjar akilo :P


    Cumps-
    Gass
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por Init em 01-06-04 9:54 GMT (#51)
    (Utilizador Info)

    Mas que? Alguem estava à espera que fosse a RedHat ou a Suse ou até a CaixaMagica a chegar-se à frente e "patrocinar" a formação de estudantes ? Com viagem incluida aos states ?

    Não! Não esperava isso. Só que não é aceitavél que se use software proprietário no ensino público, muito menos que se utilize o ensino público para promover produtos proprietários, seja de que empresa for.

    Vamos tirar das universidade a formação Java, Oracle etc só pq são de "empresas malignas", closed source, detentoras de patentes(ui!) ?

    Sim. Fora com o software proprietário em todas as instituições públicas.

    Criticas há muitas, alternativas nenhuma.

    Se essas empresas estão tão preocupadas com o ensino que deem dinheiro.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Alternativas? (Pontos:1)
    por cfduarte em 01-06-04 10:54 GMT (#52)
    (Utilizador Info)
    Não é aceitável que use software proprietário porquê?

    É tão aceitável como usar "hardware" proprietário (e não me estou a referir a informática). O estabelecimento de ensino tem obrigação de ensinar / qualificar os alunos o melhor que pode e isso implica fazê-lo no maior número de "áreas" possível. Logo é óbvio que têm de usar software da MS, como devem usar software livre (se este for relevante, como é, por exemplo, o Apache).

    E em relação a cooperações, que venham elas! Seja por doação de dinheiro, estágios, equipamento, tudo isso é importante e deve ser feito.
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por Init em 01-06-04 12:57 GMT (#56)
    (Utilizador Info)
  • A aquisição de Software Livre representa menores custos para as universidades.
  • As liberdades do software Livre dão aos gestores a ferramentas que permitem fazer com que a gestão do software represente menos custos.
  • Ao utilizar software proprietário os alunos que não têm dinheiro, para adquirir o software e licenças são discriminados. E nem todos podemos utilizar os equipamentos das universidades e provavelmente nem todos podemos faze-lo sempre/quando necessitamos.
  • Os alunos que não concordam com os termos das licenças de software proprietário são discriminados por não poderem trabalhar em casa.
  • A probabilidade de os alunos utilizarem aquilo que conheçem quando acabarem o curso é grande (se não para que raio lá estariam?), o que significa que a utilização desse software é promoção desse software e no caso do software proprietário significa promover o lucro de uma empresa em detrimento de todas as outras, incluindo as de software proprietário. Ao promover a utilização de Software Livre promove-se o lucro de quem quisér trabalhar incluindo das empresas de software proprietário que quisérem prestar serviços em relação ao Software Livre (é muito mais justo)
  • O risco de contaminação dos alunos e docentes das instituições públicas com código proprietário é inaceitavel para a sociedade, pois significa amputar liberdade a estas instituições públicas.
  • Software é software, hardware é hardware, são coisas diferentes com naturezas diferentes, logo não devem ser comparadas.

    Doações em dinheiro tudo bem. Prendas envenenadas é que não.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por Karlus em 01-06-04 13:14 GMT (#57)
    (Utilizador Info) /dev/null
    Isso é tudo muito bonito e idílico mas depois há uma coisa chamada "o mercado de trabalho". E aí não funcionam ideais.
    Re:Alternativas? (Pontos:1)
    por cfduarte em 01-06-04 13:27 GMT (#58)
    (Utilizador Info)
    A aquisição de Software Livre representa menores custos para as universidades.

    Estamos de acordo.
    Re:Alternativas? (Pontos:2, Esclarecedor)
    por cfduarte em 01-06-04 13:44 GMT (#59)
    (Utilizador Info)
    A aquisição de Software Livre representa menores custos para as universidades.
    Estamos de acordo.

    As liberdades do software Livre dão aos gestores a ferramentas que permitem fazer com que a gestão do software represente menos custos.
    Depende do tipo de "gestão" pretendida. Se a gestão for, a título de exemplo, escrever uma macro (em VBA, p.ex.) é mais fácil do que fazer o mesmo ao código-fonte. Mas em alguns (muitos?) dos casos é verdade.

    Ao utilizar software proprietário os alunos que não têm dinheiro, para adquirir o software e licenças são discriminados. E nem todos podemos utilizar os equipamentos das universidades e provavelmente nem todos podemos faze-lo sempre/quando necessitamos.
    Isto é uma falsa questão: a univ. tem de disponibilizar os equipamentos nas suas instalações para os alunos os utilizarem. Se os alunos querem trabalhar em casa e não podem, "azar" o deles. O sítio de "trabalho" é a Universidade e não a casa de cada um. Poder trabalhar em casa é um benefício, um bónus, e não um direito. Independentemente, acho boa ideia, no caso de software proprietário, a aquisição de licenças de campus que permitam aos alunos utilizar o software no seu computador pessoal.

