gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
I'ts the data, stupid
Contribuído por BladeRunner em 01-05-02 17:07
do departamento ofiice
Linux Eis um excelente artigo que nos diz com toda a clareza e evidência de espírito pragmático (e infelizmente assino por baixo) porque é que o Linux ainda não está generalizado no desktop:

"The worldwide established standard data format for exchanging word processing documents is Microsoft Word files, and no Linux distribution I know of comes with an open source program that can handle them.
Until Linux can read, edit, and write *.DOC files, it can't interact with the millions of word processing documents sent around the world each day. Until Linux can handle this data format, it effectively can't word process.
.

É mau de mais, mas é verdade.

O efeito dos Buffer-Overflows | JetNet já tem nomeados para edição 2002  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • Linux
  • um excelente artigo
  • Mais acerca Linux
  • Também por BladeRunner
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    OpenOffice anyone ? (Pontos:1)
    por kbastard em 01-05-02 17:37 GMT (#1)
    (Utilizador Info)
    http://www.openoffice.org
    Re:OpenOffice anyone ? (Pontos:2)
    por Strange em 01-05-02 19:46 GMT (#11)
    (Utilizador Info) http://strange.nsk.yi.org/
    E saiu hoje a versão 1.0.0

    hugs
    Strange

    Ainda por cima (Pontos:2)
    por TarHai em 01-05-02 17:38 GMT (#2)
    (Utilizador Info) http://www.dilbert.com
    O google agora vê dentro de .doc e .ppt. Já não é a primeira vez que o konq fica a meio caminho a seguir uma link.


    ---
    Excelente artigo??? (Pontos:2)
    por Gimp em 01-05-02 18:04 GMT (#3)
    (Utilizador Info)
    Agora também temos os camaradas k7 artigos...O gajo escreve um artigo que mais parece uma marmota de rabo na boca e só para dizer: tamos tramados com o .doc...acho que se esqueceu de falar no .xls. Mas o artigo parece querer só chegar a...

    Now with OpenOffice, Linux is finally starting to get Word support, and this is literally the last roadblock to Linux on the desktop. (If you can think of another, tell me.) Word files are the last major data format Linux doesn't properly support. (And it is a nasty one, which is much more difficult to write properly than to read, which is the real reason newer versions of word can't write files readable by older versions.)

    Pois, com o OpenOffice tamos safos, os gajos em Redmond são os gajos porreiros que não fazem de propósito a alteração de formato, e porventura nem sabem como é que o word escreve em disco(o que eu ACREDITO PIAMENTE). Olha, eu também tenho a minha opinião, no linux tamos lixados enquanto 100% da indústria da indústria de hardware(99%, tão a ver drivers do hardware da Micro feitos por esta para Linux?:-)) ) e software não apoiar o linux. Aaah, e os joguinhos também...


    "No comments"

    Killer Apps (Pontos:1)
    por Mulder3 em 01-05-02 18:43 GMT (#4)
    (Utilizador Info)
    Bastava duas coisas para o Linux ter sucesso no Desktop: Microsoft Office e as editoras de jogos como a Electronic Arts e companhia lançarem jogos com versões Linux nos CDs (tipo punham dois executáveis no CD, um windows, outro Linux). É triste mas esta é a Verdade...
    Re:Killer Apps (Pontos:2)
    por mlopes em 02-05-02 10:53 GMT (#45)
    (Utilizador Info)
    Eu acho que o problema é só mesmo os jogos, assim que os houver o pessoal pega no formato de processador de texto ou o que for que estiver fácilmente disponivél nesse sistema!
    Básicamente foi isto que aconteceu com o Word!

    "They that can give up essential liberty to obtain a little temporary safety deserve neither liberty nor safety."

    -- Benjamin Franklin, 1759
    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por CrLf em 01-05-02 19:18 GMT (#8)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/~cer09566
    Porque é que temos que ouvir repetidamente esta glorificação do MS Office, como se o Linux, coitadinho, não tivesse nada equivalente? Será que este pessoal nunca instalou o Open Office?(...)

    Se já tivessem visto a luz se calhar nem se importavam com o MS Office.

    (...)Sabes porquê? A mentalidade das borlas.

    Ou talvez muitos sejam como eu que não ousam poluir a sua instalação de Linux com jogos porque simplesmente não estão interessados.

