gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
Install-shield chega ao Linux
Contribuído por BladeRunner em 31-08-01 19:41
do departamento installer-for-dummies
Linux BlueNote escreve "Um argumento recorrente quando se fala na adopção do Linux em projectos comerciais é a inexistência de software de instalação "intuitivo" (whatever that means!).
Pois bem, o aparecimento de InstallShield para Linux (e mais algumas plataformas) talvez seja importante para alterar o panorama do mercado de software comercial."

FreeBSD 5.0 daqui a 1 ano... | Trunking ... Bonding ... EtherChannel .... HOWTO??  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • Linux
  • InstallShield
  • Mais acerca Linux
  • Também por BladeRunner
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    rpm is beautiful (Pontos:2)
    por CrLf em 31-08-01 21:21 GMT (#1)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/~cer09566
    Não sei porquê mas estes installers todos bonitos dão-me vontade de vomitar. A principal razão é que se perde completamente o controlo sobre o que é instalado e onde o é instalado, pessoalmente gosto bastante mais do estilo rpm onde temos uma data de pacotes e se pode escolher exactamente o que instalar e onde é depois possível desinstalar sem deixar rasto. E qual é a dificuldade de fazer rpm -qilp <pacote> para ver exactamente o que é e o que contém e rpm -Uvh <pacote> para instalar? Muita dirão alguns, mas para isso é que existe o kpackage ou gnorpm.
    Um installer aceitável, e talvez até desejável, seria um que simplesmente automatizásse este processo, mostrar os pacotes disponíveis com a sua descrição e possibilidade de ver o que contém, e instalar os que fossem seleccionados (no fundo um kpackage ou gnorpm feito wizard). Será que este installshield multiplataforma faz isto ou será que dá um passo atrás no status quo do Linux e faz o mesmo que no Windows, espalhar lixo por todo o lado, algum do qual se mantém depois do programa removido? Se assim é não creio que vá convencer muitos administradores de sistemas (não só os ultraparanóicos como também os "sysadmins" caseiros).

    -- Carlos Rodrigues

    - "I think we can handle one little penguin!"
    - "No, Mr. Gates, your men are already dead!"
    Re:rpm is beautiful (Pontos:2, Interessante)
    por Castanheiro em 31-08-01 22:32 GMT (#2)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/users/fdc10056
    Tudo tem as suas vantagens e as suas desvantages. Eu sou totalmente a favor do apareciemento do installshield para o Linux. Se vou usar? Provavelmente não. Mas não me parece que o objectivo do installshield seja "converter" os sysadmins, os mais paranóicos até compilam tudo o que é pacote, nem usam rpm, quanto mais installshield. Do meu ponto de vista o dito cujo vai ser uma autêntica benção para o newbies que nem nunca ouviram falar dos rpm. Não será melhor instalar algo estilo kde ou gnome com meia duzia de clicks do que duzias de rpm -Uvh * especialmente quando nem sequer se sabe muito bem o que o comando faz? Por exemplo, eu para instalar o kde2.2 só tive que fazer rpm -Uvh --replacefiles *.rpm (Mandrake), mas estou farto de ver na net ppl a queixar-se que os rpm's do redhat têm dúzias de dependencias, pacotes mais recentes que os que o 7.1 trás, se calhar muitas dessas pessoas davam pulinhos de contentes se o pudessem instalar com 3 clicks. Ainda me lembro quando me dava ao trabalho de instalar o gnome, vinha eu todo contente da faculdade com uma zip cheia de rpm's e depois chegava a casa e via que tinha que sacar mais 30 pacotes só por causa das dependencias. Garanto-te que nessa altura eu pagava para ter um installshield à mão...

    Conclusão: Venha o installshield, não vai ser útil para todos os users, muito menos para os sysadmin, mas vão haver muitos "less than powerusers" que o vão adorar.
    Re:rpm is beautiful (Pontos:2)
    por CrLf em 01-09-01 0:52 GMT (#5)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/~cer09566
    O installshield não vai resolver o problema das dependências, esse existe sempre, para o resolver ou sacas as libs necessárias, ou então todos os programas têm de trazer uma distribuição de linux agarrada!
    E relê o meu post original, está tudo lá, eu não disse que um wizard de instalação não é bom, disse só que um installshield alike não é bom.

