gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
Musicos, gravadoras, cds e mp3
Contribuído por Xmal em 04-01-02 15:47
do departamento boot-leg
Musica Red escreve "Os Flower Kings, um grupo de rock europeu incentivaram oficialmente os seus admiradores a gravar os seus espectáculos ao vivo e a partilhá-los na internet. É o primeiro grupo a tomar oficialmente uma atitude deste género. A maior parte dos músicos recebe 50 a 75 centavos (de dólar) por cd ficando as gravadoras com o resto. Grande partes da receitas das bandas provêm, sim, dos concertos ao vivo. É uma das razões porque as grandes gravadoras andam "lixadas" com o .mp3 e com a partilha dos ficheiros via internet (adaptado de página ). E em Portugal como é que é? Quanto é que recebem os músicos e autores por cada cd? Alguém sabe? Com os preços artificialmente altos não admira que as vendas tenham descido. Bye, Red "

Recortes em estado de coma | Review do Sharp Zaurus Sl-5000D  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • página
  • Mais acerca Musica
  • Também por Xmal
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    Bzzzt! Wrong (Pontos:2, Gozão)
    por mvalente em 04-01-02 15:58 GMT (#1)
    (Utilizador Info) http://www.ruido-visual.pt/
    Não é verdade que tenham sido os primeiros a tomar uma atitude desse género (i.e. incentivar a gravação de bootlegs). Os Grateful Dead e os Phish já há muitos anos que o fazem.

    Recomenda-se, aliás, o ultimo album ao vivo dos Phish: quádruplo! com covers de Nirvana, AC/DC, etc. 4 horas de jamming intenso...

    Cumprimentos

    Mario Valente

    Re:Bzzzt! Wrong (Pontos:4, Informativo)
    por buckley em 04-01-02 19:22 GMT (#5)
    (Utilizador Info) http://buckley.evora.org
    hum... oficialmente foram mesmo os Grateful Dead.

    Os phish "pedem" para gravar, mas no entanto, nem têm autorização para tocar ao vivo ou gravar os temas que tocam e são gravados, como o caso da cover (horrível, IMHO) do Gold Soundz dos Pavement, que foi gozada pelo 2º baterista da banda.

    Além disso, e posso ser "flamado por isto", a maior causa dos preços exorbitantes de tudo o que é relacionado com cultura, é a falta de consumo desta, e menos do que se pensa qualquer outra causa. Eu, IMHO, gosto de ter cds originais em casa, e faço um esforço para ter os cds que gosto originais. Dá-me mais gozo ter um cd em casa original, que 20 em mp3, ou assim. Como dizia, em tempo, o Frank Zappa, "a cd is not only the essence. It is the touchable part as well" e complementando com uma frase de Tom Barman (da banda dEUS), "sometimes the inlay [pictures and design] gives the "click" that lacks, when a record is not being understood".

    Um abraço, Miguel Azevedo

    "Track number one; Mississipi number one, number two, number three and number four", Flaming Lips
    Re:Bzzzt! Wrong (Pontos:1)
    por Red em 05-01-02 1:28 GMT (#7)
    (Utilizador Info)
    Sim, aliás os Grateful Dead vêm referenciados no artigo, mas penso que foram os primeiros a deixar o pessoal, explicitamente, a trocar os ficheiros via net. De qualquer modo, penso que o principal aqui é facto de os músicos receberem pouco por cada cd, ou seja, a parte criativa (e a que interessa) é a menos recompensada, o que, dá-me ideia, alivia a consciência de quem "ripa" um cd e que troca .mp3, mas que até vai ver os concertos das bandas.

    Bye,
    Red

    SP (Pontos:1)
    por crash em 04-01-02 18:08 GMT (#2)
    (Utilizador Info)
    billy corgan dos Smashing Pumpkins.....
    Re:SP (Pontos:1)
    por crash em 04-01-02 18:08 GMT (#3)
    (Utilizador Info)
    julgo ke o machina II so saiu na internet!
    Re:SP (Pontos:1)
    por Shadlan em 04-01-02 18:25 GMT (#4)
    (Utilizador Info) http://arjoc.cjb.net
    Para além de ter sido lançado na net, foram editados, tenho ideia que 25 discos de vinil.
    Re:SP (Pontos:1)
    por Xf em 05-01-02 16:46 GMT (#10)
    (Utilizador Info)
    Na altura li que foram gravadas 30 cópias do album em vinil, e dadas a fãs escolhidos com o propósito de colocarem o album na net, ou seja, não foram propriamente os SP a colocar o album na net (directamente, claro).