    Os alunos que não concordam com os termos das licenças de software proprietário são discriminados por não poderem trabalhar em casa.
    Novamente, azar o deles. Tenho a certeza que muitos alunos em, p. ex., ciências políticas não concordam com livros / textos que têm de analisar, mas têm que o fazer. Quem tira um curso, "sujeita-se" ao material / curricula do mesmo. Se não gosta, que desista e vá tirar para outro lado.

    A probabilidade de os alunos utilizarem aquilo que conheçem quando acabarem o curso é grande (se não para que raio lá estariam?), o que significa que a utilização desse software é promoção desse software e no caso do software proprietário significa promover o lucro de uma empresa em detrimento de todas as outras, incluindo as de software proprietário. Ao promover a utilização de Software Livre promove-se o lucro de quem quisér trabalhar incluindo das empresas de software proprietário que quisérem prestar serviços em relação ao Software Livre (é muito mais justo)
    Concordo com a ideia, mas as ilações são erradas. A verdade é que, goste-se ou não, o software proprietário representa a maior fatia do software usado "lá fora" (i.e. mundo "real"). Como tal os alunos DEVEM vir preparados para lidar com este. Se puderem aprender a lidar com outros, alternativos e livres, melhor. Se não der para os dois, deve ser ensinado o que tem maior "peso" no mercado.

    O risco de contaminação dos alunos e docentes das instituições públicas com código proprietário é inaceitavel para a sociedade, pois significa amputar liberdade a estas instituições públicas.
    Parto do príncipio que estás a falar em relação ao caso específico de ter acesso a código.
    É uma responsabilidade que as pessoas têm de ter: eu tenho acesso a material que vai ser (ainda não está) patenteado, que me dava um jeitaço para o meu trabalho, mas não o posso usar. Cabe-me a MIM respeitar isso mesmo.

    Software é software, hardware é hardware, são coisas diferentes com naturezas diferentes, logo não devem ser comparadas.
    Na realidade, não. Pela mesma lógica, a universidade deveria "construir" todo o equipamento ou, no mínimo, apenas utilizar material não patenteado (p.ex.). Isso é irrealista.

    Doações em dinheiro tudo bem. Prendas envenenadas é que não.
    Aonde está o "envenenamento"?
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por Init em 01-06-04 16:16 GMT (#62)
    (Utilizador Info)

    Depende do tipo de "gestão" pretendida.

    Penso que o objectivo da gestão só pode ser minimizar os custos e aumentar a disponibilidade e o retorno de investimento. Qualquer coisa menos que isto não é aceitavel. A forma como o vai fazer é que pode variar, mas a liberdade do Software Livre permite fazer muito mais coisas em prol de uma boa gestão.

    Isto é uma falsa questão: a univ. tem de disponibilizar os equipamentos nas suas instalações para os alunos os utilizarem. Se os alunos querem trabalhar em casa e não podem, "azar" o deles. O sítio de "trabalho" é a Universidade e não a casa de cada um.

    Pá penso que nem todos pretendemos passar 24 horas por dia na universidade. A universidade só deve ter que disponibilizar acesso ao computador aos alunos que não tenham computador. Qualquer coisa mais que isto é um desperdicio de recursos que até nem abundam.

    Poder trabalhar em casa é um benefício, um bónus, e não um direito. Independentemente, acho boa ideia, no caso de software proprietário, a aquisição de licenças de campus que permitam aos alunos utilizar o software no seu computador pessoal.

    Para o aluno poder utilizar esse software tem que aceitar a licença, o que acontece se o aluno não aceitar?

    Novamente, azar o deles. Tenho a certeza que muitos alunos em, p. ex., ciências políticas não concordam com livros / textos que têm de analisar, mas têm que o fazer. Quem tira um curso, "sujeita-se" ao material / curricula do mesmo. Se não gosta, que desista e vá tirar para outro lado.

    Uma coisa é concordar com uma teoria outra é concordar com os termos para os quais os alunos poderia ler essa teoria. São coisas completamente diferentes.
    Quanto ter que se submter aos termos isso não é razoavel por três razões:

  • Quando os alunos se inscrevem numa universidade não fazem ideia de qual é o software que vão ter que usar.
  • Mesmo que soubessem qual o software que teriam que usar antes de se inscreverem na universidade, o software podria sempre mudar.
  • Estou a falar de universidade públicas que têm a obrigação de prestar um serviço mais acessivél a mais gente e não do ensino privado.
  • Concordo com a ideia, mas as ilações são erradas. A verdade é que, goste-se ou não, o software proprietário representa a maior fatia do software usado "lá fora" (i.e. mundo "real"). Como tal os alunos DEVEM vir preparados para lidar com este. Se puderem aprender a lidar com outros, alternativos e livres, melhor. Se não der para os dois, deve ser ensinado o que tem maior "peso" no mercado.

