gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
A história por trás da taxa do multibanco
Contribuído por chbm em 13-12-01 15:45
do departamento mo-money
Europa jneves escreve "Ainda está fresca na memória de todos os recentes anúncios de criação de taxas para o multibanco. Descobri hoje o que penso ser a verdadeira razão por trás destes anúncios. Hoje é votado no parlamento europeu um regulamento que obriga a que:
. os custos de levantamentos e utilização de caixas multibancos seja igual quer em todo o espaço da união europeia
. o mesmo para transferências a crédito
. os custos de uma transferência têm de ser comunicados ao cliente antes da operação
. utilização obrigatória de identificadores bancários internacionais
Acontece que neste momento o custo médio de uma transferência no espaço da união europeia anda pelos 24 euros para uma transferência de 100 euros. Assumindo que não se cobra nada em Portugal, então os bancos irão perder esta fonte de receita, além das receitas correspondentes às taxas cobradas pela utilização do catão multibanco num país estrangeiro... Assim já percebo o porquê dos anúncios. "

PHP 4.1.0, at last | Vigiados em nossa casa ?  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • jneves
  • taxas para o multibanco
  • votado
  • regulamento
  • Mais acerca Europa
  • Também por chbm
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    Ok (Pontos:1)
    por Shadlan em 13-12-01 16:25 GMT (#1)
    (Utilizador Info) http://arjoc.cjb.net
    Já entendi. Estamos a ser chulados a nivel europeu...
    Re:Ok (Pontos:1)
    por zaroastra em 13-12-01 17:55 GMT (#4)
    (Utilizador Info)
    poises... vem-me a cabeca 3 ditados da sabedoria popular:
    Ninguem da porcos para receber chouricos...
    Melhor do que dar um peixe a um homem 'e ensina-lo a pescar...
    Give a man enough rope and he well hang himself...
    Neste caso, penso que portugal, da CEE, teve a liberdade de fazer o que quis com rios do dinheiro, mas em vez de aprender a pescar comprou o peixe aos espanhois e etc...
    Agora nao pode sair, e nao sabe pescar, e parece que o peixe esta cada vez mais escasso.
    (deve ser da poluicao)

    Z
    Re:Ok (Pontos:2)
    por joao em 13-12-01 18:25 GMT (#6)
    (Utilizador Info) http://www.nonio.com
    Se deres um peixe a um homem, alimentalo-ás por um dia, se o ensinares a pescar, perdes o monopólio do comércio do peixe.

    ----
    joao
    nonio.com - ciência, tecnologia e cultura
    Re:Ok (Pontos:3, Interessante)
    por Lowgitek em 13-12-01 19:53 GMT (#9)
    (Utilizador Info) http://www.ideiasdigitais.co.pt
    Sem tirar nem por...

    Comemos e nos fartamos (eu não mas os gajos que vivem dos subsidios). Agora chega a hora de pagar a fatura sim pois começou ... Não temos dinheiro ? A pois vendemos tudo que tinhamos a troco dos tustos que para ca vinham de mão beijada e viciamo-nos a não reclamar e baixar a cabeça agora já se começa a fazer tarde para poder ter voz para fazer frentes como atrocidades dessas.

    Sem contar que o Euro até pode ter muita coisa boa principalmente para os paises com dinheiro, que não será bem o nosso caso ou melhor ate se tem mais em sitio errado, só que para nós o Euro da perspectiva do Zé povinho é so uma, preços como na Europa ou pior, Impostos como na Europa taxas e afins e problemas Europeus, só que o salário fica na mesma, a atenção dos paises grandes ao nosso Portugual ainda é menor porque afinal somos a instância turisticas daqueles senhores e ate para comer e beber temos de pedir ali ao nosso vizinho ao lado sffv de nos arranjarem qualquer coisa.

    Ou como diria o outro é moda e todas as grandes empresas que estão do nosso pais o fazem fogem aos impostos atraves dos nossos vizinhos tb. Sem contar com a chuvada de estrangeirada que por ca chove a fuga dos outros lados onde a politica de imigração é bem mais apertada que a nossa.

    Emfim isto vai de mau a pior que sei lá o que.
    Abolição (Pontos:2)
    por SUp3rFM em 13-12-01 16:44 GMT (#2)
    (Utilizador Info) http://phalanx-ut.com
    Creio que, segundo ouvi na TSF, há duas semanas atrás, a abolição do custo de uma transferência interbancária, dentro do espaço da UE, só vai acontecer em 2006.

