gildot

Topo
Sobre
FAQ
Tópicos
Autores
Preferências
Artigos
Sondagens
Propor artigo


8/3
gildicas
9/30
jobs
10/9
perguntas
10/25
press

 
IT jobs in PT
Contribuído por vd em 13-03-03 0:00
do departamento emprego-ou-trabalho?
Portugal hugomartires escreve "O que se passa no mercado IT em Portugal? O emprego em Portugal está difícil e parece que nem a área das tecnologias escapa a este problema.
Ja nos apercebemos da dificuldade de arranjar um emprego na área das novas tecnologias em Portugal!? Quais os recursos que temos para procurar emprego, tirando o jornal expresso?"

[vd] Continua...

"O que se passa com as ditas empresas de IT que raramente não respondem de volta as candidaturas, recebidas na maior parte dos casos, por e-mail? Será que o e-mail é qualquer coisa de estranho em Portugal?

As agências de recrutamento também não são uma alternativa, uma vez que os seus serviços, muitas vezes não servem de nada.

Afinal o que é que as empresas de IT estão a pensar? O que querem? Fazer omoletes sem ovos? Nao sei se uma empresa que siga esta política tem futuro, pois a concorrência é muita.

Escusado será dizer que não me encontro em Portugal a trabalhar de momento. Face a todas estas dificultades e falta de respeito pelos profissionais, resolvi procurar emprego na Europa. Depois de alguns CV's enviados (e respondidos), fui contactado por uma agência que viu o meu CV on-line. Nem sequer respondi a nenhum anúncio para essa agência. No espaço de uma semana desloquei-me para a Irlanda e comecei a trabalhar.

As coisas aqui funcionam, e a Irlanda está +/- ao nível de Portugal. Se calhar é por isso que o país se desenvolveu nos últimos anos, ao passo que nós, em Portugal, nao passamos "da cepa torta".

Queria gerar aqui um tópico de discussão que, por certo, diz respeito a todos nós que somos profissionais de IT.

Sorting files with sort and tsort | Uninet em todas as universidades  >

 

gildot Login
Login:

Password:

Referências
  • hugomartires
  • Mais acerca Portugal
  • Também por vd
  • Esta discussão foi arquivada. Não se pode acrescentar nenhum comentário.
    PARECE?! (Pontos:0, Esclarecedor)
    por Anonimo Cobarde em 13-03-03 0:40 GMT (#1)
    O emprego em Portugal esta dificil e parece que nem a area das tecnologias escapa a este problema.

    só podes tar a gozar... tá tudo com o emprego por um fio e ainda dizes parece

    por acaso quando penso em sair penso na Irlanda..

    O Futuro das TI em Portugal. (Pontos:0, Interessante)
    por Anonimo Cobarde em 13-03-03 0:53 GMT (#2)
    Todos sabemos que a conjuntura economica Nacional não está nos melhores dias para não dizer nos piores dias. Todos os dias dão entrada mais de 500 pessoas no IEFP à procura de trabalho, isto sem contar com aqueles que procuram o 1º emprego como por exemplo os jovens. Estou com esperança que em finais de 2003 principios de 2004 este panorama mude com o Euro 2004 e com os possiveis beneficios que aí traga. Enquanto isso espera-se mais um bocado de retracção não só por parte das TI como de uma forma geral a economia. Neste momento estou acabar uma formação especializada em TI e pelo andar da coisa vou andar à procura de emprego na pior altura de todas (Abril até Agosto).
    Re:O Futuro das TI em Portugal. (Pontos:0, Interessante)
    por Anonimo Cobarde em 14-03-03 1:19 GMT (#32)
    Boas.

    Não podia existir melhor "conjuntura económica" em Portugal. :-) Preços de tudo e mais alguma coisa a baixar, trabalho com fartura, wanabees e gestores de empresas de açucar a mudarem de ramo.... Oh, queira a Manelinha que a crise continue... :-)

    @093, Nbk

    P.s. - Viva o trabalho, abaixo o emprego! Lols. :)

    Re:O Futuro das TI em Portugal. (Pontos:2)
    por sincronia em 14-03-03 12:54 GMT (#53)
    (Utilizador Info) http://www.haxmen.org/
    Podias chutar algum na minha direcção. :)

    Já te disse que tenho um datacentre?

    Cheers.

    Tenho dito.

    Been there, done that, didn't wake up with the t-shirt...
    Re:O Futuro das TI em Portugal. (Pontos:2)
    por BlueNote em 13-03-03 22:06 GMT (#25)
    (Utilizador Info)
    Ah sim? Quer dizer que também vai dar milhões de euros de prejuízos?

    Man, estou mesmo mais descansado...

    Por acaso (Pontos:0)
    por Anonimo Cobarde em 13-03-03 1:03 GMT (#3)
    Por acaso tou a fazer um case study sobre a Irlanda para trabalho de fim de curso :) Aquilo sim foi um verdadeiro milagre economico, mas avizinham-se ai tempos dificeis para eles, so que eles partem com uma larga vantagem face a portugal, DIZEM QUE NAO TÊM MEDO DO QUE AI VEM, ao passo que os "maricas" dos tugas, tao cheios de medos que o alargamento lhes roube os fundos (la se vao os bm's, os merc, as casas com piscina e por ai fora). Basicamente enquanto a mentalidade de tuga for uma mentalidade de merda, nao saimos da cepa torta!
    Re:Por acaso (Pontos:1)
    por CREMAToRIO em 13-03-03 10:57 GMT (#7)
    (Utilizador Info)
    Aí é q é! Essa é a pu(r/t)a da verdade.
    Re:Por acaso (Pontos:1)
    por Dante em 13-03-03 12:03 GMT (#13)
    (Utilizador Info)
    depois nao te esqueças de publicar esse case study aqui no gildot
    Re:Por acaso (Pontos:2)
    por hugomartires em 13-03-03 12:44 GMT (#14)
    (Utilizador Info) http://hugomartires.cjb.net
    Atencao que a Irlanda tambem nao e nenhum paraiso e existem outros paieses na europa onde se ganha mais. A grande vantagem aqui e que existem muitas opurtunidades, pois a mao de obra e barata relativamente a outros paieses da europa.

