gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
Manifesto P3M
Contribuído por ajc em 20-07-00 9:49
do departamento mais-e-melhor
Portugal Depois de muito se falar no assunto, finalmente se vai avançar com uma iniciativa conjunta dos principais grupos que se dedicam ao Linux em Portugal com o objectivo de fazer um lobby eficaz para a divulgação do nosso sistema operativo. O Paulo Trezentos é o principal cabecilha da coisa. Vejam o "press-release" no desenvolvimento e depois assinem o manifesto.
Manifesto P3M

Os vários grupos de utilizadores de Linux portugueses (Gul, Gil, GilDOT, Poli, Plug e Reino Linux) lançaram hoje (20/7/2000) um manifesto que visa chamar a atenção para o Linux e, mais genericamente, para o movimento Open source.

O Manifesto P3M (Portugal Merece Mais e Melhor) pretende informar e esclarecer quanto às possibilidades do Linux como sistema operativo alternativo aos actuais existentes no mercado.

Mais informações acerca do manifesto podem ser recolhidas em http://p3m.gul.pt

A par do manifesto, estão a ser recolhidas assinaturas através do site web, com vista a serem entregues nos principais orgãos de soberania e junto de associações empresariais.

Experiências com o XFree 4.0.1 | Tio Bill no negocio dos vinhos  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • Linux
  • http://p3m.gul.pt
  • Mais acerca Portugal
  • Também por ajc
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    P3M? (Pontos:1)
    por ravintola em 20-07-00 10:06 GMT (#1)
    (Utilizador Info) http://www.di.uminho.pt/~psa
    P3M (Portugal Merece Mais e Melhor)
    Não devia ser antes PM3? :)
    Re:P3M? (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 10:37 GMT (#6)
    Minha gente, ora leiam PMMM comigo em voz alta:

    pê... três... émes! P3M!

    M cubed?!?!?! Oh meujamihojej não havia...

    Re:P3M? (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 14:34 GMT (#13)
    Oh meu amigo.. le em voz alta comigo...
    W W W.... w3.org... conheces ? Nao é 3w.org por alguma razao...
    Re:P3M? (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 15:15 GMT (#16)
    Que argumento esmagador... Fica lá com o cavalo!
    Re:P3M? (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 17:47 GMT (#29)
    Vamos então, ler de novo:

    P3M, Pê três eme
    w3.org, dubliu três org (vulgo dubliu three org)

    Continua a ser razoável ...

    E para baralhar ainda mais, que tal:

    P3Ms, Pê três emes !

    Re:P3M? (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 17:54 GMT (#33)
    w3.org vem de w3. E w3 vem de WWW... get it ? Portanto... MMM segundo este exemplo seria m3
    Re:P3M? (Pontos:1)
    por jmce em 20-07-00 15:18 GMT (#17)
    (Utilizador Info)
    Tenho visto quase sempre uma "contraccao"
    feita a partir da potencia:

    PMMM -> PM^3 -> PM3 [confundivel c/ MP3? :-) )