    Não esse seria o objectivo de cursos de formação profissional e não das universidades.
    O estado não deve em caso nenhum funcionar como promotor do lucro de entidades privadas de uma forma discriminatório.

    Parto do príncipio que estás a falar em relação ao caso específico de ter acesso a código. É uma responsabilidade que as pessoas têm de ter: eu tenho acesso a material que vai ser (ainda não está) patenteado, que me dava um jeitaço para o meu trabalho, mas não o posso usar. Cabe-me a MIM respeitar isso mesmo.

    Isto se os professores não obrigarem os alunos, o que não me espantava muito. Para além disso os alunos deveriam estár num ambiente em que não tivessem de se preocupar com isso, mas sim em ter que aprender o mais possivél. Mais tarde vão ter muito tempo para se preocupar com esses problemas.

    Na realidade, não. Pela mesma lógica, a universidade deveria "construir" todo o equipamento ou, no mínimo, apenas utilizar material não patenteado (p.ex.). Isso é irrealista.

    Não acho que se deva comparar coisas diferentes e hardware e software são coisas diferntes. Nem apartir do caso do software se deve concluir nada para seja que outros campos forem, isso é um erro de lógica.

    Aonde está o "envenenamento"?

    Presentes que trazem estes problemas e outros como só cubrir uma parte das licenças necessárias, são presentes envenenados.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Alternativas? (Pontos:1)
    por mrmv em 01-06-04 18:50 GMT (#64)
    (Utilizador Info)
    Não acho que se deva comparar coisas diferentes e hardware e software são coisas diferentes

    É giro ver como a argumentação muda consoante as condições, em muitos outros casos dá jeito comparar com automóveis, microndas, etc. (e não me estou a referir especificamente a ti e a este post pois nem sequer sei se alguma vez o fizeste, mas são exemplos recorrentes)


    "The difference between 'involvement' and 'commitment' is like an eggs-and-ham breakfast: the chicken was 'involved' - the pig was 'committed'." - unknown
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por Init em 01-06-04 19:42 GMT (#66)
    (Utilizador Info)

    Não nunca o fiz. Alias digo sempre que não são a mesma coisa.
    Por isso o teu post não faz qualquer sentido aqui a não ser que esteja a tentar conotar-me com algo que eu não faço.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Alternativas? (Pontos:1)
    por mrmv em 01-06-04 20:20 GMT (#70)
    (Utilizador Info)
    ...(e não me estou a referir especificamente a ti e a este post pois nem sequer sei se alguma vez o fizeste, mas são exemplos recorrentes)

    Podias ter evitado dois posts...


    "The difference between 'involvement' and 'commitment' is like an eggs-and-ham breakfast: the chicken was 'involved' - the pig was 'committed'." - unknown
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por Cyclops em 01-06-04 12:13 GMT (#54)
    (Utilizador Info)
    Eles não vão dar formação vão dar apoio à formação, leia-se, software. Leia-se, vão oferecer uns milhares de licenças. O resto ver por efeito em rede. Quando 8 mil dispersos pela universidade estão a depender de formatos da Microsoft, os restantes vão provavelmente sentir-se na obrigação de utilizar esses formatos para interagir com os outros.

    É um dos factores perniciosos e de autêntica virose tóxica e contaminadora típicos do licenciamento proprietário, e em particular da estratégia de marketting da Microsoft.

    A UP já só tem de comprar 17 mil licenças do software, logo a Microsoft terá uma venda de 9 mil licenças. Especialmente tendo em conta que a Universidade poderia ter ido para OpenOffice.org resultando numa venda de 0 licenças, é um excelente lucro para a Microsoft. E esse é o objectivo.

    As universidades não podem dar mera "formação" em Java ou Oracle, em particular, por se tratarem de tecnologias específicas, deve formar os alunos para saberem pegar na documentação e começar a programar na linguagem de programação que tiverem de utilizar no emprego, por exemplo.


    Re:Alternativas? (Pontos:1)
    por BEOWULF em 01-06-04 14:30 GMT (#60)
    (Utilizador Info) http://filipe.eclipsis.ca
    Concordo com os teus pontos de vista, principalmente com:

    As universidades não podem dar mera "formação" em Java ou Oracle, em particular, por se tratarem de tecnologias específicas, deve formar os alunos para saberem pegar na documentação e começar a programar na linguagem de programação que tiverem de utilizar no emprego, por exemplo.

