gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
Este rapaz vai longe...
Contribuído por AsHeS em 14-09-00 21:23
do departamento One-more-step-
News Gamito escreve "O site time.com da revista com o mesmo nome, elegeu Miguel de Icaza como um dos 100 mais influentes inovadores para o séc. XXI.
Aqui está o artigo onde se apresenta o rapazinho e se coloca o enfase no Gnome como o Santo Graal do desktop para Linux.
"
[AsHeS] Estão tambem em destaque, Rob Malda (slashdot), Joseph Park, Alan Rossmann, Steve Stanford e Sherry Turkle.

KDE finalmente na Debian | gcc > 2.7.2.3 + Kernel. Seguro?  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • Linux
  • gildot
  • Rob Malda
  • Gamito
  • time.com
  • Aqui
  • slashdot
  • Mais acerca News
  • Também por AsHeS
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    Helix gnome!!! (Pontos:1)
    por Silver_Surfer em 14-09-00 22:29 GMT (#1)
    (Utilizador Info) http://www.zopers.org

    Eu sabia que algum dia tinha de acertar em cheio!!!

    Estou a usar o Helix Gnome ah algum tempo e eh simplesmente fenomenal.


    ==========
    Hugo Ramos - hugo@zopers.org
    ZopersORG - www.zopers.org

    Re:Helix gnome!!! (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 15-09-00 8:40 GMT (#5)
    Até que que enfim, que dizes qualquer coisa acertada ;)
    Re:Helix gnome!!! (Pontos:1)
    por Silver_Surfer em 15-09-00 12:50 GMT (#7)
    (Utilizador Info) http://www.zopers.org

    Silently ignored...


    ==========
    Hugo Ramos - hugo@zopers.org
    ZopersORG - www.zopers.org

    Re:Helix gnome!!! (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 17-09-00 14:02 GMT (#15)
    Essa foi tao "silent" como o berro "SPOOOOOOOOOOOOORTING!" numa reuniao de negocios...
    Re:Helix gnome!!! (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 15-09-00 13:38 GMT (#8)
    Acertar em cheio com a cabeça onde ? Num muro ?
    Ainda bem que resultou... já era tempo de dizeres umas coisas uteis.
    Entrevista (Pontos:2)
    por Gamito em 15-09-00 0:21 GMT (#2)
    (Utilizador Info)
    Já agora, está aqui uma espécie de entrevista com o dito Miguel e o Net Friedman, onde vem à baila o trinómio Gnome/Helix/$$$ e onde se fala de outras coisas interessantes, como o StarOffice, por exemplo.
    Cumprimentos,
    Mário Gamito
    "Linux programming language" ?? (Pontos:1)
    por [WaR] em 15-09-00 0:44 GMT (#3)
    (Utilizador Info) http://www.GenHex.org/
    No artigo sobre o Malda dizem que ele é adepto da linguagem de programação linux... Alguém conhece ? :))

    - [WaR]
    ACKnowledge my SYNs
    Inovação (Pontos:2, Interessante)
    por pyro em 15-09-00 8:33 GMT (#4)
    (Utilizador Info)
    Inovação no sentido MS do termo: fazer o mesmo que (reparem que eu até poderia ter dito "pior que" mas é melhor nem acender essa fogueira...) os outros e publicitar melhor.

    Se bem que é compreensivel, como o seculo XXI ainda nem sequer começou (e é melhor também não acender essa fogueira...) até qualquer um dos nabos do BB@tvi (e é melhor também não acender essa fogueira...) podia constar na lista como maior inovador no entretenimento do povo.

    Re:Inovação (Pontos:3, Interessante)
    por Gamito em 15-09-00 12:14 GMT (#6)
    (Utilizador Info)
    Viva!

    Vamos esperar pelas versões 2 do kde e do Gnome (ainda falta um bocado para esta) e depois conversamos. Eu por mim estou com um pé no próximo kde 2 e outro no actual Gnome.

    Anyhow, parece-me que tanto flamaram o kde por causa da licença da QT e ou muito me engano ou o Gnome vai ter um futuro muito mais mercantilista.

    A ver vamos todas estas coisas, se Deus quiser.


    Cumprimentos,
    Mário Gamito
    Re:Inovação (Pontos:1)
    por vaf em 15-09-00 17:38 GMT (#10)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/users/vaf12086/
    Humm...

    O GNOME, agora com a GNOME Foundation decerto vai levar grandes melhorias, como vimos no artigo que bem apontaste, mas não sei como é que poderá a ser mercantilista-no-mau-sentido.