    -- Carlos Rodrigues

    - "I think we can handle one little penguin!"
    - "No, Mr. Gates, your men are already dead!"
    Re:rpm is beautiful (Pontos:1)
    por Castanheiro em 01-09-01 10:41 GMT (#9)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/users/fdc10056
    O meu entendimento de um programa que se instala através do installshield é algo que trás tudo o que necessita, um pacote (grande por razões obvias) mas que se instale independentemente do sistema onde está a ser instalado, algo estilo staroffice. eerrrrr se calhar foi um mau exemplo, mas acho que deu para perceber o meu ponto de vista.
    outra pergunta: (Pontos:1)
    por Castanheiro em 01-09-01 10:45 GMT (#10)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/users/fdc10056
    Para ti qual é a diferença entre teres um wizard que te instala n pacotes "sozinho" e o comando rpm -Uvh ? Desde que o wizard te dê a hipótese de escolheres o que queres instalar qual é a diferença entre os dois? Que poder extra tens sobre os rpm's q não tens sobre o wizard? O que é que impede que no meio dum spec não venha um rm -fr / ? Não me entendas mal, eu gosto dos rpm's, mas isso de "ter controlo sobre" é um bocado utópico. IMHO.
    Re:outra pergunta: (Pontos:2)
    por CrLf em 03-09-01 1:43 GMT (#18)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/~cer09566
    Jovem, vou repetir: um wizard é bom, agora o installshield não! O installshield é uma boa porcaria mesmo a calhar para o Windows, mas o Linux não precisa dessas porcarias, precisa de algo melhor, mesmo que esse algo melhor não tenha umas quantas mariquices, não interessa, interessa é que funcione melhor.

    Moral da história: à falta de um bom wizard de instalação (quasi-genérico) para Linux, prefiro mil vezes o ("rpm -Uvh" + "prego na vista") do que o installshield.

    PS: Sim, eu não gosto do installshield, mas não sei... quando passado um mês de ter desinstalado um programa qualquer no Windows dou com uma directoria qualquer cheia de ficheiros desse programa... não sei, fico irritado.

    -- Carlos Rodrigues

    - "I think we can handle one little penguin!"
    - "No, Mr. Gates, your men are already dead!"
    Re:rpm is beautiful (Pontos:2, Interessante)
    por zebebado em 31-08-01 23:03 GMT (#3)
    (Utilizador Info)

    Sim, tens todo o direito de pensar assim, mas também tens de perceber que nem toda a gente percebe de Linux. Há que ter um espírito aberto e, primeiro que tudo, se queremos que os utilizadores de Windows mudem para o Linux e afins, não basta só dizer que o sistema é gratuito, completamente livre e pouco exigente em 'hardware'.

    Tenho muitos amigos que ando a tentar convencer a mudar para Linux, mas a quase totalidade deles aponta-me essa questão: existe um instalador 'a la' InstallShield para o Linux? Até agora, disse sempre: não (por muito úteis que sejam, o 'gnorpm' e o 'kpackage' são para o ponto de vista dos 'Windows users' uma espécie de WinZip, com algumas 'featurea' acrescidas). Já nem sequer falo na linha de comandos do 'rpm'. Já perdi a conta do número de vezes que tive que explicar aos meus amigos como se faz 'rpm -Uvh' ou 'rpm -e', etc., mas também não posso por isso passar-lhes um atestado de estupidez. Quando um outro SO já oferece essas características, o que eles podem esperar para mudar de SO é algo que ofereça pelos menos as mesmas 'features', senão mantêm-se na mesma.

    Não podemos estar sempre a pensar que, lá por percebermos de Linux, os outros também tenham. A minha mãe até dá uns toques no Windows, mas nunca na vida me passaria pela cabeça, dada a situação actual, que ela conseguisse o mesmo aproveitamento no Linux. O Linux está num excelente caminho, mas ainda falta algum caminho a percorrer; já falta muito menos do que faltava há um ano atrás. Surpreende-me a evolução do Linux, e cada vez menos coisas me prendem ao Windows. Agora essas pequenas coisas, para um 'end user' com poucos conhecimentos, podem ser um bicho de sete cabeças.