    A contraccao PM*3 -> P3*M -> P3M [mais perto
    de P300 :-) ] e' muito mais rara, se e' que alguma vez a vi (na marca 3M? 3A=AAA nos EUA?)
    Por acaso pensei logo o que quereriam dizer com PPPM. Mas enfim, what's in a name...
    Re:P3M? (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 17:51 GMT (#30)
    E que tal: PM&M&M, com sabor a chocolate (duas vezes) :)
    Numero do BI (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 10:17 GMT (#2)
    É mesmo necessário ter os BIs online na listagem?
    Re:Numero do BI (Pontos:1)
    por Tintim em 20-07-00 10:25 GMT (#4)
    (Utilizador Info) http://paulo.trezentos.gul.pt
    O numero do BI destina-se a poder servir de confirmacao da identidade da pessoa. Para alem disso, transmite um maior sentido de responsabilidade ao acto da pessoa ao assinar.
    O BI e' +- publico se pensarmos q e' disponibilizado em editais (por exemplo, listas dede recrutamento militar, recenseamento eleitoral, casamento, etc...) e em outros documentos oficiais.
    []'s.
    Re:Numero do BI (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 10:35 GMT (#5)
    Sim, não questiono a necessidade de o n. BI fazer parte dos dados. Questiono a sua publicação de forma a permitir o seu tratamento automático. É um bocado mais difícil com editais nas vitrinas da junta de freguesia...
    Re:Numero do BI (Pontos:2, Interessante)
    por jmce em 20-07-00 15:24 GMT (#19)
    (Utilizador Info)
    Que tal fazer como em alguns outros manifestos e esconder online alguns elementos mais sensiveis (neste caso o BI) entregando-os apenas nas copias impressas... ? Sempre e' um bocadinho menos facil de coleccionar.
    Re:Numero do BI (Pontos:1)
    por Tintim em 20-07-00 16:08 GMT (#26)
    (Utilizador Info) http://paulo.trezentos.gul.pt
    Boa ideia! Vamos fazer isso...

    (quem disse que o gildot nao e' uma ferramenta excelente de trabalho em grupo :-) )

    Re:Numero do BI (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 17:52 GMT (#31)

    Caro Tintim,
    Com todo este imbroglio `a volta do numero do BI, eu como emigrante ilegal, vejo-me privado de dar a minha pequena contribuicao, quica irrisoria, em todo este processo.
    Chamar-se-ia a isto discriminacao burocratica...

    Cumprimentos,
    Um angolano residente em Portugal


    Re:Numero do BI (Pontos:1)
    por Tintim em 20-07-00 18:03 GMT (#35)
    (Utilizador Info) http://paulo.trezentos.gul.pt
    Caro Angolano Residente Em Portugal,

    Nao tens desculpas para nao assinar ;-)
    Como podes ver na lista, 'a falta de BI e' possivel utilizar outro documento oficial identificativo. Exemplo: CRT portuguesa, Passaporte angolano,...
    Indica so' qual o tipo de documento e o numero. Pass.Angolano N. 112012012.
    Um abraço

    Re:Numero do BI (Pontos:1)
    por jamaica em 22-07-00 2:00 GMT (#44)
    (Utilizador Info) http://ainda.nao.tenho
    BI's online ? nunca na vida =)

    ---------------------

    do rio que tudo arrasta diz-se que é violento.

    mas ninguem diz violentas as margens que o oprimem

    Legitimidade e força (Pontos:1, Interessante)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 10:24 GMT (#3)
    Para evitar estar a repetir uma carrada de texto, acho que o Paulo nao se importa que eu reproduza aqui alguns comentarios que trocamos por email relativos a este assunto e que expoem e minha opiniao.

    >venho convidar-vos a assinar o manifesto >P3M: http://p3m.gul.pt

    Dois pontos pequenos:

    - nao devia ser antes PM3 (PM cubed) ? em vez de P3M ?

    - [deleted]

    Um ponto grande:

    - alguma das entidades referidas (GUL, Gil, Poli, Plug) como promotoras do documento e que suportam (para ja') o proprio documento (Gul) tem existencia legal efectiva ? Se sim, obviamente que assinarei o documento. De outra forma parece-me que a sua assinatura sera' pouco efectiva, tendo mais resultados mediaticos (jornais e etcs) do que resultados praticos na mudanca das mentalidades das empresas que verao o manifesto na sua forma actual como uma brincadeira. Se este e' o caso (nao existe a forca de uma entidade com existencia legal), nao pretendo assinar o documento, ja' que nao quero estar associado em termos empresariais com este tipo de iniciativas mal alinhavadas (ja' me chegou a FFE) e nas quais nao e' claro qual o objectivo final e quais os seus beneficiarios.

    Como sabes este ponto ja' foi por nos discutido em varios espacos fisicos e virtuais :-) e para mim e' condicao sine qua non para compromissos claros e competencias definidas.

