gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
Especial Eleições - Como vão as Novas Tecnologias
Contribuído por mvalente em 10-03-02 16:33
do departamento
Portugal Andrade escreve "A ZDNet.pt publicou um especial eleições, onde confronta os especialistas em Sociedade de Informação dos dois maiores partidos políticos portugueses. Penso que neste período, seria importante divulgar este artigo, até porque, estamos a falar em Novas Tecnologias e com os possíveis responsáveis da nossa área. Podem ler o artigo aqui . "

v3800: captura de vídeo | Debate com os partidos políticos  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • ZDNet
  • especial eleições
  • aqui
  • Mais acerca Portugal
  • Também por mvalente
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    O que dizem os e-Partidos (Pontos:3, Informativo)
    por MavicX em 10-03-02 17:02 GMT (#1)
    (Utilizador Info)
    Tambem estava para submeter um artgo sobre o mesmo Tema que surgiu no expresso. Mas era mais geral e sobre os diversos Partidos.

    Ficam aqui algumas frases mais importantes, para cada Partido.

    "PS promete continuidade
       
    PARA o Partido Socialista, o desenvolvimento da Sociedade da Informação (SI) deverá passar sobretudo pelo aprofundamento dos resultados alcançados nos últimos anos...Igualmente importante para José Magalhães é a criação de condições para a democratização do acesso à banda larga, reconhecendo que está a haver em Portugal algum atraso na disponibilização do ADSL."

    "PSD quer portal único

    Em termos de telecomunicações, Diogo Vasconcelos defende uma solução para a rede básica: «Ou é vendida ao operador incumbente e, em contrapartida, a PT sai do negócio do cabo; ou o Estado assegura a mesma receita, criando e colocando no mercado uma entidade autónoma para gerir a rede». Por último, o PSD propõe-se formar e certificar 100 mil pessoas por ano em competências básicas no domínio das TI "

    Nota o artigo Online sobre o PSD falta muitas coisas que estão na versão escrita entre as quais, os planos para massificar a Internet.

    O PSD quer multiplicar por três a dedução à colecta do IRS na aquisição de computadores (neste momento é de 35 contos o limite) e "criar um programa para aproveitamento e reciclagem de computadores usados com o objectivo de disponibilizar, em quatros anos, a preços simbolicos (cerca de 100 euros) cerca de 100 mil computadores."

    Os outros Partidos :

    "A MASSIFICAÇÃO da internet, para Francisco Louçã, passa pela adopção de uma «flat-rate» a um preço ainda mais competitivo do que existe nos EUA, uma vez que na Europa o atraso é maior. O preço sugerido é abaixo dos mil escudos por mês..."

    " Os populares preconizam um maior investimento do Governo nas escolas porque, apesar de já estarem ligadas em rede, necessitam de introduzir a informática e as novas tecnologias nos currículos escolares obrigatórios até ao 9º ano..."

    P.S. Gostei sinceramente de algumas propostas apresentadas deviam era ganhar todos e termos Flatrate a 1000$ por mês, computadores a 100€ e informatica obrigatória nos curriculos do ensino Basico.

    Pedro Esteves

    Re:O que dizem os e-Partidos (Pontos:2)
    por MavicX em 10-03-02 17:03 GMT (#2)
    (Utilizador Info)
    Esquecime de acrecentar o link aqui fica http://semanal.expresso.pt/economia/artigos/interior.asp?edicao=1532&id_artigo=ES52655

    Pedro Esteves

    Re:O que dizem os e-Partidos (Pontos:2)
    por Branc0 em 10-03-02 22:50 GMT (#17)
    (Utilizador Info) http://www.syners.org
    Eu também gostei da Internet a mil paus... com a largura de banda dos backbones nacionais deve dar para fazer downloads a 500 bytes por segundo...


    "Se vi mais além do que outro, é porque estava nos ombros de gigantes."
    Sir Isaac Newton

    Re:O que dizem os e-Partidos (Pontos:1)
    por HiTek DeVil em 11-03-02 1:09 GMT (#21)
    (Utilizador Info)
    hummmm.... as soluções são muito bonitas, mas geram defícite orçamental... okis... ganhamos acesso à net quase gratuito, mas dinheiro que podiamos pagar um pouco mais... sim, porque façamos as contas, a nós são menos 5 contos que pagamos, na melhor das hipoteses, mas contas do estado, sao 5 contos vezes a população que use internet... um balurdio por mês que o estado teria de entrar... ou seja, acabavamos por pagar o mesmo, mas o estado teria mais dividas, porque os contribuintes é que entravam com o dinheiro na mesma... alem de não haver receitas para dinamizar as redes que já existem... flat rate sim, mas a preços reais, não em preços que "acho que para a minha bolsa seria melhor" porque no fim quem acaba por pagar esses espatafurdios são o Zé Pobinho porque a divida do estado é de todos... As esmpresas que exploram os serviços de intrnet também não são pais de ninguem... estão lá para fazer lucros, pagar aos milhares de "Zés Pobinhos" que lá trabalham (além de fazerem lucro, claro) por isso também acho mal que "forcem" as empresas a descer os preços... em relação a computadores novos deduziveis no irs, bem, além dos X% ou maximo de 35 contos, há ainda vários bancos que além das deduções desses X%, ajudam na compra do computador... mas pelo que tenho visto, só compras acima dos 200 contos... Não sei se há outros "productos" de outros bancos que possibilitam-me pedir um "empréstimo" abaixo dos 200 contos... se houver, melhor...

