gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
Caixa Mágica estabelece protocolo com Exército
Contribuído por AsHeS em 13-10-03 19:55
do departamento da segurança
Caixa Mágica Duke escreve "Segundo esta notícia do site oficial da distro tuga, o Caixa Mágica assinou um protocolo com o Centro de Informática do Exército, para fornecer uma Firewall (ProGuard) que provavelmente equipará a rede interna do exército.
Uma pergunta: porquê a firewall? Porque não o fornecimento do sistema operativo? Isto é um pequenino passinho... Vamos ver se depois se dá um passo como deve ser.
OffTopic: A firewall ProGuard será demonstrada na Inforpor e estará disponível a partir de Novembro de 2003. "

Dual boot win/linux nas Universidades | Vodafone (PT) entra no mercado WI-FI  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • Duke
  • notícia
  • site oficial da distro tuga
  • Centro de Informática do Exército
  • Mais acerca Caixa Mágica
  • Também por AsHeS
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    E não só... (Pontos:3, Informativo)
    por [Cliff] em 13-10-03 20:06 GMT (#1)
    (Utilizador Info) http://www.yimports.com
    também estão a planear a migração para o OpenOffice.org... talvez outra pessoa cá deixe os detalhes :)
    Espero não estar a transmitir nada que não possa, mas fiquei mesmo contente... é que são 100 estações de trabalho :)

    ----------
    -1: Redundante!
    Re:E não só... (Pontos:3, Interessante)
    por mad em 13-10-03 20:27 GMT (#2)
    (Utilizador Info)
    Se assim for, de facto é um pequeno grande passo.
      E espero que alastre tb a departamentos públicos e escolas. Continuo a não entender o porquê de não utilizar openOffice nas escolas , se é para ensinar processador de texto ou folha de cáculo pq não OpenOffice.org? Não tem um processador à seria ou folha de calculo?


    Cumprimentos mad
    Re:E não só... (Pontos:3, Interessante)
    por striker em 13-10-03 22:00 GMT (#4)
    (Utilizador Info)
    Ainda há semanas atrás a minha professora de EOTD disse que a escola pagou alguns milhares de contos em licenças de MS-Office e MS-Windows, pelo que eu perguntei se já tinham considerado usar o openOffice.

    Fui ignorado como se não tivesse falado.
    humm.


    []
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por racme em 14-10-03 2:27 GMT (#9)
    (Utilizador Info) vendetta.guildsoftware.com
    Ainda há semanas atrás a minha professora de EOTD disse que a escola pagou alguns milhares de contos em licenças de MS-Office e MS-Windows, pelo que eu perguntei se já tinham considerado usar o openOffice.

    Fui ignorado como se não tivesse falado.
    humm.


    so ignorado? Ela nao te meteu na rua e nao apresentou queixa ao conselho directivo? pelo menos 30 reguadas na palma da mao devias levar, ou uns estabefes no minimo e uma reuniao convocada com o encarregado de educacao. Ja nao ha respeito!! Onde ja se viu um aluno desafiar a autoridade e levantar-se no meio da aula a sugerir a' professora o uso de software nao proprietario, opensource!!!?!

    Tou neste momento com um livro de ITI - Introducao às Tecnologias de Informacao, de Ana Antas, Maria Joao Esteves e Rui Garcia, da Platano Editora, de um catraio que anda no 12º ano.

    O livro sao 2 volumes, Bloco I e Bloco II e custou uns tantos euros, mais de 20, o engracado do livro e' que so no final do 2º volume e' que sao abordados temas como redes de computadores (breve introducao), linguagem de programacao (pascal) e sistemas operativos(ja la vamos..), ou seja no final estao os temas mais importantes. Relegados pros ultimos dias de aulas que geralmente significam que sao temas que nao vao ser abordados.

    O Primeiro Volume do livro e' dedicado inteiramente a' Microsoft. 8 CAPITULOS!
    Desde Microsoft Word, Microsoft Excel, Microsoft Powerpoint ao Microsoft ACCESS!
    Sinceramente tenho aqui alguns manuais da Microsoft de antigos cursos de formacao na Rumos, e outros cursos patrocionados por algunas instituicoes bancarias e fundos comunitarios etc, adiante, o engracado e' que nao consigo distinguir entre os Manuais com a chancela da Microsoft e os manuais escolares acreditados pela instituicao de ensino Secundario (ESCOLA SECUNDARIA NO CONCELHO DE SINTRA) bem como pelo Ministerio da Educacao.

    Na seccao de redes, para admirar, fala-se de routers, cat 5, gateways ate as 7 camadas do modelo osi.. enfim supreende pela positiva.
    Ja na seccao de sistemas operativos, somos brindados com este excelente prosa

    "SAbia que?"

    Os atrasos na producao do Windows NT nao deixaram a imagem deste sistema operativo incólume. Ao contrario do que Bill Gates e David Cutler pensavam, os sucessivos adiamentos da data de lançamento do programa e das diferentes versoes beta mancharam o nome da Microsoft e do sistema operativo - que foi apelidado de vaporware - (aplicacao anunciada, mas que so sera lancada para as calendas gregas).

    Apesar de estar a ser comercializado desde meados de 1993, o Windows NT so recentemente comecou a ter expressao de vendas nas empresas.
    Grande parte das culpas devem-se aos atrasos que desiludiram muitos clientes que deveriam ter criado aplicacoes para o sistema operativo acabaram por nao o fazer. Averdade e que quase todas as aplicacoes para Windows e DOS correm no NT, tal como prometido por Bill Gates, mas nao com o nivel de desempenho desejado.
    Pode dizer-se, porem que o windows NT teve um final feliz. No ultimo ano muitas empresas comceram a substituir os seus sistemas operativos de rede de UNIX e NOVELL para Windows NT.


    Estou incredulo?! Este nao pode ser o programa que esta' a ser ensinado aos nossos jovems!!

    e anda aquela pobre coitada professora de portugues a gritar aos quatro ventos que andam a debater a literatura BigBrodiana nas aulas do 10º ano!!





    Those who do not understand Unix are condemned to reinvent it, poorly.
    -- Henry Spencer
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por 4Gr em 14-10-03 3:22 GMT (#10)
    (Utilizador Info)
    Tu tens noção de quanto a Microsoft anda a pagar ao Estado e a terceiros para que coisas como as que tu relataste se sucedam?

    É o poder nefasto e exacerbado do dinheiro.

    Revolta-me...


    Dominus vobiscum
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por pcardoso em 14-10-03 14:58 GMT (#42)
    (Utilizador Info) http://insomni.org
    da última vez que vi, era o estado que pagava à MS..

    claro que isto com um desconto enorme, para dar a ilusão que se poupa muito dinheiro, quando no fundo é ridículo quando é de todo o interesse da MS ter alunos a usar software deles de modo a criar habituação... credo! parece que falo do consumo de droga..

    I live the way I type; fast, with a lot of mistakes.
    Não é ao Estado. (Pontos:2)
    por fhc em 14-10-03 15:36 GMT (#44)
    (Utilizador Info)

    O Estado é que lhes paga. É a alguns do Estado e da Comunicação Social, e de Professores e Líderes de Opinião, e outros afins, que retorna algum do dinheiro, por fim a que eu e tu, zé povinho, continuemos a depender dos mal acabados produtos Microsoft para termos voz nesta sociedade.

    Por isso, comparemos a Microsoft ao Laboratório Farmacêutico. Linux é o genérico. E a Microsoft diz constantemente: «confie no seu médico». É claro que antes unta as mãos dos médicos, se não com subornos, pelo menos com Érre-Pê.

    Francisco Colaço


    Re:E não só... (Pontos:1)
    por plexar em 14-10-03 9:53 GMT (#15)
    (Utilizador Info)
    Quando tive essa disciplina (há para aí uns 10 anos) era já na altura MS-oriented (outra coisa não seria de esperar). Mas o material de estudo eram apenas umas fotocópias mal amanhadas pelo docente! O programa era ainda sobre o DOS e o Windows 3.1

    Curiosamente preferi o segundo bloco (o segundo ano da disciplina) em que só foi dado algoritmia e programação.

    Suponho que na altura não existisse alternativa, mas agora que há essa possibilidade, acho que não faria mal nenhum se os alunos do secundário tivessem um contacto mais abrangente com a Informática através do Linux.


    Plexar.
    Re:E não só... (Pontos:4, Interessante)
    por fhc em 14-10-03 15:54 GMT (#47)
    (Utilizador Info)

    Um dos livros mais antigos de ITI era de um professor que dava (talvez ainda dê) aulas na Universidade Católica Portuguesa, onde tirei o curso. Foi meu professor, e teve que me dar um vinte por tabela.

    Não me levem a mal, espero, e acho que já deve estar melhorzito; mas, se ELE escrevia livros que eram considerados e adoptados para o ensino de jovens em Portugal, já percebo a INFANTILIDADE dos livros de matemática, português e ciências que me vêm parar à mão.

    De qualquer modo, ele não precisaria sequer de ser untado pela Microsoft. A sua admiração era incondicional. E não sabia programar senão em ISO pascal.

    Francisco Colaço


    Re:E não só... (Pontos:1)
    por plexar em 14-10-03 9:22 GMT (#13)
    (Utilizador Info)
    Se calhar a tua professora nem sabe o que isso é! Daí o silêncio..


    Plexar.
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por hununu em 14-10-03 1:37 GMT (#6)
    (Utilizador Info)
    Continuo a não entender o porquê de não utilizar openOffice nas escolas , se é para ensinar processador de texto ou folha de cáculo pq não OpenOffice.org? Não tem um processador à seria ou folha de calculo?

    Não, não tem. A folha de cálculo do OpenOffice não dá para nenhum aluno de engenharia. Se tentares que dê como eu tentei, chegarás à conclusão que o tempo que perdes é incomparavelmente mais valioso que o custo de uma licença de excel. Claro que ao ponderares comprar um excel, podes também ponderar comprar rivais comerciais que são provavelmente bons também. Mas como não conheço, não falo.


    http://www.absolutbsd.org/
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por racme em 14-10-03 1:46 GMT (#7)
    (Utilizador Info) vendetta.guildsoftware.com
    Continuo a não entender o porquê de não utilizar openOffice nas escolas , se é para ensinar processador de texto ou folha de cáculo pq não OpenOffice.org? Não tem um processador à seria ou folha de calculo?