    -- Carlos Rodrigues
    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por Dehumanizer em 02-05-02 8:22 GMT (#39)
    (Utilizador Info)
    Ei, ei, ei. Quase que me sinto ofendido pelo teu último comentário. :)

    Se não fossem os jogos (quero lá saber do Word), já não teria uma instalação de Windows em casa há anos...


    "We have no choice! Our Communist overlords will slay us if we fail in our mission!"
    - A chinese military officer, "Tales of Suspense" #50, 1964
    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por CrLf em 02-05-02 15:47 GMT (#51)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/~cer09566
    Pois, eu tambem jogo no Windows, curiosamente tenho o Quake 3 para Windows e Linux e jogo sempre no primeiro... weird.

    -- Carlos Rodrigues
    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:1)
    por Mulder3 em 01-05-02 19:44 GMT (#10)
    (Utilizador Info)
    Porque é que temos que ouvir repetidamente esta glorificação do MS Office, como se o Linux, coitadinho, não tivesse nada equivalente? Será que este pessoal nunca instalou o Open Office?

    Eu não tenho o openoffice/staroffice instalado porque não preciso de dois offices visto que tenho o da MS na partição windows, mas do pouco que usei o openoffice, a verdade é que, infelizmente, o Linux não possui(ainda) nada que faça frente ao MS-Office, desculpa lá dizer-te, mas independentemente do formato .doc o MS-Office, sejamos sinceros é o que tem mais qualidade, infelizmente...
    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por Astrónomo em 01-05-02 21:37 GMT (#20)
    (Utilizador Info)
    mas do pouco que usei o openoffice, a verdade é que...

    Usaste pouco, como disseste. Não tires, por isso, conclusões precipitadas.
    Segue o meu conselho: usa o Open Office (no Linux ou no Windows) durante 2 semanas e depois diz-nos qualquer coisa. Mas não é tê-lo instalado 2 semanas e só usá-lo uns minutos! Aproveita e usa o Open Office para produzir documentos complexos que tenhas que fazer.

    Se fores daqueles que entra em pânico quando nao encontra as funções nos mesmos menus e caixas de diálogo do M$ Office então decididamente o Open Office não é para ti. Se, pelo contrário, tiveres espírito aberto à mudança, o Open Office poderá surpreender-te.

    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por Astrónomo em 01-05-02 22:21 GMT (#23)
    (Utilizador Info)
    Porque é que os idiotas que aparecem no Gildot têm sistematicamente que se esconder por detrás de um cobarde anonimato?
    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por jmce em 02-05-02 0:52 GMT (#34)
    (Utilizador Info) http://jmce.artenumerica.org/
    E o rei é... ? E os cobardes temem... ?
    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por Gamito em 01-05-02 19:49 GMT (#12)
    (Utilizador Info) http://www.startux.org/~gamito
    "Porque é que temos que ouvir repetidamente esta glorificação do MS Office, como se o Linux, coitadinho, não tivesse nada equivalente?"

    You didn't got the picture.
    Nem o meu artigo nem o original ao qual faz referência glorificam o MSOffice.
    O que dizem - e limitam-se a enunciar um facto - é que o entrave para o Linux penetrar em força no desktop são os formatos Office.

    Sejamos realistas. Entre aquilo que nós todos gostavamos que fosse é o que é vai uma grande diferença.
    E o problema não está nos utilizadores caseiros.
    A verdadeira "guerra" trava-se nas empresas.
    É que os formatos MS Office são hoje o padrão de facto, repito, de facto para a partilha de documentação entre as empresas.

    Repara... enquanto não houver a certeza e mais ainda, a confiança absolutas de que a empresa A recebe da empresa B um .xls de uma qualquer versão Excel, cheio de sheets, fórmulas maradas, referências cruzadas, gráficos, etc. e não há um erro numa única célula que seja que engate tudo, ou pior que isso que provoque falsos resultados, não há grande coisa a fazer.

    Sim, o Openoffice é uma coisa boa, ou antes it'as a good start, mas antes que este sim seja glorificado, vejam no seu próprio site o actual estado dos filtros MS Office.

    So sad, yet sou true...

