gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
O Público e a pirataria online
Contribuído por dario em 02-05-02 12:16
do departamento copy-paste-dos-comunicados-de-imprensa
News O Público de hoje contém um par de artigos (começando por aqui) que são demasiado truculentos para deixar escapar à atenção dos leitores do Gildot. [Leiam os artigos e saltem depois para o desenvolvimento, svp]
Em primeiro lugar, as ressalvas do costume que este meu comentário não é de modo algum uma apologia a qualquer forma de pirataria. Nem deveria ser preciso fazê-lo, mas há sempre um ou outro `entusiasmadito' que teima em fazer leituras que não existem. Ficaria portanto desiludido se os comentários a esta história enveredassem por esse caminho.

Tenho a certeza que a maior parte dos leitores do Gildot ter-se-á apercebido do que me irritou profundamente nos artigos do Público. Não posso deixar de me perguntar se o senhor que os escreveu está mesmo convicto que investigou suficientemente o assunto para poder escrever uma história imparcial e esclarecedora para os leitores do jornal. (Ou será que se esqueceram de colocar o "Editorial" antes do título?)

Ora vejamos só algumas das perolazinhas com que fomos brindados:

  • "Depois dos danos irreparáveis infligidos no último ano à indústria fonográfica, que registou em 2001 uma quebra de receitas globais na ordem dos cinco por cento, o fenómeno da pirataria "online" parece já ter escolhido o seu próximo grande alvo".
    É curioso como este parágrafo está escrito como se retratasse um facto inquestionável. Isto para já não falar da utilização de expressões dramáticas como "danos irreparáveis", e "grande alvo". Não vale a pena entrar em hipocrisias: é verdade que haverá muita gente que comprou menos discos porque os pôde sacar da net ou copiar de um amigo. Mas também haverá muitos que usaram o napster e afins para experimentar novos artistas que nunca teriam arriscado comprar às cegas, e que acabaram por mais tarde comprar o CD. (Ah, há discos tão bonitos e que ficam tão bem na estante! Nunca subestimem o prazer de possuir o objecto físico que contém a música, em vez de um CD-R mal amanhado e que nem sequer combina com a cor das cortinas.)
    Enfim, a verdade é que o efeito da pirataria nas vendas de discos é desconhecido, e citar apenas a justificação das companhias discográficas que a queda das vendas "é tudo culpa desses piratas malévolos" é no mínimo preguiça. Pelamordedeus, será que ninguém reparou que o ano passado não foi exactamente um ano de vacas gordas, e que se a malta tem menos dinheiro também é natural que gaste um pouco menos em cêdês?
  • "Hollywood, para já, tem sido poupada à onda devastadora que varreu a indústria da música em 2001: no ano passado, registou mesmo o seu melhor ano de sempre, com receitas de bilheteira estimadas em 8,4 mil milhões de dólares (9,3 mil milhões de euros), cinco por cento mais do que em 2000. É que, ao contrário do que sucede no caso da música, o "download" de longas-metragens exige o recurso a ligações de alta velocidade, o que por agora é privilégio de apenas 10 milhões de norte-americanos."
    Ora vamos lá ver se eu percebi bem: o ano passado foi um ano excepcional para a indústria cinematográfica, até mesmo o melhor de sempre. E qual foi o motivo para isso? Mas é claro: os piratas ainda não têm largura de banda que chegue! Pensemos então no que escreverá o senhor jornalista no próximo ano: se as receitas de bilheteira continuarem a aumentar, certamente será porque a largura de banda dos piratas ainda não atingiu a massa crítica . Se pelo contrário, as receitas diminuirem (o que não será supreendente depois de um ano `excepcional') vai cair o carmo e a trindade e a culpa vai ser inteirinha desses piratas sinistros! Deixo aos leitores do Gildot o prazer de encontrarem as falhas neste raciocínio.

Em resumo, este é um assunto muito mais complicado do que a versão que sai dos comunidados de imprensa das indústrias de entretenimento. E certamente que não ajuda nada que a "opinião pública esclarecida que até lê jornais" seja moldada por uma visão tão simplista e parcial do fenómeno. Sinceramente, isto não é jornalismo responsável.

O futuro do Mozilla | EDI em Portugal  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • Público
  • aqui
  • Mais acerca News
  • Também por dario
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    VHS e os clubes de vídeo (Pontos:3, Engraçado)
    por Gimp em 02-05-02 12:51 GMT (#1)
    (Utilizador Info)
    Lembro-me da crise das salas de cinema e o boom dos clubes de vídeo. Nessa altura a largura de banda devia de ser estonteante...


