gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
Uma semana em cheio
Contribuído por vd em 11-05-03 19:28
do departamento acreditem-em-nós!-a-sério!-parte2-resumo-da-semana
Microsoft hannibal escreve " Após as falhas de segurança encontradas no Internet Explorer, Outlook e Frontpage, a mais recente falha encontrada no Windows Media Player, e o desastre causado com a perda de confiabilidade de dados no serviço Passport, a Microsoft enfrenta ainda esta semana uma acusação de fraude informática. Mais uma valente machadada na reputação do gigante americano para terminar em grande uma semana algo complicada... "

vd: Alguém não anda a ler os livros, nem tão pouco a aplicar a Trustworthy Computing.

smartphone em PT=Microsoft+ ... Galp !!! | O Português em 2103  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • ZDNet
  • Wired
  • CNN
  • hannibal
  • falhas
  • falha
  • perda
  • acusação
  • Trustworthy Computing
  • Mais acerca Microsoft
  • Também por vd
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    Semana da M$?? (Pontos:3, Engraçado)
    por |The-Crow| em 11-05-03 19:44 GMT (#1)
    (Utilizador Info)
    WoWoW!!!
    Isto parece a semana da M$, só pode....
    *no comments*
    Deve ser castigo pela arrogância (Pontos:2, Interessante)
    por hannibal em 11-05-03 21:09 GMT (#2)
    (Utilizador Info)
    Citando o amigo Bill no memo enviado acerca do Trustworthy Computing: "...the computer industry will only succeed in that world if CIOs, consumers and everyone else sees that Microsoft has created a platform for Trustworthy Computing." Ou seja a industria da informática supostamente irá toda entrar em colapso no caso da MS nao atingir os seus fins... God save us all!
    E este tambem deve ser... (Pontos:2, Despropositado)
    por leitao em 11-05-03 21:44 GMT (#3)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/
    ...o 4o artigo desta semana sobre o que a microsoft anda ou nao a fazer...

    Parece que alguem anda a procurar no Google sobre historias para o Gildot...

    Sad...


    "I triple guarantee you, there are no American soldiers in Baghdad.", Mohammed Saeed al-Sahaf, Iraqi Minister of Information

    resposta da tanga (Pontos:2)
    por simul em 11-05-03 22:26 GMT (#4)
    (Utilizador Info)
    Ao fim de uns 5 anos a assistir, aqui vai o primeiro comentário não anónimo ao fim de um par deles anónimos:

    Artigo interessante...
    Mas sem querer ser derrotista, não é " perca de confiabilidade" é: PERDA.

    E já agora, para que conste, uma ano não é "um espaço", não tem dimensão de comprimento mas sim de TEMPO. Ou seja: no periodo de um ano e não no "espaço de um ano".

    Argh!
    Re:resposta da tanga (Pontos:1, Gozão)
    por jig em 11-05-03 23:42 GMT (#6)
    (Utilizador Info)
    Não é periodo mas sim período "Argh!" Que cheiro a bacalhau.
    dá deus nozes a quem não tem vozes (Pontos:2)
    por vaf em 12-05-03 11:15 GMT (#13)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/users/vaf12086/
    Ou seja: no periodo de um ano e não no "espaço de um ano".

    Concordo. Muitas vezes ouço pessoas que deveriam falar correctamente (jornalistas sérios, políticos, professores...) a dizer "num curto espaço de tempo". Também me irrita bastante, mas se corrigisse as pessoas, além de parecer mal, não teria muito descanso.

    Outra bastante engraçada é, desde o 25 de abril, não se diz instabilizar, mas antes "destabilizar" ou mesmo "desestabilizar". Erro brutal! Tirar a estabilidade é instabilizar. Esta estranha mania de "desestabilização" da língua surgiu porque no PREC os revolucionários mais inflamados, para eufemizar a coisa, diziam que não estavam a instabilizar o país. Estavam a "desestabilizar"... :-)

    Outra moda - esta mais recente - bastante irritante e perpetrada por aqueles que mais voz têm é, o "atempadamente".