    Eu até nem me importava que os instaladores em Linux fossem pouco mais do que um 'frontend' para o 'rpm', mas que ao menos tivessem o mesmo comportamento que o InstallShield tem no Windows.

    Cheers!
    Re:rpm is beautiful (Pontos:3, Esclarecedor)
    por CrLf em 01-09-01 1:19 GMT (#7)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/~cer09566
    O Linux é alternativa ao Windows, não o próprio Windows...
    Já aqui o tenho dito várias vezes, o Linux não tem a mínima hipótese de bater o Windows no desktop doméstico, o lugar do Linux é o lado do servidor, embedded devices, thin clients e... aí sim um desktop onde pode destronar o Windows... o desktop empresarial (se o Linux se tornar dominante nestas áreas quase leva a Microsoft à morte porque uma grande parte das instalações de Windows domésticas são piratas). Tudo áreas onde pode haver alguém com conhecimentos (mínimos) que possa fazer a vez dos utilizadores na gestão das máquinas.
    É preciso compreender que o Linux é um Unix, é complexo, há mais de 20 anos que assim é e não vai mudar, porque é da sua complexidade (e não complicação, porque até é bastante simples uma vez aprendido) que vem o seu poder. A seguir ao mamilo, tudo na vida é aprendido, não se fazem omoletes sem partir ovos, se se quer usar o Linux e ver porque é que ele é melhor do que o Windows tem de se aprender alguma coisa... é a vida. Levar o Linux ao nível do Windows é perder tudo o que ele tem para oferecer (é perder controlo e ganhar instabilidade e insegurança)... Pode parecer conversa de elite, mas o pessoal do Linux é uma elite que aceita de braços abertos novos membros, é preciso é que eles tenham vontade de aprender e não esperem a papinha toda feita e o rabinho limpo.

    É preciso encarar a realidade, o comum utilizador de computadores não quer saber que sistema operativo usa... nem sequer se importa se crasha ou não, nem usaria computadores se o pudesse evitar... Quer ter o mínimo trabalho possível e quer se queira quer não o Linux não é o sistema indicado para ele.

    Go ahead... flame me!

    -- Carlos Rodrigues

    - "I think we can handle one little penguin!"
    - "No, Mr. Gates, your men are already dead!"
    Re:rpm is beautiful (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 01-09-01 4:40 GMT (#8)

    1. Vês assim grandes diferenças entre o desktop doméstico e o empresarial? Eu não.
    2. Um utilizador comum quer apenas que o computador o ajude a fazer o seu trabalho sem precisar saber que existem irqs, endereços e mascaras de rede, ou decorar toda uma lista de comandos. Isso não quer dizer que o Linux não seja para ele, apenas que precisa da interface adequada.
    3. Um SO com melhor usabilidade não significa necessariamente deixar de ser flexível, o que não é o caso do windows. Não estou a dizer que o Linux não tem uma boa usabilidade, apenas que pode se tornar mais simples para o comum dos mortais, e ainda assim, dar toda a liberdade aos mais experientes.
    4. Eu também não gosto nada da idéia de um InstallShield para Linux. Mas em princípio pela má lembrança do que a gerência (se é que existe) de pacotes no windows.

    Re:rpm is beautiful (Pontos:2, Interessante)
    por Castanheiro em 01-09-01 10:55 GMT (#11)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/users/fdc10056
    E porque é que se deve fechar a porta ao utilizador do estilo "quero é que funcione, não quero saber nem como nem porquê"? Se calhar um utilizador desses depois de se ambientar ao SO vai ganhar interesse pela coisa e tentar aprofundar os seus conhecimentos. Mas de certeza que se um utilizador normal ao experimentar um SO se depara com n entraves à sua produtividade não vai perder tempo a tentar perceber os comos e os porquês, quer é ter um SO pronto a trabalhar, pq é q o Linux não deve ser esse SO? Assim como se escolhe entre o Gnome e o KDE pq é q não se pode escolher entre fazer tudo da forma dificil (a la pata) mas com controlo total, ou fazer tudo com n wizards sem se querer saber o q eles estão a fazer?