    Mário Gamito
    Surreal-masoquismo empresarial (Pontos:2)
    por jmce em 01-05-02 20:38 GMT (#15)
    (Utilizador Info) http://jmce.artenumerica.org/

    Claro que a empresa A também tem facilmente problemas com ficheiros Excel e Word e tudo o resto da empresa B mesmo usando MS-Office, mas depois da MS já não há mais para onde apontar o dedo e arquiva-se o "buraco" de todo aquele software na secção das calamidades naturais, como se fosse tão natural e inevitável como a chuva. Se a MS fizesse máquinas de FAX e as páginas saíssem em imagem reflectida do original, treinavam o pessoal para ler usando espelhos, só para poderem continuar a falar uns com os outros usando MS-FAX.

    E quando o preço das licenças da MS aumentasse poupavam nos espelhos e obrigavam o pessoal a habituar-se a ler directamente o texto reflectido.

    Não falando sequer da importância do PowerPoint para combinar a hora do almoço de negócios...

    Re:Surreal-masoquismo empresarial (Pontos:2)
    por Gamito em 01-05-02 21:14 GMT (#17)
    (Utilizador Info) http://www.startux.org/~gamito
    Caro José,

    Tudo o que escreves é verdade e eu volto a assinar por baixo. Não podia estar mais de acordo contigo, conforme estará a maioria neste fórum.

    Eu falo do real world e neste, por muito que digas o contrário, eu por experiência profissional posso dizer-te que a probabilidade de leitura com sucesso de um ficheiro Office a partir da sua aplicação nativa é muito (e de modo significativo) superior à de qualquer outro software.
    O contrário é que seria de espantar.

    Obviamente que tu tens razão. Aliás a meu ver, a mais importante luta a travar pela sociedade de informação (whatever this means) e concordarás comigo é precisamente na área dos formatos office (whatever this means agamin).

    Tem é que ser uma luta de paciência, muita paciência e perspicácia, de dois passos para a frente e um para trás e acima de tudo, sem cegueiras e sem arrogâncias para cima dos ombros de quem não percebe o que está em causa sem ter culpa nenhuma disso.

    Acima de tudo uma luta a começar pela conscienialização dos end-users e das empresas destas para estas questões.

    Para terminar, não sou daqueles que pensam que a solução virá com o software livre que finalemente consiga ler/escrever a 100% os documentos MS Office e muito menos através de um MS Office portado para Linux.

    A luta tem que ser pela standardização dos formatos, mas aqui também o open source tem telhados de vidro: o kspread lê ficheiros Gnumeric e vice-versa ?
    Porque é que KDE, GNOME, GNU, FSF, etc. não fazem uma tasl force para o estabelecimento dos padrões abertos ?

    Quando esse dia chegar, don't hold your breath, a Microsoft para mim é muito bem-vinda ao Linux, mesmo sem ser open source.

    Mário Gamito
    Re:Surreal-masoquismo empresarial (Pontos:2)
    por Maeglin em 01-05-02 23:19 GMT (#28)
    (Utilizador Info)
    Propor um RFC ? So não sei onde ... nas seria interessante...
    "As opiniões têm um inimigo mortal:os factos que , tarde ou cedo , se hão-de impor"
    Re:Surreal-masoquismo empresarial (Pontos:2)
    por jmce em 01-05-02 23:21 GMT (#29)
    (Utilizador Info) http://jmce.artenumerica.org/
    Eu já vi o real world uma vez ou duas, e sei o que as pessoas esperam (mesmo que seja sem pensar) e sei que há defeitos na leitura de formatos MS por software não-MS. Mas nesse real world também já vi as secretárias a lidar com o que o chbm mais abaixo comenta. Frequentemente o mundo bem-integrado onde todos podem conversar com todos sem problemas desde que sejam clientes MS está mais nos folhetos de marketing e nas cabeças de gestores que nunca puseram a sério as mãos na massa do que no dia-a-dia real das secretárias e do pessoal de apoio, os que estão em frente às máquinas e sabem como aquilo pode doer.
    Re:Surreal-masoquismo empresarial (Pontos:2)
    por Gamito em 01-05-02 23:31 GMT (#31)
    (Utilizador Info) http://www.startux.org/~gamito
    Mais uma vez estou plenamente de acordo contigo.

    Mário Gamito
    Re:Surreal-masoquismo empresarial (Pontos:2)
    por cgd em 02-05-02 10:38 GMT (#43)
    (Utilizador Info)
    A luta tem que ser pela standardização dos formatos, mas aqui também o open source tem telhados de vidro: o kspread lê ficheiros Gnumeric e vice-versa ? Porque é que KDE, GNOME, GNU, FSF, etc. não fazem uma tasl force para o estabelecimento dos padrões abertos ?