    Segundo as regras da língua Portuguesa atempadamente significa "de modo desprovido de tempo", o que é totalmente contrário ao que vulgarmente se pretende dizer. O prefixo "a" indica a ausência (tal como em "assimétrico", "apolítico"). Não se pode pegar na expressão "a tempo", fazer uma aglutinação grosseira e passar para atempadamente para dizer que "foi a tempo" ou que foi "no tempo certo".

    Às tantas as pessoas não pensam no que dizem, seja no conteúdo, seja na forma. O respeito pelas regras da língua não obriga a que ela não evolua, de maneira nenhuma. A língua é viva, mas tem algumas regras. Enfim... há várias calinadas destas. Podíamos ficar aqui um longo período de tempo. ;-)
    Re:dá deus nozes a quem não tem vozes (Pontos:2)
    por cgd em 12-05-03 13:58 GMT (#17)
    (Utilizador Info)
    "num curto espaço de tempo"

    Isto não me parece errado. Tirado do dicionário, espaço pode significar, entre outras, duração. Ou seja, a tua frase equivale a "numa curta duração de tempo", o que também não parece mal.

    O mesmo se aplica à frase original: "espaço de um ano" -- "duração de um ano"...


    -- carlos

    Re:dá deus nozes a quem não tem vozes (Pontos:2)
    por vfp em 13-05-03 20:13 GMT (#38)
    (Utilizador Info)
    Atempadamente está correcto. Atempado significa realizado dentro do tempo ou prazo adequado. Podes verificar aqui. Destabilizar e desestabilizar estão igualmente correctas. Podes verificar aqui.

    "There are 10 types of people in the world: the ones who understand binary and the ones who don't."

    Re:dá deus nozes a quem não tem vozes (Pontos:1)
    por YuggY em 14-05-03 16:02 GMT (#51)
    (Utilizador Info)
    Não creio que ele se estivesse a referir aos neologismos que agora é moda espetar em todos os diccionários mas sim ao uso abusivo das regras morfo-sintáticas da lingua portuguesa.

    Se a coisa continuar a ser chamada de evolução linguística, em breve terás no diccionário as palavras 'prontos, fostes, fizestes e comestes' se entretanto não houver nenhum mentecapto a lembrar-se de fazer mais acordos ortográficos por forma a transformar a língua portuguesa na língua brasileira politicamente inexistente!
    Re:dá deus nozes a quem não tem vozes (Pontos:2)
    por vaf em 21-05-03 16:12 GMT (#53)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/users/vaf12086/
    Os dicionários incorporam as asneiras...
    Segurança M$ (Pontos:1, Engraçado)
    por mpinho em 11-05-03 23:11 GMT (#5)
    (Utilizador Info)
    E ainda há os que acreditam que o Windows 2003 será o sistema operacional para servidores mais seguro do mundo ....

    Re:Segurança M$ (Pontos:2)
    por vd em 12-05-03 8:21 GMT (#7)
    (Utilizador Info) http://paradigma.co.pt
    Quando desligado e sem cabo de rede...

    Sim :)

    //vd
    Re:Segurança M$ (Pontos:3, Engraçado)
    por humpback em 12-05-03 11:10 GMT (#11)
    (Utilizador Info) http://www.felisberto.net
    Para alguem que comenta que não se anda a ler estás muito desactulizado.
    Passa por uma bertrand e compra o livro do Mitnick. Computador seguro é aquele que não existe :) .


    Gustavo Felisberto
    72ef1d7183eb2ea89420b94c0cf3e1f1
    apt-get install anarchism

    Re:Segurança M$ (Pontos:2)
    por vd em 12-05-03 11:21 GMT (#14)
    (Utilizador Info) http://paradigma.co.pt
    The Art of Deception ?
    Ja' tenho. Mas o livro e' bom para o callcenter :)


    //vd
    É isso e ... (Pontos:1)
    por pns em 12-05-03 9:06 GMT (#8)
    (Utilizador Info)
    ... aquelas "fugas" de software que acontecem de tempos a tempos de versões betas no saite da micro$oft, ou ainda de keys universais para determinado software.
    É triste, mas vai dando para se safar!

