gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
United Linux
Contribuído por BladeRunner em 30-05-02 18:22
do departamento arrivals
Linux Ora chegou o United Linux com lançamento no último trimestre deste ano se bem percebi o que está no site.
No mesmo pode ler-se: "May 30, 2002
Caldera, Conectiva, SuSE, Turbolinux Partner To Create UnitedLinux, And Produce A Uniform Version Of Linux For Business
Majority of enterprise system and software vendors including AMD, Borland Software Corporation, Computer Associates, Fujitsu Siemens, Fujitsu Japan, Hewlett-Packard, IBM, Intel, NEC, Progress Software, and SAP, support effort to create standard Linux platform"
.
Ao que parece, as companhias vão continuar a ter a sua própria linha de produtos: "However, each UnitedLinux partner will still have its own Linux distribution that is "Powered by UnitedLinux."

Kartoo vai falar português | Macromedia lança resto da linha MX  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • Linux
  • Intel
  • United Linux
  • Mais acerca Linux
  • Também por BladeRunner
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    No desktop. No binaries. (Pontos:4, Interessante)
    por CrLf em 30-05-02 21:22 GMT (#1)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/~cer09566
    Aqui podem ler-se coisas tão interessantes quanto...

    "In a teleconference announcing "UnitedLinux," the companies said that source code will be freely available but binaries will not."

    ...Considerando que entre os paricipantes estão a Caldera e a SuSE isto não é de espantar mas se lhe juntarmos...

    "The new distribution will be aimed solely as business customers, with distributions providing entirely separate desktop products that will not involve the "UnitedLinux" distribution[...]"

    ...ficamos na dúvida se eles realmente vão conseguir chegar a algum lado. A Red Hat pode ficar tranquila.

    -- Carlos Rodrigues
    Re:No desktop. No binaries. (Pontos:1)
    por mlemos em 31-05-02 1:25 GMT (#3)
    (Utilizador Info) http://www.ManuelLemos.net/
    Acho que não percebeste a intenção. O que se passa é que muitas empresas quando desenvolvem produtos para Linux apenas testam e homologam esses com a distribuição da Red Hat até porque não é viável fazê-lo para todas as distribuições que existem.

    Inclusivamente isso induz as pessoas a optarem pelo Red Hat porque esses produtos apenas foram certificados para essa distribuição.

    A ideia é reverter a situação em favor das distribuições participantes no United Linux. Mais tarde ou mais cedo a Red Hat vai ter que aderir.

    Resumindo, isto vai ser bom para todos porque esta situação de "funciona com o Red Hat, mas talvez não com os outros" não estava a ser nada bom para a comunidade Linux em geral.
    Re:No desktop. No binaries. (Pontos:2)
    por jmce em 31-05-02 3:13 GMT (#4)
    (Utilizador Info) http://jmce.artenumerica.org/
    Se a Red Hat for esperta não adere. Com atitudes destas (como alguém dizia no Slashdot, tentar arranjar maneiras para cobrar mais acrescentando media dúzia de tretas em software fechado e investindo em marketing para departamentos de informática lobotomizados, com alegagações do género "o Linux era assim-assim, mas o nosso é o BOM e Profissional (TM)") a Caldera só vai continuar a enterrar-se mais, e quanto aos outros... bom, se não se enterrarem com a Caldera talvez acabem por ganhar juízo. Previsão louca #1: Red Hat comprando Caldera e toda a sua tralha (SCO incluído) no prazo de 2 anos...
    Re:No desktop. No binaries. (Pontos:2)
    por CrLf em 01-06-02 16:45 GMT (#9)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/~cer09566
    Acho que tu é que não percebeste a intenção. A standardização é uma Good Thing(tm) mas não na forma que o UnitedLinux intenta fazê-lo. Não disponibilizar binários e excluir o desktop (whatever that means) é negar aquilo que deu popularidade à RedHat. A RedHat só tem o peso que tem no segmento empresarial porque é simultâneamente a distribuição mais popular no geral e é o nome que mais facilmente aparece.
    Mas como eu dizia, restrições são apenas aquilo que poderia esperar de empresas como a Caldera ou a SuSE.

    Mas atenção, a própria RedHat já vem anunciando à algum tempo que espera ter uma distribuição compatível-LSB nos próximos tempos (possívelmente o RedHat 8.0) por isso o UnitedLinux nem vem anunciar nada de novo e com este estilo a RedHat vai seguir em frente como se nada se passasse.

    -- Carlos Rodrigues
    Re:No desktop. No binaries. (Pontos:1)
    por mlemos em 01-06-02 18:54 GMT (#11)
    (Utilizador Info) http://www.ManuelLemos.net/
    Continuas a não perceber. A iniciativa serve apenas para definir um padrão de componentes base que as distribuições devem ter.