    O problema de facto são os formatos proprietários. Quando à sua standardização, era agradável, mas não absolutamente necessária: basta que um formato seja público, para poder ser importado ou convertido por qualquer programa.

    Ainda sobre os formatos standards, existem dois problemas: ou são demasiado conservadores (e dificilmente alteráveis), o que limita a evolução do que os usa, ou apenas fingem que são standard, promovendo a geração de formatos dependentes das aplicações, mas sobre esse formato standard. Um exemplo deste último caso, é o XML.

    Em relação aos Office's, o StarOffice ia (ou vai, ou já foi, ou está a ir) usar xml para gravar os seus documentos. Era interesante o ms-word faze-lo tambem.


    -- carlos

    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por André Simões em 01-05-02 20:52 GMT (#16)
    (Utilizador Info) http://hesperion.catus.net
    Eu já instalei o openoffice, e sinceramente não gostei. Demasiado limitado. E demora 1 minuto a abrir no meu mmx a 233 com 198 de ram. E não chega aos pés do MS Office, infelizmente. Se não lhe chega aos calcanhares e demora 1 minuto a abrir, vou usá-lo enquanto o outro demora 5 segundos? Acho que não. E que mal tem reconhecer a qualidade de um produto? E sou insuspeito, é mesmo a única coisa que uso em windows e a única que me impede de apagar de vez a partição. Sejamos razoáveis.
    Omnia aliena sunt: tempus tantum nostrum est. (Séneca)
    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por Astrónomo em 01-05-02 21:27 GMT (#19)
    (Utilizador Info)
    Dizes que "não chega aos pés do M$ Office" muito provavelmente porque não encontraste as funções nas posições de menu que estás habituado e, vai daí, concluíste que o Open Office não dava para fazer o que querias. Se não foi isto que aconteceu contigo desculpa a especulação, mas é o que tenho constatado na maioria das pessoas.

    Pois eu digo-te, tenho anos de experiência no M$ Office e, até agora, não encontrei praticamente nada que consiga fazer no M$ Office, e que não faça, de forma tão fácil, no Star Office/Open Office. Podia até fazer-te uma demonstração das capacidades do Open Office que te deixariam boquiaberto. Mas como tu certamente encontraste coisas que o Open Office não faz, vou deixar primeiro que tu nos reveles quais são...

    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por André Simões em 02-05-02 0:34 GMT (#33)
    (Utilizador Info) http://hesperion.catus.net
    Bom, já há uns anos que faço um esforço por tentar descobrir vantagens no staroffice e, há menos tempo, no openoffice. Não se põe, portanto, a questão dos "menus". Além da apresentação deficiente quando vistos no word (eu não trabalho sozinho, e, como foi já dito e bem, o word é para o bem e para o mal um standard, e não posso obrigar os meus colegas a mudarem de SO e/ou de suite office só porque me apetece; ah, e o pdf não é editável, pelo menos com instrumentos comuns e acessíveis), assim de repente lembro-me de duas coisas que o open office não faz:
    1. lidar eficientemente com unicode, o que não deixa de ser surpreendente, uma vez que o linux faz uso do unicode há bastante mais tempo do que a M$; não só não produz eficientemente como não lê;
    2. inserção de símbolos (unicode ou não) de forma eficiente (e estou a dar de barato que o faz, pois continuo sem achar o hipotético menu onde isso se faz: os único que achei permite-me introduzir meia dúzia de símbolos, manifestamente insuficientes).
    Moral da história: até pode fazer tudo (não faz, a própria página do projecto reconhece-o implicitamente), mas o simples facto de as coisas ficarem desformatadas e com aspecto no mínimo estranho no Word (que é o standard, para o bem ou para o mal) impede que seja uma opção viável em termos de empresas e/ou ensino. No meu caso, que sou professor e investigador, não me passa pela cabeça entregar coisas feitas no star office ou no open office. Já o fiz e disso me arrependi amargamente. E não posso obrigar colegas e alunos a abandonarem o seu word. Nem o pdf (já sei que é o que me responderão) resolve o problema, pois o normal é os ficheiros que produzo serem destinados a serem editados e devolvidos.
    Já para uso pessoal, aí sim, não me dou ao trabalho de fazer um reboot. Só que talvez apenas 2% das vezes em que necessito de um office seja para uso pessoal...