    Pedro.
    PERCA! (Pontos:1)
    por liberdade em 12-05-03 9:06 GMT (#9)
    (Utilizador Info)
    PERCA é um peixe. Escreve-se 'PERDA'!
    Re:PERCA! (Pontos:2)
    por vd em 12-05-03 9:17 GMT (#10)
    (Utilizador Info) http://paradigma.co.pt
    Não seja por causa disso,

    perca 2
    substantivo feminino
    popular => perda

    Mas, para nao meter comichão, já está alterado.

    //vd
    Re:PERCA! (Pontos:3, Engraçado)
    por pmsac em 12-05-03 11:13 GMT (#12)
    (Utilizador Info) http://2130706433/
    Um conceito parecido com certos produtos que certas empresas tentam impingir: de tanto insistir e divulgar o erro, deixa de o ser e passa a ser "standard".

    -- pmsac.oO(Cogito sumere potum alterum)
    Re:PERCA! (Pontos:2)
    por jazzy em 12-05-03 15:10 GMT (#20)
    (Utilizador Info) http://www.gildot.org
    Vá lá que é "standard", porque se fosse "standart" era muito pior ;)


    Jazzy
    Re:PERCA! (Pontos:1)
    por liberdade em 13-05-03 8:17 GMT (#25)
    (Utilizador Info)
    é exactamente como a palavra 'standard', até jornalistas a usam com alguma frequência. Será que desconhecem a palavra portuguesa 'norma' ?
    Remember... (Pontos:1)
    por |Polaris| em 12-05-03 12:12 GMT (#15)
    (Utilizador Info) http://bsousa.homeip.net
    É preciso ter em consideração, o facto da Microsoft ser simplesmente a plataforma mais utilizada a nível Mundial, com todas as implicações inerentes.Quer isto dizer, que é sem a menor dúvida a plataforma mais exposta em tudo.Logo a quantidade de falhas será relativamente grande, visto que a Microsoft tem n produtos e n^n utilizadores, em que uma boa parte destes utilizadores o são para descobrirem falhas.
    Não defendo a má política da Microsoft,mas respeito o esforço mental que está associado a tudo de bom e mau que a Microsoft tem.

    Venham lá esses comentários ;)


    It Must Be Hard Being So Good...
    Re:Remember... (Pontos:2)
    por Psiwar em 12-05-03 13:24 GMT (#16)
    (Utilizador Info) http://www.netcode.pt
    "Não defendo a má política da Microsoft, mas respeito o esforço mental que está associado a tudo de bom e mau que a Microsoft tem."

    Fiquei com os olhos trocados nesta! É preciso esforço para fazer mal? %)
    Re:Remember... (Pontos:2)
    por leitao em 12-05-03 14:32 GMT (#18)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/
    Nao percebes -- o que ele esta' a dizer e' que nem todos somos "Linux Talibans".


    "I triple guarantee you, there are no American soldiers in Baghdad.", Mohammed Saeed al-Sahaf, Iraqi Minister of Information

    Re:Remember... (Pontos:2)
    por mlopes em 14-05-03 15:36 GMT (#49)
    (Utilizador Info)
    ... alguns somos "Microsoft Talibans".

    No woman ever falls in love with a man unless she has a better opinion of him than he deserves.

    Re:Remember... (Pontos:2)
    por pmsac em 12-05-03 14:32 GMT (#19)
    (Utilizador Info) http://2130706433/
    É preciso esforço para _fazer_. Se depois fica bem feito ou mal feito, já é outra conversa. Há que diferenciar a qualidade dos produtos das inovações que os mesmos tentam trazer e ainda da política da empresa que os produz.