    Quanto a oferta das 9 mil licenças, se a universidade com isso comprar 17 mil, visto de outro angulo, e fazendo contas... total de 26 mil licencas... oferta de 9 mil... vem a ser equivalente a um desconto de cerca de 35%!
    E o que é isto para a M$?
    Para uma empresa que estaria sujeita a num vender nenhuma licença até é um desconto muito pequeno.

    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por WZ|Dunadan em 02-06-04 9:54 GMT (#75)
    (Utilizador Info) http://www.G4mers-Zone.net
    E o dinheiro das propinas e dos nossos impostos a voar para Seattle... ;)


    G4mers
    Forum-Zone
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por hununu em 01-06-04 21:43 GMT (#72)
    (Utilizador Info)
    As universidades não podem dar mera "formação" em Java ou Oracle, em particular, por se tratarem de tecnologias específicas, deve formar os alunos para saberem pegar na documentação e começar a programar na linguagem de programação que tiverem de utilizar no emprego, por exemplo.

    Hipotética entrevista:

    entrevistador: Mas diga-me lá, o que é que você sabe fazer?
    entrevistado: Olhe, aprendi na faculdade a ler documentação para programar. Diga-me o que quer que eu aprenda e vou saber ao final de uma, duas, três, quatro semanas. Isto com o tempo melhora, já sabe como é!

    entrevistador: Ok, já vi que não sabe nada. Tenha um bom dia.

    Há pessoas que não têm a mínima noção da realidade. Uma faculdade deve educar as pessoas e prepará-las para o mercado de trabalho. Obviamente que isso passa por conceitos e por aplicar esses conceitos numa forma prática, seja ela numa forma proprietária ou não. Quem aplica numa forma, aplica noutra quando precisar. No entanto, aprendeu mais a aplicar numa forma qualquer do que se tivesse ficado a sonhar nas núvens como vejo por aqui.

    Agora, seria também interessante ver alguém provar o que se diz aqui a respeito de ficar mais barato x ou y. Andam as faculdades a tentar ver se lhes compensa passar a usar leenucks e esta gente já fez os estudos todos. É incrível como as coisas são simples e só uns iluminados é que as vêem. Pode ser que esses iluminados vejam os disparates que dizem quando um dia tiverem algum poder e não andem a brincar a feijões.
    http://www.absolutbsd.org/
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por Init em 02-06-04 11:10 GMT (#77)
    (Utilizador Info)

    Há pessoas que não têm a mínima noção da realidade. Uma faculdade deve educar as pessoas e prepará-las para o mercado de trabalho.

    Não esse não deve ser o objectivo principal das universidades, o objectivo das universidades deve ser fornecer aos alunos um conjunto de conhecimentos.
    Para que haja melhor e mais pratico entendimentos dos conhecimentos tem que haver sem qualquer duvida um componente pratica, mas essa componente deve basear-se em técnologias que sejam Software Livre.

    As universidades não são meros centros de formação profissional, nem devem ser encarados como tal.

    O estado não deve fomentar de qualquer forma a utilização de uma técnologia proprietaria, pois isso discrimina as outras técnologias proprietárias, discrimina os alunos, é mau para as escolas (pois fornece menos liberdade para gestão das técnologias), é mau para a investigação, é mau para a transeferência de conhecimento entre os centros de investigação e a sociedade, etc...

    Querem formação em técnologias proprietárias vão para um centro de formação privado, o estado não deve financiar a adopção dessas técnologias.

    Agora, seria também interessante ver alguém provar o que se diz aqui a respeito de ficar mais barato x ou y.

    Não foi isso que se disse aqui. Presta mais atenção!
    O que se disse foi que o Software Livre dá mais liberdade e que essa liberdade dá sem duvidas ferramentas (não necessáriamente técnologicas, mas que podem eventualmente envolver técnologias), que favorecem uma gestão que permite que os custos sejam menores, sendo que esta liberdade não existe no software proprietário e que por tanto por melhor que seja gerido, seria sempre mais dispendioso que uma solução de Software Livre correcta gerida de uma forma apropriada. No entanto também disse que nem sempre as soluções são bem escolhidas e que a gestão é feita da forma adequada, quer com o software proprietário quer com o Software Livre, acrescento agora: que a maior parte dos gestores ainda não sabe aproveitar, ou aproveitar convenientemente as vantagens que a liberdade do Software Livre lhes podem dar, porque ainda estão presos a formas de pensar desadequadas para o Software Livre.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por hununu em 02-06-04 13:04 GMT (#82)
    (Utilizador Info)
    Tens uma visão romance das faculdades. Felizmente que isso não é tentado colocar em prática nas Universidades de topo mundial.

    As faculdades tentam expor os alunos a várias tecnologias existentes pois é isso que existe no mundo e não um mundo virtual feito só de software livre. É responsabilidade do aluno interpretar e compreender as vantagens ou desvantagens do que existe e pode vir a existir e tomar uma opção. Os alunos e os licenciados não são acéfalos coitadinhos sem uma cabeça para pensar e muito menos devem ser "protegidos" do que quer que seja.