    Concordo contigo em relacao a mentalidade. Aqui ve-se que se esta a fazer alguma coisa para mudar e para desenvolver o pais. Ai em PT andam a ver "novelas" de pedofilia. (atencao que nao estou a favor do Sr. Calos Cruz :) )
    ----------------------------------------------------------
    >>Each individual is unique... just like everybody else.
    Re:Por acaso (Pontos:3, Interessante)
    por sincronia em 13-03-03 22:33 GMT (#27)
    (Utilizador Info) http://www.haxmen.org/
    A posição de flexibilidade do governo Irlandês na altura do boom das TMTs, em que era concedido um estatuto tributário especial às ditas empresas terá ajudado ao head-start que a Irlanda leva. Por cá *ainda* não pegou o movimento de fazer o mesmo, embora os sinais apontem para uma mudança nessa direcção. Thank God!

    Mas nem todos os 'tugas são como dizes. Eu pessoalmente, recusei a Compaq na Irlanda para ficar por cá pelo burgo, mais precisamente aqui. Porquê? Porque acredito que se pode fazer tão bom ou melhor cá. Porque acreditei nas pessoas com quem tive o prazer de trabalhar . O $$$ também era cool e suficiente para não fazer as malinhas para as terras onde a Guiness corre como àgua. E sim, porque achei que podia fazer a diferença, infelizmente um gigante mau agarrou na empresa e não soube fazer nada com ela.

    Enfim, só para dizer que há quem acredite (ainda) que por cá se pode fazer de tudo. O problema é a confiança de um mercado que continua retrógado e a achar que a competência vem sob nomes de grandes consultoras ou empresas multinacionais para quem, por ironia, o contratante não passa de números não importando o sucesso deste, desde que a gorda factura da consultora seja paga.

    Estúpidos somos nós (enquanto mercado) que continuamos a suportar essa situação.
    A competência não gera entropia, então presumo que o gestor típico não é competente... oops.

    Tenho dito.

    Been there, done that, didn't wake up with the t-shirt...
    Já agora... (Pontos:3, Interessante)
    por Duke em 13-03-03 1:07 GMT (#4)
    (Utilizador Info) http://www.umproject.web.pt
    ...podias dizer onde meteste o currículo, pq há cá mais quem se queira ir embora!

    God is NoWHere...
    Re:Já agora... (Pontos:1)
    por hugomartires em 13-03-03 11:33 GMT (#10)
    (Utilizador Info) http://hugomartires.cjb.net
    Epa pus o CV em montes de sites, mas por acaso este emprego que arranjei foi uma agencia que viu o meu CV no site da Eures.
     
    ----------------------------------------------------------
    >>Each individual is unique... just like everybody else.
    Re:Já agora... (Pontos:2)
    por Montanelas em 14-03-03 9:32 GMT (#41)
    (Utilizador Info) http://www.war-zone.net
    Para quem não tem família, trabalhar fora de Portugal é capaz de ser mesmo a melhor opção, nem que seja nos Africa...

    Apenas é uma questão de apostar em sítios como o Monster.com e ir à luta. ;-)


    O Chico-Esperto pensa sempre em cima do joelho, incapaz de levantar a cabeça para ver ao longe, pois tem a espinha partida e os olhos cravados no umbigo.
    Re:Já agora... (Pontos:1)
    por edsonmedina em 14-03-03 11:27 GMT (#42)
    (Utilizador Info)
    "nos Africa" ?

    Presumo que isso seja uma piada racista dita por um branco que pensa que os pretos falam como nas anedotas racistas de brancos.

    Mania que estes gajos do cuzinho da europa tem de gozar com um continente que desconhecem.

    Re:Já agora... (Pontos:1)
    por hugomartires em 14-03-03 11:47 GMT (#43)
    (Utilizador Info) http://hugomartires.cjb.net
    Nao creio que o comentario tenha sido usado com essa intencao.

    Mas em relacao ao que disseste, nao deve haver muitos paises por ai fora que conhecam tao bem o continente africano como nos aqui do "cuzinho da europa".

    Ja agora aproveito para lancar outra pergunta: Alguem sabe sites de empregos em Africa, nomeadamente nas ex-colonias?
    ----------------------------------------------------------
    >>Each individual is unique... just like everybody else.
    Não sei se é bem assim... (Pontos:2, Esclarecedor)
    por edsonmedina em 14-03-03 14:47 GMT (#55)
    (Utilizador Info)
    Nao creio que o comentario tenha sido usado com essa intencao.

    E que outra intenção podia ter senão a de chamar os africanos de "pretos que nao sabem falar português"?
    É fácil para um branco dizer "esminino" como piada, mas não deixa de ser uma falta de respeito púnivel com um punho nos dentes, na minha opinião.

    Há pretos com diplomas. Há senhores doutores e senhores engenheiros "nos Afica" para quem nao sabe. Existem até - adivinhe-se - pretos que sabem falar português correctamente por incrível que pareça.

    Mas em relacao ao que disseste, nao deve haver muitos paises por ai fora que conhecam tao bem o continente africano como nos aqui do "cuzinho da europa".

    Não é bem assim, metade dos portugueses não sabe apontar a Guiné-Bissau num mapa (para não dizer Angola que é dezenas de vezes maior do que portugal). Mas isso é conversa para outra altura.

    Foi um comentário racista e por isso respondi agressivamente. Ponto final.

    Ja agora aproveito para lancar outra pergunta: Alguem sabe sites de empregos em Africa, nomeadamente nas ex-colonias?

    Já procurei, mas não encontrei nada de jeito... Se souberes de alguma coisa avisa. :)


    Re:Não sei se é bem assim... (Pontos:2)
    por MacLeod em 15-03-03 0:39 GMT (#75)
    (Utilizador Info)
    É fácil para um branco dizer "esminino" como piada, mas não deixa de ser uma falta de respeito púnivel com um punho nos dentes, na minha opinião.