    Em relação ao estado em cobrir o restante montante que falte, quer no caso dos computadores, quer no caso de ligação à net... bem, já referi acima, a divida do estado é de todos... se o estado criasse um internet service provider e o gerisse bem, talvez não fosse preciso ter lucros, desde que cobrisse a despesa... aí sim, estou de acordo... além de que obrigaria as outras empresas a baixar os preços dos seus serviços (se houvesse adesão)... Porque sejamos realistas.... por mil escudos/5 euros, de certeza que a flatrate não iria durar... pagar trafego, não haveria $$$ para dinamizar redes existentes... tou a imaginar a bela "trampa" que seria.... mas como alguem diria "não há almoços de graça"


    HiTek DeVil
    Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2)
    por quantic_oscillation em 10-03-02 17:13 GMT (#3)
    (Utilizador Info) http://homepage.oninet.pt/095mad/opensourceforever.html
    Mas é só usar software proprietário.

    No ISEL, para implementar uma, presumo, que não muito complicada base de dados para fazer a inscrição dos alunos de Engª Civil que é o meu caso, usa-se uma base de dados oracle a correr em num NT qualquer, será que um mySQL ou um PostgreSQL não faz a mesma coisa neste caso??

    A página do www.ps.pt é ASP, porque não PHP, penso que a do PSD é em PHP.

    Agora que a caixa mágica está quase pronta sempre quero ver quantas escolas e bibliotecas a vão usar??

    Já agora porque não se usar e contribuir para o projecto brasileiro SAGU??
    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:3, Engraçado)
    por MavicX em 10-03-02 17:24 GMT (#4)
    (Utilizador Info)
    Queres comparar Oracle com mysql ou mesmo Postgre é o "mesmo que comparar o olho do cu com a feira da Golegã"

    P.S. Isto é um dito popular Ribatejano.

    Pedro Esteves

    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:1)
    por NokiaMan em 10-03-02 17:35 GMT (#5)
    (Utilizador Info)
    e para que raio precisam deles de uma db oracle para uma coisa tão simples, mysql serve perfeitamente...
    ------------------------------ - BigBrother is Watching You - ------------------------------
    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2)
    por quantic_oscillation em 10-03-02 17:40 GMT (#6)
    (Utilizador Info) http://homepage.oninet.pt/095mad/opensourceforever.html
    Mas é por não serem comparáveis que eu me questiono.

    Porquê gastar, presumo que uns bons euros, quando se pode usar outra coisa.
    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2)
    por CrLf em 10-03-02 18:28 GMT (#7)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/~cer09566
    Err... comparar Oracle com PostgreSQL é perfeitamente válido. Em imensos casos onde andam a ser usadas dbs Oracle até o PostgreSQL seria overkill. Lá por o Oracle ter muito mais funcionalidades não quer dizer que sejam necessárias. É como usar um Ferrari para passear na montanha.

    -- Carlos Rodrigues
    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2)
    por Lamego em 10-03-02 18:41 GMT (#8)
    (Utilizador Info) http://www.ptlink.net
    Se estiveres a falar de um pequeno sistema com meia dúzia de tabelas podes ter a certeza que a diferença de preço é bem maior que a diferença de performance e funcionalidades. Nota que sou apenas um curioso em MySQL e sou certificado em Oracle PL/SQL.
    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2)
    por MavicX em 10-03-02 19:25 GMT (#9)
    (Utilizador Info)
    Bem vou tentar responder a todos ao mesmo tempo.

    Em primeiro lugar a ser ou não complicado fazer uma Base de dados de inscrições. Claro que é complicado, eu pessoalmente já tive envolvido no projecto de uma. O problema é que não é só as inscrições é tudo o resto que está por trás desde as disciplinas as precedencias e os cursos como todo o cadastro dos alunos (notas de exames, melhorias, cadeiras optativas etc...) e provavelmente dos professores tambem, não é muito simples podem crêr. Tambem não posso falar muito mais porque não conheço a base de dados do ISEL.

    Quanto á escolha do Oracle ela tem subretudo duas vertentes. Era possivel fazer em Postgres (mysql duvido) visto que suporta bem transações, e views e stored procedures como o Oracle. Mas á uma coisa que se chama fiabilidade e não podemos comparar as duas nesse campo. O cadastro dos alunos é algo muito importante e não pode ter falhas. O oracle quer no campo da estabilidade e online backup's não se pode comparar a Postgres.