    >Deixa-me discordar, apesar de respeitar a tua opinião. >A eficacia do documento depende do numero de pessoas que o subscreve, >enquanto cidadoes. >Como sabes, qualquer grupo de cidadaos (nao necessariamente organizados >numa organizacao formal) pode entregar peticoes na Assembleia da >Republica.

    Um grupo de cidadaos (sendo mais do que X mil) tem representatividade garantida perante o orgao Assembleia da Republica porque ha' uma constituicao e uns estatutos (da Assembleia) que assim o obrigam e garantem. Estao, portanto e por isso, automaticamente "organizados numa organizacao formal". Existe a figura "grupo de cidadaos" e tem forca legal.

    Um grupo de cidadaos, mesmo sendo mais do X mil, nao tem representatividade rigorosamente nenhuma perante nenhuma empresa, porque nao ha' mecanismo nenhum que o obrigue, garanta ou sequer configure. Quando muito sera' um grupo de opiniao.

    >Entao provavelmente a questao e': nao tera' um grupo de opiniao mais >força que um grupo formal? >

    Parece que este e' que tem sido o "nosso" ponto de divergencia :-)

    Obviamente e' uma questao de opiniao. A *minha* opiniao e' que nao. Um grupo de opiniao tem menos forca do que um grupo formal. Se os grupos de opiniao tivessem mais forca do que os grupos formais a droga ja' teria sido liberalizada, a seguranca social ja' tinha sido eliminada, o spam ja' tinha acabado e o Linux ja' tinha sido adoptado em grande escala na maior parte das empresas :-)

    Cumprimentos -- Mario Valente
    Re:Legitimidade e força (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 10:40 GMT (#7)
    Concordo. E devimos apresentar a caderneta militar, o boletim de vacinas e preencher o questionário em triplicado, e uma quarta vez em forma de requerimento em papel de 25 linhas.

    Get a clue...

    Nao fui eu (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 11:10 GMT (#8)
    Pf ignorem o comentario "Legitimidade e força"!

    Nao fui eu que o escrevi! Foi um anonimo cobarde a fazer-se passar por mim!

    Cumprimentos -- Mario Valente

    Re:Nao fui eu (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 11:13 GMT (#9)
    Pf ignorem o comentario "Não fui eu"!

    Nao fui eu que o escrevi! Foi um anonimo cobarde a fazer-se passar por mim!

    Cumprimentos -- Mario Valente

    cobardes anonimos (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 11:24 GMT (#10)
    sugiro que a partir de agora aos posts anonimos seja atribuida automaticamente a assinatura: Cumprimentos -- Mario Valente Cumprimentos -- Mario Valente
    Re:cobardes anonimos (Pontos:1)
    por Sub em 21-07-00 11:52 GMT (#40)
    (Utilizador Info)
    sugiro que o Mario Valente se registe e que passe a assinar por si proprio. tenho a certeza que esse senhor tem as devidas capacidades para o fazer sem medo do lobo mau detectar o IP de onde ele esta' a ligar e que provavelmente determinará em que falhan^H^H^H^H^H^H project secreto está a trabalhar agora...

    (até podia assinar
    Cumprimentos -- Mario Valente)
    Re:Legitimidade e força (Pontos:1)
    por pTd em 21-07-00 0:55 GMT (#37)
    (Utilizador Info)
    Ó Mário, vê-se bem que foste tu, deixem-se lá de gozos com cobardias anónimas. desculpa aproveitar aqui o cantinho, mas não queres um dia falar em privado da FFE? Curioso... também me senti entalado... afinal quem lucrou com aquilo?
    Re:Legitimidade e força (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 21-07-00 10:38 GMT (#39)
    >não queres um dia falar em privado da FFE? Oops. Devia ter cortado esse comentario :-) Sempre ao dispor. O meu email esta' nos posts, mas de qq forma e' mvalente@ruido-visual.pt C U! -- Mario Valente
    Re:Legitimidade e força (Pontos:1)
    por Sub em 21-07-00 11:53 GMT (#41)
    (Utilizador Info)
    pTd? aka ptdarling? aka Paulo Querido? LOOOOOOOOOOOOL
    Fanatismo ?? (Pontos:1)
    por nmarques em 20-07-00 11:43 GMT (#11)
    (Utilizador Info) http://nmarques.xpto.org