    Omnia aliena sunt: tempus tantum nostrum est. (Séneca)
    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por jmce em 02-05-02 1:07 GMT (#35)
    (Utilizador Info) http://jmce.artenumerica.org/

    O que é triste é que numa instituição de ensino supostamente superior um professor e investigador acabe por se ver cercado e constrangido dessa forma. A desculpa das empresas eu até percebo. A desculpa das universidades é vergonhosa. Como disse em tempos a um professor de física, se a Universidade tem de se "adaptar ao que os alunos estão habituados" mais valia ensinar pouco mais do que a pouca física cássica do 12o ano em vez de Mecânica Quância e Relatividade.

    Compreendo a fragilidade da posição pessoal perante a instituição, mas os estudantes são supostos estar lá para aprender e a universidade existe para mais do que fabricar diplomas e fazer corporate welfare. Neste, como noutros pontos, ou os reitores e corte circundante são ignorantes ou são cúmplices. Ainda por cima à custa de dinheiro que não é deles.

    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por André Simões em 03-05-02 1:31 GMT (#56)
    (Utilizador Info) http://hesperion.catus.net
    Concordo contigo a 10000%, mas apenas no que respeita ao âmbito em que esta discussão tem decorrido (offices, word, etc.).
    Mas o grande problema é que 99% (para não dizer 100%...) do software específico que usamos, por exemplo, no meu centro de investigação corre exclusivamente em Windows, e custa, claro, uma pipa de massa. E é assim que me "arrumam" sempre que começo a propagandear o Linux: "E o programa X, corre nisso?" E eu fico sem resposta. É que infelizmente não há mesmo alternativas para 99% daquele software, que é concebido de raiz. Não estou a falar de processadores de texto nem de folhas de cálculo, refiro-me a software muito específico e essencial para a nossa área. Aí sim, reside o grande problema para a implantação do Linux no universo das ciências humanas, nomeadamente na filologia. Não há software. Pelo menos até alguém se lançar ao trabalho.

    Omnia aliena sunt: tempus tantum nostrum est. (Séneca)
    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por Astrónomo em 01-05-02 22:24 GMT (#24)
    (Utilizador Info)
    E quem é que te percebe?

    É natural que não percebas. Mas ninguém exigiria tanto de ti.

    Porque é que os lacaios da Microsoft que escrevem no Gildot se escondem por detrás de um cobarde anonimato?

    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por Astrónomo em 01-05-02 23:27 GMT (#30)
    (Utilizador Info)
    Isso já foi há bastante tempo e as dificuldades estão ultrapassadas, só demonstrado que aprendo rápido.
    Agora tu, Gimp, nunca passarás de um pobre lacaio da Microsoft.
    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:1)
    por henrique em 02-05-02 7:18 GMT (#38)
    (Utilizador Info)
    Astrónomo, esse porquito, MS Office user, não é o Gimp, é o Rasca7. Se quiseres, dou-te o número de telefone dele para poderes conversar em privado...
    Flames... (Pontos:2)
    por raxx7 em 02-05-02 16:49 GMT (#54)
    (Utilizador Info) http://raxx7.no.sapo.pt/
    Devias de saber que eu não me escondo atrás do anonimato.
    Ah... olha que o meu número de telefone não está na web como o meu primeiro nome e email.

    Remember to be the Killer, not the Victim! (Nuklear Girl)
    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por raxx7 em 02-05-02 16:40 GMT (#53)
    (Utilizador Info) http://raxx7.no.sapo.pt/
    Vou responder aqui porque é um sitio tão bom como outro qualquer.
    Eu (euzinho mesmo) puxei daquele assunto porque o artigo do Astrónomo dirigido ao mvalente era um claro julgamento de atitude daqueles que defendem o Linux sem o usar como desktop, assim como tinha sido o anterior sobre os clientes de news que se usava no pt.so.comp.linux.
    E considerei que era interessante julgar também a atitude do Astrónomo, à luz daquele artigo. Não pelo desconhecimento técnico mas sim pelo tom do artigo, que não dava minimamente o beneficio da dúvida ao Linux.
    Mas sinceramente não estou a ver o que é que este assunto tem a ver com isto.
    Podemos voltar à discussão sobre o que é o MS Office faz que o OpenOffice não faça, além de lidar com .doc correctamente?