    Não, não tem.


    deves sentir a falta do vba script for applications...
    OO chega e sobra pra tudo e mais alguma coisa que se entenda como OFFICe no sentido lato da palavra



    Those who do not understand Unix are condemned to reinvent it, poorly.
    -- Henry Spencer
    Re:E não só... (Pontos:3, Interessante)
    por hununu em 14-10-03 12:31 GMT (#30)
    (Utilizador Info)
    deves sentir a falta do vba script for applications...
    Eu sinto é a falta de coisas que me tornam produtivo. Até podia ser visual basic, pascal ou cobol que era preciso programar para ter um botão para fazer o que eu queria. O mundo real não se compadece com escolhas de teóricos... é com as coisas que funcionam na altura e quando são precisas. Até pode ser não ser a melhor escolha técnica, mas se funciona melhor...

    Já alguma vez utilizaste o excel para fazer algo mais que as contas de mercearia ou simplesmente mandaste a boquinha porque andas a ler que isso é mau? O que é que a boquinha infantil da linguagem tem a ver com o meu argumento?

    Escrever neste forum torna-se cada vez mais exasperante ao ter que levar com bocas desnecessárias quando se tras algum insight que não esteja de acordo com alguns. A verdade não é absoluta e eu já escrevi dois simples casos em que não pude usar OO.org pelo trabalho extra que me iria dar.

    http://www.absolutbsd.org/
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por racme em 14-10-03 14:29 GMT (#38)
    (Utilizador Info) vendetta.guildsoftware.com
    deves sentir a falta do vba script for applications...
    Eu sinto é a falta de coisas que me tornam produtivo.


    ate o vim consegue ser mais produtivo do que imaginam, tudo depende e' em que maos se encontra

    Até podia ser visual basic, pascal ou cobol que era preciso programar para ter um botão para fazer o que eu queria. O mundo real não se compadece com escolhas de teóricos... é com as coisas que funcionam na altura e quando são precisas. Até pode ser não ser a melhor escolha técnica, mas se funciona melhor...

    Eu ja vi e seguindo a outra thread que o teu problema e' de copy&paste
    Eu cada vez que alterava algo carregava simplesmente num botão para me resolver de novo iteractivamente o cálculo.

    Já alguma vez utilizaste o excel para fazer algo mais que as contas de mercearia ou simplesmente mandaste a boquinha porque andas a ler que isso é mau? O que é que a boquinha infantil da linguagem tem a ver com o meu argumento?

    O que e' que entendes por contas de mercearia? relatorios em word ou meras folhas de calculo? Octave e ou matlab ou isso e' mais que contas de mercearia? Ou o gnumeric como ja te referiram. Se te picaste, nao foi essa a intencao, logo nao sei onde ves tanta angustia nas minhas palavras e ou neste forum.

    e permite-me o reparo
    O office do openoffice já tem um solver? Se não tem, basicamente não pode dar para engenharia.
    (...)
    O mais giro é que existem uns pdfs em que o solver é profundamente documentado pelas pessoas que fizeram o solver do excel. Não, não foi a microsoft.


    ou seja a documentacao existe, so nao existe e' quem tenha colocado essa funcionalidade "extra" no OpenOffice, logo nao sei do que estas a' espera...

    Escrever neste forum torna-se cada vez mais exasperante ao ter que levar com bocas desnecessárias quando se tras algum insight que não esteja de acordo com alguns.A verdade não é absoluta e eu já escrevi dois simples casos em que não pude usar OO.org pelo trabalho extra que me iria dar.

    e qual e' o teu insight? este?
    Não, não tem. A folha de cálculo do OpenOffice não dá para nenhum aluno de engenharia.

    Nao vejo qualquer limitacao no OO e/ou nao sou menos produtivo por nao usar o eXcel, nao existe qualquer relacao. E sou aluno de engenharia, tenho o OpenOffice instalado em freebsd e em linux que uso eu e todos os que me rodeiam com frequencia, e chega para o que o nome indica openOFFICE, trabalho relacionado com...



    Those who do not understand Unix are condemned to reinvent it, poorly.
    -- Henry Spencer
    Re:E não só... (Pontos:1)
    por liberdade em 14-10-03 14:42 GMT (#39)
    (Utilizador Info) http://wideopenbsd.org
    Não se percebe o post, é preciso pensar no que se quer dizer antes de escrever...
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por racme em 14-10-03 16:44 GMT (#50)
    (Utilizador Info) vendetta.guildsoftware.com
    Não se percebe o post, é preciso pensar no que se quer dizer antes de escrever...

    a julgar pelos teus ultimos posts, onde colocas tudo em duvida. O que denota uma hipocrisia e a procura constante na descredibilizacao atraves
    da tentativa da colocacao de perguntas indiscretas no entender do inqueridor. O que so denota uma convinvencia distrocida da realidade e da verdadeira questao da presenca em um forum de discussao sobre sistemas opensource e software livre, e nao uma constante batalha da justificacoes de opinioes. Logo e' normal que "nao se percebe o post"

    A netetiquette que se usa no gildot e' a seguinte, comentarios colocam-se a seguir a citacoes. Citacoes essas que devem ser:

    - colocadas em quote com plicas
    - colocadas em italico com a referida tag em html

    exposto isto rele o post e o que nao percebeste eu posso explicar. Para todos os efeitos o comentario e' explicito sobre qual o meu ponto de vista,


    tenho o OpenOffice instalado em freebsd e em linux que uso eu e todos os que me rodeiam com frequencia, e chega para o que o nome indica openOFFICE, trabalho relacionado com...




    Those who do not understand Unix are condemned to reinvent it, poorly.
    -- Henry Spencer
    Re:E não só... (Pontos:0, Lança-chamas)
    por liberdade em 14-10-03 17:53 GMT (#52)
    (Utilizador Info) http://wideopenbsd.org
    Continua a não se perceber aonde queres chegar. Nem neste nem no outro post. Talvez seja melhor tentares com posts mais pequenos para começar, facilita a redacção.
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por racme em 14-10-03 18:34 GMT (#57)
    (Utilizador Info) vendetta.guildsoftware.com
    Continua a não se perceber aonde queres chegar.

    tu percebeste o post, nao queres e' perceber onde quero chegar

    Nem neste nem no outro post. Talvez seja melhor tentares com posts mais pequenos para começar, facilita a redacção.

    sim "posts bicada" tipo os teus...
    pra bitaites de ocasiao, ja anda ai muita persona, obrigado





    Those who do not understand Unix are condemned to reinvent it, poorly.
    -- Henry Spencer
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por fhc em 14-10-03 15:49 GMT (#46)
    (Utilizador Info)

    Eu sou professor de Engenharia. Posso continuar a usá-la?

    Francisco Colaço


    Re:E não só... (Pontos:2)
    por racme em 14-10-03 16:45 GMT (#51)
    (Utilizador Info) vendetta.guildsoftware.com
    Eu sou professor de Engenharia. Posso continuar a usá-la?

    Francisco Colaço


    usa-la quem?




    Those who do not understand Unix are condemned to reinvent it, poorly.
    -- Henry Spencer
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por fhc em 14-10-03 21:59 GMT (#70)
    (Utilizador Info)

    A folha de cálculo oocalc. O Gnumeric parece-me melhorzito, mas falta-lhe o tal solver (talvez a estas horas já o tenha.)

    Francisco Colaço


    Re:E não só... (Pontos:2)
    por raxx7 em 14-10-03 22:13 GMT (#73)
    (Utilizador Info)
    Como já foi referido, o Gnumeric tem um solver. Pelo menos o 1.1.19 que tenho aqui.

    Remember to be the Killer, not the Victim! (Nuklear Girl)
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por hununu em 15-10-03 1:29 GMT (#83)
    (Utilizador Info)
    A folha de cálculo oocalc. O Gnumeric parece-me melhorzito, mas falta-lhe o tal solver (talvez a estas horas já o tenha.)

    Agora fiquei curioso com o gnumeric... pois aparentemente, tem um solver. Vou experimentar. :)

    http://www.absolutbsd.org/
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por hununu em 14-10-03 21:18 GMT (#66)
    (Utilizador Info)
    Eu ja vi e seguindo a outra thread que o teu problema e' de copy&paste

    Já percebemos que por vezes és deselegante nas palavras, mas escusas de continuar a sê-lo. Ou debatemos com nível, ou não vale apena. Esse tipo de comentários são ridículos e enfim, as tuas tentativas de me atingirem passam-me ao lado. Se o copy & paste é assim tão mau porque razão é que hoje em dia ninguém mostra a ninguém linux sem um ambiente gráfico, com um editor de texto gráfico, folha de cálculo, etc? Dá que pensar...

    ou seja a documentacao existe, so nao existe e' quem tenha colocado essa funcionalidade "extra" no OpenOffice, logo nao sei do que estas a' espera...

    Porque é que pressupões que eu gosto sequer do OpenOffice a ponto de achar que vale apena melhorá-lo? Já te ocorreu que eu prefiro gastar o meu tempo (isto é, o meu $) com outros projectos que acho que valem mais apena? O OpenOffice para mim é tão pesado que eu simplesmente não gosto de o usar. Uso-o bastante para ver alguns docs e folhas de excel que me mandam mas daí a basear parte do meu trabalho nele, é outra coisa. Sinceramente, existem solucoes comerciais melhores a nivel de suite de office que prefiro pagar, se algum dia enveredar por uma suite *nix. O simples facto de ser uma chatice plottar multiplos x-y é inconcebível. Eu não percebo como é que se faz uma folha de cálculo assim...

    e qual e' o teu insight? este?

    Foi um post com dois exemplos simples de como o OO.org não dá para uma coisa que acho que tem que dar (parece que há uns add-ons, não sabia e não sei quão recentes são) e de como é um inferno fazer às 3 pancadas rapidamente coisas estupidamente simples como gráficos com multiplas séries de dados....