    -- pmsac.oO(Cogito sumere potum alterum)
    Tanta treta... (Pontos:1)
    por tonidosimpostos em 12-05-03 15:35 GMT (#21)
    (Utilizador Info)
    Realmente isto parece o Linuxstao com os seus respectivos Talibans.
    Ate parece que o linux e respectivo software (tipo sendmail) nunca tiveram buracos do tamanho do sol... Nadinha... Nem houve uma semana com 2 buracoes no sendmail (é os talibans facilmente argumentam do tipo, mas ng te obriga a usar o sendmail, o sendmail nao presta, pois é, mas faz parte do *nix world e portanto responde pela reputacao do mesmo) e muitos mais no openssh e bind e por ai fora.
    Eu nao defendo a M$ nem ng, sou é contra a estupidez patente em 80% dos comentarios aqui no Linuxstao. A maioria dos utilizadores daqui revela estupidez patente ao nao ter abertura de espirito para aceitar que cada macaco no seu galho. Passam a vida a reclamar que o linux é bom para isto e aquilo, e esquecem-se que os outros tb sao bons para outras coisas. Resumindo, nao sao minimamente coerentes (é o problema do fanatismo).
    O linux é tao inseguro como um Windows qq colocado nas maos erradas. Quem disser o contrario é no minimo um pessimo profissional pq se esquece da maxima que NADA é seguro. Faz-se o paralelo para e criptografia, onde a 1a frase de qq livro decente diz que só é segura ate ao limite do poder computacional existente ou ate a uma descoberta que deite por terra toda a matematica utilizada.
    Quero-me rir um dia destes, quando sair mais um buracao do tamanho destes para o Linux, a ver se piam na mesma tao alto como o fazem agora.
    E ja agora, para quem gostar de estatistica, sendo a base de utilizadores de M$ exponencialmente superior à base de *nix (pelo menos em desktops), a probabilidade de ocorrerem problemas e de worms e afins se espalharem será bastante maior (a nao ser que aqui os talibans arranjem uma distribuiçao engracada para o linux).

    Re:Tanta treta... (Pontos:1)
    por mpinho em 12-05-03 22:52 GMT (#22)
    (Utilizador Info)
    Em parte tens razão, só que esqueceste que o linux não vem com um cliente de email como o Outlook (e Outlook Express) e o browser Internet Exploder que são o alvo número 1 de todos os vírus, worms e cia que existem no mundo e que a maioria dos usuários/pseudo-administradores usa o sistema logado como um usuário comum com poderes de administrador...

    Esqueceste também que as correções do sistema/programas no linux saem muito mais rapidamente e o próprio administrador pode aplicá-las.

    Esqueceste também que sendmail não é o único servidor de email para linux e que a "diversidade genética" de programas torna ataques como o code red muito menos destrutivos.
    Re:Tanta treta... (Pontos:1)
    por Devil_PT em 12-05-03 23:55 GMT (#23)
    (Utilizador Info)
    Eu consigo pensar num bom par de maneiras de explorar outras tantas vulnerabilidades no elm ou no pine (para já não falar de coisas mais estranhas e complexas como emacs ou ximian). Tanto quanto sei a maior parte das vulnerabilidades para o Windows e derivados têm sido tornado publicas apenas depois de existir o fix (o passport é uma delas).

    Ataques como o CodeRed ocorrem mais por problemas entre a cadeira e o teclado dos sysadmins do que por falta de fixes.

    Por outro lado, se vamos entrar por vulnerabilidades cretinas (que há bastantes no sw do tio bill) é preciso lembrar que as mesmas existem igualmente no mundo *nix (ptrace, CVS, apache e muito, muito mais).

    Resumindo, esta máxima do Linux é seguro e Windows é um buraco, só acontece na mente de quem não vê dois palmos à frente do nariz e devia, para bem da humanidade, ser proibido de estar a menos de 500m de qualquer computador (incluindo algum Timex 48k que ainda funcione). Dê-me um sistema operativo moderno e minimamente configuravel que o torno tão seguro como qualquer VMS a funcionar para a CIA.