    Não me parece. Por acaso costumo dizer "esminino" algumas vezes, e até acho bastante piada. Piada porque me acho no direito de gozar com quem fala português de maneira diferente de mim. Tal como gozo com os sotaques de quem diz por exemplo "binde cá" e etc., também gozo com os africanos por causa da maneira como falam português (como provavelmente gozarei daqui a uns tempos com os ucranianos). Mas não estou a ser racista por causa disso. Estou a caricaturar pormenores de sotaques. Quanto a ser punível (nota, o acento é no i) com um punho nos dentes, só demonstra mania da perseguição e intolerância. Das raras vezes em que gozam com o facto de eu ter ou não sotaque até acho piada e provavelmente brinco com a situação. Tu, ao contrário, já estás a pensar em perseguição e vingança.

    Há pretos com diplomas. Há senhores doutores e senhores engenheiros "nos Afica" para quem nao sabe. Existem até - adivinhe-se - pretos que sabem falar português correctamente por incrível que pareça.

    Não tenho nada contra os africanos ou descendentes de africanos -- pretos, como tu lhes chamas. Tenho até bons amigos (cá e lá) africanos ou descendentes de africanos. E por acaso até sei que existem doutores e engenheiros por lá. Sei onde ficam a generalidade dos países africanos (e duvido muito da tua estatística de algibeira), já estive mesmo em vários, e posso-te dizer que sinto um grande fascínio por África. Eu gozo (ou posso achar piada gozar) é com os sotaques, e não tem nada que ver com o facto de serem pretos, amarelos ou azuis. E compreendendo isso não me parece que o comentário anterior tenha sido racista.

    Re:Não sei se é bem assim... (Pontos:1)
    por edsonmedina em 14-03-03 18:56 GMT (#63)
    (Utilizador Info)
    Eu tenho boquinha para me defender. Tanto que me defendi do comentário com um mais agressivo.

    Quanto a não fazerem metade... Provavelmente foram eles que te fizeram o tecto e as paredes.

    Agora quanto ao teu problema de não gostares de pretos, tenho uma explicação para isso, chama-se MEDO!

    Anónimos cobardes podem sempre bater e fugir.

    Re:Já agora... (Pontos:2)
    por BlueNote em 14-03-03 15:20 GMT (#56)
    (Utilizador Info)
    Nao creio que o comentario tenha sido usado com essa intencao.

    Como na prática é ofensivo na mesma, tenho de concordar com o Edson! Como diziam os antigos,

    De boas intenções está o inferno cheio...

    Alguem sabe sites de empregos em Africa

    Assim à primeira vista e excluindo as plataformas de petróleo, o tráfico de armas e diamantes, não sei que raio de empregos haverá em África... por alguma rasão os Africanos têm de rumar à Europa e aos EUA...

    Re:Já agora... (Pontos:2)
    por Psiwar em 14-03-03 17:12 GMT (#60)
    (Utilizador Info) http://www.netcode.pt
    Por acaso até existem muitos quadros superiores e/ou pessoas de qualidade a rumar a África para trabalhar a nível técnico. E é com o trabalho destas pessoas que África pode evoluir. No entanto, estas pessoas são geralmente africanos que vieram estudar na Europa e voltam (junto com toda a ideologia que adquiriram) para ir melhorar o seu país de origem.
    Re:Já agora... (Pontos:1)
    por edsonmedina em 14-03-03 18:58 GMT (#64)
    (Utilizador Info)
    Isso quase parece uma insinuação, mas sim, tens razão. Não há muitas hipoteses de te doutorares em África.


    Re:Já agora... (Pontos:1)
    por hugomartires em 14-03-03 17:56 GMT (#62)
    (Utilizador Info) http://hugomartires.cjb.net
    Isso sim e que e um comentario racista!
    ----------------------------------------------------------
    >>Each individual is unique... just like everybody else.
    Re:Já agora... (Pontos:2)
    por BlueNote em 14-03-03 22:14 GMT (#66)
    (Utilizador Info)
    Não sei onde está o racismo no que escrevi, mas enfim...
    pois... (Pontos:1)
    por edsonmedina em 14-03-03 19:00 GMT (#65)
    (Utilizador Info)
    é triste, mas é verdade...

    a sede de poder consegue estragar sempre tudo.
    Tens razao! (Pontos:0, Informativo)
    por Anonimo Cobarde em 13-03-03 9:04 GMT (#6)
    Estando na França actualmente, tambem acho que tenho essa visao e foi uma das coisas que nao consegui em Portugal, hoje trabalho como developer/admin e olhando logico sempre a possibilidade de voltar, mas nao sei se sera em breve. Para ja tem-se um salario minimo que dispara para os 900 e tal euros mas pessoal das IT's nunca ganha o ordenado minimo! Pelo menos aqui.... Sei que a situaçao esta critica em Portugal, mas se querem um conselho: se temos pernas é para nos mexermos!!!
    sem assunto (Pontos:4, Informativo)
    por ruben dig em 13-03-03 10:58 GMT (#8)
    (Utilizador Info)
    Até parece que o Gildot e o Barrapunto estão combinados :) . Parece que em Espanha andam com os mesmos problemas.
    Para os Portugueses trabalhar em Espanha, Irlanda ou UK parece ser a melhor opcao: sugiro que procurem em Monster Ireland
    Em Portugal a página ITjobs é fixe para não se perder tempo.

    Uma crítica minha é que em Portugal é raro alguém dizer antes da entrevista quanto é que estão dispostos a pagar, só existe uma agencia do meu conhecimento que o divulga e por isso merece publicidade que é a haysworks.
    Embora não seja colega de curso do Hugo,(grande abraço), trabalhei lado a lado com ele na Universidade, no ultimo ano do curso. Depois procurei emprego enquanto iniciei o processo para iniciar uma empresa e não é que passado cerca de 80 dias de burocracia a empresa finalmente abriu actividade. (já ouvi dizer que no UK demora menos de uma semana o mesmo processo ...).
    Entretanto não encontrei emprego que gostasse e agora trabalho como freelancer mas a vida não tá fácil.