    O nazismo de software livre só joga contra o software livre e felizmente que os zealots não são tidos nem achados em posições de decisão.

    Falas muito mas não não sabes do que falas. Apregoas custos mais baixos bla bla bla mas não fizeste nenhum estudo. Quando fizeres algo e tiveres bases além da utopia para afirmares o que afirmas no contexto em que afirmas (Universidades), falamos. Ao contrário de ti, e conhecendo muito bem as necessidades das faculdades desde alunos a docentes e não docentes, parece-me completamente amador proferir afirmações que fazes de uma forma gratuita e sem sustentação.

    http://www.absolutbsd.org/
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por Cyclops em 02-06-04 13:35 GMT (#83)
    (Utilizador Info)
    Felizmente que isso não é tentado colocar em prática nas Universidades de topo mundial.
    Bem, nas universidades de topo ensinam conceitos, e não a linguagem. Ensinar Java não é ensinar OOP, por exemplo.

    As faculdades tentam expor os alunos a várias tecnologias existentes
    Nada disso! Java é uma tecnologia, mas nada mais tem a ver com OOP do que ser uma linguagem OO. Um programador competente sabe os princípios de OOP, e depois disso programar em Java, Eiffel ou C++ é a mesma coisa modulo sintaxe.

    e não um mundo virtual feito só de software livre.
    Isto não seria virtual, mas ideal. As universidades deviam focar-se no software livre, exigi-lo e produzi-lo. Afinal são para divulgar o conhecimento, ou para serem meros clientes de conhecimento desenvolvido por outros?

    Os alunos e os licenciados não são acéfalos coitadinhos sem uma cabeça para pensar e muito menos devem ser "protegidos" do que quer que seja.
    Curioso, tendo em conta a tendência de cada vez mais serem alimentados na boca com colheres de metais preciosos diria o contrário.

    Colocá-los sob a redoma anti-criatividade do software proprietário é que não é nada boa ideia.

    O nazismo de software livre só joga contra o software livre e felizmente que os zealots não são tidos nem achados em posições de decisão.
    Eu acho que os milhões de pessoas que morreram deveriam voltar das campas e espancar-te violentamente pelo que acabaste de comparar.
    a) ninguém está a forçar ninguém excepto o software proprietário
    b) nao se fazer nada favorece o status quo (dominância do software proprietário no ensino)
    c) comparações estúpidas e sem qualquer cabimento só servem para detrimento da própria pessoa que as emite, e influência os mais desatentos.

    Falas muito mas não não sabes do que falas. Apregoas custos mais baixos bla bla bla mas não fizeste nenhum estudo. Quando fizeres algo e tiveres bases além da utopia para afirmares o que afirmas no contexto em que afirmas (Universidades), falamos.
    Ele pode não ter feito nenhum estudo, mas vais negar os que já existem? Vais negar as recomendações que existem?
    De qualquer das formas, o custo do software é o menos, a própria Microsoft diz tratar-se apenas de cerca de 8%, restando os 92% de serviços, nos quais o Software Livre se baseia (segunda a própria Microsoft).

    Ao contrário de ti, e conhecendo muito bem as necessidades das faculdades desde alunos a docentes e não docentes, parece-me completamente amador proferir afirmações que fazes de uma forma gratuita e sem sustentação.
    Erms... parece-me que o acusador acabou de cometer um pecado ainda pior do que o acusado, dado que o primeiro nem sequer tem números para apresentar, ou referes-te aos "Get the facts" da Microsoft?

    Diz-me lá uma coisa em que se justifique que seja preferível a utilização de software proprietário a Software Livre? ATENÇÃO: não me venhas com exemplos treta de aplicações que alegadamente funcionam melhor ou não. Estou a falar da justificação para não se exigir software com licenciamento livre.
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por hununu em 02-06-04 14:40 GMT (#84)
    (Utilizador Info)
    Vou tentar colocar por pontos pois n tenho tempo para prosa literaria :)

    As faculdades podem dar java ou python ou o que seja para praticar OOP ou outra coisa qualquer. Obviamente que se poderia dar a teoria de OOP e não usarem nada na prática. No entanto, até hoje ainda estou para encontrar alguém que seja tão proficiente em algo sem ter posto as mãos na massa. Por outro lado, apesar de alguns exercicios puramente académicos, ainda se fazem projectos úteis nas faculdades e para isso tens que escolher uma tecnologia. O ideal já teres sido exposto a várias para poderes escolher. Conhecimento e' poder, desconhecimento não. So' com conhecimento se pode opinar e decidir de uma forma sustentada.