    Há 2 tipos distintos de utilizadores de computadores: Os que usam pq são curiosos e gostam do assunto que não se importam de perder uma semana de volta duma cena até perceber como funciona, e o utilizador q usa o PC pq precisa e quer ter o pc pronto a funcionar 30 minutos depois de instalar o SO.
    Pq é q o Linux não deve ser o SO indicado para estes tipos de users e para todos os outros que não se enquadram nos tipos atrás descritos?
    Re:rpm is beautiful (Pontos:2, Esclarecedor)
    por zebebado em 01-09-01 17:25 GMT (#12)
    (Utilizador Info)
    Já aqui o tenho dito várias vezes, o Linux não tem a mínima hipótese de bater o Windows no desktop doméstico

    Porquê? Há uns tempos atrás (1 ou 2 anos atrás) pensava-se que o Linux não teria lugar no 'desktop', ponto final. O tempo veio a provar o contrário com grandes trunfos (KDE, Gnome, etc., etc.).

    Ainda me lembro do tempo em que peguei pela primeira vez no Linux. Foi em 1997, e nessa altura foi através da instalação do Red Hat 4.1. Ainda foi relativamente complicado pô-lo a funcionar na minha rede doméstica, mas lá consegui, gastando para isso uns dias. Entretanto na altura tive alguns problemas com ele e passei para Slackware 3.1, porque na altura suportava mais 'hardware' do que eu tinha (na altura em que o Slackware tinha 'kernels' mais recentes que o Red Hat).

    Durante alguns meses, estive a trabalhar em X com o fvwm. Esses tempos não se podem dizer que tenham sido os mais agradáveis, mas sobrevivi. Agora levar no Linux cerca de 1 hora até conseguir configurar toda a infraestrutura é bastante complicado. Nessa altura não tinha grandes esperanças em relação ao Linux.

    Contudo, no fim de 1997, descobri por acaso um 'link' a apontar para um projecto novo na altura chamado KDE (foi na altura da 1.0beta1). Fiquei maravilhado, um ambiente que tinha uma aparência e comportamento minimamente semelhantes ao Windows. Desde então não usei outra coisa. Passei a intervir mais activamente nesse projecto (fazendo 'download' de 'snapshots' dos pacotes do KDE com alguma regularidade, inscrevendo-me nas 'mailing lists', traduzindo o KDE em si para Português em conjunto com um amigo meu). A conclusão a que chego, em Setembro de 2001, é que temos algo neste momento que tem tudo para vencer, e ocupar o lugar do Windows no 'desktop', não só no 'desktop' empresarial, como tu dizes, mas também no 'desktop' doméstico.

    Convém deixar claro que não quero ser faccioso ao KDE. O GNOME também me agrada bastante, em certos aspectos está mais maduro do que o KDE. O problema é que programar para GNOME implica usar C (a não ser que use 'toolkits' auxiliares como o gtk-- entre outros). O facto do KDE se basear no Qt que é uma biblioteca de C++ muito bem desenhada, e o próprio código do KDE estar também muito bem estruturado, fez com que eu aprendesse muito mais depressa a desenvolver código em KDE do que em GNOME.

    Todos os dias assisto no Freshmeat e afins à criação de miríades de aplicações diversas (jogos, aplicações de produtividade, entretenimento, em resumo, tudo o que se vê no Windows). Graças a essas aplicações vou sentindo menos falta do Windows.

    Finalmente, não podes censurar o 'end-user' doméstico, que lá porque não está para aprender Linux em menos duma semana e que por isso tem de recorrer a uma versão pirata do Windows. Mais, existem pessoas que gostariam de experimentar um SO não-Microsoft, mas que não sabem qual a alternativa; quando temos Linux's, FreeBSD's, NetBSD's, etc., etc.), já para não falar do Linux sub-dividido entre distribuições (Red Hat, SuSE, Mandrake, Slackware, Debian...). Essas pessoas precisam de ser orientadas e esclarecidas. Muitas simplesmente não sabem porque não têm amigos que lhes ajudem nesse aspecto, e por isso é mais do que natural que se sintam receosos e inertes à mudança. Para essas pessoas, algo que se pareça com o Windows, seja só carregar uns botões para desencadear certa acção, é mais do que suficiente. Nem que o carregar desse botão, por trás, faça 'rpm -Uvh ...) :-)

    Não me leves a mal pelos meus comentários. Eu tou de acordo com muitas cenas que falas, mas temos que ter um espírito aberto, e já agora se possível, contribuir de alguma maneira para que o Linux se desenvolva ainda mais. Pior do que ter algo que se possa desenvolver mais, é ter os conhecimentos para tal e não fazer nada porque não nos apetece.