    Com espressões como esta "Forçar utilizadores a usar Linux", "Denegrir gratuitamente outros sistemos operativos", penso que afinal isto anda pior que o que se diz, está correcto e concordo com a situação que apresentam, mas a situação é simples, isto depende em muito da formação e maturidade das pessoas e em muito do civismo das mesmas, penso que qualquer utilizador de linux minimamente maduro nao anda por aí armado em mau a forçar ninguem e muito menos a denegrir alguma coisa, mas sim sabe apontar e com explicaçoes plausiveis um ou dos defeitos de alguma tecnologia proprietaria e sabe difundir as suas ideias e experiencia positiva com Linux. Nesta altura do campeonato o mais importante para chamar as pessoas á razão e abrir novas portas nas crenças informaticas das pessoas passa em muito por uma divulgaçao, nao difamaçao da tal tecnologia proprietária, tudo depende das organizações, entidades se preferirem que exitem alctualmente em Portugal.

    Uma situação e penso que muitas pessoas concordam com isto, é que actualmente todas estas entidades andas um pouco a agir por conta propria e vao-se dando situaçoes que nao deveriam acontecer, entre elas diga-se por exemplo que muitos projectos que sao levados a cabo so sao comunicados a x ou y entidade quando se apresenta o programa, nao deveria acontecer assim, podia ser muito mais util se x instituiçao aprensentasse um esboço do projecto para que a entidade y e a z podessem tambem ajudar, nao se trata de "roubar louros" ou situação do genero, mas sim juntar esforços e amealhar recursos, assim é que se deveria agir e este artigo já vem um pouco nessa linha de pensamento, no entanto entre as varias instituiçoes que existem deveria haver um consenso e mais dialogo... que eu penso nao existir... Pensem nisso... e em vez de se fazer uma Mega LIP no porto com a organizaçao do Reino Linux, pq nao fazer uma Tera LIP no Porto organizada pelo Reino Linux e com o apoio do PLUG, GUL e restantes instituiçoes ?? de certo que se nos tivessem comunicado se teriam arranjado uns milhares de CDs diversos e talvez nao tivessemos que contar so com os brindes das empresas comerciais... Podemos fazer mais e melhor, tudo depende de nós...

    3;=)


    Nelson Marques
    Pois, pois, pois... (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 13:59 GMT (#12)
    >O Linux começa a ser mundialmente aceite como
    >tecnicamente superior a qualquer outro sistema
    >operativo, com a excepção óbvia de certas áreas
    >muito específicas.

        OK -- onde e' que diz exactamente que o Linux
    e' melhor que Solaris, Tru64, HP-UX, *BSD, AIX,
    etc ??

        Pensava que alguem com tanto senso tecnico como
    voces resistia a "fud", mas afinal voces tentam
    passar tanto fud como a concorrencia!!

        E' o costume... quando o pessoal ganha palas
    ficam como os burros.

        Humm... 33 assinaturas, fixe.

        Cumprimentos,

    --Nuno.
    Re:Pois, pois, pois... (Pontos:1)
    por Tintim em 20-07-00 14:47 GMT (#14)
    (Utilizador Info) http://paulo.trezentos.gul.pt
    Viva!