    Ah, e não tens desculpa para dizeres q não viste, pois aparentemente, leste a outra thread :-)

    Como engenheiro nunca tiveste que fazer cálculo iteractivo para obter resultados ou para simplesmente ajustar pontos experimentais a uma equação fazendo variar parametros? O tempo da linearização de rectas já lá vai... :-)

    Claro que podemos usar outras coisas... a pergunta que eu te faço é se achas que existe algo mais simples que uma folha de cálculo ter isto. O mundo não é apenas de informáticos que não têm medo de fazer umas linhas. É de pessoas sem formação informática que _necessitam_ de click, click, click....

    http://www.absolutbsd.org/
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por racme em 15-10-03 0:41 GMT (#80)
    (Utilizador Info) vendetta.guildsoftware.com
    a pergunta que eu te faço é se achas que existe algo mais simples que uma folha de cálculo ter isto.

    o teu comentario e' uma completa contradicao:

    -nao gosto do OO a ponto de sentir que devo contribuir para o melhorar, mas isso dame direito de o criticar por nao ter a feature Z
    -o OO nao tem esta feature Z que eu tanto adoro no software X, logo o OO e' basico e nao serve para mim
    -a feature Z e' super-avancada e nao e' coisa de mercearia, mas e' super facil de implementar e nao percebo porque sendo trivial nao existe no OO

    meu amigo tu usas o que quiseres, ninguem tem nada com isso. Agora criticar um projecto porque nao tem uma feature ou porque te custa importar os dados de outras fontes quando podes carregar somento num botao (se nao queres ser citado tem cuidado com o q dizes). Its a your problem. Por alguma razao o Microsoft Office vai na versao 2003 e o OpenOffice acabou ha 1 semana de lancar somente a versao 1.1

    E quanto a historia do Já percebemos que por vezes és deselegante nas palavras, mas escusas de continuar a sê-lo. Ou debatemos com nível, ou não vale apena.

    nao vale a pena e' relembrar quem enviou a primeira jarda. E ficamos por aqui.




    Those who do not understand Unix are condemned to reinvent it, poorly.
    -- Henry Spencer
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por hununu em 15-10-03 1:20 GMT (#82)
    (Utilizador Info)
    o teu comentario e' uma completa contradicao:

    Vai ler de novo e percebes melhor o que eu quis dizer. Mas, vou-te esclarecer para que não fiques confuso, pois aparentemente, ficaste (sinceramente, parece-me que tu preferes é ficar, o que é mais grave):

    1) Eu apenas comentei o facto de o OO não ter uma coisa básica. Podes encará-lo como uma crítica positiva. E eu tenho sempre o direito a criticar software, seja ele comercial ou não. Isto é, a ideia dos intocáveis para mim não cola. Ou estão dispostos a aceitar que o OO.org não é a maravilha que todos anunciam ou então não o anunciem como a última maravilha.

    2) O OO.org não tem coisas que são básicas numa folha de cálculo. O facto de OO calc não ter isso não quer dizer que seja totalmente inútil, agora, à partida, não dá para fazer muitas coisas que supostamente seriam de esperar. Podes desde já ficar com este link de alguém que esbarrou com os mesmos problemas que eu. Sinceramente... só não vê quem não quer. Ou então, fala demais. Anunciar o OO calc como algo supra maravilhoso e que da para tudo o que Office/Excel dá, é cómico. Isto custa ouvir, mas nem sempre a realidade é o que queremos.

    3) Eu sei a resposta para o que disse porque na altura informei-me e pelo que percebi não era uma prioridade a sua implementação. Aceitei e conformei-me com o facto: Não poderia usar o OO calc para as minhas necessidades. Não veio nenhum mal ao mundo...

    Dos teus três pontos, concluo que não percebeste nenhum dos meus comentários. Lamento.

    Por alguma razao o Microsoft Office vai na versao 2003 e o OpenOffice acabou ha 1 semana de lancar somente a versao 1.1

    A razão é muito simples e espero que tu também a saibas. Copiar sempre foi mais fácil que inovar. É universal.

    nao vale a pena e' relembrar quem enviou a primeira jarda. E ficamos por aqui.

    Ainda está para rebater que o OO.org serve para engenheiros para trabalharem com dados científicos. Claro que dá com mais n tools e gadgets.. mas isso, já não é o OO.calc.

    É melhor realmente ficarmos por aqui se não tens mais argumentos.

    http://www.absolutbsd.org/
    Re:E não só... (Pontos:1)
    por Perky_Goth em 15-10-03 1:14 GMT (#81)
    (Utilizador Info)
    gnuplot
    --- Insert lame .sig
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por taf-7arte em 14-10-03 9:05 GMT (#11)
    (Utilizador Info) http://taf.net
    "Não, não tem. A folha de cálculo do OpenOffice não dá para nenhum aluno de engenharia."

    Nunca usei mas não me custa acreditar (não, não é má vontade contra o OO, mas a simples constatação de que é software muito mais "jovem").
    Mas era importante dares exemplos concretos, para podermos avaliar as nossas opções com mais conhecimento de causa.
    Re:E não só... (Pontos:2, Esclarecedor)
    por hununu em 14-10-03 12:25 GMT (#28)
    (Utilizador Info)
    Mas era importante dares exemplos concretos, para podermos avaliar as nossas opções com mais conhecimento de causa.

    O office do openoffice já tem um solver? Se não tem, basicamente não pode dar para engenharia. Não sei de nenhum engenheiro de nunca tenha tido de resolver um problema por métodos iteractivos. O mais giro é que existem uns pdfs em que o solver é profundamente documentado pelas pessoas que fizeram o solver do excel. Não, não foi a microsoft. Diga-se de passagem que o solver não é grande coisa, e deixa muito a desejar. A questão é que é uma ferramenta tão crucial que as pessoas acabam por usar a do excel para primeira aproximação para depois utilizarem outras mais potentes se precisarem. Usar outra ferramenta de solução numérica deste género é viável, mas só demonstra whishful thinking... A facilidade e produtividade que te dá fazeres um cálculo iteractivo não é comparável a estares a exportar os dados para fora para simplesmente depois fazeres esse tipo de cálculo. Já tive folhas em que tive cerca de 10 cálculos iteractivos, em que o 2º depende do resultado do 1º, etc. Eu cada vez que alterava algo carregava simplesmente num botão para me resolver de novo iteractivamente o cálculo.

    Já alguém experimentou fazer gráficos com múltiplos conjuntos de X-Y? Eu já. As voltas que se têm que dar são por demais exasperantes. Tens que meter colunas para cada um, lado a lado... em suma, tu tens que ter um trabalho enorme para fazeres o que em excel não tens. Em excel, dizes-lhe onde estão os valores que queres plottar. Em OO, tens que meter os valores como ele quer e transfigurar a tua folha de cálculo e eventualmente a tua arrumação.

    O software serve para nos simplificar a vida, não é para nos complicar. Compreendo que para alguns puristas isto seja um mero argumento, mas para quem lida diariamente com falhas deste género, não é um simples argumento, é um factor de decisão.
    http://www.absolutbsd.org/
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por taf-7arte em 14-10-03 12:55 GMT (#34)
    (Utilizador Info) http://taf.net
    Obrigado, + 1 esclarecedor. :-)
    Re:E não só... (Pontos:3, Informativo)
    por Tuaregue em 14-10-03 15:34 GMT (#43)
    (Utilizador Info)
    OOo_1.1.0_LinuxIntel_solver
    OO o_1.1.0_LinuxIntel_install

    Alguém me poderia explicar a diferença entre estas duas versões do OpenOffice uma ocupa 76512 KB e a outra 132830 KB.

    P.S:Eu entendo o teu argumento e também já tive de fazer escolha algo parecidas, mas dizer que o OO não tem solver, a versão com solver nunca experimentei, mas ela existe e a diferença em tamanho é grande.

    ------------------------------------------------------------
    Todas as coisas mudam, e nós mudamos com elas.

    Re:E não só... (Pontos:2)
    por Cyclops em 14-10-03 16:28 GMT (#49)
    (Utilizador Info)
    O GNUmeric tem solver...
    What is the Solver? (Pontos:2)
    por vd em 14-10-03 18:12 GMT (#54)
    (Utilizador Info) http://paradigma.co.pt
    ALTO e PARA o baile!!! :)

    O Solver é o OpenOffice.org "pré-compilado", para quem quer só mexer nos módulos.

    Mais informações:
    http://www.openoffice.org/dev_docs/source/solver.html

    O Install é o Install :)

    //vd
    Re:What is the Solver? (Pontos:2)
    por Tuaregue em 15-10-03 12:52 GMT (#94)
    (Utilizador Info)
    Obrigado pelo esclarecimento.

    ------------------------------------------------------------
    Todas as coisas mudam, e nós mudamos com elas.

    Re:E não só... (Pontos:2)
    por vd em 14-10-03 18:20 GMT (#55)
    (Utilizador Info) http://paradigma.co.pt
    Eu percebo muito pouco do Solver do Office, mas o OpenOffice tem isso.

    Chama-se de "AutoCalculate", que calcula todas as dependências de células.

    Mas também existe o "ReCalculate"; "Recalculates the current sheet manually. Use this command to update all calculations in the document if you have deselected the automatic recalculation function, and also to update the NOW() function.
    After the document has been recalculated, the display is refreshed. Any charts contained in the sheet are also refreshed."

    Aliás, por ventura já conheces a função "Detective" ? Está logo ali no "Tools".

    //vd
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por hununu em 14-10-03 21:01 GMT (#63)
    (Utilizador Info)
    Chama-se de "AutoCalculate", que calcula todas as dependências de células.

    Mas isso não tem nada a ver com calculo iterativo :-)

    http://www.absolutbsd.org/
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por jmce em 14-10-03 20:31 GMT (#59)
    (Utilizador Info) http://jmce.artenumerica.org/
    Contas de engenharia em Excel? ENGENHARIA? É uma anedota má ou... ?
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por taf-7arte em 14-10-03 20:49 GMT (#61)
    (Utilizador Info) http://taf.net
    "Contas de engenharia em Excel? ENGENHARIA?"