    Linux Rules!


    Re:rpm is beautiful (Pontos:2)
    por CrLf em 03-09-01 1:28 GMT (#17)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/~cer09566
    Eu não faço futurismo, por isso não posso dizer que o Linux não se poderá tornar num excelente SO para o utilizador doméstico, só digo que tentar fazê-lo imitando o Windows é um erro. O Windows baseia a sua suposta facilidade na estupidificação e falta de qualidade, o Linux não pode ir por esse caminho. E neste momento o Linux não está minimamente preparado para enfrentar o desktop doméstico, o utilizador comum não tem conhecimentos para tal... é pena (nos tempos do DOS não tinham outro remédio senão aprender mas agora ninguém está para isso). Por isso eu faço distinção com o destop empresarial, numa empresa pode haver alguém que instale e mantenha as máquinas, e como os utilizadores não têm nada que mexilhar nelas, só têm que fazer o seu trabalho, o Linux está perfeitamente à altura do serviço. Dessa maneira até vão aprendendo que existe mais do que apenas a Microsoft, e talvez até se decidam a aprender mais qualquer coisa e instalar o Linux em casa.
    O que me chateia é estar toda a gente preocupada em atingir aquela que é a área mais dificil (quase impossível) de atingir, esquecendo-se daquilo que trouxe o Linux onde ele está e que lhe deu a credibilidade que tem, a vontade de fazer algo bem feito para resolver problemas que tinham de ser resolvidos sem se importar com maluquinhos do marketing e semelhantes criaturas. Daí vem a febre do eye-candy que assola alguns windowmanagers e desktops, saiu-se de uma altura em que tudo era austero, comandos com mil e uma opções, mas que funcionavam e bem, para uma mania insuportável de fazer porcarias para impressionar os mais incautos, que não servem para mais nada. O meu conselho é: funcionalidade e usabilidade primeiro, facilidade de utilização (abaixo - ou acima - de um certo nível) depois, a preocupação de chegar ao utilizador mais simples devia ser a menor das preocupações, porque assim quando (e digo quando) se lá chegar chega-se com o melhor dos dois mundos e não como uma reles imitação do (já reles) Windows.

    (...)O problema é que programar para GNOME implica usar C (...). O facto do KDE se basear no Qt que é uma biblioteca de C++ muito bem desenhada, e o próprio código do KDE estar também muito bem estruturado, fez com que eu aprendesse muito mais depressa a desenvolver código em KDE do que em GNOME.

    Eu não acho que o C seja um problema, do que eu sei de QT e GTK+ continuo a preferir o GTK+, apesar de admitir que o QT tem algumas funcionalidades que faltam ao GTK+ (muitas das quais vão chegar com o GTK+ 2.0). O GTK+ é um bom toolkit e o facto de ser em C é uma vantagem, uma vez que lhe permite ser mais portável do que o QT (porque o suporte de C++ em algumas plataformas não é lá muito bom) e porque torna a criação de bindings para outras linguagens muito mais fácil.
    Agora quando dizes que o código do KDE está muito mais bem estruturado... isso é uma verdade indiscutível, apesar de a maior parte das bibliotecas que compõem o GNOME serem bastante boas a sua integração deixa muito a desejar, cada cabeça sua sentença e cada biblioteca suas regras. Aprender a programar para o GNOME é aprender cada uma das bibliotecas que o constituem enquanto que no KDE se sente tudo como um todo de modo que aprender uma nova parte dele é mais fácil. É uma falha do GNOME, deviam assumir regras de estilo mesmo para a API, à semelhança do KDE. É que como dizia Waldo Bastian (uma das figuras da frente do KDE) há algum tempo na mailing list, a verdadeira força do KDE não está (ainda) na interface, está na API.

    (...)Linux Rules!

    Mas alguém ainda duvida disso? Rula mas é pelas suas próprias capacidades não é por imitar os outros. "Don´t innovate, imitate" não é uma boa prática.