    O Subaru Impreza vai ter que esperar :( sniff...
    Re:sem assunto (Pontos:3, Interessante)
    por vd em 13-03-03 11:53 GMT (#12)
    (Utilizador Info) http://paradigma.co.pt
    O Subaru Impreza vai ter que esperar :( sniff...

    Não és nada modesto, não...

    Imho, a Belgica, Holanda e Alemanha são "muito" bons paises para se trabalhar na área das TI's.

    Há uma questão de 2 anos cheguei a ir a uma entrevista paga à Belgica e as condições de trabalho eram fenomenais. Infelizmente o factor "familia" sobrepunha-se sobre o factor "carreira".

    Emigrar é bom para quem pode e tem possibilidades familiares para isso.

    vd
    A Irlanda... (Pontos:2, Interessante)
    por Anonimo Cobarde em 13-03-03 11:32 GMT (#9)
    A Irlanda é um balão de ar. Não tem qualquer base que sustente o crescimento que tem tido e que é suportado por empresas como a Microsoft.
    O que aconteceu foi que a Irlanda ofereceu excelentes condições para a instalação de novas empresas (o que resultou), mas neste momento está totalmente dependente dessas empresas.
    Re:A Irlanda... (Pontos:1)
    por hugomartires em 13-03-03 17:22 GMT (#21)
    (Utilizador Info) http://hugomartires.cjb.net
    Entao e nao e isso que se passa em todo o lado?
    Lembram-se da AutoEuropa em PT? Pois e quando eles se mudarem para o leste o que va acontecer ao pessoal que la trabalha e olhem que nao sao poucos. Mas pelo menos empregaram pessoal durante uns anos. E assim que se faz circular o dinheiro que sustenta o pais e os seu habitantes.
    A empresas hoje estao sempre a mudar a sua localizacao, afinal essa e uma das vatangens da CE.
    O que se fez na Irlanda, foi tirar partido disso para ajudar o pais a desenvolver e funcionou.
    O que se esta a fazer em PT?
    Esbanjar o $$$ pelas reparticoes publicas.
    Sendo assim e preferivel termos um balao de ar do que um balao vazio que nao serve de nada.
    ----------------------------------------------------------
    >>Each individual is unique... just like everybody else.
    I&N (Pontos:2)
    por mvalente em 13-03-03 13:15 GMT (#17)
    (Utilizador Info) http://www.ruido-visual.pt/
    Quais os recursos que temos para procurar emprego, tirando o jornal expresso?"

    Ideias & Negocios

    Cumprimentos

    Mario Valente

    Re:I&N (Pontos:1)
    por fmt em 15-03-03 19:53 GMT (#76)
    (Utilizador Info) http://www.fmtavares.net/
    Eu recomendo o ITjobs. Funciona muito bem, é leve, agradável e principalmente útil.

    Filipe Miguel Tavares

    Re:I&N (Pontos:2)
    por sincronia em 13-03-03 22:44 GMT (#28)
    (Utilizador Info) http://www.haxmen.org/
    Procuras primeiro emprego?
    Tens uma ideia?
    Não, não é um daqueles sites de "trabalhe em casa"... é um conselho, vai ao IEFP e pergunta pelos auxílios à criação de emprego. Há apoios comunitários ao primeiro emprego e criação de emprego que são suficientes para criar uma empresa, depois tens outros que te devolvem uma percentagem do investimento em TI, já dá para começar. *Prepara-te para suar e secar nos processo que te levam ao caminho certo*

    Por muito que abomine a subsídiodependência, se "eles andem aí" vamos gerí-los da melhor forma, desde que te lembres sempre de uma coisa: NÃO ESPERES QUE HAJA SEMPRE SUBSÍDIOS. Aproveita a ajuda para te lançares e depois torna-te autosuficiente.

    Outro conselho: Se começares a ter sucesso, investe no que te faz bom, não num GTi qualquer. Por favor. ;)

    Tenho dito.

    Been there, done that, didn't wake up with the t-shirt...
    Re:I&N (Pontos:2)
    por mvalente em 14-03-03 0:30 GMT (#30)
    (Utilizador Info) http://www.ruido-visual.pt/
    Hear, hear. A minha sugestao é, de novo, o site da I & N onde é referido o do IEFP e muitos outros onde se podem procurar apoios. E nao é preciso muito $$$. Cada um dos 5 socios iniciais da Esoterica entrou apenas com 400 cts.

    Cumprimentos

    Mario Valente

    PS - E, provavelmente, dado que és recem licenciado, tens a sorte de te poder aventurar sem mulher, sem filhos, sem o "acomodanço" de um emprego previo e com cama e roupa lavada em casa dos pais. Nao foi o meu caso :-).

    Em tempo de guerra não se limpam armas (formatado) (Pontos:1, Interessante)
    por Anonimo Cobarde em 14-03-03 5:05 GMT (#37)
    Não me lembro da password e o mail da gildot teima em não chager, pelo que vai mesmo assim:

    Deixem-me só dizer o seguinte:

    Estes períodos de baixa na economia são normais. As economias funcionam por ciclos, durante "os positivos" factura-se mais, vende-se com mais facilidade, os salários são mais altos. Por outro lado são a pior altura para se desenvolver tecnologia! Os salários são muito altos, os melhores técnicos muito caros e a disponibilidade é muito menor.

    É precisamente nestes momentos em que as economias estão em ciclos negativos que se criam as melhores condições para pessoas com ideias e valor o demonstrarem. Os recursos humanos são mais baratos, há mais gente com valor disponível no mercado, desenvolver software é menos dispendioso.

    Agora é a altura para gente que acredita nos seus projectos os desenvolver. É a altura de se criarem empresas (e dentro das empresas projectos), de se investir, de se criarem os produtos que no próximo ciclo positivo da economia podem, se de facto tiverem valor e forem de encontro a necessidades do mercado, render umas "massas valentes".