    O facto é que os bancos estão a trabalhar com margens mínimas de lucro, o que comparadas com outros tempos, se podem de apelidar de "vacas magras". Uma coisa é certa, eles não têm prejuízos, apenas "perda" de receitas. É outra história.

    Btw, não concordo com essa cobrança.

    A minha anterior assinatura era ainda pior que esta.

    Re:Abolição (Pontos:3, Informativo)
    por jneves em 13-12-01 17:27 GMT (#3)
    (Utilizador Info) http://silvaneves.org/
    Não, é imediato. Em 2006 o limite é aumentado de 12.500 euros para 50.000 euros por transacção. E não há quaisquer referências a abolição, apenas se diz que o preço fica o mesmo que nas transações nacionais...
    Calma... (Pontos:2)
    por leitao em 13-12-01 18:11 GMT (#5)
    (Utilizador Info) http://linuxfreesite.com/~nunoleitao/

    Acontece que neste momento o custo médio de uma transferência no espaço da união europeia anda pelos 24 euros para uma transferência de 100 euros.

    Pois, mas isto e' para uma transferencia de fundos entre dois paises diferentes. Nao tem nada a ver com o MB.

    No caso do MB eu pessoalmente nao estou a ver onde esta' o argumento de uma taxa para utilizacao. Ja' pagas a taxa anual para o uso do cartao, ainda pagares por transaccao e' no minimo uma aldrabice, e no extremo um chulanco.

    Nao conheco nenhum pais onde eu pague cada transaccao de um cartao de debito (excepto em certos casos em que usas uma ATM de um banco que nao e' o teu) -- o que a EU diz e':

    • the charges for withdrawals from cash machines and the use of bank cards (up to ?12,500) to be the same, when denominated in euros, for both national and cross-border transactions, as from 1 July 2002

    ...ou seja, os bancos vao ter que concordar numa taxa fixa, ou a EU vai impor uma. Ou seja, a EU em vez de dizer "o custo e' zero em toda a Europa" vai dizer "entendam-se no custo e depois vemos" -- i.e., a taxa "uniforme" vai ser mais um imposto cobrado pelos bancos, com o consentimento da EU!!

    Por estas e por outras e' que de cada vez que vejo a EU a meter o bedelho em assuntos financeiros que nao lhe compete fico a desejar que certos paises simplesmente mandem o Euro 'a fava.

    Regards,


    -- "Why waste negative entropy on comments, when you could use the same entropy to create bugs instead?" -- Steve Elias

    Re:Calma... (Pontos:2)
    por jneves em 13-12-01 18:39 GMT (#7)
    (Utilizador Info) http://silvaneves.org/
    Estás enganado. O que diz é que o banco não pode cobrar valores diferentes para transferências domésticas e transfronteiriças. Nada diz que o valor pago será o mesmo para todos os bancos.
    Re:Calma... (Pontos:3, Interessante)
    por leitao em 13-12-01 20:06 GMT (#10)
    (Utilizador Info) http://linuxfreesite.com/~nunoleitao/

        Humm... as discussoes que tem havido aqui no UK (envolvendo a Abbey National e o HSBC) e' que as taxas vao ser negociadas entre os bancos -- o que efectivamente quer dizer que estes vao poder taxar transferencias com valores minimos acordados entre eles -- a polemica que toda a gente discute aqui no Reino Unido e' exactamente isto ir contra as proprias leis anti-monopolio europeias!

        Regards,

    -- "Why waste negative entropy on comments, when you could use the same entropy to create bugs instead?" -- Steve Elias
    Re: A história por trás da taxa do multibanco (Pontos:1)
    por Devils_Advocate em 13-12-01 19:05 GMT (#8)
    (Utilizador Info)
    Isso não tem nada a ver com os multibancos. Tem a ver com os custos brutais de transferências entre países da União. E este tipo de custo pode fazer fracassar todo o conceito de mercado unico.

    A questão de haver bancos que precisam urgentemente de novas fontes de receitas é muito simples: são essencialmente bancos comerciais que nos ultimos anos ganharam fortunas no mercado bolsista e financiaram com isso muitos projectos e empresas (muitas TMT) que acabaram tb por dar barraca. E a bolsa como fonte de receitas secou. Se reparares, os bancos mais tradicionalistas e que se mantiveram no sector tradicional (banca, seguros,etc) não têm reivindicado tanto essas taxas, ou até são contrários à mesma (CGD por ex.)
    Solução: força bruta (Pontos:0, Engraçado)
    por Anonimo Cobarde em 13-12-01 23:19 GMT (#11)
    A solução não é genial mas é simples:

    No dia que começarem a ser cobradas taxas pelo uso das maquinas MB o pessoal deixa de usar o MB!