    Outro ponto é o suporte que eu saiba a Oracle tem um bom suporte em Portugal e o que não falta são pessoas certificadas em Oracle. Sem falar nos cursos de formação oracle que são bastante boms. O Postgres nesse campo é menos do que zero.

    Pedro Esteves

    se o problema eram as transações em mysql ... (Pontos:2)
    por blind em 11-03-02 0:41 GMT (#18)
    (Utilizador Info)
    esse problema nao existe...
    in http://www.mysql.com/products/index.html

    " MySQL-Max - MySQL version with two table handlers (InnoDB & BDB), that provide transactions to MySQL."
    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:3, Informativo)
    por _Mordor_ em 11-03-02 0:44 GMT (#19)
    (Utilizador Info) http://www.plug.pt/
    O oracle quer no campo da estabilidade e online backup's não se pode comparar a Postgres.

    Bem, ou o teu ordenado ao fim do mês depende do sucesso da Oracle, e aí compreendo essa tua atitude, ou então não fazes ideia do que é o PostgreSQL, e deverias estar calado.

    Eu uso PostgreSQL e Oracle na minha actividade profissional, e normalmente tenho esta regra: se uma máquina com 2 ou 4 CPUs tiver performance em PostgreSQL para os requisitos necessários, uso PostgreSQL. Se precisar de mais que isso, porque as queryes são complicadas e as bases de dados grandes, então o Oracle é de considerar juntamente com a DB2 da IBM.

    Uso PostgreSQL desde a versão 6.5 e em algumas instalações comerciais este está a correr à anos sem perder um único registo e sem incoerencias na DB. Os upgrades do PostgreSQL podem ser feitos com um downtime da DB de poucos minutos, se necessário. Os backups podem ser feitos com centenas de clientes simultaneos a aceder à DB no momento sem problemas alguns. A manutenção da DB é minima e o afinar a DB é extremamente fácil (coisa que no Oracle é uma complicação do caraças - eles têm que vender cursos de formação, está claro :).

    Por esse motivo, digo que o PostgreSQL é mais que suficiente para bases de dados com poucos milhões de registos, se as querys não forem coisas do outro mundo, e não for necessário um cluster para suportar a DB. Para este tipo de soluções o Oracle é mais um problema, e não parte da solução. Mete lá um Oracle a responder a 4000 querys/s num P3 a 1Ghz. Para ter a mesma performance precisaria do triplo do hardware, e na verdade é aí nesse tipo de soluções que as DBs grandes (Oracle, DB2, etc) devem ser consideradas, senão é apenas mais uma demonstração de ignorancia e desconhecimento e comprar o que os outros tambem usam.


    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2)
    por leitao em 11-03-02 1:08 GMT (#20)
    (Utilizador Info) http://linuxfreesite.com/~nunoleitao/
    Mete lá um Oracle a responder a 4000 querys/s num P3 a 1Ghz.

    Agora deixaste-me curioso -- onde e' que foste buscar esse numero de 4000/seg ?

    Alem de que, eu escrevo muito facilmente uma base de dados que faz 4000, 8000 ou 16000 transaccoes por segundo, o que nao consigo e' escrever uma que ao mesmo tempo e' fiavel, escalavel e que tem a gama de features que algo como Oracle ou DB2 me da'.

    Regards,


    -- "Why waste negative entropy on comments, when you could use the same entropy to create bugs instead?" -- Steve Elias

    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2, Informativo)
    por _Mordor_ em 12-03-02 2:40 GMT (#33)
    (Utilizador Info) http://www.plug.pt/
    Agora deixaste-me curioso -- onde e' que foste buscar esse numero de 4000/seg ?

    É o número de querys/seg que o PostgreSQL dá numa plataforma que está ao serviço à perto de um ano sem uma unica interrupção, num cluster fail-over, e instalada numa das maiores empresas de Portugal. O PostgreSQL dá praticamente *todas* as features que o Oracle e a DB2 me dão (como developer de soluções), isto é, transações, stored procedures, etc, e é escalável (o referido teste foi efectuado com cerca de 1.5 Milhões de registos na DB), e estável (uptime de +/- 300 dias - desde que entrou ao serviço). Mais alguma pergunta?
    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2)
    por MavicX em 12-03-02 11:13 GMT (#35)
    (Utilizador Info)
    http://www.oracle.com/features/9i/index.html?unbr_breakit_bv.html Estas a falar de um projecto, mas esqueces que practicamente todas as bases de dados importantes ou correm em Oracle ou db2, isto porque tem provas dadas como sendo as mais seguras e fiaveis do mercado. Não compares a performance de Oracle com postgres nem o suporte clustering de uma e de outra. Quem tem uma base de dados enterprise em produção não é para correr num pentium 1000. Quanto a funções nada bate oracle em integração Java. A Postgres é bastante boa mais ainda está muito atrás de oracle, a unica vantagem é mesmo o preço.