    As faculdades querem-se envolvidas em projectos competitivos e se para isso implicar trabalhar com tecnologia que nao seja software livre, será um erro crasso passar ao lado de oportunidades. É devido às faculdades Portuguesas quererem ser os paladinos de tudo e mais alguma coisa utópica que hoje em dia há quase ou não existente interacções entre as faculdades e as empresas.

    Lá que para ti seja ideal um mundo só com software livre, recomendo-te que deixes de pensar que isso é o que todas as pessoas querem. O software e' um meio de produzir conhecimento, nunca um fim em si normalmente. Achar que o conhecimento se faz apenas com software livre e' miopia de alguem q so' percebe de computadores e cujos horizontes nao pasam de software per se. Temos decadas de anos de ciencia feita com software nao livre e muitas mais se seguirao.

    Poupa-me a frases de "anti-creatividade" devido a software proprietario e tenta perceber a diferença entre ferramentas e produtos finais. tenta pensar 1 pouco alem de usar apenas software para produzir software e não arte, conhecimento, etc.

    "nazismo" é uma força de expressão, se para ti é apenas a morte de judeus recomendo-te que evoluas a tua capacidade de percepçao literária. Tudo o que dizes nos pontos seguintes e' FUD zealot e ja' n tenho paciencia para ele.

    Se tens algum estudo feito por alguma Universidade Portuguesa sobre a adopção de software livre num contexto universitário, diz-me onde está.

    Eu não apresentei factos mas não emiti sequer uma opinião relativamente aos custos exactamente porque não é possível. Isso foi o que eu disse, espero ter ficado mais claro. Como não há estudos sérios feitos a este respeito, tudo o que se diga é irrelevante pois não passam de convicções. Quando se fala em $ a serio, as convicções não contam para decisões. Repara que eu não sou pro-m$, no entanto, sinceramente, pela minha experiencia nao sei o que fica mais caro neste momento num contexto universitario especialmente ao nivel de nao-docentes.

    Se não encontras exemplos, wake up and smell the coffee. O que para ti é um exemplo da treta para outros é algo crítico. A miopia é uma coisa terrível.


    http://www.absolutbsd.org/
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por Init em 02-06-04 23:48 GMT (#90)
    (Utilizador Info)

    As faculdades podem dar java ou python ou o que seja para praticar OOP ou outra coisa qualquer. Obviamente que se poderia dar a teoria de OOP e não usarem nada na prática. No entanto, até hoje ainda estou para encontrar alguém que seja tão proficiente em algo sem ter posto as mãos na massa.

    Se reparares no meu post também disse isso, mas isso não justifica obrigar os alunos a utilizar software proprietário. Pode-se dar a parte pratica perfeitamente com Software Livre, protegendo assim os interesses dos alunos (que até poderiam assim utilizar software proprietário em casa se o quisessem) e a faculdade.

    Não preciso de nenhum estudo que me diga que ao poder fazer mais coisas por ser livre para isso, tenho inerentemente mais poder para fazer uma gestão melhor, mas como também disse anteriormente, essa gestão melhor não existe apenas por ter a liberdade, a liberdade apenas permite que aconteça.
    Mas se queres ver estudos, pode ver este por exemplo.

    As faculdades querem-se envolvidas em projectos competitivos e se para isso implicar trabalhar com tecnologia que nao seja software livre, será um erro crasso passar ao lado de oportunidades.

    Competir é para as empresas, a Universidades devem limitar a criar e divulgar conhecimento e transferi-lo para a sociedade e a melhor forma de o fazer no que diz respeito a informática é o Sofware Livre, a qualidade de um software é algo volátil, o que é melhor agora pode ser mau para o ano que vem e vice-versa, escolher um modelo de licenciamento não é escolher software a qualidade do código depende da maturidade do processo de desenvolvimento e não da forma como é licenciado.

    O software e' um meio de produzir conhecimento, nunca um fim em si normalmente.

    O Software é ambas as coisas, dependendo de com quem estás a falar. Se estiveres a falar com um informático é o fim por si proprio se falares com outro utilizador é de facto um meio de fazer algo, para melhorar a qualidade do desempenho de uma tarefa, ou a velocidade de desempenho da tarefa enão necessáriamente pare ele proprio produzir.

    Achar que o conhecimento se faz apenas com software livre e' miopia

    Mas não se disse isso. O que achamos é que o Software Livre é a melhor forma para o fazer porque é simbiotico, em relação a utilizadores e programadores. Porque o software proprietário dá so a alguns e esses alguns é que decidem quem é que pode ter acesso e o Software Livre dá a todos é uma forma muito melhor de aumentar o retorno de investimento que é feito pelos contribuintes nos impostos, sendo que com o retorno de investimento pode gerar ainda mais beneficios para as universidades (contribuições da sociedade como é comum haver na comunidade de Software Livre e de Open Source Software).
    Mas porra! Será que não é obvio que um software que pode ser livremente estudado e modificado tem muito mais potêncial para criação e divulgação de conhecimento informático?