    Realmente a frase nao soa muito bem.
    Existem certas contribuicoes que implicam fazer uma nova versao do manifesto e a tua e' uma delas.
    A ideia que se pretendia passar e' q o Linux nao e' pouco eficiente / pesado.
    Provavelmente ficara' melhor: "O Linux começa a ser mundialmente reconhecido como sólido, eficiente e e uma boa opção para a maioria das aplicações que se faz de um sistema operativo".
    Obrigado pela tua contribuição. Pena e' q tenha sido pela negativa e nao tenhas feito propostas construtivas. Agora sou eu que digo... E' o costume :-)

    Re:Pois, pois, pois... (Pontos:1)
    por jmce em 20-07-00 15:12 GMT (#15)
    (Utilizador Info)
    Pois, a frase era vulneravel. Muitos sabem que certas partes de outros sistemas operativos sao melhores que as correspondentes no Linux, outras piores. Em relacao a algumas outras variantes de Unix, como o AIX, e' tipico ver-se administradores de sistemas a "rosnar" contra as "manias" e diferencas "gratuitas" criadas aparentemente para diferenciar o produto e nao por conveniencia tecnica, apesar da qualidade excepcional de algumas componentes.

    Para mim, o "melhor" tem um sentido mais global e nem sequer estritamente tecnico. Fazendo o balanco, prefiro usar Linux, nao so' pela qualidade tecnica mas tambem pelo tipo de licenca e atitude e pela comunidade que o rodeia e suporta... o que acaba por ter consequencias tecnicas e economicas bem palpaveis. Prefiro-o mesmo quando ha' meios economicos para pagar outros sistemas.

    Isto e' valido para outro software livre. Sei que o Gimp tem (tinha?) por exemplo problemas com a qualidade das letras escritas com ele (antialising menos bom...), mas nao e' por isso que o deixaria de usar em combinacao com outras ferramentas que o suplementam. A nao ser no caso das tais necessidades muito especiais.

    Afinal, o Google adoptou a mesma estrategia... Outros sistemas podiam dar mais performance, mas no conjunto acharam o Linux o "melhor".

    Era bom tentar passar esta ideia no manifesto, de forma tao sintetica como nas frases ja' indicadas. So' que se a primeira parecia um "overstatement", a que agora propoes e' talvez um bocadinho "understatement"...
    Re:Pois, pois, pois... (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 15:23 GMT (#18)

    Tens razao Paulo, desculpa -- podia ter sido
    mais positivo.


    Vim agora da cidade mais horrivel do planeta, depois de uma viajem de 6 horas num comboio.



    Nota mental: nao responder a posts depois de sair de transportes publicos. :)

    --Nuno.

    Re:Pois, pois, pois... (Pontos:1)
    por buffer em 21-07-00 15:35 GMT (#42)
    (Utilizador Info) http://www.coders-pt.org

    (offtopic)

    nao te roubaram nada ?

    da maneira como isto 'anda' (alias, não anda)


    -- what was my problem with man You ask? No.. I ask you what was man's problem with me..

    o exemplo hotmail.com (Pontos:2, Interessante)
    por joao em 20-07-00 15:27 GMT (#20)
    (Utilizador Info) http://www.explicacoes.com
    Le-se frequentemente no Gildot que o Linux é um sistema operativo melhor que o sistema operativo mais usado.


    Mas as pessoas que o dizem parecem não ter consciencia que não basta que seja melhor para que seja adoptado. Nem basta que as pessoas se convençam que de facto é melhor.


    Já repararam na quantidade de pessoas que usa email hotmail.com? No entanto o hotmail é extremamente lento e extremamente irritante de usar. Porque é que as pessoas não mudam para o megamail.pt, que é muito mais rápido? Porque é que as pessoas que não têm mail se vão inscrever no hotmail e não no megamail.pt


    As pessoas que já estão no hotmail.com têm muitas desvantagens em mudar porque teriam de avisar toda a gente que conhecem da mudança. Por outro lado não conhecem o megamail.pt porque é um assunto que não lhes interessa porque já teem o seu problema de webmail resolvido. É uma questão de economia da atenção. As pessoas não podem dedicar a sua atenção constantemente ao mesmo assunto. Teem mais em que pensar.