    -- Carlos Rodrigues

    - "I think we can handle one little penguin!"
    - "No, Mr. Gates, your men are already dead!"
    O que vai ser a seguir? (Pontos:1)
    por elmig em 31-08-01 23:19 GMT (#4)
    (Utilizador Info) http://www.alunos.ipb.pt/~ee3931/
    InstallShield em Linux?! O que vai acontecer a seguir? Visual Basic Linux? vbrun_xxx.dll? dll hell? Não é suposto os utilizadores de linux terem um QI superior a uma garrafa de maionaise vazia? Desculpem o desabafo mas acho que a excelencia de linux está a ser manchada por coisas que nada interessam à comunidade linux. Claro que é bom Linux tornar-se mainstream mas serão os ports de outros OS bons para o futuro de linux? Não é suposto ser uma boa alternativa (e não a mesma coisa)? Não haverá uma tentativa de diluir linux no hábito (de muitos) de usar Win? Espero que os vicios de Win demorem a chegar a Linux.
    "Big brother is watching you, and little brother is too. When big brother goes to sleep, little brother goes through his stuff."
    Re:O que vai ser a seguir? (Pontos:1)
    por zebebado em 01-09-01 17:44 GMT (#13)
    (Utilizador Info)
    Visual Basic Linux? vbrun_xxx.dll? dll hell?

    Por acaso já começas a ter implementações de Basic em Linux, e não são poucas. Quanto à questão de DLL's, o que é que têm? Já os tens no UNIX, e chamam-se '.so'. Quanto á dependência de ficheiros e pacotes também a tens no Unix e não morreste ainda por causa disso. O Gnome que depende do GTK, o Python que tem 'runtime libraries', etc. Queres mais exemplos?

    Não é suposto os utilizadores de linux terem um QI superior a uma garrafa de maionaise vazia?

    Deixa de passar atestados de estupidez às outras pessoas. Não ficam nada bem comentários desses lá porque tu até tens um palmo de testa e tiveste-os no sítio para arriscar e instalar Linux uma primeira vez.

    a excelencia de linux está a ser manchada por coisas que nada interessam à comunidade linux.

    Porque não interessam? No que respeita a facilitar o uso do Linux não há nada que manche o Linux, quanto muito que o prestigie ainda mais e que cative ainda mais utilizadores.

    Há aqui uma grande confusão de conceitos. Quando se falam dessas coisas, estamos a falar de coisas bem definidas que embora complementem o SO, não fazem parte integrante dela. O Linux não é o Windows, e isso está bastante claro. Quando instalas Linux, não és obrigado a instalar o X. Quando instalas o X, não és obrigado a instalar o KDE ou o Gnome. É essa modularidade e é a possibilidade do utilizador poder escolher o que quer no Linux que o engrandece.

    Agora não podemos é condenar projectos como este, que vêm cativar ainda mais gente para o Linux. O que é que tem se não são tão cromos como nós? Podem dar ideias e sugestões de usabilidade às pessoas que desenvolvem o diverso 'software' existente, não concordas?

    Espero que os vicios de Win demorem a chegar a Linux.

    Pelo resto da minha resposta, deves perceber que tou em total desacordo com a tua frase. Não tou a dizer que o Linux deva copiar más ideias do Windows, como Registry's e afins, mas não considero de todo ideias inovadoras para o Linux como disparatadas.


    Re:O que vai ser a seguir? (Pontos:1)
    por elmig em 01-09-01 22:27 GMT (#14)
    (Utilizador Info) http://www.alunos.ipb.pt/~ee3931/

    embora existam algumas similaridades entre Linux e Win não quer dizer que tenham de ser iguais. Por exemplo IMHO nao existem tantos problemas com os .so como nos .dll

    Isto é uma coisa boa, nao vale a pena copiar. Eu vejo linux como um produto de qualidade rodeado por outros produtos de sucesso. Por exemplo o kernel 2.4.x e o premiadissimo Apache sao um exemplo - incomparavel com o IIS de win

    Quando falam em InstallShield nao vejo qualidade e não o desejo para Linux.

    Linux, hoje em dia, é um produto extremamente acessivel, fácil de usar (!) e com um bom suporte na Internet. é certo que ainda nao aparece no Acontece mas quem tiver acesso à net pode ter linux e fazer dele "o que quizer".