    Pedro Esteves

    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:1)
    por _Mordor_ em 12-03-02 19:42 GMT (#36)
    (Utilizador Info) http://www.plug.pt/
    Por essa ordem de ideias, continua a usar Windows e SUNs, e outras aberrações, porque é o que todos usam. É o chamado efeito carneirada.

    Eu não comparei directamente o Oracle com o PostgreSQL, mas apenas fiz reparos que num determinado tipo de bases de dados muito comuns (poucos milhões de registos) o PostgreSQL é a melhor solução.

    -- O Martelo não é a melhor ferramenta para todas as tarefas ...
    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2)
    por joao em 10-03-02 19:29 GMT (#10)
    (Utilizador Info) http://www.nonio.com
    Mas a melhor página de todas é a do Partido Popular.

    ----
    joao
    nonio.com - ciência, tecnologia e cultura
    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2)
    por chbm em 10-03-02 19:47 GMT (#11)
    (Utilizador Info) http://chbm.nu/
    Tás a falar do flash "de momento que não é possível ligação ? :) Nada como um flash para apresentar uma única imagem estática.

    beeeep. o número que marcou não tem cerebro instalado. verifique o url ou tente novamente mais tarde.
    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2)
    por joao em 10-03-02 20:04 GMT (#12)
    (Utilizador Info) http://www.nonio.com
    Eu fui lá outro dia à procura do programa eleitoral. Tem flash, uma página inicial inútil, e o site propriamente dito é uma daquelas páginas de ecrã inteiro sem os menus do browser. Só não tem é a informação em que toda a gente está interessada neste momento: qual é o programa eleitoral? Não encontrei.

    ----
    joao
    nonio.com - ciência, tecnologia e cultura
    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2)
    por MavicX em 10-03-02 21:42 GMT (#14)
    (Utilizador Info)
    Tanto pelo que eu sei o partido popular não tem o programa na NET. Os outros 4 estão aqui http://apdsi.no.sapo.pt/ no fim da pagina em formato PDF.

    Eu tinha proposto uma noticia basiada nessa associação vamos ver se é aprovada.

    Pedro Esteves

    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2)
    por chbm em 11-03-02 10:32 GMT (#27)
    (Utilizador Info) http://chbm.nu/
    > Tanto pelo que eu sei o partido popular não tem o programa na NET.

    Tanto pelo que eu sei o partido popular não tem o programa.
    Re:Têm todos muitas ideias, mas... (Pontos:2)
    por MacLeod em 10-03-02 21:46 GMT (#15)
    (Utilizador Info)
    Uma olhada na source dá-nos um outro ficheiro, um tal de menu.htm no qual já se pode dizer que exista uma página.
    Idiotas. (Pontos:5, Interessante)
    por leitao em 10-03-02 20:19 GMT (#13)
    (Utilizador Info) http://linuxfreesite.com/~nunoleitao/
    Mais um bom exemplo da disconexao com a realidade que estes partidos politicos teem:

    É preciso assegurar a abertura do sector e o elevadíssimo nível de concorrência, eliminando distorções, e é preciso, como tem sublinhado incansavelmente o ministro Mariano Gago, colocar a fasquia do acesso em banda larga como uma prioridade nacional.

    O numero de acessos (em casa) 'a Internet em .pt nao e' mais do que 20% da populacao, quando a media europeia e' 40%, e em certos paises (UK, Dinamarca e Finlandia) e' quase 60%.

    A questao e', se apenas 20% da populacao tem acesso a uma forma de acesso (dial up), entao em que e' que a introducao da banda larga vai beneficiar o avanco tecnologico ? Banda larga faz sentido quando ja' uma porcao elevada da populacao tem uma forma de acesso.

    Eu diria que neste caso isto e' uma prioridade para "ingles ver" como e' costume.

    Em relação às outras formas de acesso, é preciso garantir aquilo que é o coração da iniciativa Internet, ou seja, tem de haver acesso gratuito de banda estreita para cada vez mais segmentos da população. Essa função será desempenhada pelos espaços Internet municipais, pelas organizações sociais, bem como pelas bibliotecas, que estão já todas ligadas à rede Ciência Técnica e Sociedade.

    Isto sim, ja' me parece uma boa ideia.

    É preciso continuar a massificar o acesso à Web, através de todos os meios. Por exemplo o aceso via telemóvel é, do meu ponto de vista, ridiculamente explorado, sendo o número de consumidores grosseiramente insuficiente. Os operadores têm de pensar em novas formas de captar e de mobilizar consumidores para o uso dessa forma de acesso. O programa que o PS apresenta quer continuar a impulsionar todas estas prioridades e é um programa inteiramente adequado aos desafios europeu e global.