    Os utilizadores que escolhem pela primeira vez um webmail escolhem o hotmail porque? Porque o webmail mais utilizado é o hotmail.com e toda a gente recebe mensagens de possoas com conta no webmail. Assim, quando é necessario escolher um webmail o hotmail é a escolha obvia porque a unica conhecida pela maior parte dos utilizadores. Como diria um grande filosofo: "Chuta-se com o pé que está mais à mão".


    O lider de mercado tem sempre duas vantagens importantes: uma carteira de clientes com bastante inercia e publicidade gratuita que decorre da propria ubiquidade do produto. Contra estes dois factores ser melhor não é suficiente.



    Re:o exemplo hotmail.com (Pontos:1)
    por vaf em 20-07-00 15:38 GMT (#21)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/users/vaf12086/
    Esse argumento já tem barbas e tem uma resposta simples:

    É excactamente contra isso que nós estamos a lutar!!

    Cumprimentos,

    Vasco Figueira
    resposta errada (Pontos:1)
    por joao em 20-07-00 15:56 GMT (#23)
    (Utilizador Info) http://www.explicacoes.com
    Isso não é uma resposta. O argumento tem Barbas. Não sabia. Sou novo por aqui. Mas suficientemente inteligente para perceber que o argumento é ignorado. Os utilizadores do Gildot não se colocam no lugar do utilizador comum, não profissional da informática. Continuam a utilizar o argumento de que o Linux é melhor até à exaustão. Esse é um argumento que convence aqueles que já estão convencidos.
    Re:resposta errada (Pontos:1)
    por vaf em 20-07-00 16:13 GMT (#27)
    (Utilizador Info) http://students.fct.unl.pt/users/vaf12086/
    Mas suficientemente inteligente para perceber que o argumento é ignorado.

    Não, o argumento não é ignorado. Todos os evangelizadores de Linux, por assim dizer, conhecem perfeitamente essa inércia dos utilizadores com menos garra.

    Agora, o que temos de fazer é justamente lutar contra essa inércia. Como? Fazendo aquilo que está ao nosso alcance. Escrever documentação, organizar evetos, falar com amigos, etc, etc...

    Temos de contrariar os tais dois trunfos que qualquer empresa dominante tem e que tu bem mencionaste.

    Cumprimentos,

    Vasco Figueira
    Re:resposta errada (Pontos:1)
    por jmce em 20-07-00 17:53 GMT (#32)
    (Utilizador Info)
    Acho que ha' por ai' um mal entendido. Muitos utilizadores de Linux convivem diariamente com o utilizador "comum", habituado a Windows ou mesmo nao habituado a usar computadores. Conseguem perceber a visao dos outros ate' por necessidade profissional. Been there, done that. Com utilizadores que mal encontravam o interruptor do computador e comecaram a usar Linux. E alguns dos quais hoje nao querem outra coisa.

    Acho que boa parte dos que gostaram a fundo de Linux se esforcou (e de que maneira) no sentido de explicar as razoes porque usa Linux com argumentos um bocadinho menos pobres do que a simples repeticao exaustiva e violenta de que "a minha galinha e' melhor que a da vizinha", uma posicao mais tipica de entusiasta "de bancada", tantas vezes sem conhecimento de causa. So' que talvez sejam estes os que berram mais e por isso (infelizmente) os tenhas ouvido apenas a eles ate' agora. Na semana a seguir talvez estejam a seguir outra moda qualquer. Essa atitude nem sequer e' exclusiva do tal estereotipo do "jovenzinho inadaptado"; ja' a ouvi de gente com quase todas as idades e graus de ensino (ate' aos pincaros das posicoes de responsabilidade).

    Gostar de Linux a serio nao e' querer manter os outros na ignorancia nem aspirar a ser membro de uma elite arrogante. Se gostamos do sistema que usamos, e' natural que gostemos de o divulgar, e divulgar correctamente; foi assim que o Linux se espalhou com um "marketing sem marketing", como alguem dizia. Foram as "elites"? Foram so' os profissionais de informatica? Alguma revisao da historia cara a certas empresas gosta de fazer crer que sim, que tudo isto nao passa de um gueto de "nerdity".