    BTW, o album chamava-se The Friends and Enemies of Modern music, aka TFAEOMM

    Best regards
    Shake dreams from your hair my pretty child, my sweet one...
    nem todos tem que ter medo (Pontos:3, Interessante)
    por gggm em 05-01-02 1:00 GMT (#6)
    (Utilizador Info)
    "É uma das razões porque as grandes gravadoras andam "lixadas" com o .mp3 e com a partilha dos ficheiros via internet"

    Só tem que ter medo do mp3 os grupos/editoras que não acreditem no seu trabalho. Se o trabalho for bom as pessoas sabem reconhecer isso e compram o original, até porque é sempre diferente ter o original do que ter uma cópia.

    Acho que existem 4 grandes tipos de pessoas, em relação a isto:
    1 - aqueles que compram os cd's originais, e nem sequer ligam ao mp3 (são raros mas existem)
    2 - aqueles compram cd's originais, mas só depois de verificarem que o album vale o dinheiro que vão dar por ele, sacando primeiro os mp3.
    3 - aqueles que não compravam cd's originais antes de aparecer o mp3, sacam mp3, mas continuam sem comprar cd's.
    4 - aqules que através do mp3, ficaram a conhecer novos estilos/grupos de música e até começaram a comprar albuns (também são raros, mas existem).

    Tendo em conta este cenário, quem é que tem que ter medo do mp3?
    Re:nem todos tem que ter medo (Pontos:1)
    por sab em 07-01-02 13:56 GMT (#12)
    (Utilizador Info)
    Tens que ter em conta que uma das pré condições para trabalhar numa editora é uma lobotomia total.

    A burrice das editoras é tão grande que até inventaram a cena estúpida das regiões no DVD (a que felizmente a maioria dos fabricantes de leitores não liga pevas) não vão eles vender demais, e acabar com o *excelente* mercado das cassetes de vídeo.

    Nunca, mas nunca, subestimes a burrice de uma editora. São muito mais estúpidas do que tu alguma vez consiguirás imaginar (até nos preços).

    Preço;Comentário (Pontos:3, Esclarecedor)
    por jig em 05-01-02 1:34 GMT (#8)
    (Utilizador Info)
    Em média um artista ganha 60$ por cada cd vendido (tendo em conta que o preço médio do cd fica nos 3c).A casa que vende os cds tem 100% de lucro sobre o valor pelo qual compra o cd.
    Não admira que sejam caros!!!Trabalhar custa...

    De qualquer maneira eu saco mp3 =) e quando eu sou fã de uma banda compro mesmo o cd (foram só 2 ou 3 casos).

    Em relação aos mp3 que saco e que não compro o cd as bandas podem estar descansadas,pois se forem minimamente decentes,não hesito e vou vê-las na Queima das Fitas =) (que é de onde as bandas tiram o seu $$,não da venda de cds)
    CD (Pontos:1, Interessante)
    por Anonimo Cobarde em 05-01-02 4:01 GMT (#9)
    Aos saudosistas dos vinis vão-se suceder os saudosistas dos cd's. Adoro música e não fosse a qualidade do som de alguns mp3, deixava mesmo de comprar cd's. Mas espero bem que não desapareçam e dêem lugar ao mp3 actual, porque senão tenho que me contentar com uma qualidade de som medíocre e deixo de tirar partido de excelentes e longamente aguardados amplificador a válvulas e par de colunas.

    Aliás, até tenho alguma qualquer coisa contra os mp3, talvez um anti-consumismo primário, não sei, mas a forma como alguns fazem música e outros a sacam em mp3 como quem fabrica e deglute telepizzas e mcdonalds não é muito simpática. Mas também muita da música ouve-se duas ou três vezes e basta. Nesse caso o mp3 é óptimo para poupar espaço e mandar menos plástico queimado para a atmosfera.