    "No comments"

    Re:VHS e os clubes de vídeo (Pontos:2)
    por Gimp em 02-05-02 13:10 GMT (#2)
    (Utilizador Info)
    Nessa altura a largura de banda devia de ser estonteante...

    devia de ser?? Caramba, pelos vistos já estou no Porto há demasiado tempo, penso eu de que...heheheheh.

    Gostei desta parte

    deixando "blockbusters" como "Shrek" ou "Moulin Rouge", do ponto de vista do utilizador, à distância de um simples e baratíssimo "click" no rato.

    Caramba, nunca me lembraria de tal!! Vou deixar a linha de comandos de lado e passar a "clickar" através do meu supersónico modem 56k!!! Vai ser piratada 24h por dia!! E barato!

    E é a partir desse pressuposto que estúdios e companhias de entretenimento como a Walt Disney Co. ou a Fox têm vindo a promover um "lobbying" intenso junto do Congresso norte-americano, no sentido de forçá-lo a aprovar um novo pacote legislativo que ponha um travão no crescimento desenfreado da cópia ilegal de filmes e música.

    Não gosto de piratada. É por isso que tenho que aturar os productos da Micro. Mas gostaria que estes senhores me explicassem, porque raio a Disney tem um favorecimento em relação aos direitos sobre Mikey e Dónauds. É que estes já caducaram há muito(lei é lei e igual pra todos, se é injusta mudem-na). E já agora, porque é que os DVD na Europa são mais caros...


    "No comments"

    Re:VHS e os clubes de vídeo (Pontos:0, Esclarecedor)
    por Anonimo Cobarde em 02-05-02 13:15 GMT (#4)
    e já agora porque carga dágua é que esses senhores recebem uma percentagem de cada cassete VHS, cd´s dvd's virgens, se não os podemos usar??

    não concordo com a pirataria mas com paternalismo e prepotência tb não.
    Re:VHS e os clubes de vídeo (Pontos:3, Esclarecedor)
    por joaobranco em 02-05-02 18:59 GMT (#14)
    (Utilizador Info)

    Mas gostaria que estes senhores me explicassem, porque raio a Disney tem um favorecimento em relação aos direitos sobre Mikey e Dónauds. É que estes já caducaram há muito(lei é lei e igual pra todos, se é injusta mudem-na).


    E' exactamente por esta razao que a Disney comprou^H^H^H^H^H^Hfez lobby pela (*cof* Sen. Hollings *cof*) a mudança da lei do Copyright nos EUA (a famosa Sonny Bono/Mickey Mouse copyright extension act) que aumentou o copyright nos EUA de 50 para 70 anos apos a morte dos artistas.

    Eles nao gostavam da lei, e mudaram-na. Tudo legal.

    JB

    Pirataria, Uniao Europeia e Video (Pontos:2)
    por leitao em 02-05-02 14:17 GMT (#5)
    (Utilizador Info) http://www10.brinkster.com/nunol/

    Pirataria = Sexo
    Uniao Europeia = Mentiras
    Video = DVD

    A diferenca de preco dos DVD's na Europa tem a ver com a forma como certos cartels organizaram o mercado -- a UE fez uma i nvestigacao do facto, mas como e' costume, nada resultou desta como o TheRegister previu bem.

    Em vez de culparem os distribuidores, culpem o Mario Monti e a Uniao Europeia por ter fechado os olhos a certas praticas por parte destes.


    echo '[dO%O+38%O+PO/d00]Fi22os0CC4BA64E418CE7l0xAP'|dc

    Re:Pirataria, Uniao Europeia e Video (Pontos:2)
    por Gimp em 02-05-02 14:28 GMT (#6)
    (Utilizador Info)
    É/foi o Mário que estipula/estipulou os preços? Sabemos bem como funcionam as entidades que deveriam impedir os abusos. É por isso que os consumidores muitas vezes é que têm que pressionar essas enridades e os distribuidores...


    "No comments"

    Re:Pirataria, Uniao Europeia e Video (Pontos:2)
    por leitao em 02-05-02 15:34 GMT (#8)
    (Utilizador Info) http://www10.brinkster.com/nunol/
    Desculpa la' -- existem leis contra cartels e "price fixing", se estas nao sao aplicadas a culpa e' de quem ?