    Com as contribuições da SUN, da IBM e das outras (já me esqueci quais são... :-) ), ele vai dar um grande passo em frente. Vai cada vez tornar-se mais robusto, mais bonito e mais universal.

    É justamente aqui que reside a sua grande mais valia. Quando daqui a uns anos tivermos um desktop que é o mesmo em Solaris (AIX também, não é?), FreeBSD, Linux (algumas distribuições) e em alguns handhelds, então aí haverá ainda mais gente a apostar no GNOME.

    Mas se gostam do KDE, que usem, longe de mim criticar isso, apenas considero-o feio e inconsequente. Mas isso é a minha opinião. :-)

    Agora vejamos uma coisa: se não houvesse de vez em quando estas picardias entre GNOME e KDE, Emacs e Vim, Sendmail e Qmail, etc, qual era a piada disto tudo? Temos de saber gerir a nossa brincadeira com o trabalho e brincar quando podemos sem que ninguém se chateie com isso.

    É tão bom discutir um pouco... :-)

    Cumprimentos,

    Vasco Figueira
    Mas... o KDE é horrendo!!! (Pontos:1)
    por BlueNote em 15-09-00 16:39 GMT (#9)
    (Utilizador Info)
    Eu não tenho nada contra a QT nem o KDE mas assim que o GNOME atingiu uma versão estável... mudei logo!!! Afinal de contas, o KDE em frente do GNOME é simplesmente HORRENDO! Eu até via mais vantagens num KDE GPLed, nomeadamente o made in Europe, mas não dá... detesto aquele visual tão MSoftiano e a importação do que pior tem a interface do windows como os ambientes com browser integrado no file manager e um só click para abrir pastas e atalhos... blllllaaaaaaaaaaarrrrgh!!! Já para não falar que o xterm do kde tem umas cores mesmo *puá* !

    P.S. : pode ser que na 2.0 se emendem???
    P.s.2: será que acendi uma das fogueiras?? ;-)


    Re:Mas... o KDE é horrendo!!! (Pontos:2)
    por Gamito em 15-09-00 19:19 GMT (#11)
    (Utilizador Info)
    Viva!

    Eu também concordo que o kde 1 é horrendo. Também uso o Gnome. Também partilho da tua visão em relação a preferir produtos "Europe made", mas... já viste os screenshots do kde "pré-2"?


    Cumprimentos,
    Mário Gamito
    Não é o aspecto que interessa: (Pontos:2, Informativo)
    por su- em 16-09-00 2:38 GMT (#12)
    (Utilizador Info) http://projecto-oasis.cx:81/~su-
    Na guerra entre o KDE e o Gnome, não é o aspecto gráfico geral que mais interessa. Sob esse ponto de vista ambos os desktops até estão a evoluir bastante bem. A grande diferença entre o KDE e o Gnome está nas tecnologias utilizadas no seu interior, mas isso escapa à grande maioria dos utilizadores. Quando a primeira versão do KDE foi criada, os autores limitaram-se a tentar criar um desktop relativamente parecido com o windows, no menor espaço de tempo possível. Foi por essa razão que escolheram o Qt, com todos as limitações de licenciamento que já eram plenamente conhecidas e praticamente restringiram a linguagem de programação usada para fazer aplicações para o KDE ao C++. Apesar de eu achar o C++ uma linguagem espectacular (é a que eu uso), penso que um ambiente de desktop jamais deverá forçar os programadores a usar uma unica linguagem de programação, pois nem sequer em Wind*ws isso acontece. Pelo contrário, o Gnome começou a ser planeado de uma forma bastante mais coerente desde o início: - Foi escolhido o toolkit gtk+, que pode ser utilizado com qualquer linguagem de programação e não tem problemas de licenças. - Desde o início que houve planeamento no sentido de criar um modelo de componentes, que permitem reutilizar objectos do próprio desktop e das aplicações, dentro de outras aplicações. Desta forma, torna-se extremamente fácil criar novas aplicações tirando partido das aplicações que já existem, embebendo objectos de outras aplicações. Após ter sido lançada a primeira versão do Gnome, a equipa de desenvolvimento do KDE reagiu, afirmando que também iriam desenvolver o seu próprio modelo de componentes (Kparts). Contudo, só tomaram esta decisão após verem o que se passava no Gnome. O modelo de componentes do Gnome (Bonobo) utiliza uma arquitectura/tecnologia de partilha de objectos chamada CORBA. O CORBA permite criar aplicações distribuidas, que utilizam objectos localizados em computadores remotos (pela rede). Devido a este facto, o CORBA torna as aplicações um pouco mais lentas e mais pesadas que as aplicações normais (só com objectos locais). Contudo, o facto de permitir criar aplicações distribuidas, contendo componentes localizados noutros computadores, vem permitir criar uma arquitectura muito semelhante ao que a MS pretende fazer com o .NET. Por exemplo, podem imaginar uma aplicação de comercio electrónico, composta por vários componentes: componentes que gerem os stocks/preços/etc. das lojas onde pretendemos comprar produtos e componentes de pagamento, que gerem as transferencias bancárias. Se a dita aplicação utilizar CORBA, os componentes / objectos encarregados pela gestão de stocks/preços estão localizados nos servidores das próprias lojas, enquanto que o componente de pagamentos/transferencias bancárias está localizado no computador do nosso banco. Mais uma vez, os autores do KDE revelaram a sua falta de visão: Como o CORBA torna as aplicações ligeiramente mais pesadas e mais lentas (requerem mais RAM) deixaram de o utilizar. Em, vez disso, desenvolveram uma tecnologia de componentes local, que não permite utilizar directamente objectos/componentes remotos. Ou seja, no modelo de utilização actual em que as aplicações funcionam somente com componentes locais, o KDE funciona melhor. Contudo, se pensarmos num modelo futuro, em que vamos ter cada vez mais aplicações distribuidas, que funcionam sobre a internet para permitir utilizar serviços remotos, o Gnome apresenta-se como uma solução bastante melhor. Na verdade, a tecnologia empregue no Gnome está tão avançada que está vários anos à frente do .NET: o Gnome/bonobo vão estar disponíveis para o ano, enquanto o .NET só daqui a 3 ou 4 anos.
    Re:Não é o aspecto que interessa: (Pontos:2)
    por Gamito em 16-09-00 10:50 GMT (#13)
    (Utilizador Info)
    Viva!