    "nazismo" é uma força de expressão,

    Que é bastante excessiva para ser utilizada neste caso e em qualquer outros em que não haja genocidios de milhões de pessoas e politicas de extrema direita.

    O projecto FreeFEUP por exemplo vive à conta de dinheiro poupado na aquisição de software proprietário. Quem está mais por dentro que confirme


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Alternativas? (Pontos:2)
    por hununu em 07-06-04 12:31 GMT (#99)
    (Utilizador Info)
    Competir é para as empresas, a Universidades devem limitar a criar e divulgar conhecimento e transferi-lo para a sociedade e a melhor forma de o fazer no que diz respeito a informática é o Sofware Livre, a qualidade de um software é algo volátil, o que é melhor agora pode ser mau para o ano que vem e vice-versa, escolher um modelo de licenciamento não é escolher software a qualidade do código depende da maturidade do processo de desenvolvimento e não da forma como é licenciado.

    Só um pequeno comentário (tudo o resto já estou farto de ler e são lirismos de achar q somos todos programadores). É pela falta de competitividade das faculdades que actualmente estão completamente sem dinheiro. É devido 'a falta de capacidade de evolução da parte das faculdades de se inserirem na sociedade que as mentes mais brilhantes estão a sair das faculdades. A competição é saudável e recomenda-se. Quando não há competição estagna-se... Provavelmente achas que as empresas não fazem investigação nem fazes ideia que a melhor investigação do mundo é provavelmente feita em empresas ao invés de faculdades e centros de investigação devido a várias condicionantes negativas destes últimos.

    Pensei que a malta nossa tivesse mais abertura para ver projectos conjuntos entre empresas e universidades, mas estou a ver que a arrogancia das faculdades ao olhos dos portugueses ainda é bom...

    http://www.absolutbsd.org/
    Univ && linux (Pontos:2, Esclarecedor)
    por DaniGri em 01-06-04 18:07 GMT (#63)
    (Utilizador Info) http://Jogos.Play.SAPO.PT
    bem .. eu posso dar o meu caso como exemplo .. estou na univ de beja (IPBeja.PT) e apenas uso linux ... Para arranjar ferramentas de trabalho para aquilo que é pedido na escola, é sempre um caso complicado .. pede-se ajuda aos docentes a ver se conhecem algum programa para linux que faça o mesmo ... ng sabe nada. Eu vi um prof .. sr dr eng zbr .. (eu estou em eng. informatica) a fazer um ssh da seguinte forma: ssh login_de_um_aluno .. e penso q ele leciona a cadeira de sistemas operativos tb,o q é bastante interessante. Anyway .. sempre que quero algum programa para linux como os que eles usam em windows .. ex: compilador de assembler para ijvm .. tenho q o arranjar sozinho uma vez q as respostas do prof são ... instala windows. Portanto, eu como utilizador de linux, não tendo absolutamente nada contra os que usam outros pseudo-SO's like windows acho tudo isso bastante mal. Cada um deve ser livre de usar aquilo que quer usar e os docentes que lecionam num curso como este deveriam ser obrigados a saber pelo menos alguma coisa *não* windows.
    Re:Univ && linux (Pontos:1)
    por MC em 01-06-04 19:15 GMT (#65)
    (Utilizador Info) http://not.available.yet/
    Então mas queres usar Sistemas Operativos alternativos e ainda queres que os outros te arranjem os programas para eles? Realmente há cada um... Vá lá, não te lembraste de usar um Symbian ou algo do género.

    Geez.
    MC

    Re:Univ && linux (Pontos:2)
    por Init em 01-06-04 19:47 GMT (#67)
    (Utilizador Info)

    Para mim o sistema alternativo é o window$, porque se não me obrigassem a utilizar eu não utilizava, porque não gosto da forma como está licenciado nem sinto qualquer necessidade técnica de o utilizar.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Univ && linux (Pontos:1)
    por MC em 02-06-04 11:26 GMT (#79)
    (Utilizador Info) http://not.available.yet/
    Então mas e não fazes queixa? Costumam ameaçar-te com armas? Esses malandros...!
    Re:Univ && linux (Pontos:2)
    por Cyclops em 02-06-04 12:24 GMT (#81)
    (Utilizador Info)
    Presumo que ameaças implícitas de chumbo... o que para um estudante é quase tão mau como se fossem armas.
    Re:Univ && linux (Pontos:2)
    por Init em 02-06-04 23:54 GMT (#91)
    (Utilizador Info)