    Re:Tanta treta... (Pontos:1)
    por lmpinto em 13-05-03 0:01 GMT (#24)
    (Utilizador Info)
    Dê-me um sistema operativo moderno e minimamente configuravel que o torno tão seguro como qualquer VMS a funcionar para a CIA. Famous last words...
    Re:Tanta treta... (Pontos:1)
    por Devil_PT em 13-05-03 9:26 GMT (#28)
    (Utilizador Info)
    LOL! Não queria ser tão drástico :-)
    Re:Tanta treta... (Pontos:1)
    por Devil_PT em 13-05-03 9:28 GMT (#29)
    (Utilizador Info)
    LOL! Queria dizer que nem os sistemas da CIA são assim tão seguros. :-)
    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por pmsac em 13-05-03 8:46 GMT (#26)
    (Utilizador Info) http://2130706433/
    O passport foi tornado público _antes_ de existir qualquer correcção para o problema (pelo menos, qualquer correcção implementada).

    Relativamente a outras, não me recordo. O que sei é que, depois de ser conhecida uma vulnerabilidade, por vezes as correcções estão cá fora em questão de minutos (não estou a exagerar) para alguns sistemas operativos e aplicações open-source e podem ser implementadas pelo sysadmin, sem esperar que a empresa produtora lance o respectivo "service pack". Isto porque se torna algo complicado, por muito bom que se seja, andar a fazer correcções em binários. Poderá também ser possível implementar work-arounds nas soluções open-source, que são mais complicados quando o sistema é fechado e não se conhecem todas as dependências que podem existir.

    Repara que estou a assumir que os administradores são competentes, tanto o de um linux xpto, como o de um windows zbr (até pode ser a mesma pessoa, um "linux heretic" vendido ao poder do capital ;). Ninguém diz (corrijo, _Eu não digo_) que um ou outro teve, tem ou vai ter menos vulnerabilidades, apenas que as possibilidades e oportunidades é que não são as mesmas, no que toca a "securizar" (esta palavra existe ?).

    Mais uma acha para a fogueira: achas que se encontram mais vulnerabilidades a auditar binários vs a auditar código fonte ? E além disso, como foi referido num comentário anterior, a diversidade "genética" é importante, tanto no que se refere à diversidade de programas, à diversidade de linguagens em que os mesmos foram implementados, à diversidade da equipa que os implementou e também no que se refere à diversidade da(s) equipa(s) que os audita. Como em todas as "pools" genéticas, se tiveres diversidade suficiente é natural que se produzam umas quantas pérolas (sentido figurado) no meio de uma quantidade razoável de aberrações.

    -- pmsac.oO(Cogito sumere potum alterum)
    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por vd em 13-05-03 9:08 GMT (#27)
    (Utilizador Info) http://paradigma.co.pt
    O que sei é que, depois de ser conhecida uma vulnerabilidade, por vezes as correcções estão cá fora em questão de minutos (não estou a exagerar) para alguns sistemas operativos e aplicações open-source e podem ser implementadas pelo sysadmin, sem esperar que a empresa produtora lance o respectivo "service pack".

    Outras vezes, são resolvidas logo pelo sysadmin sem haver sequer uma correcao publica.
    Ou seja, por ter acesso ao codigo e desde que perceba alguma coisa, ele consegue corrigir o problema se haver um patch oficial.


    Mais uma acha para a fogueira: achas que se encontram mais vulnerabilidades a auditar binários vs a auditar código fonte ?


    E' mais mais simples auditar codigo fonte do que binarios. Se num lado "olhas" para o codigo, no outro tens de fazer reverse engineering.

    //vd
    Re:Tanta treta... (Pontos:1)
    por Devil_PT em 13-05-03 9:47 GMT (#30)
    (Utilizador Info)
    A maior parte das vezes (99%??) não é preciso conhecer o código fonte para criar um workaround decente antes do patch oficial.

    Quer queiramos quer não, a MS faz um bom trabalho a documentar (claro que não documentam tudo, mas isso é outra história) os seus produtos e API's (basta ver o MSDN) o que torna simples introduzir hooks, sinks, parsers e outros entre o problema e a causa do mesmo.