    As distribuições vão continuar a ser produzidas por cada uma das empresas e cada uma vai continuar a ser responsável pela compilação dos binários dos programas que distribuem. A intenção da iniciativa é assegurar que um dado número de programas vão estar sempre presentes em directórios padronizados pelo LSB.

    Também não entendeste que quando se diz que o desktop está excluido, quer dizer que está fora do âmbito da iniciativa decidir se as distribuições devem ter GNOME, KDE ou outra coisa qualquer. A menos que o milagre a unificação entre GNOME e KDE aconteça, claro que vão continuar a distribuir os dois tipos de desktop.

    Resumindo, o objectivo não é criar uma distribuição nova, mas sim definir componentes e estrutura padrão que servirá de base às próximas versões das distribuições aderentes à iniciativa.
    Re:No desktop. No binaries. (Pontos:2)
    por CrLf em 02-06-02 15:33 GMT (#12)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/~cer09566
    Continuas a não perceber. A iniciativa serve apenas para definir um padrão de componentes base que as distribuições devem ter.

    As distribuições vão continuar a ser produzidas por cada uma das empresas e cada uma vai continuar a ser responsável pela compilação dos binários dos programas que distribuem. A intenção da iniciativa é assegurar que um dado número de programas vão estar sempre presentes em directórios padronizados pelo LSB.(...)


    Se leres com atenção:

    "The distribution will be placed on one CD that will be common to all four companies, with company-specific packages on additional CDs."

    (...)Também não entendeste que quando se diz que o desktop está excluido, quer dizer que está fora do âmbito da iniciativa decidir se as distribuições devem ter GNOME, KDE ou outra coisa qualquer. A menos que o milagre a unificação entre GNOME e KDE aconteça, claro que vão continuar a distribuir os dois tipos de desktop.(...)

    E quem foi que disse que não iam distribuir os dois tipos de desktop? Eu ainda sei ler:

    "We will include in 'UnitedLinux' desktops, both KDE and GNOME[...]"

    "However, Love stessed that there will be no desktop "UnitedLinux.""

    A questão é que se vão estar completamente a borrifar para o desktop user, que por acaso é a principal razão da popularidade da RedHat e da Mandrake.

    -- Carlos Rodrigues
    Será mesmo "contra" a RedHat? (Pontos:2)
    por mazevedo em 31-05-02 1:18 GMT (#2)
    (Utilizador Info) http://mazevedo.welcome.to
    Red Hat Linux compatibility libs/symlinks so that the majority of 3rd party application can run on the platform without modification - in "2.5 Essential Core Components" - United Linux Whitepaper

    O interesse da UnitedLinux é mesmo que a RedHat e a Mandrake se lhes juntem. Posso estar a iniciar uma "Flame war", mas acho que de facto é no interesse de todos que uma distribuição com elementos e/ou estrutura comum facilitem uma penetração ainda maior do Linux no mercado.

    A mim a ideia parece-me boa, desde que seja sempre aberta e não siga os ditames das agendas desta ou daquela empresa...
    ----
    //\anuel /|zevedo

    Re:Será mesmo "contra" a RedHat? (Pontos:2)
    por BlueNote em 31-05-02 13:09 GMT (#6)
    (Utilizador Info)
    Em princípio, se todas as distribuidoras cumprissem o linux standards base (http://www.linuxbase.org) ultrapassar-se-iam muitos problemas, não?

    Acho que é bom lutar contra a fragmentação do linux... só assim haverá uma pequena hipótese do linux sair dos nichos de mercado habituais - universidades; clusters científicos; rendering de filmes e efeitos especiais; firewalls e Internet Service Providers.

    P.S.: já repararam que a maior parte dos providers operam os serviços com linux mas depois só têm "helps" on line para configurar ligações à net em windows? Nem para MacOS têm... Para já não falar dos CD's só para windows (mas atendendo a como funcionam os CD's, isso é uma "good thing" ;)

    Re:Será mesmo "contra" a RedHat? (Pontos:2)
    por CrLf em 01-06-02 16:52 GMT (#10)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/~cer09566
    (...)O interesse da UnitedLinux é mesmo que a RedHat e a Mandrake se lhes juntem.(...)

    Por outro lado parece-me que o interesse da RedHat e Mandrake é não se lhes juntar.

    Se a RedHat continuar firme na sua convicção free software vai caminhar no sentido da LSB (como já anunciou) e fugir do source-only/binários pagos do UnitedLinux.

    (...)A mim a ideia parece-me boa, desde que seja sempre aberta e não siga os ditames das agendas desta ou daquela empresa...

    Caldera... SuSE...

    -- Carlos Rodrigues
    O que mete a Caldera ao barulho só faz merda... (Pontos:1)
    por Nom_de_plume em 31-05-02 19:55 GMT (#7)
    (Utilizador Info)
    Dado que o CEO da Caldera não consegue controlar o apetite... http://slashdot.org/articles/02/05/31/1211200.shtml?tid=117

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]