    Alguém ficou desempregado? Toca a levantar a cabeça, em tempo de guerra não se limpam armas. Esta é a oportunidade para reunir uma equipa, para se pedir no centro de emprego o subsídio por inteiro para a criação de uma empresa, para se reunirem apoios de amigos, famelga e investidores, para se partir à luta por um bom produto que permita à empresa estar na "pole position" entre as empresas de IT que vão estar no mercado no próximo ciclo positivo da economia.

    Francamente; há "pouco tempo". Se as previsões de que se vai sair deste mau período algures em 2003 estiverem correctas há apenas alguns meses para se reunir uma equipa, criar um produto, trabalhar o dito cujo em termos de marketing e colocar a empresa "no mapa". Eu diria que para muitas empresas que estejam a nascer o tempo é mesmo muitíssimo curto.

    É normal que durante estes períodos negativos da economia o desemprego aumente. É mesmo desejável para um país em que a legislação laboral é tão absurda na protecção dos trabalhadores. É este o momento para as empresas reciclarem os seus quadros, mandarem para o desemprego os piores elementos, baixarem níveis salariais para valores mais adequados à realidade da facturação do que estes produzem, contratarem melhores quadros.

    Se quem hoje fica desempregado se tornar um empresário, líder, investidor, este é o quadro ideal para constituir uma empresa, para poder criar algo de novo, para ter a oportunidade de competir no mercado com menos "palha" e "ruído de fundo". Não é, ao contrário do que a maioria das pessoas provavelmente imagina, nos períodos de "euforia" e "especulação" que há mais facilidades de criar uma empresa. Há mais facilidade, sim senhor, para quem conhece os investidores, cai no "goto" de alguém "com massa". Não para o cidadão comum e não relacionado com algum "milionário". Para o comum dos mortais é agora que se deve investir. Há falta de massa? Investe-se com trabalho, capacidade de liderança, reunindo um grupo capaz de pessoas à volta de uma ideia em que acreditem.

    Durante o primeiro ano de vida da Mr Net passei as "passas do Algarve". Não recebi um tostão. Vivi literalmente dos "part-times" que fui arranjando, pequenos biscates, que dessem para ir pagando contas e o VISA. Foi terrível. A Minha esposa fez ao mesmo tempo uma empresa (missprint). Todo o dinheiro que ia para as empresas, para pagar salários, para criar "algo" em que acreditava (ou acreditava-mos). Ambas as empresas estão hoje "bem", felizmente, e a nossa vida é melhor do que foi durante esse ano em que ambos nos despedimos para perseguir os nossos sonhos. Vi o Mário Valente fazer o mesmo com a Esoterica. Quem pensa que ele "assentou praça como General" está muito enganado. Foi uma guerra digna de ser passada para filme, o Mário fez um ISP do "nada", sacrificou-se como poucas pessoas seriam capazes. Mas chegou lá! Realizou uma empresa. Isso foi ANTES da febre das "Dot Coms" e ninguém estava a ficar milionário por mexer em Linux ou em TCP/IP.

    Parem de choramingar. Isto não é o momento para "libelinhas". É para homens e mulheres com garra reunirem gente com valor e criarem soluções. Que mania de andar para aí a chorar pelos cantos à espera que outros tomem conta do leme. Mexam a peida. Se falharem, falharam, pelo menos esforçaram-se e perseguiram os vossos sonhos.

    Chocante é realizar que a maioria das pessoas não tem sonhos nenhuns... é "blá, blá, blá" quando estão na "mó de cima", dizendo mal de tudo e de todos, quando estão na "mó de baixo" é pedinchar por líderes que os acolham e deixem remar na mesma nau. Acontece que há uma grande carência quer de lideres, quer de naus, pelo que eu sugiro que sejam líderes e criem naus. Caso contrário vão viver às custas da segurança social, que (APOSTO) criticavam há poucos meses atrás, a pedinchar para que os "palhaços" (de ontem, quando o nosso emprego porreiro não estava em risco) que "afinal sobrevivem melhor à crise" vos dêem emprego.

    Força pessoal! Estes são os momentos em que se pode distinguir os homens e mulheres de valor dos fracos. Custa. É arriscado. Mas é a altura. Vendam tudo, criem dívidas, mas persigam os vossos sonhos. Criem riqueza! Criem empregos. Se são bons não há que ter medo. Há que ir à luta e provar esse valor.

    PLS
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:3, Esclarecedor)
    por leitao em 14-03-03 8:32 GMT (#38)
    (Utilizador Info) http://scaletrix.com/nuno/
    Força pessoal! Estes são os momentos em que se pode distinguir os homens e mulheres de valor dos fracos. Custa. É arriscado. Mas é a altura. Vendam tudo, criem dívidas, mas persigam os vossos sonhos. Criem riqueza! Criem empregos. Se são bons não há que ter medo. Há que ir à luta e provar esse valor.

    Quase que consigo ouvir os violinos em crescendo no background...

    Esta tua historia de como criaste a Mr.Net e' um epico! UM EPICO digo eu!

    Agora mais a serio, nunca percebi estes jovens entrepreneurs que acham que criar uma empresa e' como jogar ao monopolio -- no meu passado ja' criei duas, e dizer que criar uma empresa "vale sempre a pena" esta' quase a tocar na irresponsabilidade. Um empresario tem sempre "acountability" para quem emprega, e e' preciso ser maduro em relacao ao negocio -- e' que quando se emprega 2 amigos e' uma coisao -- quando se emprega 10 familias e' outra.

    O meu concelho e' mais: criarem valor numa empresa, ganhar experiencia, compreender bem o mercado, estabelecer os contactos, ganhar experiencia de gestao, e depois (la' para os 35 anos de idade) criar uma empresa quando ja' forem crescidinhos e maduros. Nao e' a mulher e os filhos que vos vao impedir -- so' um nabo e' que cria uma empresa com dinheiro do proprio bolso.


    "Arguing on the Internet is like running in the Special Olympics -- Even if you win you're still retarded."

    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por cgd em 14-03-03 11:59 GMT (#44)
    (Utilizador Info)

    Muito bem dito. É a velha filosofia das empresas nascerem de dentro para fora. Se olharmos para algumas das PMEs estáveis da nossa praça (~10 anos) vemos casos desses: pessoas que trabalhavam em grandes empresas, ganharam experiencia, contactos e fundaram a sua própria.

