gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
Em tempo de recessão o "open source" também sofre.
Contribuído por scorpio em 28-11-01 10:32
do departamento troubled-time$$$$
Verdinhas pls escreve "Um artigo da cnet sobre a forma como as companhias que editam "open source" se estão dar com este periodo de abrandamento da economia. E o artigo diz que se estão a dar mal e que "fechar o software" e "vender" não é a melhor opção... ou pelo menos não gera os resultados esperados. Recomendado! "

Excelente artigo sobre a X-box como se compara à PS2 | Mate o seu browser num instantix  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • pls
  • artigo da cnet
  • Mais acerca Verdinhas
  • Também por scorpio
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    E para os utilizadores... (Pontos:4, Interessante)
    por jmce em 28-11-01 11:32 GMT (#1)
    (Utilizador Info) http://jmce.artenumerica.org/

    As empresas nascem e morrem e o software livre vai ficando. Uma boa licença de software livre é um "seguro" para os utilizadores do software: não apenas o utilizador individual mas organizações e empresas inteiras que apostam no uso de certos conjuntos de ferramentas para fazer o seu trabalho. Com software fechado fica-se bem mais à mercê dos caprichos de marketing e das vulnerabilidades da empresa "dona" dele.

    Algum jornalismo apressou-se a culpar o "open source" pela desgraça de muitas empresas que nele apostaram, em vez de sublinhar actos tantas vezes insensatos dessas empresas numa época em que o dinheiro parecia chover do céu apenas por se usar certas palavras mágicas ("open source" e "Linux" incluídos) e alguns dos mesmos jornalistas despejavam "hype" a torto e direito.

    O artigo cita a ArsDigita, mas é pena que não conte a história de como uma empresa com crescimento bem sustentado durante vários anos e desenvolvendo software livre é demolida pela ânsia de crescer depressa e pelos "venture capitalists": ArsDigita: From Start-Up to Bust-Up (versão no Internet Archive, já que a versão actual apenas refere um acordo posterior entre Philip Greenspun e a companhia).

    Machadadas inuteis... (Pontos:2)
    por Cyclops em 28-11-01 23:32 GMT (#2)
    (Utilizador Info) http://greymalkin.yi.org
    Bem, se se analizar bem as coisas, algumas empresas relacionadas com software livre ou software opensource, teem tido problemas, fatais. Mas isto e irrelevante especialmente se se tiver em conta o numero de empresas de software fechado que teem ido a falencia...

    Mesmo proporcionalmente. Ora bem, nao esquecamos da vantagem que e de que no caso das empresas tradicionais (de software fechado) acaba-se o producto, o suporte, etc, e nas outras nao, o que e realmente uma desvantagem, vendo bem as coisas, que tenham ja saido duas versoes novas do software feito pela Eazel, mesmo depois desta fechar as portas. Realmente, foram a falencia, e mau!

    Esta sugestao de artigo so podia vir de quem vem, quase que se le o tentar dar uma machadadazita, atirando areia para os olhos.
    Como sobrevivem empresas de "open source" ? (Pontos:1)
    por jepm em 29-11-01 2:12 GMT (#3)
    (Utilizador Info)
    Vivam,

    Confesso que tenho dificuldade em perceber como é que podem sobreviver empresas privadas que só produzem software "open source"; se forem fundações percebo perfeitamente.

    Se me souberem explicar, agradeço.

    A ver vamos,

    jepm
    Re:Como sobrevivem empresas de "open source" ? (Pontos:2)
    por pls em 29-11-01 2:24 GMT (#4)
    (Utilizador Info) http://pls.mrnet.pt
    >Confesso que tenho dificuldade em perceber > como é que podem sobreviver empresas > privadas que só produzem software "open > source"; se forem fundações percebo > perfeitamente.

    Teoricamente, porque o modelo de negocios está literalmente por provar como sendo implementável, não produzindo "só" software "open source" mas juntando ao pacote suporte e serviços.

    Na teoria o próprio software é "um serviço" (teoria essa com que eu concordo) e o menos valorizado em termos comerciais (i.e. tudo se baseia de que "essa parte" deve ser "open source"). O "importante" seria então o suporte profissional, os serviços de montagem e assistência técnica, etc. No caso da redhat (exemplo) o "processo de obtenção dos upgrades" é o serviço pago (por oposição ao código que de que são constituidos).

    Neste cenário, em que o código e a sua utilização não custam dinheiro (são "livres" dependendo do que que se entende por ser "livre"), resta o universo de potenciais negocios paralelos.

    Não sou economista. Nos meus servidores utilizo software "open source". O modelo funciona para quem escreve o código? Em termos de pretigio e reconhecimento entre hackers: sem duvida. Como modelo empresarial; tenho muitas reservas...

    PLS

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]