    Ora explica lá o teu ponto de vista...
    Não vejo qual seja o problema. Há muitos tipos de contas e para alguns deles o Excel é uma boa opção. E o OO também, apesar de não ser totalmente equivalente.

    Já agora, aquilo dos "erros do Excel" e das "pontes virem abaixo" afinal parece que foi falso alarme, ficaria bem a quem lançou o boato reconhecer que se terá enganado. ;-)
    Ou então, se for o caso, desmentir as explicações que entretanto aqui surgiram.

    Re:E não só... (Pontos:3, Interessante)
    por Cyclops em 14-10-03 9:14 GMT (#12)
    (Utilizador Info)
    Não, não tem. A folha de cálculo do OpenOffice não dá para nenhum aluno de engenharia.

    Hmms... parece-me que estás a defender o Excel... Isso inclui as funções que dão valores errados? É que o GNUmeric teve de implementá-las com erros incluídos para poder dar resultados exactamente iguais aos do Excel mas ao mesmo tempo, para os verdadeiros Engenheiros, Cientistas e outros (que não gostam de valores errados que podem levar pontes a cair), implementou variantes (g_product, por exemplo) dessas funções que dão valores correctos...
    Re:E não só... (Pontos:1)
    por liberdade em 14-10-03 10:06 GMT (#16)
    (Utilizador Info) http://wideopenbsd.org
    Queres lembrar-nos qual foi a última ponte a cair por causa do excel e quem era o engenheiro que o utilizou para a projectar?
    Re:E não só... (Pontos:3, Esclarecedor)
    por Cyclops em 14-10-03 10:30 GMT (#19)
    (Utilizador Info)
    Sei lá, mas vais negar que um valor errado calculado (seja por que programa for, já agora) por bugs que o fornecedor não corrige não poderia causar um acidente grave?
    Re:E não só... (Pontos:1)
    por liberdade em 14-10-03 11:14 GMT (#20)
    (Utilizador Info) http://wideopenbsd.org
    Podes dar-nos pormenores sobre que funções no excel devolvem valores errados e que a microsoft não corrige? O excel faz mal as contas e a microsoft resolveu deixar assim, é isso?
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por Cyclops em 14-10-03 11:17 GMT (#22)
    (Utilizador Info)
    Adivinha lá porque é que existe o g_ em g_product...
    Re:E não só... (Pontos:1)
    por liberdade em 14-10-03 11:21 GMT (#23)
    (Utilizador Info) http://wideopenbsd.org
    Queres explicar-nos ao certo qual é o erro e em que condições se dá? É um erro numérico? Tens alguns palpite sobre a razão para a Microsoft não o corrigir?
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por Cyclops em 14-10-03 11:54 GMT (#27)
    (Utilizador Info)
    Queres explicar-nos ao certo qual é o erro e em que condições se dá?
    Determinístico, com ausência de valores em células

    É um erro numérico?
    Assume zero que não é o elemento neutro da multiplicação

    Tens alguns palpite sobre a razão para a Microsoft não o corrigir?
    Sei lá... se calhar para eles é mais uma feature...
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por hununu em 14-10-03 12:43 GMT (#31)
    (Utilizador Info)
    Desde quando é que 0 é o elemento neutro na multiplicação?

    Sei lá... se calhar para eles é mais uma feature...

    Para mim, uma célula que não tem um valor não é uma célula que é igual a 0. Se para ti é, então temos formas diferentes de pensar. Em todo o caso, o _erro_ que tu referes é uma trivialidade para quem esteja habituado a trabalhar no excel e deus nos livre, é utilizado como se fosse uma feature por mim e por milhões de pessoas!

    Em todo o caso, deixa-me que te esclareça que o excel dificilmente vai fazer pontes cair. A razão é que o excel é utilizado na maioria dos casos em ante-projectos e coisas muito simples. A nível de cálculo numérico, há coisas superiores e totalmente programáveis.
    Quando temos coisas complicadas de cálculo numérico normalmente começamos a usar matlab e outras coisas mais giras. Agora, ninguém anda a matar moscas com martelos.

    Porque é que a forma do opensource para ti é a forma correcta de fazer tudo à partida? Se fosse ao contrário que as coisas tivessem feitas, dirias que era uma feature. A questão de fazer coisas depois é sempre giro. Enquanto o excel anda a ser usado por milhões há talvez uma década, outros preferiam não usar nada? ainda bem que estão agora a surgir folhas de cálculo opensource. No entanto, o software é novo, recente e está tentar mostrar algumas falhas do excel. POrreiro... o problema é que ainda têm que andar um pouco para lá chegarem. No entanto, não é com o teu tipo de comentários que alguém vai experimentar o que quer que seja.

    http://www.absolutbsd.org/
    Re:E não só... (Pontos:4, Esclarecedor)
    por Cyclops em 14-10-03 13:38 GMT (#36)
    (Utilizador Info)
    Entendeste mal. Eu disse que o 0 não é o elemento neutro do produto.

    Uma célula vazia não é o mesmo que zero, não senhor, ou achas que tens uma folha cheia de zeros quando crias um documento novo? Ai a linda memória que era gasta...

    Se é para teres um 0 colocas um zero inteirinho e com todos os seus únicos dígitos (0) :)

    A opinião não é só minha, mas também do pessoal de estatística envolvido com o GNUmeric, que aliás programaram a suas excelentes funções estatísticas.

    Porque é que a forma do opensource para ti é a forma correcta de fazer tudo à partida?
    Não é nem nunca foi. Eu não falo de opensource (que é apenas algo parecido e não é a mesma coisa) mas de Software Livre. A forma correcta de fazer qualquer coisa não pode consistir em abdicar de direitos fundamentais. Isso não é nunca correcto. Ponto.

    Considero como fundamentais as liberdades de correr o software para qualquer fim, de analisá-lo e adaptá-lo consoante as necessidades, de distribuir cópias e de publicar versões melhoradas beneficiando a sociedade inteira. Portanto qualquer coisa que implique abdicar desses fins não pode ser algo que considere correcto.

    Posto isto tenho várias escolhas para várias classes de software (GNOME Office, OO.o, KOffice, etc... para ferramentas de "escritório"). Nem todas pode ser as mais simples maneiras de fazer uma determinada tarefa, mas pelo menos posso dormir descansado e sem nunca precisar de quebrar a lei para ajudar um amigo arranjando-lhe software.

    Falas de matlab quando poderias perfeitamente falar de octave... Para mim, tu é que te recusas a tomar o comprimido vermelho e sair do casulo.

    Se fosse ao contrário que as coisas tivessem feitas, dirias que era uma feature.
    Eu não trabalho no departamento de marketting da Microsoft, portanto não tenho de seguir essa política de resposta ;)

    A questão de fazer coisas depois é sempre giro. Enquanto o excel anda a ser usado por milhões há talvez uma década, outros preferiam não usar nada?

    Quem começou o projecto GNU inicialmente não tinha hipótese de correr num sistema operativo 100% livre. Contudo, assim que o poderam fazer e continuar a fazer o seu trabalho (mesmo que não 100% como gostariam), mudaram.

    Eu próprio já cheguei a ter instalado Microsoft Windows no meu desktop, há vários anos atrás quando ainda não me tinha apercebido da importância da liberdade. Quando ao fim de alguns largos meses sem sequer tocar no Windows um amigo me pediu para testar uma coisa lá, e o sistema se tinha suicidado (sem lhe fazer nada deixara de arrancar), simplesmente formatei a partição. Não precisava do Windows para nada. Desde aí, e já lá vão uns bons anos, nunca mais utilizei Microsoft Windows para nada a tenho vivido perfeitamente bem com o GNU/Linux, e nas tarefas que tenho de cumprir, inclusivé, vejo a minha vida facilitada.

    Inicialmente mudei por questões mais técnicas, as muito defendidas por algumas pessoas que não vêem mais nada para além dos pormenores técnicos, mas gradualmente fui-me apercebendo da importância do Software Livre na nossa sociedade, culminando no fazer parte de um grupo de pessoas que decidiu fazer alguma coisa a respeito do Software Livre em Portugal. Eu decidi não me conformar com uma situação Orwelliana que se está a formar no mundo digital. Lamento se isso incomoda algumas pessoas.
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por hununu em 14-10-03 20:54 GMT (#62)
    (Utilizador Info)
    Falas de matlab quando poderias perfeitamente falar de octave... Para mim, tu é que te recusas a tomar o comprimido vermelho e sair do casulo.
    Fica-te mal falares de outros sem os conheceres. Quem em conheça, sabe que uso muito software livre. Agora, não sou é fundamentalista. E sim, já usei octaves e outro parecido opensource. Agora, referi matlab pq é muito conhecido, nada mais. Pessoalmente, acho o licenciamento do matlab intragável... mas a realidade é que tens toolboxes para matlab que não existe para mais nada.
    http://www.absolutbsd.org/
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por hununu em 14-10-03 21:25 GMT (#67)
    (Utilizador Info)

                     
    "Caixa Mágica estabelece protocolo com Exército" | Preferencias | Top | 66 comentários | Procurar na discussão
    Filtro: Gravar:
    ATENÇÃO: Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos seus autores.
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por hununu em Terça Outubro 14, @12:43PM GMT (#31)
    (Utilizador Info)
    Desde quando é que 0 é o elemento neutro na multiplicação?

    Sei lá... se calhar para eles é mais uma feature...

    Para mim, uma célula que não tem um valor não é uma célula que é igual a 0. Se para ti é, então temos formas diferentes de pensar. Em todo o caso, o _erro_ que tu referes é uma trivialidade para quem esteja habituado a trabalhar no excel e deus nos livre, é utilizado como se fosse uma feature por mim e por milhões de pessoas!

    Em todo o caso, deixa-me que te esclareça que o excel dificilmente vai fazer pontes cair. A razão é que o excel é utilizado na maioria dos casos em ante-projectos e coisas muito simples. A nível de cálculo numérico, há coisas superiores e totalmente programáveis.
    Quando temos coisas complicadas de cálculo numérico normalmente começamos a usar matlab e outras coisas mais giras. Agora, ninguém anda a matar moscas com martelos.