    Se o limite de velocidade e' 120km/h, mas a policia nao te ligar se fores a dar 180km/h o responsavel ultimo es tu ou quem aplica a lei ?

    echo '[dO%O+38%O+PO/d00]Fi22os0CC4BA64E418CE7l0xAP'|dc
    Re:Pirataria, Uniao Europeia e Video (Pontos:2)
    por Gimp em 02-05-02 15:56 GMT (#9)
    (Utilizador Info)
    Se a estrada é uma porcaria e tu não protestas contra quem só se preocupa com as multas, a culpa do laxismo é de quem?


    "No comments"

    Tá-se mesmo a ver (Pontos:0, Interessante)
    por Anonimo Cobarde em 02-05-02 15:31 GMT (#7)
    "Depois dos danos irreparáveis infligidos no último ano à indústria fonográfica, que registou em 2001 uma quebra de receitas globais na ordem dos cinco por cento, o fenómeno da pirataria "online" parece já ter escolhido o seu próximo grande alvo".

    É óbvio e inegável que existe uma perda de receitas causada pela pirataria/cópia ilegal em qualquer industria (que musica, quer video, quer até software).
    Mas nao deixa de me espantar que estes senhores nao se lembrem que estamos numa recessão.
    Será que os senhores jornalistas acham que a industria do intertenimento é imune a recessões?

    Julgo que está será uma explicação mais plausivel que a historia da pirataria...

    Re:Tá-se mesmo a ver (Pontos:1)
    por humpback em 02-05-02 16:12 GMT (#12)
    (Utilizador Info)
    O que é mais giro é que aqui a algum tempo quando as discograficas andaram a apresentar os resultados de 2001 tinham tido subidas bem grandes em relaçao aos valores de 2000, e nessa altura foi falado que as famosas perdas devidas aos "napsters" tinham sido perdas ficticias (esperavam crescer 35% e so tinham crescido 25%). Mas parece que agora ja perderam dinheiro...... Parece a historia da Mandrake, que ou está quase a falir ou cheia de dinheiro.
    Esta malta so aprendia quando um grupo organizasse uma MEGA campanha a nivel mundial de boicote a cinemas/cd's/dvd's.

    Gustavo Felisberto
    72ef1d7183eb2ea89420b94c0cf3e1f1
    apt-get install anarchism
    Realmente... (Pontos:2)
    por CrLf em 02-05-02 16:03 GMT (#10)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/~cer09566
    Tenho sinceramente uma peninha enorme da industria fonografica e cinematografica. Acho que temos mesmo de lhes dar esmola para evitar que morram de fome...

    -- Carlos Rodrigues
    Re:Realmente... (Pontos:1)
    por Mulder3 em 02-05-02 16:11 GMT (#11)
    (Utilizador Info)
    Concordo, porque raio não percebem eles que gastar dinheiro em tecnologia anti-cópia é deitar dinheiro á rua porque isso é simplesmente IMPOSSIVEL, haverá sempre um crack ou um ModChip para essas tecnologias, quer eles queiram ou não, eu ainda me pergunto a mim esmo porque é que o autor do CloneCD(mais um proggie que devia estar portado para Linux...) nunca teve nenhum processo em tribunal... Mas o melhor vai ser quanto for o boom dos DVDRs, aí é que eu quero ver, se o divx dá estes prejuízos que eles dizem, imaginemos um DVDR com uma cópia integral do filme sem qualquer perda de qualidade e as ISOs dos DVDs a circular por tudo quanto é P2P para todos fazerem download...
    Re:Realmente... (Pontos:2)
    por raxx7 em 02-05-02 17:03 GMT (#13)
    (Utilizador Info) http://raxx7.no.sapo.pt/
    Ou são extremamente burros (o que duvido seriamente) ou estão a usar a pirataria como desculpa para implementar medidas que vão limitar as liberdades dos consumidores e aumentar o controlo sobre o mercado de modo a maximizar os lucros deles.

    Remember to be the Killer, not the Victim! (Nuklear Girl)
    Desinformação (Pontos:2)
    por joaobranco em 02-05-02 20:47 GMT (#15)
    (Utilizador Info)
    O principal problema não são as afirmações tendenciosas sobre as perdas das industrias discografica/fonográfica.

    O principal problema é o falar da proposta do Senador Ernest "Disney" Hollings como apenas uma proposta para diminuir a pirataria, ao nível dos CDs "estragados" que vendem por aí. Sugere até que é uma boa lei, a pena é que vai demorar pelo menos 18 meses para entrar em vigor.