    Conforme o tempo que cada um tiver disponivel vai directamente ao balção para fazer todos os levantamentos que precisa à maneira antiga. E de preferencia vamos ser muito chatos para o senhor (que coitado não tem a culpa) que nos atender e vamos pedir extratos de conta, saldos, pagar serviços e tentar até comprar bilhetes! E aproveito e trago uma molhada daqueles impressos que tem lá para se preencher para fazer levantamentos e depositos: sem impressos não há movimentos e o balcão até pode fechar mais cedo! Talvez assim eles percebam que as máquinas se calhar até ajudam a reduzir custos...

    Acho que não existe melhor forma de manifesto! É preciso deixar bem claro que os bancos não nos estão a fazer favor nenhum em guardar lá os nossos tostões...
    E isto é sempre mau? (Pontos:1)
    por joaobranco em 14-12-01 20:16 GMT (#15)
    (Utilizador Info)
    Porque é que a harmonização das taxas a pagar por operações ao nível da UE há de ser necessáriamente má (em teoria)?

    É verdade que se os diversos bancos concertarem entre si as taxas, há uma situação de monopólio, e não podemos fugir a ele. No entanto não acredito que o comissário Mario Monti (o da concorrência) vá deixar que isso ocorra (e não se esqueçam que tinha de acontecer ao nível da UE toda, senão haveria competição por parte dos bancos estrangeiros).

    O que é que isto vai significar na prática? Provavelmente taxas de multibanco vão ser reais (uma vez que os bancos que não as cobram nas transacções nacionais teriam de deixar de as cobrar também nas transações internacionais, e nestas eles têem de facto de pagar aos restantes se quiserem que estas transações estejam disponíveis). Uma outra possibilidade será a criação de cartões "internos" de bancos, que não poderão ser usados no estrangeiro dentro da UE; e se os bancos estivessem realmente interessados nisso poderiam criar uma espécie de "Multibanco2" que só seria usável em PT - mas não creio que lhes interesse seguir este caminho, a menos que o número de pessoas que deixe de usar o MB seja realmente muito grande.

    Estas taxas serão usadas pelos bancos como mecanismo diferenciador em relação à concorrencia, pelo que não acredito que sejam demasiado elevadas (nada ao nível do que se verifica hoje em dia em operações trans-fronteiriças, mas provavelmente da ordem mínima de 1 euro por operação).

    Em compensação, quando forem a Espanha, poderão levantar dinheiro e pagar o mesmo que pagam aqui... (Claro que esta medida vai facilitar a vida aos turistas mas não à maior parte dos habitantes locais).

    Na prática esta medida é daquelas que é lógica se se pretender criar um mercado único com condições uniformes (porque é que custa tanto enviar uma carta para a mesma cidade que enviá-la por exemplo para os Açores? porque é que telefonar de Lisboa para Leiria custa o mesmo que telefonar de Vila Real de Santo António para Bragança?) o que significa muito simplesmente que as transações locais subsidiam as transacções à distância. Não é necessáriamente mau, só é pena que o mesmo tipo de mecanismo não seja exigido, por exemplo no transporte de mercadorias (em que enviar do centro da Europa para a periferia custa bastante mais do que trocar carga no centro da Europa). E claro que eu sei que estas medidas não foram pensadas com o caso Português em ideia, mas sim para minimizar os custos de transações trans-fronteiriças no centro da Europa - em que um habitante do Luxemburgo "não pode" levantar dinheiro nos países vizinhos por causa dos custos de transação, e um habitante Holandês provavelmente não comprará tanto na sua viagem à França se tiver que contar com o custo do levantamento do dinheiro.

    Resta saber se as populações dos países do centro da Europa (nomeadamente a França) estarão dispostas fácilmente a deixar que este tipo de taxas seja aplicado às suas transações nacionais... Uma solução para os bancos que não queiram fazer pagar estas taxas é criar uma gama de cartões "limitados ao país - limitados às caixas desse banco". No entanto conforme já disse, tal apenas ocorrerá se a oposição às taxas a nível local for muito forte.

    JB

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]