    O discurso do PLS é bonito, mas ele próprio diz algures que a dada altura se viu "à rasca" e foi-se safando à custa de biscates que dava para pagar as contas e o VISA (acho que é qq deste estilo). A pergunta é: onde é que estão esses biscates para o empresário-wannabe? Para esses, se um negocio falha, não há grande escapa. Volta à estaca zero (i.e. desempregado) mas numa situacao pior do que estava...


    -- carlos

    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por sincronia em 14-03-03 12:19 GMT (#47)
    (Utilizador Info) http://www.haxmen.org/
    Pois, e se continuar com medo que isso aconteça não vai passar de empresário-wannabe nunca.

    Ou acreditas na ideia, ou provas que nem tu acreditas no que querias fazer como empresário e desistes antes de começar.
    Morres à tua própria mão, the ultimate defeat.

    Tenho dito.

    Been there, done that, didn't wake up with the t-shirt...
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por pls em 14-03-03 23:01 GMT (#69)
    (Utilizador Info) http://pls.mrnet.pt
    O discurso do PLS é bonito, mas ele próprio diz algures que a dada altura se viu "à rasca" e foi-se safando à custa de biscates que dava para pagar as contas e o VISA (acho que é qq deste estilo). A pergunta é: onde é que estão esses biscates para o empresário-wannabe?

    Eu escrevia e vendia o que escrevia (programa acontece da rtp, sic, jornais, etc), dava cursos (para o IIR e IFC), fazia consultroria a empresas (fnac, valor sul, sic, rtp, etc), montava firewalls para empresas, montava proxies, servidores de mail, etc. Tudo a titulo pessoal... ao mesmo tempo que a empresa ia fazendo os primeiros sites.

    O discurso não é suposto ser "bonito". É a minha atitude. Funciona para mim. Se funciona para os outros ou não... não faço ideia.

    PLS
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por BlueNote em 14-03-03 12:23 GMT (#48)
    (Utilizador Info)
    Parabéns, leitao, excelente post: conciso, equilibrado e verdadeiramente a voz da lucidez!

    Quanto ao PLS: não te trates, pá. Não te trates, que não é preciso!

    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por pls em 14-03-03 23:03 GMT (#70)
    (Utilizador Info) http://pls.mrnet.pt
    Quanto ao PLS: não te trates, pá. Não te trates, que não é preciso!

    Não me estou a sair nada mal... pelo que, se não te importas, não me trato.

    PLS
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por BlueNote em 15-03-03 23:55 GMT (#78)
    (Utilizador Info)
    Vejamos: o que se há-de recomendar a alguém que, resumidamente:

    • pensa que é a bitola do mundo
    • em função disso acha que aquilo que foi certo para si próprio é certo para todos
    • acha que quem não concorda com o ponto anterior é um lamechas que anda aqui a mais ou não percebe nada disto
    • cultiva um evangelismo-levem-lá-disto-pela-goela

    Mas se achas que não te deves tratar, tens esse direito.

    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por sincronia em 14-03-03 12:35 GMT (#50)
    (Utilizador Info) http://www.haxmen.org/
    E se só tiveres de vender a tua ideia, se acreditares que é a única maneira, que de outra forma vai acabar corrompida?

    E se nunca deixares de ser um empregado?

    E se nunca chegares a ser empregador?

    Ganhar experiênica é bom, mas frequentemente é desculpa para evitar o stress de cumprir obrigações quando se emprega alguém.

    Idade tem pouco ou nada a ver com isso, com menos de 30 anos durante 5 anos tive uma empresa de "Apoio à Gestão" (os pormenores não interessam), a dita fechou o ano passado (por decisão e antes que o desleixo confesso na percepção de mercado trouxesse piores tempos), quando já empregava apenas a secretária e o contabilista (este último em avença), deves achar que não havia responsabilidades perante os ditos... A questão é que durante esse tempo estive empregado, e não me escusei às responsabilidades de empregador, não estava lá fisicamente para o controlo (talvez seja o teu problema, a visão curta demais para acreditar que o trabalho é feito mesmo que estejas a milhas), mas as remunerações eram pagas a tempo e horas e as obrigações fiscais cumpridas.

    Será que a desculpa de estar agora a ganhar experiência não é reflexo do medo de assumir uma responsabilidade, nem que seja a de acreditar no que fazes ou podes fazer?

    Voltando a quem empregas... enquanto trabalham para ti, recebem o que achas é justo, e sabem a situação em que se encontram, são livres de escolher, quando permanecem contigo sabem muito bem que podes fechar de um dia para o outro, ou pelo contrario que a empresa corre bem. SÃO PESSOAS! Não os trates como coitadinhos que precisam que tu cuides deles ou morrem! É esse o problema da tua argumentação.

    Quanto ao comentário aos jovens empregadores... eles estão no país a fazerem o seu melhor para tirar isto da "cepa torta" como alguém diziam aí em cima. Nem que seja por provar que se pode gerir de maneira eficiente, e ter um produto válido sem ser preciso um contracto com o Estado via amigos. E tu? Que fizeste para contribuir ultimamente?

    Tenho dito.

    Been there, done that, didn't wake up with the t-shirt...
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por BlueNote em 14-03-03 12:52 GMT (#51)
    (Utilizador Info)
    A questão é que durante esse tempo estive empregado

    Desculpa lá, mas se a empresa só serve para poderes dizer que tens emprego, isso não é ter uma empresa, é ter um hobby!

    enquanto trabalham para ti, recebem o que achas é justo, e sabem a situação em que se encontram, são livres de escolher, quando permanecem contigo sabem muito bem que podes fechar de um dia para o outro

    Está tudo dito -- é um empresário português!!

    I rest my case! QED!!!

    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por sincronia em 14-03-03 14:12 GMT (#54)
    (Utilizador Info) http://www.haxmen.org/
    Sou sim.

    Mas não estourei o $$$ da empresa em Ferraris nem em SAP e nunca contratei uma consultora estrangeira.