    Ora como devem saber a legislação proposta é o infame CBDTPA (ex SSSCA) que basicamente proibe o fabrico e venda de produtos que não tenham dispositivos denominados de "gestão de direitos digitais" (só um exemplo: nenhum software de código livre, Linux ou FreeBSD, por exemplo, poderá alguma vez estar legal de acordo com esta lei). É simplesmente um dos ataques concertados mais fortes aos direitos dos consumidores em geral (e não apenas dos que usam material com direito de cópia alheio). Proíbe uma quantidade obscena de actos perfeitamente legitimos, apenas para garantir que Holliwood pode expandir o seu modelo de negócio ao pay-per-view via Internet. Mas em nenhum lado as consequencias desta lei para os consumidores cumpridores da lei são sequer abordadas. Este artigo não é apenas um editorial sobre a forma de um artigo de jornalismo, chega a ser uma obra de desinformação.

    JB

    Re:Desinformação (Pontos:2, Informativo)
    por ptome em 03-05-02 0:20 GMT (#18)
    (Utilizador Info)
    Nem mais. Os senhores da MPAA agitam a bandeira da pirataria para justificar a aprovação destas leis, mas o verdadeiro objectivo é colocar uma set-top-box em cada casa.

    O computador onde estou a escrever isto não pode ser considerado um dispositivo ilegal (segundo o CBDTPA) porque foi fabricado e distribuído antes da lei ser aprovada (supondo que seria aprovada). Qualquer aparelho que vocês comprem no futuro será uma set-top-box aprovada por eles. Esqueçam sistemas abertos e software livre, porque um sistema aberto pode ser modificado para contornar as leis. Nunca vi isto ser discutido nos media.

    Isto parece saído dum filme (the irony). Se acham que estou a exagerar, leiam a proposta CBDTPA (sugerida por um senador democrata): http://www.politechbot.com/docs/cbdtpa/ (sigam o terceiro link nesta página).

    Leiam também um artigo do sr. Valenti da MPAA que mostra bem o seu ponto de vista sobre o assunto.

    Estes senhores estão mortinhos por nos venderem os seus produtos e trazer o seu negócio para a Internet. Querem alugar-vos os filmes pela Internet. Não o fizeram antes porque a tecnologia que eles pretendem usar não está pronta, e a banda larga era uma coisa rara. Os piratas anteciparam-se e já causaram estragos ao criar esta cultura de "usar sem pagar" através da net. São o bode expiatório perfeito para justificar um sistema inaceitável.

    Mesmo que o CBDTPA não seja aprovado, irá haver um YACBDTPA (yet another ...) ou algo com uma abreviatura mais difícil de decorar. E mesmo que esse falhe, o tempo encarrega-se do assunto. Os equipamentos ficam velhos, precisam de ser substituídos, e os novos podem ser umas coisas parecidas com as tais set-top-boxes. Isto já acontece hoje, com equipamentos que limitam ou inibem saídas digitais.

    Estão a testar os argumentos dos seus filmes... (Pontos:1)
    por LostStar em 02-05-02 21:34 GMT (#16)
    (Utilizador Info)
    Parece mesmo que decidiram usar um argumento de um filme qualquer (tipo robocop) e fazerem parecer as coisas mesmo feias para poderem implementar o que quiserem.
    Se fosse por vontade deles , gravadores de k7, video cds , dvds , whatever , seriam apenas boas ideias SE apenas eles as podessem usar. Eu não costumo comprar cds e graças à horrenda pirataria já tenho uma pequena colecção de cds ... ORIGINAIS ! Sim, porque ouvi, gostei e comprei ! E o facto de poder arranjar filmes em divx não me leva nem mais, nem menos vezes ao cinema
    Quem gosta, compra.
    Parece que andam apenas à procura de mais uma fonte de lucro, como aconteceu com as k7 de video.

    ------------------------------------------
    "You got to make it right this time, 'cause this time is all you have."
    prot , in K-PAX
    A verdade.... (Pontos:1)
    por rleite em 02-05-02 22:32 GMT (#17)
    (Utilizador Info)
    O verdadeiro motivo destes senhores é nobre ;-)

    O que interessa é que a informação é "free as in free speech". Não interessa se é "free as in free beer"!

    Afinal são uns grandes guardiões do templo ;-)

    PS: Não tenho nada contra que eles tenham lucro ou prezem pela defesa dos seus interesses. Mas à custa da restrição dos direitos dos consumidores é que não. Tenham juízo...

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]