    Por tudo isto, o mp3 no meu caso pessoal não foi nada do outro mundo. Facilitou-me a vida nalguns casos e fez-me poupar alguns tostões noutros mas continuo a gastar uma média de 6 contos por mês em cd's. São raras as músicas que tenho em mp3 que ouço no pc ou no trabalho, que não tenha em cd original ou gravado de original para ouvir decentemente em casa, com qualidade, refastelado numa boa cadeira e sem o ruido infernal do pc.

    Talvez, para as editoras que apostam nalguns estilos de música mais compativel com o formato mp3 a coisa seja mais séria. Mas também e muito sinceramente acho que devem pagar bem caro a chulice de tantos anos. Infelizmente, quem acaba por pagar estas coisas são os empregados com reestruturações e despedimentos.

    Pedro Santos

    Re:CD (Pontos:1)
    por McB em 11-01-02 10:53 GMT (#14)
    (Utilizador Info)
    Achei muito interessante o teu post...
    Particularmente nestas duas partes:

    1)Aliás, até tenho alguma qualquer coisa contra os mp3, talvez um anti-consumismo primário, não sei, mas a forma como alguns fazem música e outros a sacam em mp3 como quem fabrica e deglute telepizzas e mcdonalds não é muito simpática.

    Hmmm... Concordo pleamente... acho que hoje em dia não se dá o valor às coisas pela abundância que existe. Somos capazes de chegar a um ponto em que nem sabemos se temos o álbum X ou Y. E acabamos por gravar o CD em MP3, mas fica para lá a um canto... E qual é o valor que estmoas a dar a isso? Nenhum! Desculpem lá, mas não passa de um desperdício!

    Pessoalmente, uso o MP3 pouco, e quando uso, é para fazer algo tipo "shareware"...se gostar da anda, acabo por comprar o original!

    2)Mas também muita da música ouve-se duas ou três vezes e basta. Nesse caso o mp3 é óptimo para poupar espaço e mandar menos plástico queimado para a atmosfera.

    O problema é esse... Com a abundância que há, tudo tende a perder o significado, a "embaratecer" no que diz respeito ao VALOR (não no que diz respeito ao preço)...e podemos dar-nos ao luxo de usar e deitar fora tudo e mais alguma coisa.

    Yours,
    McB!

    They told me it need Windows 95 or better, so I chose Linux
    status quo (Pontos:1)
    por raxx7 em 06-01-02 21:58 GMT (#11)
    (Utilizador Info) http://raxx7.no.sapo.pt/
    Bom... ao que parece as editoras só "chulam" as bandas e os consumidores...
    Então, porque é que a maioria das bandas anda sempre atrás do famoso "contrato" ?
    Se calhar porque as editoras é que investem o dinheiro necessário à produção e promoção de um álbum (e da própria banda), que não é pouco.
    Claro que as editoras se vingam bem. Os contratos são-lhes habitualmente muito favoráveis (feitos para compensar o investimento com vendas aceitáveis). Enfim, são um mal mais ou menos necessário.
    Já agora, não culpem apenas as editoras pelos preços dos CDs. Não convém esquecer os distribuidores. Eles também têm o seu quinhão...

    Remember to be the Killer, not the Victim! (Nuklear Girl)
    mp3, Fraunhofer, MPEG Consortium, patentes e afins (Pontos:1)
    por Fred em 07-01-02 20:13 GMT (#13)
    (Utilizador Info)
    Atenção, ao usar-se mp3 (a nível de encoders como o bladeenc ou mp3enc) está-se a infringir patentes da utilização do formato mp3, ou seja, cada vez que fazem enconding para mp3, e segundo a lei, existem royalties que devem ser pagas à Fraunhofer ou MPEG Consortium. Leiam bem o FAQ. Anyway, existe uma alternativa *free* ao mp3: http://www.xiph.org/ogg/vorbis/ onde podem usar o formato ogg sem esbarrar em questão de patentes (para quem se preocupa com isso, claro).Já vem incluido com o RH 7.1/7.2, o xmms já o suporta, bem como o winamp. Quanto a outras distros, não sei, basta verificar.

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]