    Remember to be the Killer, not the Victim! (Nuklear Girl)
    Re:Mais algumas sugestões (Pontos:2)
    por TarHai em 01-05-02 21:16 GMT (#18)
    (Utilizador Info) http://www.dilbert.com
    Nunca me interecessei muito pela loki, mas se bem compreendi, o problema dela estava relacionado com estarem a vender jogos mais ou menos antigos. Tendo em conta que quem os queria jogar já os tinha jogado no windows e que ainda por cima os jogos eram difíceis de converter (DirecX->SSL, opengl, openal, etc...), temos um grupo de cromos a trabalhar para aquecer.

    A mentalidade das borlas não e um exclusivo do linux. Já vi muita gente indignada contra as protecções anti-pirataria de jogos como o quake3 e o half-life. Alguns dos indignados chegam mesmo a implicar que é obrigação moral dessas empresas permitir que o software seja pirateado. Acho que estes ultimos nao conheciam nenhum dos OSs livres.


    ---
    Linguagem dos artigos comentados (Pontos:1)
    por João Bronco em 01-05-02 18:50 GMT (#6)
    (Utilizador Info)
    Lembrem-se por favor que estamos em Portugal! E em Portugal falamos Português! Tal como eu, bastantes são as pessoas que têm dificuldade em perceber os artigos em Inglês! Talvez os possam traduzir antes de os comentarem ou... Ofereçam aos visitantes um curso de inglês! Viva Portugal!
    Re:Linguagem dos artigos comentados (Pontos:2)
    por Gamito em 01-05-02 19:56 GMT (#14)
    (Utilizador Info) http://www.startux.org/~gamito
    Infelizmente, na informática e na internet, arrisco-me a dizer que quem não souber falar e escrever em inglês tem um grande handicap.
    Mas também se pode dizer o mesmo de um estudante de engenharia ou ciências. Onde está a bibliografia de referência em português ?

    Além disso no caso vertente, qualquer tradução corre o risco de, mesmo inadvertidamente, adulterar o sentido de uma citação pelo que o melhor mesmo é deixá-la no original.

    Yet again, so sad and so true.
    Just kidding :-)


    Mário Gamito
    Re:Linguagem dos artigos comentados (Pontos:2)
    por Dehumanizer em 02-05-02 8:27 GMT (#40)
    (Utilizador Info)
    "João Bronco"? Pelo menos escolheste bem o nome. :)


    "We have no choice! Our Communist overlords will slay us if we fail in our mission!"
    - A chinese military officer, "Tales of Suspense" #50, 1964
    Re:Linguagem dos artigos comentados (Pontos:2)
    por cgd em 02-05-02 10:43 GMT (#44)
    (Utilizador Info)

    eheh, tinha reparado nisso.

    acho que o gajo devia estar a gozar...


    -- carlos

    .doc (Pontos:3, Esclarecedor)
    por raxx7 em 01-05-02 19:49 GMT (#13)
    (Utilizador Info) http://raxx7.no.sapo.pt/
    O problema é que o formato .doc reflete o próprio MS Word. O que esta longe de ser uma novidade no que diz respeito a este tipo de programa.
    Os seus formatos nativos são concebidos para representar num ficheiro a estrutura de dados interna do programa.
    Quanda usamos outros programas que não o MS Word para lidar com .doc, estamos a "encaixar" a estrutura do MS Word na do programa. Entre abrir e gravar, isto dá origem aos problemas do costume. Mesmo o próprio MS Word tem problemas em lidar com .doc mais antiquados.
    Para um programa lidar adequadamente com .doc, terá de ser feito para "pensar" como o MS Word.

    Remember to be the Killer, not the Victim! (Nuklear Girl)
    Come again ? (Pontos:2)
    por chbm em 01-05-02 22:37 GMT (#25)
    (Utilizador Info) http://chbm.nu/
    Ah, o argumento do PHB que lê revistas e tem uma secretária que trata dos "documentos" e lhe imprime o e-mail. A secretária por outro lado sabe que um documento MSWord feito com qualquer versão do MSWord vai falhar miserávelmente noutra dada versão do MSWord. Sabe que se tentar enviar um .doc ou .xls para alguém que usa Office for Mac mais vale estar quieta. Mas como toda a gente sabe, os computadores são coisas complicadas e avariam-se facilmente.
    A "superioridade" do ms-office (Pontos:2)
    por cgd em 02-05-02 11:26 GMT (#46)
    (Utilizador Info)

    eu não uso muito programas da suite "office", seja ela qual for, excepto para tentar ver coisas que me enviem, ou fazer edicoes merdosas em docs que sao necessarias para outras pessoas.