    Talvez me tenha exprimido mal mas a ideia base é que para linux devem existir produtos de qualidade e originais, quanto ao Win não sou contra a existencia deste OS nem vejo o Bill como o anti-Cristo mas acho que tem grandes falhas.


    "Big brother is watching you, and little brother is too. When big brother goes to sleep, little brother goes through his stuff."

    Re:O que vai ser a seguir? (Pontos:1)
    por Lowgitek em 01-09-01 23:25 GMT (#15)
    (Utilizador Info) http://www.ideiasdigitais.co.pt
    Tens duas muito boas hipoteses podes usar ou podes não usar simples quanto isto para que esse desabafo tremendo ? Coisa que no windows não acontece, e em relação ao mesmo no linux não vejo o porque não pode existir uma outra ferramenta e não acredito que va tudo mudar de uma hora para o outro a ponto de exterminar o que la existe, sendo assim, não vai haver perigo de uma exterminação do que existe de bom so mais uma opção.
    doooom... (Pontos:2, Engraçado)
    por urgan em 01-09-01 1:03 GMT (#6)
    (Utilizador Info)
    A seguir vamos ter um registry. Sim, sim. Onde é que já se viu ficheiros de texto para configuração ? Assim qualquer pessoa os pode editar, e convenhamos é muito melhor pôr tudo no mesmo ficheiro.
    /usr/Program Files/Company/WhizSomething/MyEXE.exe

    Muito bonito.
    DUH!!!! (Pontos:1)
    por McB em 14-09-01 11:26 GMT (#19)
    (Utilizador Info)
    Acho que há aqui gente tão 3l33t que não consegue ver mais do que a sua capacidade para programar, compreender um S.O., etc., e que por isso pensa que TODOS os outros utilizadores, que não se estão para dar ao trabalho, são uma cambada de gente com QI de atrasados mentais que não sabem somar 2+2.

    • Pois bem, a toda essa gente: já pensaram em ESCREVER melhor (os meus parabéns, porque os comentários deste artigo não se encontram PEJADOS de erros ortográficos)?
    • Já pensaram que se vocês acham que quem não sabe o que é um IRQ ou uma placa de rede é um imbecil, são visto da mesma forma por um gajo de história que vos pergunta o ano em que foi descoberto o caminho marítimo para a Índia e vocês não sabem?
    • ou um gajo de Português que vos pergunte porque é que escrevem "á" e não "à" ("à" como a contraccção entre o artigo definido "a" e a proposição "a"...) HELLO, anyone? GRAMÁTICA NÃO É SÓ LEX/YACC!!! EXISTEM OUTRAS GRAMÁTICAS!. Existem VÍRGULAS e pontuações para pôr nas frases! Desculpas de que "Bah, estava com pressa, nem estava a pensar nisso..." Pois, fazem um ls -lsa|perl -e mais depressa do que sabem dizer o plural de "capitão"

    E a vossa resposta em relação a essas pergutas que vos fazem e não sabem/respondem mal é:? why would I care????
    DUH!
    Pois bem, muito menos o "resto do mundo" NÃO QUER SABER também o que é um IRQ, ou uma NIC, whatever...

    Se as pessoas que usam a informática para falar com os amigos pela web ou para puxar por e-mails as anedotas que lhes enviaram, e não se importam que o computador deles vá abaixo de hora a hora, FINE FOR THEM!
    Agora, desejam continuar a fazer do Linux um S.O. de 3l33t!?!?!? Desejam continuar a ser a ELITE nos S.O., os cromos que pensam que sabem tudo?

    Desculpem o meu tom irritado, mas enfie a carapuça quem quiser. No universo M$ irrita-me muito mais monopólios e práticas concorrenciais ilegais do que S.O.s MAUS...
    Isto pode parecer off-topic, mas no que diz directamente respeito ao InstallShield...

    1) não gosto de ver S.O.s pejados de lixos como é o Windows

    2) gosto de ter controlo sobre o que faço

    3) não gostava de ver o Linux a perder qualidade em detrimento de facilidades MAL implementadas

    Mas isso não significa que se comparem os utilizadores que digam que "O linux é muito complicado" a animais de má fama, ou obectos sem inteligência própria...

    Yours,
    McB!

    They told me it need Windows 95 or better, so I chose Linux

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]