    E ninguém que tenha trabalhado na empresa está chateado comigo por isso se tens problemas, só existem na tua mente.

    Tenho dito.

    Been there, done that, didn't wake up with the t-shirt...
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por BlueNote em 14-03-03 15:23 GMT (#57)
    (Utilizador Info)
    ...I already rested my case...
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por mvalente em 14-03-03 22:40 GMT (#67)
    (Utilizador Info) http://www.ruido-visual.pt/
    so' um nabo e' que cria uma empresa com dinheiro do proprio bolso.

    Sem comentarios.

    Cumprimentos

    Mario Valente

    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por pls em 14-03-03 22:54 GMT (#68)
    (Utilizador Info) http://pls.mrnet.pt
    Agora mais a serio, nunca percebi estes jovens entrepreneurs que acham que criar uma empresa e' como jogar ao monopolio -- no meu passado ja' criei duas, e dizer que criar uma empresa "vale sempre a pena" esta' quase a tocar na irresponsabilidade. Um empresario tem sempre "acountability" para quem emprega, e e' preciso ser maduro em relacao ao negocio -- e' que quando se emprega 2 amigos e' uma coisao -- quando se emprega 10 familias e' outra.

    Eu emprego mais de 10 familias. Mas nunca disse que "criar uma empresa vale sempre a pena"... quanto muito que as pessoas perseguirem os seus sonhos vale a pena. O que não é a mesma coisa.

    so' um nabo e' que cria uma empresa com dinheiro do proprio bolso.

    Grande nabo que eu sou...

    PLS
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:1)
    por Lowgitek em 14-03-03 8:33 GMT (#39)
    (Utilizador Info) http://www.youthinkwedo.com
    Embora não possa deixar de concordar com boa parte do teu comentário, não podia deixar de te fazer uma pergunta, achas que em portugal ganha-se bem ??? Sim não tou a falar daqueles que tem "empregos" mas do panorama geral nacional no qual eu me incluo... :(

    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por pls em 14-03-03 23:08 GMT (#71)
    (Utilizador Info) http://pls.mrnet.pt
    Embora não possa deixar de concordar com boa parte do teu comentário, não podia deixar de te fazer uma pergunta, achas que em portugal ganha-se bem ???

    Acho que não, que não se ganha "bem". mas também acho que em Portugal se produz pouco, que as pessoas rapidamente se encostam a "empregos" sem a mais pequena ponta de vontade de darem o seu melhor a menos que a isso sejam obrigadas, que há muita gente a receber "mais do que produz" (e esses ganham "muito bem").

    PLS
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por Montanelas em 14-03-03 9:17 GMT (#40)
    (Utilizador Info) http://www.war-zone.net
    Muito bonito, mas em Portugal não há nem cultura nem escola de empreendedorismo dignas desse nome.

    Enfim, quem tem olho é rei...


    O Chico-Esperto pensa sempre em cima do joelho, incapaz de levantar a cabeça para ver ao longe, pois tem a espinha partida e os olhos cravados no umbigo.
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por cgd em 14-03-03 12:03 GMT (#46)
    (Utilizador Info)

    Não é so cultura nem escola (presumo no sentido de tradição) que faltam. Esses são os cliches dos costume. Falta agilizar a maquina do estado que te permite criar empresas e dinamizar mercado. O principal problema para a criacao de uma empresa é a sua sustentabilidade. So a consegues com clientes, e so consegues clientes se as outras empresas (assumindo que a criada é de prestacao de servicos empresariais) não se atirarem sempre às conhecidas até eventualmente adquirirem posicoes accionistas.


    -- carlos

    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por pls em 14-03-03 23:15 GMT (#72)
    (Utilizador Info) http://pls.mrnet.pt
    Muito bonito, mas em Portugal não há nem cultura nem escola de empreendedorismo dignas desse nome.

    Pois não. Há uma cultura de facilitismo e culto da segurança que é pouco compatível com mercados concorrenciais.

    As pessoas escolhem as vias mais fáceis, mais seguras, em que o risco seja tão pequeno quanto possível. Depois estranham que as recompensas potenciais sejam igualmente pequenas. Queixam-se que lhes faltaram as oportunidades para chegar mais longe.

    A realidade é que para haver empresas alguém corre riscos, para haver capital alguém o arrisca, para se criar algo é preciso por os "ditos cujos" onde os portugueses tipicamente só metem "a garganta".

    Acontece que "ser assim" não significa que não possa mudar. Conheço vários fundadores de empresas (janto com umas dezenas deles todos os meses :-), em comum entre todos há no passado terem corrido riscos. Uns sairam-se "muito bem", outros "nem por isso". Mas metem os cheques onde muita gente só vai com a garganta, e isso só por si tem valor. É um orgulho estar a mesma mesa que eles nesses jantares.

    PLS
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por Psiwar em 14-03-03 12:01 GMT (#45)
    (Utilizador Info) http://www.netcode.pt
    ...em tempo de guerra não se limpam armas
    É justamente durante o tempo de guerra que as armas mais precisam de ser limpas...

    É mesmo desejável para um país em que a legislação laboral é tão absurda na protecção dos trabalhadores.
    Ao contrário de abusiva dos trabalhadores? É que aqui só conhecemos 8 ou 80.

    para se pedir no centro de emprego o subsídio por inteiro para a criação de uma empresa
    A mim não me deram nada por inteiro... Bem, nem sequer parcial... Já lá vão 3 anos e ainda me causa impressão o dinheiro gasto em tantas burocracias.

    Em suma, parece um post interessante mas acabou a soar um bocado assim "A coisa tá mal? Que se lixe! Vamos criar uma empresa, de preferência com o dinheiros dos outros e se correr mal paciência. Pelo menos o dinheiro não era nosso... ehehe." - Até que ponto não será esta mentalidade uma das razões porque estamos em dificuldades...
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por pls em 14-03-03 23:19 GMT (#73)
    (Utilizador Info) http://pls.mrnet.pt
    Em suma, parece um post interessante mas acabou a soar um bocado assim "A coisa tá mal? Que se lixe! Vamos criar uma empresa, de preferência com o dinheiros dos outros e se correr mal paciência. Pelo menos o dinheiro não era nosso... ehehe." - Até que ponto não será esta mentalidade uma das razões porque estamos em dificuldades...