    Mais uma tentativa estupida de governos se intrometerem em assuntos comerciais e privados -- read my lips: -- a razao porque nao ha' mais acessos moveis e' porque: a tecnologia nao funciona!.

    Portugal é, nesse contexto, um caso de crescimento superior, uma vez que continuamos a crescer em áreas nas quais, no mercado europeu, há decréscimos, como por exemplo na aquisição de servidores, de computadores e até, embora em menor plano, na compra de computadores portáteis e de desktops.

    Se Portugal nao tivesse crescido neste aspecto ficava surpreendido, dado que Portugal ainda esta' muito longe de atingir o ponto de saturacao do crescimento em IT (dado que tem um investimento pequeno neste sector em relacao a outros paises) -- mais areia para os olhos.

    Para se transitar para o Governo electrónico(...)

    O que eu gostava de ver era uma transicao para um governo de jeito...

    Esta agora e' um classico:
    S.I. - Como acha que Portugal pode atrair mais investimento tecnológico, por parte de empresas estrangeiras? J.M. - Competindo com os nossos parceiros. Nos sabemos o que os nossos competidores estrangeiros estão a oferecer e a nossa oferta não pode ser inferior, a nossa oferta tem de ser, em alguns casos, qualitativamente superior. O resto é uma questão de cifrões, de capacidade de organização e de infra-estruturas e, é nisso que estamos a trabalhar.

    "Competindo com os nossos parceiros.". Brilhante! Genial!

    Infelizmente a resposta correcta e' mais nas linhas de:

    • Fazendo mais ligacoes entre a industria e o ensino.
    • Dando incentivos fiscais 'a criacao de empresas de alta tecnologia (como se faz em paises como a Irlanda e o UK).
    • Atraindo o investimento atraves de campanhas que associem Portugal com conhecimento, e nao vinho e queijos como se ve nos voos da TAP.
    • Criando mais incentivos ao investimento privado estrangeiro, por exemplo, tornando o mercado de emprego mais flexivel.

    S.I. - Acha que faz sentido a tutela das telecomunicações passar para o Ministério da Ciência e da Tecnologia? J.M. - Esta é a solução adoptada noutros países e devo dizer que pessoalmente não me repugna nada, tem uma lógica de integração e colocaria as telecomunicações no seu ambiente natural, porque elas não existem por si próprias, existem para servir, para educar, para fazer economia, para fazer comunicação.

    Hamm ?!?!? Esta alguem tem que me explicar... que paises exactamente teem a tutela das telecomunicacoes pelo ministerio da ciencia e tecnologia ?

    Em conclusao -- mais politicas para ingles ver, mas muito pouco conhecimento (IMHO) do que realmente faz falta... oh well...


    -- "Why waste negative entropy on comments, when you could use the same entropy to create bugs instead?" -- Steve Elias

    Re:Idiotas. (Pontos:1)
    por HiTek DeVil em 11-03-02 1:36 GMT (#22)
    (Utilizador Info)
    Bem, em relação a industria e investigação, talvez queiras ver o site de projectos da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, tutelada pelo Ministério da Ciencia e Tecnologia... embora que no site da FCT vais encontrar mais informação sobre outros projectos... Se era isso que falavas em relação a incentivos fiscais... Pode ser que ajude, pode ser que não :P
    HiTek DeVil
    Re:Idiotas. (Pontos:2)
    por bgravato em 11-03-02 4:18 GMT (#23)
    (Utilizador Info)
    A maior parte desses projectos servem para meia dúzia de "boys" encherem os bolsos com dinheiros comunitários e afins.

    Projectos que até são interessantes, mas acabam por não andar para a frente porque são liderados por uma cambada de imbecis.

    Infelizmente, são muito raros os projectos que vingam, o que é pena, porque muitas das ideias até são boas.

    Cumprimentos,
    Bruno Gravato.


    Re:Idiotas. (Pontos:1)
    por HiTek DeVil em 12-03-02 2:20 GMT (#32)
    (Utilizador Info)
    Eu não sei... Eu concorri (eu, quer dizer, concorreu a empresa do meu pai, onde eu estava a trabalhar na altura, e fui eu quem tratou de tudo) à coisa de um ano a um projecto da FCT, e por acaso foi aprovado... E quando pedi informação sobre projectos de apoio vindos do MCT, recebi meia duzia de dias depois um email com a informação sobre os projectos que poderiam ser-me uteis, e os links para ver se podia concorrer ou não...