    Porque é que a forma do opensource para ti é a forma correcta de fazer tudo à partida? Se fosse ao contrário que as coisas tivessem feitas, dirias que era uma feature. A questão de fazer coisas depois é sempre giro. Enquanto o excel anda a ser usado por milhões há talvez uma década, outros preferiam não usar nada? ainda bem que estão agora a surgir folhas de cálculo opensource. No entanto, o software é novo, recente e está tentar mostrar algumas falhas do excel. POrreiro... o problema é que ainda têm que andar um pouco para lá chegarem. No entanto, não é com o teu tipo de comentários que alguém vai experimentar o que quer que seja.

    http://www.absolutbsd.org/
    [ Responder | Pai ]
    >
    Re:E não só... (Pontos:3, Interessante)
    por Cyclops em Terça Outubro 14, @01:38PM GMT (#36)
    (Utilizador Info)
    Entendeste mal. Eu disse que o 0 não é o elemento neutro do produto.

    Uma célula vazia não é o mesmo que zero, não senhor, ou achas que tens uma folha cheia de zeros quando crias um documento novo? Ai a linda memória que era gasta...

    Se é para teres um 0 colocas um zero inteirinho e com todos os seus únicos dígitos (0) :)

    A opinião não é só minha, mas também do pessoal de estatística envolvido com o GNUmeric, que aliás programaram a suas excelentes funções estatísticas.

    Porque é que a forma do opensource para ti é a forma correcta de fazer tudo à partida?
    Não é nem nunca foi. Eu não falo de opensource (que é apenas algo parecido e não é a mesma coisa) mas de Software Livre. A forma correcta de fazer qualquer coisa não pode consistir em abdicar de direitos fundamentais. Isso não é nunca correcto. Ponto.

    Considero como fundamentais as liberdades de correr o software para qualquer fim, de analisá-lo e adaptá-lo consoante as necessidades, de distribuir cópias e de publicar versões melhoradas beneficiando a sociedade inteira. Portanto qualquer coisa que implique abdicar desses fins não pode ser algo que considere correcto.

    Posto isto tenho várias escolhas para várias classes de software (GNOME Office, OO.o, KOffice, etc... para ferramentas de "escritório"). Nem todas pode ser as mais simples maneiras de fazer uma determinada tarefa, mas pelo menos posso dormir descansado e sem nunca precisar de quebrar a lei para ajudar um amigo arranjando-lhe software.

    Falas de matlab quando poderias perfeitamente falar de octave... Para mim, tu é que te recusas a tomar o comprimido vermelho e sair do casulo.

    Se fosse ao contrário que as coisas tivessem feitas, dirias que era uma feature.
    Eu não trabalho no departamento de marketting da Microsoft, portanto não tenho de seguir essa política de resposta ;)

    A questão de fazer coisas depois é sempre giro. Enquanto o excel anda a ser usado por milhões há talvez uma década, outros preferiam não usar nada?

    Quem começou o projecto GNU inicialmente não tinha hipótese de correr num sistema operativo 100% livre. Contudo, assim que o poderam fazer e continuar a fazer o seu trabalho (mesmo que não 100% como gostariam), mudaram.

    Eu próprio já cheguei a ter instalado Microsoft Windows no meu desktop, há vários anos atrás quando ainda não me tinha apercebido da importância da liberdade. Quando ao fim de alguns largos meses sem sequer tocar no Windows um amigo me pediu para testar uma coisa lá, e o sistema se tinha suicidado (sem lhe fazer nada deixara de arrancar), simplesmente formatei a partição. Não precisava do Windows para nada. Desde aí, e já lá vão uns bons anos, nunca mais utilizei Microsoft Windows para nada a tenho vivido perfeitamente bem com o GNU/Linux, e nas tarefas que tenho de cumprir, inclusivé, vejo a minha vida facilitada.


    Após ler mais do mesmo que já todos lemos aqui e em todo o lado, apenas posso concluir que tens sorte em trabalhar numa área em que podes trabalhar sempre em *nix. E isso é porreiro. No entanto, muita gente não pode, e eu incluo-me nelas. A diferença entre as pessoas mal amadas no gildot e as pessoas que caiem bem é que uns admitem que correm outro software proprietário pq precisam (e gostam ou não, dão opinião, etc) e outros não admitem mas têm sempre lá aquela partiçãozinha com windows para o que der e vier...

    É uma questão de verticalidade.

    Uma coisa é promover software livre e apoiá-lo se valer apena, outra é entrar em demagogias baratas que só afastam pessoas estranhas "a este mundo".
    http://www.absolutbsd.org/
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por hununu em 14-10-03 21:26 GMT (#68)
    (Utilizador Info)
    wow... desculpem lá mas algo ficou a mais no buffer :)

    http://www.absolutbsd.org/
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por taf-7arte em 14-10-03 21:48 GMT (#69)
    (Utilizador Info) http://taf.net
    Uma coisa é promover software livre e apoiá-lo se valer apena, outra é entrar em demagogias baratas que só afastam pessoas estranhas "a este mundo".

    Exactamente.
    Eu fico até com a impressão de que há quem ache que é eticamente errado uma pessoa comprar software proprietário e utilizá-lo se lhe apetecer! Não percebo esse conceito de liberdade. Se fosse por ai não se podia comprar um telemóvel Nokia nem um automóvel Renault nem uma pasta dos dentes Colgate...
    Tinha que ser tudo gratuito e reutilizável (era interessante no caso da Colgate :-) )
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por Cyclops em 14-10-03 22:57 GMT (#75)
    (Utilizador Info)
    Eu fico até com a impressão de que há quem ache que é eticamente errado uma pessoa comprar software proprietário e utilizá-lo se lhe apetecer! Não percebo esse conceito de liberdade.
    É claro que é, e torna-se particularmente pernicioso se para trocar informacão com outras pessoas as obriga a ter de ter exactamente o mesmo software, exactamente a mesma dependência. Não só passam a ter um dono para algum software, como passam a lhe entregar ao seu desígnio toda a informacão armazenada através desse software.

    Quanto aos automóveis, telemóveis e pastas de dentes, nenhum deles é replicável, a menos que tenhas um protótipo ultra-secreto dos replicadores do Star Trek. Alguns telemóveis comecam a ser programáveis, e o problema comeca a colocar-se e a fazer sentido. Felizmente, ha fabricantes que tencionam utilizar Software Livre para os seus telemóveis, embora me preocupe a definicão de Software Livre deles, pois à semelhanca do Oracle, não é bom para o Software Livre apenas porque um software proprietário corre nele...
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por taf-7arte em 14-10-03 23:29 GMT (#78)
    (Utilizador Info) http://taf.net
    "Eu fico até com a impressão de que há quem ache que é eticamente errado uma pessoa comprar software proprietário e utilizá-lo se lhe apetecer! Não percebo esse conceito de liberdade."
    "É claro que é, e torna-se particularmente pernicioso se para trocar informacão com outras pessoas as obriga a ter de ter exactamente o mesmo software,"

    1) Eu não prescindo em caso nenhum da minha liberdade de escolher o software que EU quero usar, seja ele qual for. Acho perfeitamente inaceitável que alguém me obrigue a usar seja que software for, se for para meu uso pessoal ou profissional (eu sou o meu próprio patrão). Podem achar errada a minha escolha, podem dizer que eu fico dependente deste ou daquele fornecedor, podem dizer o que quiserem. Mas não aceito que NINGUÉM me impeça de escolher um software, mesmo que seja asneira.

    2) O facto de eu usar formatos proprietários por que me apetece não obriga ninguém a fazê-lo. Pode impedir que outros tenham acesso a ficheiros meus, mas eu estou no MEU DIREITO de usar o formato que muito bem entender. É um problema meu, mesmo que seja asneira. Se eu enviar dados num formato proprietário para outra pessoa, essa pessoa pode sempre recusá-los.

    Tudo o que seja contrário a isto é um atentado gravíssimo à liberdade. Dizer que é eticamente errado eu fazer estas escolhas PESSOAIS é só por si uma violência que merecia um esclarecimento por parte da ANSOL. Eu quero saber se é isso que a ANSOL defende, porque se assim for eu vou começar a fazer campanha contra a ANSOL - tratar-se-ia de um grupo equivalente a qualquer outro que defenda uma ditadura.

    Re:E não só... (Pontos:2)
    por hununu em 14-10-03 23:42 GMT (#79)
    (Utilizador Info)
    Tudo o que seja contrário a isto é um atentado gravíssimo à liberdade. Dizer que é eticamente errado eu fazer estas escolhas PESSOAIS é só por si uma violência que merecia um esclarecimento por parte da ANSOL. Eu quero saber se é isso que a ANSOL defende, porque se assim for eu vou começar a fazer campanha contra a ANSOL - tratar-se-ia de um grupo equivalente a qualquer outro que defenda uma ditadura.

    O conceito de liberdade é tão "livre" que cada um usa-o como quer. Infelizmente, os OS zealots usam-no para o transformarem numa ditadura de software. O que me mais me faltava era alguém determinar o software que eu escolho ou não usar para mim e para os projectos que eu lidero, quando me nomearam pela minha competência.

    Relativamente à interligação entre aplicações, cada um usa o que quer quando compra. Se compra algo que não lhe interesse a longo prazo foi um erro seu, e não da empresa que vende o software como quer. Mas de novo, as pessoas confundem-se com as responsabilidades...

    http://www.absolutbsd.org/
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por Cyclops em 15-10-03 9:59 GMT (#85)
    (Utilizador Info)
    2) O facto de eu usar formatos proprietários por que me apetece não obriga ninguém a fazê-lo.
    Depende. Pode bem obrigar, se precisarem de trocar informação contigo.

    Pode impedir que outros tenham acesso a ficheiros meus, mas eu estou no MEU DIREITO de usar o formato que muito bem entender. É um problema meu, mesmo que seja asneira.
    Isso é a mesma coisa que se mandares um murro a uma pessoa que o problema é só teu. O problema apenas é só teu se não afectar mais ninguém. Se isso impedir a troca de informação com pessoas que o precise mde fazer contigo, estás não só a ser cúmplice do acto da empresa de prender os utilizadores do seu produto ao produto, mas também a ajudar a aumentar o número de pessoas com o mesmo problema.