    Mesmo do ponto de vista comercial, repetir mindlessly "Linux e' melhor... Linux e' melhor" nao costuma ser suficiente quando se vai propor uma solucao. Essa e' a posicao facil para uma empresa gigante que ja' domina o mercado, mas nao nos safariamos com isso.

    Sobretudo acho que posso falar por muita gente quando digo que a ignorancia nao e' para ser vista como defeito ou crime mas como algo que se deve tentar mudar. Sem esperar que todos usem computadores da mesma maneira ou possam sequer ser motivados para aprender informatica a fundo, nao queremos ir para o extremo oposto e insultar a inteligencia dos outros.

    Nem todos se esqueceram do tempo em que ainda nem sequer usavam computadores. E nem todos comecaram por usar Linux.
    Re:o exemplo hotmail.com - off-topic (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 15:48 GMT (#22)
    E porque^ o megamail, que so da' 3 MB de espaco e nao tem metade das features que outros produtos que ai andam em .pt tem e dao 5 MB, acesso POP, redireccionamento para telemoveis, etc??

    O megamail e' a megabarraca do nosso governo que para variar gastou mais um milhaozinho do nosso bolso (directo para a Telecel e Sun) para que os portugueses tenham ainda outro webmail que escolher de entre:
    netsapo (pelo que dizem e' o mais "estavel"), netc, xekmail, portugalmail, mail-pt, clix, oninet, etc, etc.
    Re:o exemplo hotmail.com - off-topic (Pontos:1)
    por joao em 20-07-00 16:01 GMT (#25)
    (Utilizador Info) http://www.explicacoes.com
    Dei o exemplo do megamail.pt porque parece ser o mais rápido e para mim ser rápido é importante. Concordo que o megamail é uma intervenção desnecessária do estado e uma forma de concorrencia desleal em relação aos privados. Não pretendia discutir qual é o melhor webmail. Queria sim mostrar que ser conhecido é mais vantajoso que ser melhor. Alias, se não escolhi o melhor como exemplo, isso s´vem provar o meu ponto. Não escolhi outro porque o megamail é dos poucos que eu conheço.
    Re:o exemplo hotmail.com (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 20-07-00 17:54 GMT (#34)
    É uma questão de economia da atenção. As pessoas não podem dedicar a sua atenção constantemente ao mesmo assunto. Teem mais em que pensar.

    O nosso país está-se a tornar num caso crónico de economia de atenção. Veja-se a qualidade dos nossos programas de televisão e a passividade de quem os vê.

    economia da atenção (Pontos:1)
    por joao em 20-07-00 18:08 GMT (#36)
    (Utilizador Info) http://www.explicacoes.com
    A economia da atenção é um factor critico da sociedade de informação e não um problema exclusivamente português. Em sociedades em que os produtos e as mensagens são abundantes o que é raro é o tempo que as pessoas dedicam às coisas. Todos os que quizerem determinar o rumo dos acontecimentos têm que saber lidar com isso.
    Re:o exemplo hotmail.com (Pontos:1)
    por cgd em 21-07-00 1:24 GMT (#38)
    (Utilizador Info) http://cgd.teleweb.pt

    por falar em hotmail, ja agora mencione-se o facto de correr em freebsd, ein!?

    em relacao ao "chutar com o pe que estava mais à mao", isso foi dito pelo Joao Pinto, do Porto, quando marcou um bom golo ao servico da seleccao (espero que nao fosse esse o grande filosofo a quem te referias)

    quanto ao teor do comentario: concordo plenamente -- o factor melhor nao é o mais importante, nem nos produtos, nem nas pessoas. é tudo uma relacao custo/qualidade/suporte/hype (ha 20 anos ninguem era despedido por comprar ibm, hoje ninguem é despedido por comprar MS).