    Mas havia um outro projecto que estive para concorrer, que não sei bem os detalhes do projecto comunitario, mas sei que podia concorrer a ele para o que eu queria: abrir um cybercafé bar..... tudo o que precisava era fazer um levantamento do desemprego na zona, entregar o projecto com o orçamento de todas as despesas que seriam necessárias e quantos trabalhadores teria... e era um fundo da CEE qualquer... acabamos por não entregar o projecto para avaliação porque tornou-se complicado tratar de todos os detalhes e gerir um bar estando todos os envolvidos no projecto, a trabalhar... Mas é mais um exemplo de incentivo a novas empresas que parecia funcionar (salvo erro o projecto já acabou... mas pode-se sempre ir a um centro de emprego e formação que há sempre info sobre os projectos que estão a decorrer)

    HiTek DeVil
    Re:Idiotas. (Pontos:2)
    por leitao em 11-03-02 7:28 GMT (#25)
    (Utilizador Info) http://linuxfreesite.com/~nunoleitao/
    Infelizmente, nenhum dos projectos mencionados na pagina vao:
    • Pagar Salarios,
    • Gerar Lucros,
    • Serem Repetitivos,
    • Crescer a economia,
    You get the picture.


    -- "Why waste negative entropy on comments, when you could use the same entropy to create bugs instead?" -- Steve Elias

    Re:Idiotas. (Pontos:1)
    por HiTek DeVil em 12-03-02 2:13 GMT (#31)
    (Utilizador Info)
    Pois... mas isso de pagar salarios e gerar lucros, não é bem a função dos projectos... a função é aliviar custos e propover/dinamizar a industria e investigação... porque não é bem a arvore das patacas.... nem a galinha dos ovos de ouro... a "mama" acabou... mas está aí uma boa desculpa que nos ultimos anos se tem usado para não querer trabalhar... os subsidios, na opinião da marioria dos portugueses, é para não terem de trabalhar... desenganem-se... é para promover a dinamização e competividade, não para fazer os lucros pelas empresas... para isso não saia da cama, ficava lá deitadinho a candidatar-me a subsideos... com sorte, há algum para piloto de testes de colchões :P

    HiTek DeVil
    And now... o PSD... (Pontos:4, Interessante)
    por leitao em 10-03-02 21:58 GMT (#16)
    (Utilizador Info) http://linuxfreesite.com/~nunoleitao/
    S.I. - Se o PSD for Governo, quais serão as prioridades? D.V. - As prioridades passarão por transformar Portugal numa das mais avançadas sociedades da informação e do conhecimento, aproveitando as tecnologias para reinventar o Governo. Pretendemos ainda promover a utilização das TIC como instrumento da melhoria da competitividade das empresas e conseguir que, em 2005, todas as transacções entre os cidadãos e o Estado se efectuem por via digital.

    Ok -- palavras muito belas e amarelas, mas falta um bocado a explicacao de como. E' que a competitividade da maioria das empresas nao se consegue atraves da melhoria das telecomunicacoes ou da informatica. Consegue-se sim com o aumento da competitividade do mercado interno (precos mais baixos), com melhores sistemas fiscais (mais eficiencia) e com o acesso a maiores e melhores mercados (mais $$$) -- nao vejo na resposta acima nenhuma indicacao disto.

    D.V. - Tornar a Europa a mais competitiva economia do conhecimento do mundo passa por uma profunda mudança cultural. É indispensável apostar numa cultura de risco e de iniciativa, numa sociedade civil mais forte, em mercados competitivos, em políticas sociais que permitam que todos possam participar plenamente das oportunidades que a Sociedade da Informação oferece.

    Novamente, palavras belas -- mas nenhuma indicacao de como...

    D.V. - O governo electrónico não existe em Portugal. Existem iniciativas desgarradas, de teor essencialmente informativo. Para o PSD, e-government não se reduz a lançar sites mantendo processos obsoletos. O e-gov é um processo de transformação do Estado, apoiado nas tecnologias da informação, que tem como objectivos melhorar os serviços prestados aos cidadãos, reduzir custos de funcionamento e criar valor na economia.

    Melhor resposta que a do Jose Magalhaes, mas ainda deixa um bocado a desejar.

    Por fim, é igualmente importante criar sistemas de e-procurement na Administração Pública, por forma a gerar economias de escala, reduzir custos e aumentar a eficiência e a transparência nas compras do Estado.

    Humm.. curioso, gostei -- mas parece-me um pouco irrealista ser possivel implementar e-procurement no estado, quando ainda ha' tanta falta de eficiencia na forma como os servicos publicos funcionam -- parece-me por a carroca 'a frente dos bois.

    Assim, pretendemos combater o analfabetismo digital, pela formação e a certificação de 300 mil pessoas em quatro anos, em competências para as tecnologias de informação, o que envolverá instituições de formação e empresas.

    E que tal combater o analfabetismo analogico :-), vejam os seguintes numeros relativos ao analfabetismo (os numero sao a percentagem de populacao com idade superior a 15 anos que sabe ler e escrever):

    • Portugal: 87.4%
    • Grecia: 95%
    • Espanha: 97%
    • Reino Unido: 99%
    Hummm... de repente o analfabetismo digital deixa de parecer tao relevante como isso...