    Se eu enviar dados num formato proprietário para outra pessoa, essa pessoa pode sempre recusá-los.
    É claro que as pessoas podem sempre recusar, mas por vezes as consequências de recusar podem ser nefastas. Estás a ser completamente irreal, nem pareces a pessoa que defendeu formatos abertos na passada sexta-feira...
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por Cyclops em 15-10-03 10:14 GMT (#86)
    (Utilizador Info)
    Tudo o que seja contrário a isto é um atentado gravíssimo à liberdade. Dizer que é eticamente errado eu fazer estas escolhas PESSOAIS é só por si uma violência que merecia um esclarecimento por parte da ANSOL.
    Primeiro, se as escolhas supostamente pessoais afectarem outras pessoas deixam de ser exclusivamente pessoais. A partir desse momento estás a incentivá-las a utilizarem esse software, o único que pode lidar com esses formatos proprietários.

    Pelo que estás a desconversar quando fazes essa acusação irreflectida.

    Eu quero saber se é isso que a ANSOL defende, porque se assim for eu vou começar a fazer campanha contra a ANSOL - tratar-se-ia de um grupo equivalente a qualquer outro que defenda uma ditadura.
    Segundo, eu não preciso de um disclaimer a dizer que falo por mim, mas pelos vistos algumas pessoas com dificuldades em aceitar a liberdade de expressão tentam sempre confundir as coisas (algumas intencionalmente) por forma a tentar calar outros.

    Terceiro, um dos programas de acção da ANSOL são os formatos livres na documentação pública, se quiseres fazer campanha contra a ANSOL, junta-te à Microsoft, que certamente agradece mais ajuda.

    Quarto, a utilização em geral de formatos não-livres é um obstáculo não só ao Software Livre, mas à livre comunicação entre seres humanos, pelo que espero que a ANSOL certamente não deixará nunca de criticar o seu uso e promoção (directa ou indirecta). Dizer que este uso e promoção de formatos e software não-livre é éticamente errado, principalmente quando incentiva outras pessoas a sofrer do mesmo mal para poder interagir, não é um atentado a liberdade nenhuma. Chama-se usufruir da liberdade de expressão. Ninguém está com uma maça de guerra atrás de ti, por isso ou aceitas a liberdade de expressão, mesmo que seja contrária aos teus pontos de vista e te critica, ou muda-te para um país onde ela não haja mesmo, pura e simplesmente.

    NINGUÉM te impede de escolher um software, mesmo que seja asneira. Mas pelos vistos têns uma atitude completamente anti-democrática quando te criticam a asneira.
    Vamos lá esclarecer as posições (Pontos:2)
    por taf-7arte em 15-10-03 11:04 GMT (#88)
    (Utilizador Info) http://taf.net
    Perguntas simples e rápidas de responder:

    1) Se eu escolher software proprietário ou um formato proprietário de dados para meu uso pessoal ou profissional (não estou de modo nenhum vinculado ao Estado), tenho uma atitude censurável ou eticamente condenável?
    Cyclops: Sim / Não / Não toma posição
    ANSOL: Sim / Não / Não toma posição

    2) Se eu desenvolver software e não prescindir dos meus direitos de autor, tenho uma atitude censurável ou eticamente condenável?
    Cyclops: Sim / Não / Não toma posição
    ANSOL: Sim / Não / Não toma posição

    3) Se eu definir um formato qq de dados e não o divulgar publicamente,
    a) tenho uma atitude censurável ou eticamente condenável?
    Cyclops: Sim / Não / Não toma posição
    ANSOL: Sim / Não / Não toma posição
    b) o Estado deve obrigar-me a divulgá-lo?
    Cyclops: Sim / Não / Não toma posição
    ANSOL: Sim / Não / Não toma posição

    4) Os direitos de autor (copyright) de software devem ser abolidos?
    Cyclops: Sim / Não / Não toma posição
    ANSOL: Sim / Não / Não toma posição


    Re:Vamos lá esclarecer as posições (Pontos:2)
    por Cyclops em 15-10-03 11:52 GMT (#90)
    (Utilizador Info)
    Evidentemente, apenas respondo por mim, e deixa-me que te diga que estou farto da tua opinião recorrente (pois ignoras por completo toda a argumentação que te contraria com posturas de superioridade social): defendias uma proposta de directiva que permitia 5 maneiras de introduzir patentes de software, e agora tomas uma atitude incoerente a respeito de formatos livres (conforme a lua ou defendes ou não).
    Seguem as minhas respostas:

    1) Se eu escolher software proprietário ou um formato proprietário de dados para meu uso pessoal ou profissional (não estou de modo nenhum vinculado ao Estado), tenho uma atitude censurável ou eticamente condenável?
    Se a tua escolha afectar única e exclusivamente a ti: Evidentemente que NÃO.
    Se para uma pessoa que precise de interagir contigo for necessário utilizar software proprietário, sem possibilidades de alternativas livres, ou tiver de utilizar o formato proprietário: Evidentemente que SIM.

    2) Se eu desenvolver software e não prescindir dos meus direitos de autor, tenho uma atitude censurável ou eticamente condenável?
    Não estou a convidar ninguém a prescindir dos seus direitos de autor, aliás o Software Livre é especialmente bem defendido através dos direitos de autor com o auxílio de um braço legal, a licença GNU GPL, maioritariamente utilizada nos projectos de Software Livre. Portanto, presumo que na realidade a tua pergunta é: Se eu publicar software de forma não-livre, tenho uma atitude censurável ou eticamente condenável?
    Evidentemente que SIM. É uma escolha tua exercer um poder sobre os utilizadores, e isso é uma atitude censurável, e eticamente condenável.

    3) Se eu definir um formato qq de dados e não o divulgar publicamente
    a) tenho uma atitude censurável ou eticamente condenável?

    Se, havendo necessidade, para interagir contigo for necessário esse formato, evidentemente que SIM.

    b) o Estado deve obrigar-me a divulgá-lo?
    O Estado deve utilizar exclusivamente formatos livres de documentação. Isso pode implicar que o Estado não utilize o teu formato, ou então que para lidares com o Estado tenhas de divulgar o formato.

    4) Os direitos de autor (copyright) de software devem ser abolidos?
    Abolir os direitos de autor para o software não ajuda em nada o Software Livre, pois todo o Software Livre passaria a ser publicado nos mesmos termos práticos que licenças estilo MIT/XFree86, o que seria mau pois alguns utilizadores poderiam ver-se forçados a utilizar software proprietário. Pelo que não, não acho que devam ser abolidos. Num mundo ideal nem seriam necessários, mas não vivemos no mundo ideal.
    Re:Vamos lá esclarecer as posições (Pontos:2)
    por taf-7arte em 15-10-03 14:15 GMT (#95)
    (Utilizador Info) http://taf.net
    1) Se eu escolher software proprietário ou um formato proprietário de dados para meu uso pessoal ou profissional (não estou de modo nenhum vinculado ao Estado), tenho uma atitude censurável ou eticamente condenável?
    Se a tua escolha afectar única e exclusivamente a ti: Evidentemente que NÃO.
    Se para uma pessoa que precise de interagir contigo for necessário utilizar software proprietário, sem possibilidades de alternativas livres, ou tiver de utilizar o formato proprietário: Evidentemente que SIM.


    Só para que fique absolutamente clara a tua posição: o Estado deve proibir-me de enviar aos meus amigos ou clientes um email com um attachment .doc?

    Re:Vamos lá esclarecer as posições (Pontos:2)
    por Cyclops em 15-10-03 14:46 GMT (#96)
    (Utilizador Info)
    Pensava que as tuas perguntas eram claras, e penso que dificilmente a resposta seria mais clara.

    Para que fique bem clara a tua intenção, o que estás a fazer é _outra_ pergunta mascarada de tentativa de clarificação. A tua pergunta, que não tem nada a ver com a anterior pergunta 1) pois estávamos a falar de atitudes censuráveis e de falta de ética, é:

    o Estado deve proibir-me de enviar aos meus amigos ou clientes um email com um attachment .doc?

    O Estado deve exigir que os seus documentos estejam em formatos livres. Se o teu cliente for o Estado, o Estado deve exigir-te que envies num formato livre.

    A atitude de enviar documentos, conscientemente de que estão num formato não-livre, é uma atitude censurável e eticamente condenável, na minha opinião. Se não soubesses o que são documentos num formato proprietário, compreenderia, mas sabendo que tens consciência, acho a tua posição incongruente com a defesa que fizeste desta matéria na passada sexta-feira.

    Por favor, para de tentar subverter o que digo para os teus desígnios próprios. O que eu digo é o que eu digo, e não apenas a metade que queres entender, seja lá para que fim for.
    Re:Vamos lá esclarecer as posições (Pontos:2)
    por taf-7arte em 15-10-03 15:00 GMT (#97)
    (Utilizador Info) http://taf.net
    "o Estado deve proibir-me de enviar aos meus amigos ou clientes um email com um attachment .doc?
    O Estado deve exigir que os seus documentos estejam em formatos livres. Se o teu cliente for o Estado, o Estado deve exigir-te que envies num formato livre.


    Vou deixar passar em claro o resto das afirmações a meu respeito, mas portanto a tua resposta é "Não, a menos que o interlocutor seja o Estado". Estou mais descansado.
    :-)
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por raxx7 em 15-10-03 11:24 GMT (#89)
    (Utilizador Info)

    A Administração Pública não vem ao caso. O Estado não é um individuo, não tem direitos. Só o dever de cumprir a sua função o melhor possivel.

    Como tu bem referiste, escolher software/formatos não livres tem uma série de inconvenientes. Mas tal como eu posso enviar um e-mail cifrado que só pode ser lido por meia dúzia de pessoas, também posso escrever um documento no formato XPTO que só quem software XPTO2000 pode ler. Se os outros se sentirem motivados a instalar o XPTO2000 para ler o meu documento, a decisão é deles e a responsabilidade pelas consequências de usar software não livre também é deles. Isto, desde que eles tenham alternativas razoáveis a instalar o software XPTO2000 nos PCs deles (por exemplo, não ler o meu documento). E se eu, individuo, puder excluir as alternativas razoáveis de outros individuos, então algo está mal nesta Democracia e não são os formatos proprietários.