    mas acho estranho que se ande sempre a dizer que a suite office da microsoft seja melhor que as restantes, dado que as outras suites, pelo menos, parecem boas.

    sobre isto, andei há dias a ver este site, que é ainda uma outra suite de office, disponivel livremente para linux.

    achei interessante este link onde se faz uma comparacao de features entre as várias suites, e onde a ms-office nao parece assim tao boa em relacao à concorrencia. claro que a SOTO é pintada como a melhor, mas o relatorio pode estar "biased".

    ah: e nao digam que o pacote X é inferior ao Y, porque nao produz documentos compativeis com Y! (isso era equivalente a dizer que os ingleses sao piores que os alemaes, porque nao sabem falar alemao tao bem!)


    -- carlos

    Re:A "superioridade" do ms-office (Pontos:2)
    por raxx7 em 02-05-02 16:20 GMT (#52)
    (Utilizador Info) http://raxx7.no.sapo.pt/
    O problema não é a superioridade do MS-Office.
    Existem alternativas que satisfazem perfeitamente as necessidades da maioria de nós.
    O problema é que o .doc é o standard de facto para trocar documentos. E quando chega a altura de lidar com .doc noutro programa que não o MS Word, a porca torce o rabo, mesmo para documentos simples.

    Remember to be the Killer, not the Victim! (Nuklear Girl)
    Re:A "superioridade" do ms-office (Pontos:2)
    por cgd em 02-05-02 16:59 GMT (#55)
    (Utilizador Info)

    Talvez eu não me tenha explicado bem no início: que o problema é sobre formatos e standards, parece consensual para quem tem meia dose de bom senso (isso é discutido algures em cima).

    O problema é o problema em certas pessoas entenderem o problema :-)

    Se reparares numa boa rajada de threads acima, vês pessoal a argumentar que o ms-office é um produto superior (nomeadamente ao openoffice). O que eu gostava era que essa gente olhasse para a tal lista de features e comparasse, o que é que usam daquilo, porque pensam que é melhor.

    Se essas pessoas advogam a superioridade de um dado produto só porque estão habituados a ele, logo à partida isso é uma comparação tendenciosa (biased) porque não estão a comparar qualidade/usabilidade, mas sim familiaridade (claro que os meus pais são melhores do que os vossos, capiche :-/ ).

    cya
    -- carlos

    Re:Why Linux isn't on the desktop yet (Pontos:2)
    por raxx7 em 01-05-02 19:31 GMT (#9)
    (Utilizador Info) http://raxx7.no.sapo.pt/
    Na verdade a Sony criou a PSX meio a pedido da Nintendo que depois desistiu dos CDs em favor dos cartuchos.
    E a quantidade de jogos que há ou não para uma consola é um factor importante para o sucesso.

    Remember to be the Killer, not the Victim! (Nuklear Girl)
    Re:Why Linux isn't on the desktop yet (Pontos:2)
    por mvalente em 02-05-02 1:42 GMT (#36)
    (Utilizador Info) http://www.ruido-visual.pt/
    Quando existir "massa critica" ao lado do linux a Microsoft lançará um Office for Linux, don't worry.

    Ora nem mais. Deixem-se de merdas e de recomendacoes de opens/stars/kdes/offices. O que eu quero e' o the real thing. Digo e repito: a MS tem uns sistemas operativos de merda; mas tem aplicacoes do caraças. E essas e' que eu quero no Linux. Seja por "massa critica" ou por um tribunal obrigar a MS a separar-se em 2 empresas (uma para as aplicacoes e outra para os sistemas).

    O Macintosh nao tem muito mais quota do que o Linux e tem o Office.

    Cumprimentos

    Mario Valente

    Re:Why Linux isn't on the desktop yet (Pontos:2)
    por ribeiro em 02-05-02 6:48 GMT (#37)
    (Utilizador Info) http://ruka12.tripod.com
    he. A M$ lançando o Office para Linux, exige: - que tenha um daemon root permanentemente instalado - que corra apenas com o Window manager xpto - que tenha um sistema de licenças...
    Como bonus, possuira código que aleatoriamente crasha o PC e formata o disco. Só para o pessoal não dizer que o Linux é mais estável...
    Abraços,
    Rui
    --

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]