    Quanto a auditar o código fonte vs binários, é óbvio que é mais simples auditar o binário!!! No source code, se não forem seguidas regras, tens que perceber primeiro a ideia do programador, o seu estilo de programação. Contra o binário simplesmente auditas as funções expostas do mesmo e crias um wrapper à volta do bicho para que se limite a fazer o que é suposto fazer e não se porte "mal". É claro que são poucos os que fazem isto.

    No entanto, se fores um programador muito bom, é claro que a source ajuda e muito! Mas estes são muito poucos e normalmente só são sysadmins por desporto, porque têm coisas mais interessantes para fazer...

    os meus €0.02

    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por pmsac em 13-05-03 19:34 GMT (#34)
    (Utilizador Info) http://2130706433/
    Muito bem. É bom ver que temos alguém com confiança para meter wrappers em binários dos quais conhece apenas os interfaces publicados.

    *clap, clap*


    -- pmsac.oO(Cogito sumere potum alterum)
    Re:Tanta treta... (Pontos:1)
    por Devil_PT em 13-05-03 21:49 GMT (#41)
    (Utilizador Info)
    Quad nesciunt eos non interficiet... :-P


    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por pmsac em 13-05-03 23:05 GMT (#42)
    (Utilizador Info) http://2130706433/
    Me transmitte sursum, Caledoni!

    -- pmsac.oO(Cogito sumere potum alterum)
    Re:Tanta treta... (Pontos:1)
    por NeVErMinD em 13-05-03 23:55 GMT (#43)
    (Utilizador Info)
    tantum latinae linguae nouisti ut me: nihil

    Outra coisa, nao é "Quad", mas sim "Quod", está mal escrito na pagina onde sacaste a frase.
    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por leitao em 13-05-03 16:30 GMT (#32)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/
    O que sei é que, depois de ser conhecida uma vulnerabilidade, por vezes as correcções estão cá fora em questão de minutos (não estou a exagerar) para alguns sistemas operativos e aplicações open-source e podem ser implementadas pelo sysadmin, sem esperar que a empresa produtora lance o respectivo "service pack".

    E ja' pensaste a razao disto ?

    Uma empresa que vende um produto e que tenha milhares de clientes precisa de seguir um ciclo para lancar um patch:

    • Confirmar e reproduzir o problema,
    • Descobrir e implementar a fix,
    • Testar a solucao,
    • Certificar-se que a solucao nao afecta a funcionalidade para outros clientes do produto,
    • Lancar a solucao publicamente,

    Isto segue o que se chama um ciclo de Verification, Validation and Testing (VV&T) -- que e' (ou devia ser) uma pratica comum em qualquer empresa de software.

    No mundo do open-source este ciclo nao e' necessariamente seguido (alias, quase nunca) e como tal e' possivel lancar patches em minutos.

    So' porque no mundo do software proprietario os patches levam mais tempo a sair isso nao quer dizer que e' mau -- quer dizer que existe mais processo 'a volta da criacao deste -- o que por si e' bom.


    "I triple guarantee you, there are no American soldiers in Baghdad.", Mohammed Saeed al-Sahaf, Iraqi Minister of Information

    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por pmsac em 13-05-03 19:32 GMT (#33)
    (Utilizador Info) http://2130706433/
    Deves concordar que os 3 primeiros passos são semelhantes. Relativamente ao 4º passo, concerteza que demora tempo. Não é por isso que em alguns patches da MicroSoft (nos posts anteriores optei por não nomear empresas, porque o mesmo se pode aplicar a produtos como Solaris, AIX, IRIX, etc...) não acontece uma de duas coisas, ou mesmo ambas:
            - falha em corrigir;
            - falha em ser "backwards compatible" fazendo com que algumas aplicações deixem de funcionar.

    Sem querer contrariar muito daquilo que disseste, e que considero válido, em teoria, corrigia apenas a última parte: demorar mais tempo e passar em testes não quer dizer que seja _bom_, se no mundo real se verificar que afinal, apesar dos mesmos, todo aquele tempo foi em vão.

    Para dar um contra-exemplo áquilo que disse, alguns dos muitos patches que surgiram para Linux relativamente ao ptrace _não funcionavam_, apenas impediam o exploit divulgado como PoC de ser executado com sucesso.