    mas talvez em relacao às pessoas ainda acabe por ser mais injusto, que em relacao a produtos (em geral: software,hardware,maquinaria,etc...). muito do SW buggy que anda por ai, é escrito por pessoas que nunca o deveriam ter feito, pelo menos em termos profissionais, mas que acabam por "valer" tanto profissionalmente, como quem é bom. esta pagina (yikes: temporariamente sem conteudo ... legivel), mostra que nao estamos sós...
    -- carlos

    Sugestões constructivas. I hope :) (Pontos:2)
    por Xmal em 20-07-00 16:01 GMT (#24)
    (Utilizador Info) http://gsd.di.uminho.pt/cbm
    Se calhar tinha sido mais normal mandar isto por mail, mas como o thread ainda está curto, tomo a liberdade de o poluir com algumas sugestões e correcções:

    Algumas das sugestões são simples questões de estilo, e como tal são subjectivas.

    Isto é, a iniciar uma descoberta gradual ...
    Por outras palavras, iniciar uma descoberta gradual ...

    ... informatização que se deparam-lhes.
    ... informatização que se lhes deparam.

    podem ser reduzidos -ou mesmo anulados- através da substituição desse software proprietário pelo Linux e outras aplicações que estão disponíveis gratuitamente.
    podem ser reduzidos - ou mesmo anulados - pela opção por software e aplicações Linux, disponíveis gratuitamente, em alternativa ao software proprietário.

    diminuir-se a dependência face a um software detido por uma única empresa.
    diminuir-se a dependência face a software cujo controlo, e política de evolução, esteja alocado a uma única empresa. [mudança de paragrafo]

    Porque não começar a instalá-lo em empresas e em organismos estatais?
    Porque não se deu ainda início à sua instalação em larga escala nas empresas e em organismos estatais?

    Por duas razões.
    Por duas razões: [\n]

    para uma óptima utilização
    para uma utilização óptima

    Esta falta de informação, pretendemos superar com a ajuda de toda a comunidade
    É esta falta de informação que se pretende superar com a ajuda de toda a comunidade

    maior qualidade de vida
    melhor qualidade de vida

    Por fim sugiro mais uns newlines na sequencia final de perguntas e respostas.

    Its all for now folks. Vou tratar de assinar ...

    cbm

    Re:Sugestões constructivas. I hope :) (Pontos:1)
    por Åøeg em 20-07-00 16:59 GMT (#28)
    (Utilizador Info)
    Acho que o comentário de reduzir o custo fica bem, mas mencionar a possibilidade de o anular apenas mostra ingenuidade... O custo de instalar o Linux é mais baixo do que um sistema operativo concorrente mas isso não o anula.

    Se bem me lembro existiam alternativas na advogacia pró-linux à utilização da palavra "grátis", que frequentemente funciona contra o Linux (grátis entendido como barato->fraco).
    O que se poderia dizer é, por exemplo, que o software sai a custo zero (also known as J.V.Pinto cost - O bem tem valor e é adquirido quando uma componente habitual do preço é zero, sendo por isso numa primeira avaliação considerado um bom negócio).

    140 (Pontos:1)
    por buffer em 22-07-00 2:00 GMT (#43)
    (Utilizador Info) http://www.coders-pt.org
    140 assinaturas, nada mal, daqui a uns tempos, com um bom work de publicidade tao nas 5000..
    -- what was my problem with man You ask? No.. I ask you what was man's problem with me..
    Mailing-list (Pontos:1)
    por ruben em 22-07-00 2:05 GMT (#45)
    (Utilizador Info)
    Acho que este é um assunto cuja importância merece a criação de uma "mailing-list" para ser discutido. Não apenas este manifesto mas também futuras actividades de divulgação e "pressão" política. Senão assim que este artigo saia da página principal do Gildot o assunto será esquecido. Além disso muitas pessoas (eu incluído) que não subscrevem as listas de discussão do GUL/PLUG/etc... (onde eventualmente podem estar a ser discutidos estes assuntos neste momento) podem desejar dar o seu contributo.


    Ruben

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]