    Portanto, cada um, enquanto individuo, tem o direito a escolher o software e formatos que quiser.
    Como já disse noutras ocasiões, classificar como "eticamente errado" escolhas feitas à luz desse direito, só porque se escolheu software/formatos não livres é, do ponto de vista da minha sensibilidade delicada, demasiado agressivo.
    Mas também é importante que tenhas o direito de exprimir as tuas opiniões.


    Remember to be the Killer, not the Victim! (Nuklear Girl)
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por Cyclops em 15-10-03 11:59 GMT (#91)
    (Utilizador Info)
    A Administração Pública não vem ao caso. O Estado não é um individuo, não tem direitos. Só o dever de cumprir a sua função o melhor possivel.
    Não o pode fazer certamente com software não-livre, pois não pode garantir sobre a segurança ou confidencialidade dos dados, por exemplo, nem garantir o acesso no futuro a esses mesmos dados. Mas tal como eu posso enviar um e-mail cifrado que só pode ser lido por meia dúzia de pessoas, também posso escrever um documento no formato XPTO que só quem software XPTO2000 pode ler
    Estás realmente a tentar convencerme que cifra(a)=a ? Deixa-me que te diga que falhaste redondamente. A cifragem tem o objectivo consciente de limitar o acesso ao documento (pelos mais variados motivos) enquanto que um documento num formato não-livre tem por objectivo forçar a utilização do software não-livre associado.

    classificar como "eticamente errado" escolhas feitas à luz desse direito, só porque se escolheu software/formatos não livres é, do ponto de vista da minha sensibilidade delicada, demasiado agressivo.
    Então vê se percebes que não é só por causa do formato ser não-livre, mas por causa das consequências que isso pode acarretar: incentivar outras pessoas a submeterem-se às condições draconianas do software não-livre necessário para editar o formato não-livre, não garantir o acesso permanente no futuro ao documento, etc... etc...
    Re:E não só... [com menos gralhas] (Pontos:2)
    por Cyclops em 15-10-03 12:00 GMT (#92)
    (Utilizador Info)
    A Administração Pública não vem ao caso. O Estado não é um individuo, não tem direitos. Só o dever de cumprir a sua função o melhor possivel.
    Não o pode fazer certamente com software não-livre, pois não pode garantir sobre a segurança ou confidencialidade dos dados, por exemplo, nem garantir o acesso no futuro a esses mesmos dados.

    Mas tal como eu posso enviar um e-mail cifrado que só pode ser lido por meia dúzia de pessoas, também posso escrever um documento no formato XPTO que só quem software XPTO2000 pode ler
    Estás realmente a tentar convencer-me que cifra(a)=a ? Deixa-me que te diga que falhaste redondamente. A cifragem tem o objectivo consciente de limitar o acesso ao documento (pelos mais variados motivos) enquanto que um documento num formato não-livre tem por objectivo forçar a utilização do software não-livre associado.

    classificar como "eticamente errado" escolhas feitas à luz desse direito, só porque se escolheu software/formatos não livres é, do ponto de vista da minha sensibilidade delicada, demasiado agressivo.
    Então vê se percebes que não é só por causa do formato ser não-livre, mas por causa das consequências que isso pode acarretar: incentivar outras pessoas a submeterem-se às condições draconianas do software não-livre necessário para editar o formato não-livre, não garantir o acesso permanente no futuro ao documento, etc... etc...
    Re:E não só... [com menos gralhas] (Pontos:2)
    por raxx7 em 15-10-03 12:23 GMT (#93)
    (Utilizador Info)

    A Administração Pública não vem ao caso. O Estado não é um individuo, não tem direitos. Só o dever de cumprir a sua função o melhor possivel.
    Não o pode fazer certamente com software não-livre, pois não pode garantir sobre a segurança ou confidencialidade dos dados, por exemplo, nem garantir o acesso no futuro a esses mesmos dados.

    Eu estava a argumentar que isso é uma questão ortogonal à que estávamos a discutir: o direito de cada individuo a escolher o software e formatos que quiser.
    Esclarece-me portanto: que é que a estão da administração pública tem a ver com isto?

    Estás realmente a tentar convencer-me que cifra(a)=a ?
    Não. Estou a dizer-te que tenho o direito a utilizar o formato que quiser nos meus documentos, pelas razões que quiser, para ser lido por quem eu quiser.

    Então vê se percebes que não é só por causa do formato ser não-livre, mas por causa das consequências que isso pode acarretar
    Eu percebi isso perfeitamente.


    Remember to be the Killer, not the Victim! (Nuklear Girl)
    Re:E não só... (Pontos:1)
    por Init em 14-10-03 23:12 GMT (#77)
    (Utilizador Info)

    Eu fico até com a impressão de que há quem ache que é eticamente errado uma pessoa comprar software proprietário e utilizá-lo se lhe apetecer!
    Depende do tipo de utilização que se fáz, mas pode perfeitamente ser, como por exemplo nos casos em que se utiliza formatos de dados ou protocolos proprietários para trocar informação, ou em qualquer outro tipo de situação em que a escolha de utilzar software proprietário diminua a escolha de outro a respeito de software.


    Re:E não só... (Pontos:1)
    por Init em 14-10-03 23:08 GMT (#76)
    (Utilizador Info)

    «A diferença entre as pessoas mal amadas no gildot e as pessoas que caiem bem é que uns admitem que correm outro software proprietário pq precisam (e gostam ou não, dão opinião, etc) e outros não admitem mas têm sempre lá aquela partiçãozinha com windows para o que der e vier...»
    Olha que fica muito mal fazer acusações que são impossivéis de provar (porque são mentira), é também uma questão de verticalidade.


    Re:E não só... (Pontos:2)
    por Cyclops em 15-10-03 10:21 GMT (#87)
    (Utilizador Info)
    A diferença entre as pessoas mal amadas no gildot e as pessoas que caiem bem é que uns admitem que correm outro software proprietário pq precisam (e gostam ou não, dão opinião, etc) e outros não admitem mas têm sempre lá aquela partiçãozinha com windows para o que der e vier...

    É uma questão de verticalidade.


    Se um dia nos encontrar-mos, deixo-te ver o rpm -qai | less e o fdisk -l /dev/hdXY, em qualquer uma das 4 máquinas em que sou "dono e senhor".

    A questão de verticalidade vê-se em quem faz estas acusações mesquinhas.
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por Cyclops em 14-10-03 13:42 GMT (#37)
    (Utilizador Info)
    Desde quando é que 0 é o elemento neutro na multiplicação?

    O problema é que uma célula vazia não deve ser considerada o 0 por ser completamente destrutivo nos cálculos de produtos. É muito mais razoável utilizar o elemento neutro do que o elemento absorvente.

    Era um trocadilho, "tájabere"? :)
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por mlopes em 14-10-03 14:45 GMT (#40)
    (Utilizador Info)
    Concordo completamente, apesar de não ser um utilizador de folhas de cálculo, parece-me grave que uma célula não preenchida transforme em 0 o resultado. Parece-me também que não é nada prático estar a meter 1's em todas as células não preenchidas para contornar o BUG, especialmente se forem muitas células as não preenchidas, para além de que pejudica a legibilidade e porque 1!=vazio e pode estragar outros cálculos que usem os mesmos campos.

    No woman ever falls in love with a man unless she has a better opinion of him than he deserves.

    Re:E não só... (Pontos:2)
    por Cyclops em 14-10-03 14:52 GMT (#41)
    (Utilizador Info)
    Evidentemente que isto apenas se refere no contexto dos produtos.
    Re:E não só... (Pontos:1)
    por liberdade em 14-10-03 13:02 GMT (#35)
    (Utilizador Info) http://wideopenbsd.org
    Quem leu o que estava escrito ficou a pensar: a) o excel faz mal as contas, dá resultados errados e b) a microsoft sabe disso e não corrige. Afinal o caso é completamente diferente: apenas assumir zero quando as células estão vazias! Se fosse nos states já havia mais um processo por difamação.
    Re:E não só... (Pontos:1)
    por mrmv em 14-10-03 15:57 GMT (#48)
    (Utilizador Info)
    É disto que falas certo?

    http://support.microsoft.com/?id=61892

    Mas a mim parece-me uma questão de desenho, decidiram que a função ia ter aquele comportamento, mas podes sempre fazer a tua própria função em VBA que pode não ter este tipo de comportamento... Mas as tuas afirmações induzem em erro os mais incautos :-)
    "The difference between 'involvement' and 'commitment' is like an eggs-and-ham breakfast: the chicken was 'involved' - the pig was 'committed'." - unknown
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por quantic_oscillation em 14-10-03 11:28 GMT (#24)
    (Utilizador Info) http://fs-oss.cjb.net
    Dito pelo próprio Icaza:

    "* Function changes

            * PRODUCT() has been made compatible with Excel at the expense
                of breaking it. G_PRODUCT() introduced to fix the error
                (Morten)."