    -- pmsac.oO(Cogito sumere potum alterum)
    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por leitao em 13-05-03 20:12 GMT (#37)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/
    Sem querer contrariar muito daquilo que disseste, e que considero válido, em teoria, corrigia apenas a última parte: demorar mais tempo e passar em testes não quer dizer que seja _bom_, se no mundo real se verificar que afinal, apesar dos mesmos, todo aquele tempo foi em vão.

    Entao qual e' a alternativa ? Nao resolver os problemas ? Nao percebi onde queres chegar... (a serio)


    "I triple guarantee you, there are no American soldiers in Baghdad.", Mohammed Saeed al-Sahaf, Iraqi Minister of Information

    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por pmsac em 13-05-03 21:48 GMT (#40)
    (Utilizador Info) http://2130706433/
    A alternativa é fazer-se o que se diz: se se diz que se demora muito tempo a fazer testes de cada patch por razões de estabilidade, é bom que se façam esses testes, e bem... já agora, que se demore menos tempo.

    O moral da história que queria deixar com o post anterior:
    - no closed-source, o facto da empresa X afirmar Y, não quer dizer que Y seja verdade, como por exemplo: "Este patch resolve o problema, e sofreu demorados testes de estabilidade, por forma a garantir que não tem outras implicações. Foi mesmo o único motivo que nos levou a não lançar o patch em minutos/horas/dias deixando os clientes dos nossos produtos vulneráveis durante este tempo". Ooops... afinal não resolve... ooops... afinal tem alguns probleminhas com algumas aplicações...;
    - no open-source: WYSIWYG.

    Como diz o Nevermind nuns posts mais abaixo, sendo que ambas as opções têm vantagens e desvantagens, talvez se devesse considerar a que demora menos tempo e evita tempos de exposição mais elevados.

    -- pmsac.oO(Cogito sumere potum alterum)
    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por leitao em 14-05-03 0:00 GMT (#44)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/
    no open-source: WYSIWYG

    ... o que nao quer dizer que tambem nao possam ocorrer buracos. Claro que e' justificavel que o processo de auditoria e' aberto, e como tal mais provavel de descobrir erros atempadamente via peer review -- mas quando o codigo se torna muito complexo (a diferenca entre o Kernel do Linux e o grep) entao os bugs podem ser introduzidos na mesma sem serem detectados. Como aconteceu alias no passado com o 2.4.7 por exemplo.

    Ou seja, a longo prazo um processo formal de VV&T e' a unica saida -- pois no extremo o peer review deixa de ser eficiente para projectos muito complexos.

    E isto traz-nos de volta ao argumento que para software com um nivel de complexidade muito alto o modelo do open-source nao funciona pois nao e' formal nem centralizado.

    Tenho dito.


    "I triple guarantee you, there are no American soldiers in Baghdad.", Mohammed Saeed al-Sahaf, Iraqi Minister of Information

    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por pmsac em 14-05-03 13:57 GMT (#48)
    (Utilizador Info) http://2130706433/
    E é aqui que as nossas opiniões divergem...

    -- pmsac.oO(Cogito sumere potum alterum)
    Re:Tanta treta... (Pontos:1)
    por NeVErMinD em 13-05-03 19:36 GMT (#35)
    (Utilizador Info)
    So' porque no mundo do software proprietario os patches levam mais tempo a sair isso nao quer dizer que e' mau -- quer dizer que existe mais processo 'a volta da criacao deste -- o que por si e' bom.

    Teorias, porque na prática é o que se (exemplo ao acaso)
    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por leitao em 13-05-03 20:09 GMT (#36)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/
    Destes um exemplo de dezenas ou centenas de milhar de produtos proprietarios.