    Concerteza que farás o favor à minha (pouca) inteligência de não concluires das minhas palavras anteriores que eu julgo os desktops pelo aspecto :-)
    A conversa simplesmente descambou para aí. Senão, até poderíamos ficar pelo Win98/2000.

    Quanto à gtk+ e à QT, eu não sou especialista em programação. Escrevo umas linhas de C para umas coisitas minhas e chega. Mas também já ouvi/li alguns "experts" afirmarem que a gtk+ é uma "mess" comparada com a QT.
    Bem, mas isso não posso discutir contigo. Não tenho pedalada

    Cumprimentos,
    Mário Gamito
    Re:Não é o aspecto que interessa: (Pontos:1)
    por su- em 16-09-00 11:53 GMT (#14)
    (Utilizador Info) http://projecto-oasis.cx:81/~su-
    Realmente, implementar um toolkit "object oriented" em C, não é propriamente a solução mais limpa do mundo... Se tivesse sido tudo feito em C++ ficavam muito mais limpo e nalguns casos tinha dado muito menos trabalho. Por exemplo, o mecanismo de herança de classes e os métodos virtuais, tiveram de ser implementados "á mão", usando pointers-para-função. Mas isso já era o que acontecia com o Xtoolkit original e o Motif. É o preço a pagar por ter um toolkit independente da linguagem de programação. Contudo, do ponto de vista funcional, os Widgets do GTK+ são espectaculares. A ideia de utilizar «containers» do tipo frame é excelente, porque permite gerir a geometria dos objectos automaticamente sempre que o utilizar faz resize a uma janela ou caixa de diálogo. Em todos os outros toolkits que utilizei anteriormente (Xtoolkit+Xaw, Motif e Win32), a gestão do resize das janelas tinha de ser feita à mão pelo programador, ou então era necessário andar a gerir listas horriveis de "attachments". No GTK+ isso é feito automaticamente (de forma transparente para o programador) pelos containers GtkBox. Relativamente à qualidade do código de necessário para fazer a interface gráfica das aplicações, isso já nem sequer é relevante: hoje em dias utiliza-se o Glade, que é um programa que permite desenhar toda a interface gráfica utilizando o rato e depois gera logo o código fonte na linguagem preferida do programador: C, C++, Perl, Ada, Eifel, etc. Desta forma, é possivel desenhar a interface gráfica de uma aplicação sem sequer ter de olhar para o código fonte responsável pela criação dessa mesma interface gráfica. Em alternativa, o glade gera ficheiros em XML com uma descrição da interface gráfica, que podem ser carregados pelas aplicações em "run-time", usando a libglade.

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]