    Thread: Gnumeric 0.48 with enhanced toys is out.
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por taf-7arte em 14-10-03 11:30 GMT (#25)
    (Utilizador Info) http://taf.net
    "G_PRODUCT() introduced to fix the error"

    Isto é interessante... Mas afinal qual é o erro? E, como o liberdade perguntava, é um erro numérico (de contas, portanto), ou é outra coisa qq?
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por raxx7 em 14-10-03 18:23 GMT (#56)
    (Utilizador Info)

    É uma questão de definição do valor de uma célula vazia:
    Solução 1: vale 0
    Solução 2: vale 0 para a adição, 1 para a multiplicação.
    Ao que parece, algumas pessoas chegaram à conclusão que obtêm resultados mais interessantes com a definição 2. Claro que eu também acho estes resultados muito interessantes:

    Sejam A1, B1, C1 células vazias.
    Segundo a definição 1, (A1 + B1) * C1 = 0 e A1 * C1 + B1 * C1 = 0
    Segundo a definição 2, (A1 + B1) * C1 = 0 e A1 * C1 + B1 * C1 = 2


    Remember to be the Killer, not the Victim! (Nuklear Girl)
    Re:E não só... (Pontos:0, Despropositado)
    por liberdade em 14-10-03 18:53 GMT (#58)
    (Utilizador Info) http://wideopenbsd.org
    Será que estes engenheiros de treta, tão espertinhos, agora percebem as razões da microsoft deixar as coisas como estão no excel, porque estão bem?
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por raxx7 em 14-10-03 20:38 GMT (#60)
    (Utilizador Info)
    Não estão "bem". Na minha opinião, o valor de uma célula vazia devia ser indefinido e qualquer cálculo que dependesse de uma célula vazia devia ser sinalizado como tal.
    De qualquer maneira, não AGORA que a Microsoft vai mudar uma das caracteristicas mais elementares do comportamento do Excel. Imagina a quantidade de folhas de cálculo de cálculo que dependem desta peculariedade do Excel (embora qualquer pessoa que o faça conscientemente mereça todos os problemas vier a ter).

    Remember to be the Killer, not the Victim! (Nuklear Girl)
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por taf-7arte em 14-10-03 21:02 GMT (#64)
    (Utilizador Info) http://taf.net
    "Não estão "bem". Na minha opinião, o valor de uma célula vazia devia ser indefinido"

    O Excel é muito utilizado em áreas onde tradicionalmente o espaço em branco, mesmo em papel, é equivalente a zero, como a Contabilidade.
    No caso deles (contabilistas) compreende-se bem: usam habitualmente templates (papel ou folha de cálculo) com os campos já preenchidos com o nome/classificação das contas e acrescentam apenas o respectivo valor. Considerando-se zero poupam trabalho a preencher e fica mais legível.

    Por isso, desde que se saiba que é esse o comportamento do Excel (e portanto há uma boa justificação para isso), acho que está "bem".

    Re:E não só... (Pontos:2)
    por raxx7 em 14-10-03 21:13 GMT (#65)
    (Utilizador Info)

    Por isso, desde que se saiba que é esse o comportamento do Excel (e portanto há uma boa justificação para isso), acho que está "bem".

    Sim. Por isso é que escrevi "bem" entre aspas. Acho que é uma má escolha porque favorece erros obscuros. Mas é o comportamento do Excel, tal como está definido. Há que viver com ele.


    Remember to be the Killer, not the Victim! (Nuklear Girl)
    Re:E não só... (Pontos:2)
    por fhc em 14-10-03 15:48 GMT (#45)
    (Utilizador Info)

    Provavelmente foi a de Entre-os-Rios, usado o Excel pelo Sr. Arquitecto Hintze Ribeiro. O mesmo programa foi usado (isto não é brincadeira, infelizmente) para formatar a tabela das extracções de areia no Douro, mas acho que foi mais azelhice do que programa errado.

    Sejam razoáveis: o Excel não é um clássico como o Don Quixote. Muda-se e pronto.

    Francisco Colaço


    Re:E não só... (Pontos:1, Despropositado)
    por ruben dig em 14-10-03 10:15 GMT (#17)
    (Utilizador Info) http://www.floppy.com.pt
    Um aluno de engenharia que não consegue usar o OOo é um caso problemático de miopia :)
    Tenta passar pela multiopticas e diz que tens 100 anos que eles fazem 100 por cento de desconto :)
    100% sim, mas só... (Pontos:1, Engraçado)
    por tourt em 14-10-03 11:37 GMT (#26)
    (Utilizador Info)
    100% de desconto na armação.
    Nas lentes, bufas como os outros!!

    Cumprimentos
    Artur Martins

    ----------
    cat /usr/src/linux/arch/i386/boot/bzImage > /dev/dsp, and the voice of god will be heard.

    Re:E não só... (Pontos:2)
    por hununu em 14-10-03 12:45 GMT (#32)
    (Utilizador Info)
    Um aluno de engenharia que não consegue usar o OOo é um caso problemático de miopia :)
    Tenta passar pela multiopticas e diz que tens 100 anos que eles fazem 100 por cento de desconto :)


    Problemático são as respostas inúteis.
    http://www.absolutbsd.org/
    Re:E não só... (Pontos:1)
    por mad em 14-10-03 11:15 GMT (#21)
    (Utilizador Info)
    Por favor deixa de criar entropia, eu não estou a dizer para ser utilizado em projectos ultra secretos, bastava ser utilizado no ensino obrigatório e olha o cobres que não eram poupados dos nossos bolsos!
      Não estou a admitir com isto que o OO não seja uma boa ferramenta Office.
    Cumprimentos mad
    Se a coisa pega.... (Pontos:2, Engraçado)
    por tourt em 13-10-03 21:08 GMT (#3)
    (Utilizador Info)
    Se o exercito começa a gostar e passa a instalar o CM em todas as máquinas, poupando uma batelada de dinheiro, é de adivinhar que o "Paulinho" desata-me a comprar mais submarinos.

    Mas é melhor ter CM instalado e submarinos na água, do que ter Windoze... e não ter sequer uma canoa!

    Cumprimentos
    Artur Martins

    ----------
    cat /usr/src/linux/arch/i386/boot/bzImage > /dev/dsp, and the voice of god will be heard.

    Re:Se a coisa pega.... (Pontos:2, Engraçado)
    por seven em 14-10-03 0:02 GMT (#5)
    (Utilizador Info)
    Submarinos? Nao. Já anda a poupar para o leasing dos helicopteros.
    Qual helicópteros. (Pontos:2)
    por fhc em 14-10-03 22:01 GMT (#71)
    (Utilizador Info)

    Com o que se poupa de extorsão microsoft já podemos finalmente pensar no nosso primeiro porta-aviões nuclear.

    Francisco Colaço


    Enquanto isso no Exército Brasileiro... (Pontos:2, Informativo)
    por mpinho em 14-10-03 1:59 GMT (#8)
    (Utilizador Info)
    há uma determinação expressa para preferência por softwares livres:

    http://www.sti.eb.mil.br/dmcei.asp

    "...
          A STI tem recomendado, insistentemente, os seguintes procedimentos às nossas OM:
            1) Fazer máxima utilização de softwares livres.
            2) Utilizar-se de softwares proprietários somente quando não houver alternativa de uso de software livre. E neste caso, obrigatoriamente, o software deverá, possuir a respectiva licença de uso.
            3) Quanto à utilização de softwares livres, as OM deverão procurar a orientação dos Centros de Telemática de Área (CTA), dos Centros de Telemática (CT), Centro de Desenvolvimento de Sistema (CDS) ou, ainda, da própria DMCEI.
    "

    Claro que a adoção é um pouco lenta pela inércia criada por anos de lavagem mental M$, mas a decisão de mudar é definitiva.
    Re:Enquanto isso no Exército Brasileiro... (Pontos:2)
    por mlopes em 14-10-03 9:35 GMT (#14)
    (Utilizador Info)
    Não será contraditório isso estar em ASP quando existe uma "determinação expressa para preferência por softwares livres"!?

    No woman ever falls in love with a man unless she has a better opinion of him than he deserves.

    Re:Enquanto isso no Exército Brasileiro... (Pontos:2)
    por ruben dig em 14-10-03 10:24 GMT (#18)
    (Utilizador Info) http://www.floppy.com.pt
    The site www.sti.eb.mil.br is running Microsoft-IIS/4.0 on NT4/Windows 98
    Provavelmente é uma maquina Linux com banners para enganar os scanners, afinal estamos a falar de militares, e o Apache pode correr qualquer script de php com terminacao xpto.
    Re:Enquanto isso no Exército Brasileiro... (Pontos:2)
    por nmarques em 14-10-03 12:28 GMT (#29)
    (Utilizador Info) http://morgul.xpto.org
    Não me parece ;) Double check!.
    -------------------------------------------------------
    Seja sangue e suor o caminho para a vitoria,
    lutaremos lado a lado pela pátri
    Re:Enquanto isso no Exército Brasileiro... (Pontos:2)
    por mpinho em 14-10-03 12:54 GMT (#33)
    (Utilizador Info)
    Realmente é um tremendo furo... Infelizmente a inércia das pessoas é muito grande. Mas pelo menos há uma intenção declarada em mudar para o software livre...
    Politiquices (Pontos:2)
    por Tuaregue em 14-10-03 17:59 GMT (#53)
    (Utilizador Info)
    Bem ate nisto se nota a diferença entre o PSD e o PP, por um lado temos o G. Capitão(PSD) a defender indirectamente a Microsoft no parlamento, e ao mesmo tempo temos o Paulo Portas a investir no Linux e numa distribuição Portuguesa, como já tem sido norma no Ministério da Defesa Nacional.Pelo menos já temos um Ministério a apostar nas empresas portuguesas.

    ------------------------------------------------------------
    Todas as coisas mudam, e nós mudamos com elas.

    Re:Politiquices (Pontos:2)
    por fhc em 14-10-03 22:05 GMT (#72)
    (Utilizador Info)

    Lembra-te que foi o mesmo Sr. Portas que insistiu em valores iguais de contrapartidas para os contratos de fornecimento de equipamento militar. Isto é verdadeiramente apostar na indústria portuguesa.

    Precisamos de uns rebites e uma mordaça: uns rebites para o soldar definitivamente na cadeira de ministro da defesa, e uma mrdaça para que não possa abrir a boca e dizer bacoradas nos congressos e feiras.

    Francisco Colaço


    Re:Politiquices (Pontos:2)
    por Tuaregue em 14-10-03 22:42 GMT (#74)
    (Utilizador Info)
    As bacoradas também tem um aspecto positivo, sempre vão divertindo o pessoal, principalmente quando ele o Soares trocam mimos.

    ------------------------------------------------------------
    Todas as coisas mudam, e nós mudamos com elas.

    Re:Politiquices (Pontos:2)
    por 4Gr em 15-10-03 1:54 GMT (#84)
    (Utilizador Info)
    Piropos meu caro, eles trocam piropos ;-)


    Dominus vobiscum

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]