    No mundo do open-source, nunca aconteceu uma fix nao resolver o problema ? Ou mesmo faze-lo pior ? Devo-te lembrar um certo kernel de um SO open-source ? (versao 2.4.7 para ser mais exacto onde apareceram um numero de bugs novos e outros re-introduzidos)


    "I triple guarantee you, there are no American soldiers in Baghdad.", Mohammed Saeed al-Sahaf, Iraqi Minister of Information

    Re:Tanta treta... (Pontos:1)
    por NeVErMinD em 13-05-03 20:22 GMT (#39)
    (Utilizador Info)
    Destes um exemplo de dezenas ou centenas de milhar de produtos Open Source.
    Conclusao, já que existem patchs com falhas nos dois mundos, pelo menos que levem menos tempo a sair.
    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por leitao em 14-05-03 0:03 GMT (#45)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/
    Agora nem tive que me mexer para te por a fazer figura de ur*o. Obrigado.


    "I triple guarantee you, there are no American soldiers in Baghdad.", Mohammed Saeed al-Sahaf, Iraqi Minister of Information

    Re:Tanta treta... (Pontos:1)
    por NeVErMinD em 14-05-03 10:14 GMT (#47)
    (Utilizador Info)
    Vais argumentar essa frase ou é simplesmente agressões pessoais gratuitas?
    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por leitao em 14-05-03 16:07 GMT (#52)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/
    Hammm... tens que ter um bocado mais de sentido de humor -- chamar a alguem ur*o nao e' um ataque pessoal -- todos fazemos figura de ur*o eventualmente.

    A questao e' que dizendo isto: Conclusao, já que existem patchs com falhas nos dois mundos, pelo menos que levem menos tempo a sair.

    basicamente ignoraste todos os comentarios que fiz acima, e saiste-te com um argumento que, honestamente, nao cola.


    "I triple guarantee you, there are no American soldiers in Baghdad.", Mohammed Saeed al-Sahaf, Iraqi Minister of Information

    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por mlopes em 14-05-03 15:46 GMT (#50)
    (Utilizador Info)
    O facto de o patch sair corrige o erro, tudo isso pode ser feito à posteriori para que seja lançada uma versão mais "testada" do patch sem que o utilizador tenha que ficar uns meses à espera com a máquina vulnerável.

    No woman ever falls in love with a man unless she has a better opinion of him than he deserves.

    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por higuita em 13-05-03 15:46 GMT (#31)
    (Utilizador Info)
    Quero-me rir um dia destes, quando sair mais um buracao do tamanho destes para o Linux, a ver se piam na mesma tao alto como o fazem agora

    piam pelo menos o pessoal do freeBSD, do openBSD, NetBSD, do SunOS, do AIX, etc... e claro, os de linux que usam uma distro/aplicacao que nao foi afectada

    lembra-te que tens sempre alternativa no mundo unix/linux, quando no windows nao tens, ou usas aquilo, mesmo sabendo que e' mau, ou nao usas nada e tens de mudar de OS/aplicacao e afins

    Pior e' quando alguem usa a pensar que e' bom e depois acontece-lhe disto...

    Higuita
    Re:Tanta treta... (Pontos:2)
    por racme em 14-05-03 3:05 GMT (#46)
    (Utilizador Info) http://rmitz.org/freebsd.daemon.html
    Quero-me rir um dia destes, quando sair mais um buracao do tamanho destes para o Linux, a ver se piam na mesma tao alto como o fazem agora

    piam pelo menos o pessoal do freeBSD, do openBSD, NetBSD, do SunOS, do AIX, etc... e claro, os de linux que usam uma distro/ aplicacao que nao foi afectada


    E' dificil nao perceber que se assiste a um fenonemo de selecao natural no mundos dos OSes ha ja bastante anos a esta data. Ao contrario da plataforma windows os nix em geral sofrem mutacoes a cada 2 anos.

    De um lado temos uma espice que nao resiste a uma alteracao do seu ambiente, ou a uma investida de virus, e a cada dia que passa perde mais e mais qualidades, caracteristicas, vantagens e competitividade sobre as outras especies.
    Do outro lado temos um grupo de seres que ja rastejam, e dao os primeiros passos para a caminhada final.
    A conquista do topo da cadeia alimentar.


    Make World; Not War;

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]