    Essa do "dinheiro dos outros" não é para mim concerteza. Ao contrário do "Leitão" eu acredito em investir dinheiro nos meus projectos (sou um nabo de acordo com a teoria dele). 75% do capital da mrnet é dos sócios gerentes, 25 de amigos nossos que acreditam em nós... não devemos 1 tostão a ninguém e temos os nossos salários e contas em dia.

    PLS
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:2)
    por sincronia em 14-03-03 12:52 GMT (#52)
    (Utilizador Info) http://www.haxmen.org/
    Só um aparte ligeiramente off-topic mas relativo ao comentário da Segurança Social.

    Mesmo nestes tempos estranhos, continuo contra o regime de segurança social tal como existe.

    Penso que as Prestações de Desemprego, ou como raio lhes chamam, são um meio de reaver o que o estado me tira.
    O que defendo é a possibilidade de escolha do indíviduo em relação à gestão que faz da sua vida. Sumariamente, quero escolher uma companhia de seguros com um produto para a situação "emprego", e uma vez contratado quero pagar os prémios.

    O que não quero é ser obrigado a dar x% todos os meses para um sistema que está falido, ou que não vai responder às minhas necessidades quando precisar dele.

    Vê a situação desta forma, o indivíduo Zé foi enviado para o desemprego sem passar pela casa de partida e sem receber um tusto. Espera 3 a 12 meses até lhe chegar o primeiro cheque de subsídio. Se não quiser receber o dito em prestações e quiser criar o próprio emprego, não interessa que seja um Economista, ou um Padeiro, tem que aturar 15000 sessões de gestão de empresas dadas por alguém que muito possivelmente percebe daquilo bastante menos que ele. Depois disso, e embora o Zé (que até é licenciado em Informática de Gestão e tem um MBA) tenha apresentado um projecto completo com previsões a 5 e 10 anos, tem de passar pela examinadora recém-licenciada que foi posta na função pública com carimbos de aprovado e reprovado na mão. Ora essa examinadora de projectos que não tem experiência de mercado, que nunca trabalhou fora do organismo público é que vai dizer ao Zé (nosso conhecido) que o projecto dele é valido ou não???

    Faz sentido???

    Se fosse na onda do seguro de emprego (produto liberalizado no mercado), contratado a uma entidade privada, acho que só tinhas de responder a duas perguntas:

    - Perdeu o emprego? (Sim/não - sem comprovativos, sem opção "voluntáriamente" / "Involuntáriamente" - até te podias demitir porque o patrão que vinha da indústria do açucar era um mentecapto)

    - Quer em prestações ou todo de uma vez? (Self explanatory)

    E pronto, acho que dá para perceber porque continuo a dizer mal da Segurança Social, apesar de usufruir dos seus "serviços"?

    Não faz sentido que seja OBRIGADO a contribuir para um sistema falhado e incapaz de suprir as MINHAS necessidades.

    Cheers.

    Tenho dito.

    Been there, done that, didn't wake up with the t-shirt...
    Re:Em tempo de guerra não se limpam armas (formata (Pontos:0, Esclarecedor)
    por Anonimo Cobarde em 14-03-03 15:26 GMT (#58)
    Isso é uma algaraviada sem pés nem cabeça. Se o país começa a ser governado com gente com ideias dessas e sem nada na tola sem ser merda e uma grande dose de presunção, estamos completamente fodidos.

    Vai aprender princípios de governo, responsabilidade social, organização de sociedade, conceitos como "o que é o estado", e depois sim, diz alguma coisa.

    Isso nem é pensar, é cagar disparates!

    Re:From IG @ UALG (Pontos:1)
    por hugomartires em 13-03-03 11:38 GMT (#11)
    (Utilizador Info) http://hugomartires.cjb.net
    Epa muito obrigado, mas cumprimentos de quem!!??

    :)
    ----------------------------------------------------------
    >>Each individual is unique... just like everybody else.
    Re:From IG @ UALG (Pontos:1)
    por tourt em 13-03-03 14:24 GMT (#19)
    (Utilizador Info)
    Meus não foram!!
    Cumprimentos
    Artur Martins
    Minho Campus Party 2003 (30 Jun|03 Ago)
    Re:From IG @ UALG (Pontos:1)
    por hugomartires em 13-03-03 17:17 GMT (#20)
    (Utilizador Info) http://hugomartires.cjb.net
    Assim esta melhor!
    :)

    Cumprimentos para ti tambem.
    ----------------------------------------------------------
    >>Each individual is unique... just like everybody else.
    Re:tá mau (Pontos:2)
    por vd em 13-03-03 13:03 GMT (#16)
    (Utilizador Info) http://paradigma.co.pt
    Só está mau para quem está à espera que ao tirar um curso tem emprego cá fora.

    Ao contrário de outros que sem curso (ou até mesmo com curso) possuem a mentalidade do trabalho e arranjam-no, aqui ou lá fora.

    Há que distinguir as coisas.

    vd
    Re:tá mau (Pontos:1)
    por vianaman em 13-03-03 17:24 GMT (#22)
    (Utilizador Info)
    A pensar assim é que as coisas não mudam mesmo.
    Para ver que "está mau" não é preciso tirar um curso. É fácil apontar o que está mal. Mas daí até mudar vai um longo caminho.
    É preciso que mudemos todos, individualmente e colectivamente.
    Temos de nos considerar parte integrante do Estado, em vez de vê-lo como uma fonte de rendimentos e subsídios.
    E aí, a culpa não é só do políticos, mas também dos empresários, gestores e do proprio cidadão comum que liga mais ao futebol e ao BigBrother do que a assuntos de Estado, que dizem respeito a todos.

    Is this, the meaning of life?... Ah!...It's Lear again...

     

     

    [ Topo | Sugerir artigo | Artigos anteriores | Sondagens passadas | FAQ | Editores | Preferências | Contacto ]