    É simples. Se não utilizar software proprietário chumbo, é um facto. Já aconteceu.
    Infelizmente os custos de manter-me a estudar são ainda maiores do que estava à espera o que significa que fui obrigado recentemente a fazer despesa com software proprietário para não ter outra despesa ainda maior, estou a falar de valores largamente superiores a 1200 euros se não fizesse uma despesa em software proprietário que não me serve para mais nada até porque não gosto dele.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Univ && linux (Pontos:2)
    por Init em 02-06-04 23:55 GMT (#92)
    (Utilizador Info)

    Este valor de 1200 euros é so por seis meses, e não são todos os custos que tenho nesse periodo.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Univ && linux (Pontos:1)
    por mrmv em 03-06-04 1:03 GMT (#95)
    (Utilizador Info)
    Desculpa lá mas a instituição não o licenciou para os estudantes?

    É que estás a contar-nos histórias que, falando por mim, não estou a reconhecer, nem entendo... podes acrescentar mais alguma coisa ou mesmo concretizar, já agora para perceber?


    "The difference between 'involvement' and 'commitment' is like an eggs-and-ham breakfast: the chicken was 'involved' - the pig was 'committed'." - unknown
    Re:Univ && linux (Pontos:2)
    por Init em 03-06-04 9:39 GMT (#96)
    (Utilizador Info)

    Desculpa lá mas a instituição não o licenciou para os estudantes?

    Não. Não licenciou, alias ao que sei de momento apenas tem um acordo com a Sun a propósito do StarOffice (eu uso OpenOffice.org), mas não licencia qualquer outro software para os alunos, o unico software (para além do StarOffice) que é fornecido gratuitamente aos alunos é o produzido por ela própria, e sempre funcionou assim em todas as instituições de ensino por onde passei, também funciona assim em outras instituições onde conheço gente (não em todas).


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Univ && linux (Pontos:1)
    por mrmv em 03-06-04 21:43 GMT (#97)
    (Utilizador Info)
    Se não o licencia não o pode exigir ao aluno, isto é nonsense...


    "The difference between 'involvement' and 'commitment' is like an eggs-and-ham breakfast: the chicken was 'involved' - the pig was 'committed'." - unknown
    Re:Univ && linux (Pontos:2)
    por Init em 04-06-04 12:44 GMT (#98)
    (Utilizador Info)

    Mas é o que acontece.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Univ && linux (Pontos:2)
    por 4Gr em 01-06-04 19:56 GMT (#69)
    (Utilizador Info) http://www.fe.up.pt/freefeup
    Olha que curioso, para mim e para muitos outros o sistema operativo alternativo é o Windows. Aliás, no meu caso é mesmo exclusivo, porque só o uso se me obrigarem mesmo, nunca por opção.

    Dominus vobiscum
    Re:Univ && linux (Pontos:1)
    por MC em 02-06-04 11:22 GMT (#78)
    (Utilizador Info) http://not.available.yet/
    Pois, mas o conceito de alternativo não se aplica assim, mas de uma forma global. Para os que ouvem maioritariamente "música alternativa", essa música não é a alternativa para eles...

    Mas se são assim tantos os que usam Linux como SO principal... não deve ser difícil encontrar os tais programas, afinal...

    Cheers!
    MC
    Re:Univ && linux (Pontos:2)
    por Init em 02-06-04 23:57 GMT (#93)
    (Utilizador Info)

    O problema não é encontrar software para GNU/Linux é poder utiliza-lo para estudar e apresentar os resultados do estudo.


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Univ && linux (Pontos:2)
    por Init em 01-06-04 19:52 GMT (#68)
    (Utilizador Info)

    Na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto há um projecto que te pode dár uma ajuda, pelo menso algumas vezes, de resto vai também passando pela mailing list geral da ANSOL, talvês alguém te possa ajudar mais...


    «They that give up liberty to obtain a little temporary safety, deserve neither liberty nor safety» Benjamim Franklin (1706-1790)
    Re:Univ && linux (Pontos:1)
    por DaniGri em 03-06-04 0:08 GMT (#94)
    (Utilizador Info) http://Jogos.Play.SAPO.PT
    nao se trata disso.. a questao eh q nas escolas deste país soh se dah software que muitas vezes soh há para windows .... e eu respondi a uma notícia q trata dessa kestao ... nao tem nada a ver com a minha escolha de sistema operativo. A questao eh q .. tu para usares windows (teoricamente) tens q pagar ... tens q comprar o software todo que usas (teoricamente) .. e jah chega o dinheiro que pagas em propinas e etc ... a escola não te pode obrigar a usar windows ou outra coisa qq .. e de certa forma eh isso q eles fazem .... pk ? pk a micro$hit ajuda e pk ng se está para chatear.. era aí que eu keria chegar.

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]