    Haveria enormes vantagens na integração das áreas da Sociedade da Informação e das Telecomunicações. Sem forte concorrência no sector das telecomunicações fixas, todas as iniciativas no âmbito da SI correm o sério risco de serem inconsequentes.

    Gostei...

    S.I. - Como é que Portugal pode atrair mais investimento tecnológico? D.V. - Através de choque fiscal que torne a localização em Portugal competitiva face aos países do alargamento e também através da formação de recursos humanos, da criação de um ambiente propício à inovação e de uma diplomacia económica assertiva, focalizada na captação de empresas.

    Definitivamente uma resposta muito melhor que a do Jose Magalhaes, que foi -- na minha opiniao -- ridicula.

    Em geral, gostei mais das politicas do PSD (parecem mais praticas e abrangentes), embora em muitos casos o Diogo Vasconcelos pareca estar um bocado aquem da realidade Portuguesa... logo se vera'.

    Regards,


    -- "Why waste negative entropy on comments, when you could use the same entropy to create bugs instead?" -- Steve Elias

    Re:And now... o PSD... (Pontos:2)
    por mvalente em 11-03-02 11:16 GMT (#29)
    (Utilizador Info) http://www.ruido-visual.pt/
    Em geral, gostei mais das politicas do PSD (parecem mais praticas e abrangentes), embora em muitos casos o Diogo Vasconcelos pareca estar um bocado aquem da realidade Portuguesa... logo se vera'.

    O Diogo Vasconcelos, para alem de ter responsabilidades no PSD, e' tambem um dos fundadores e responsaveis da Associacao Nacional de Jovens empresarios e fundador da Caderno Verde, proprietaria das revistas Forum Ambiente e Ideias & Negocios. E' tambem partner da unica capital de risco independente portuguesa a Change Partners (no site podem ver a sua biografia).

    Cumprimentos

    Mario Valente

    Re:And now... o PSD... (Pontos:2)
    por leitao em 11-03-02 14:36 GMT (#30)
    (Utilizador Info) http://linuxfreesite.com/~nunoleitao/
    Curioso -- no website diz em letras *muito* grandes: "Nos investimos em pessoas de quem gostamos." -- uma politica estranha para uma empresa de capital de risco.


    -- "Why waste negative entropy on comments, when you could use the same entropy to create bugs instead?" -- Steve Elias

    português não? (Pontos:2)
    por bgravato em 11-03-02 4:38 GMT (#24)
    (Utilizador Info)
    Os políticos são por si só uma espécie que abomino.

    Mas há coisas que me fascinam... É incrível a quantidade de coisas que conseguem dizer, a percentagem elevadíssima de "buzz words" por frase, e a ideia que pretendem dar de intelectuais com elevados e actualizados conhecimentos... Eu pergunto-me... será que eles mesmos compreendem uma única palavra do que dizem?
    Tenho as minhas sérias dúvidas... Então o zé povinho... deve estar completamente esclarecido quanto as propostas de cada um...

    Não era bem mais interessante e saudável que os políticos tentassem ser mais objectivos, claros e esclarecedores? Em vez de meia dúzia de palavras caras, um bocado utópicas, não era má ideia que de vez em quando tentassem dizer algo que mais de 0.5% da população compreendesse... Estão à espera de conquistar os votos de quem? Da meia dúzia de pseudo-intelectualóides que ainda se dão ao trabalho de prestar atenção ao que eles dizem?

    Acho que é por estas e por outras que a percentagem de abstenção é cada vez maior... Bem se calhar é isso que eles pretendem... Mas também seria interessante aparecer um ou outro político que se importasse com os interesses do povo, e não apenas com os seus próprios interesses e os dos amigos que financiam as campanhas...

    Tenho dito.

    Cumprimentos,
    Bruno Gravato.


    Re:português não? (Pontos:2)
    por mvalente em 12-03-02 10:40 GMT (#34)
    (Utilizador Info) http://www.ruido-visual.pt/
    Os políticos são por si só uma espécie que abomino.

    Abominas-te portanto a ti proprio. E' que quando participas num forum como o Gildot e debates opinioes com outros, estas a desenvolver uma actividade politica.

    É incrível a quantidade de coisas que conseguem dizer, a percentagem elevadíssima de "buzz words"

    E nao e' "buzzword", ela propria, uma buzzword ? :-)

    a ideia que pretendem dar de intelectuais com elevados e actualizados conhecimentos
    Então o zé povinho... deve estar completamente esclarecido

    Subentende-se portanto que tu nao fazes parte do ze povinho. Nao estaras a passar uma imagem de intelectual com elevados e actualizados conhecimentos ?

    seria interessante aparecer um ou outro político que se importasse com os interesses do povo,

    Podes especificar quais sao na tua opiniao ? Isto para seres "mais objectivo, claro e esclarecedor". Eu pessoalmente parece-me que o ambiente fiscal, o controle do deficit orcamental do Estado (do qual faco parte e o qual sustento com os impostos), a maior retencao de lucros por parte das empresas e empresarios com vista ao investimento e desenvolvimento, a consequente criacao de emprego, a desmonopolizacao da Seguranca Social e do sistema de saude, etc , etcm, sao tudo interesses do povo, e coisas claras, objectivas e esclarecedoras.

    Cumprimentos

    Mario Valente

    Vão mal ... (Pontos:4, Interessante)
    por Devils_Advocate em 11-03-02 8:32 GMT (#26)
    (Utilizador Info)
    Que balanço podemos fazer dos últimos anos do socialismo ?

    Eu acho que o balanço é mau, muito mau. Muita conversa, muitas ideias, mas muito vapor-ware. Para além das centenas de computadores com acesso dial-up que foram instalados em escolas, não vejo assim nada de importante que me tenha ficado na memória.

    Falou-se muito do fantástico mail.pt para toda a gente, que custou bom dinheiro, mas que ninguém precisava porque o sector privado já tinha fornecido a mesma coisa de borla, aliás como no resto do planeta.

    Durante a cimeira de Lisboa da CE, e num orçamento longínquo, o Guterres lembrou-se da Internet, da revolução das comunicações, anunciando uma nova era apesar de desconhecer o significado do @ arroba.

    Mais tarde, Guterres anunciou a flat-rate, a Internet para todos, esquecendo-se que a a Internet é uma coisa privada, e o governo é socialista, mas as empresas não o são. Ou melhor, a empresa mais influente desta área é socialista sim ....

    A Administração pública online é fraca, pobre. Para além de meia dúzia de sites como o infocid, a justiça ou o ambiente, tudo o resto é duma pobreza confrangedora. Como revela o estudo publicado há dias pela Accenture e encomendado pelo próprio Estado.

    É inrivel como ao fim de quase uma década, os diversos especialistas da área fiscal continuam a dizer que poderiamos ter uma eficiência fiscal muito superior se nas finanças usassem TI's, para efectuar simples cruzamentos de informação. Por incrivel que pareça, ou porque a alguem interessa, até hoje nem sequer o estratégico sector dos impostos tem um sistema informático que ajude a evitar todo a fuga fiscal existente em portugal.

    É curioso verificar que existe uma forte relação entre o que não se fez na área das tecnologias de informação e o que não se fez no resto, com a politica do dialogo, da consciência social mas e também, do nada fazer. Este governo socialista não entende que as flat rates propiciam-se às empresas, através do controlo da concorrência e das condições saudáveis do mercado, não são impostas. Sim, porque a PT estava lá para ser beneficiada pelo Estado, mas já não estava lá para ser sacrificada pelo Estado.

    A política de novas tecnologias em Portugal resumiu-se uma questão: protecção total da Portugal Telecom possibilitando-lhe criar um império de comunicações e media interno, e um forte investimento no Brasil. O controlo da PT, empresa privada, mas controlado pelo Estado, perdão, pelos socialistas, através das famosas golden share. Porque não foi separada a rede de comunicações fixa do negócio de comunicações, tal como foi feito com a rede eléctrica nacional e a rede ferroviária por exemplo ? Ou melhor, porque foi feita essa separação, mas ainda hoje os operadores não tem acesso ao lacete local ?

    Foi o investimento no Brasil feito à custa do nosso próprio sacrifício, da nossa competitividade, do nosso desenvolvimento interno ? A quem interessa o império mediático constituído por jornais, rádios, redes fixas de banda larga e canais de televisão ? Porque tem a PT doze administradores nomeados pelo Estado, todos sem excepção socialistas ? Para melhor se entenderem com o ICP/Anacom, com o mesmo tipo de nomeações? Será que este governo não entende que se existisse um modelo justo a nível das comunicações locais e da rede fixa hoje já teríamos flate-rate e banda larga em muito maior escala ?

    Como eu dizia, existe uma grande relação entre a política das TI e o resto. Forte intervenção estatal no sentido de controlo, influência e poder, não no sentido de melhorar o mercado, e criar condições para a iniciativa privada oferecer os produtos e serviços que o nosso desenvolvimento exige. Como alguém disse aqui mais atrás, a politica social, intervencionista e socialista é uma espécie de flat-rate a 500 bytes/s. O verdadeiro progresso faz-se com legislação e intervenção estatal legislativa e de fiscalização, no sentido de melhorar a competitividade. Criar condições justas às empresas e ao mercado. Tudo o resto vem por consequência.

    Portanto, a escolha para mim é simples. Basta ver qualquer um dos programas dos diversos partidos para a área económica, para entender que isto que eu escrevi tem tudo a ver com o que lá podemos ler...


     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]